Arquivo de tag observação

poradmin

O Caminho da Perfeição: desenvolvendo a visão e os poderes espirituais

O Caminho da Perfeição: desenvolvendo a visão e os poderes espirituais

No caminho da perfeição, desenvolvemos a visão e os poderes espirituais. Da visão espiritual fala-se muitas vezes, como sendo o sexto sentido. A humanidade comum tem cinco sentidos, porém, todos temos o sexto sentido latente e alguns, na vanguarda, o têm desenvolvido. No passado, tínhamos só quatro sentidos, desenvolvidos.

A primeira evidência do desenvolvimento do sexto sentido está na capacidade de sentir as vibrações de planos, além do físico. Quando chegamos a sentir estas vibrações, ainda que o sexto sentido não esteja desenvolvido ativamente, damo-nos conta da existência desses planos superiores e percebemos a verdade nos sistemas filosóficos que os descrevem.

Neste caso, está a maioria dos estudantes da filosofia esotérica. O fato de serem estudantes desta filosofia já mostra que são capazes de sentir a verdade nela contida e que são, mais ou menos, sensitivos às vibrações suprafísicas.

O sexto sentido, ou visão espiritual, com que obtemos conhecimento direto dos planos superiores, é triplo. O grau mais baixo é a visão etérica que percebe o Mundo etérico com as suas entidades tais como os espíritos da natureza. A visão etérica permite ver através de objetos físicos e observar as condições de qualquer de suas partes. Isso se aplica a todas as substâncias, exceto o vidro. O vidro não é condutor de eletricidade. Este fato sugere uma conexão interessante entre os éteres, a visão etérea e a eletricidade. Vamos deixar este tema à meditação dos estudantes, esperando que dela tirem proveito.

O segundo grau de visão espiritual é a clarividência do Mundo do Desejo. Percebe o Mundo do Desejo e os Corpos de Desejos das entidades que vivem ali. Na clarividência, um objeto aparece completo ante a nossa vista. A clariaudiência é outro meio de entrar em contato com o Mundo do Desejo, capacitando-nos a ouvir as vozes espirituais daqueles que vivem ali e compreender sua misteriosa linguagem.

Pelo terceiro grau de visão espiritual, percebemos as realidades espirituais, no Mundo do Pensamento. Aqui, entramos em contato com os arquétipos de todas as coisas existentes. Estes arquétipos sendo entidades vivas, falam e instruem-nos sobre eles mesmos. É difícil pôr em ordem lógica os conhecimentos obtidos deste modo, porque os percebemos como uma totalidade e não como apresentá-los em partes distintas, como no caso de nossa visão física.

A visão espiritual pode ser positiva ou negativa. A forma positiva a aquela que o estudante de uma escola oculta positiva há de desenvolver. O desenvolvimento se opera pelo despertar da glândula pineal e do corpo pituitário e, além isso, pela conservação da força criadora sexual, que deve ascender para o cérebro.

Certos exercícios fazem vibrar o corpo pituitário, de tal modo a desviar as linhas das forças sexuais ascendentes, fazendo-as passar pela glândula pineal e pelo corpo pituitário, formando, assim, uma ponte entre os dois. Deste modo, obtém-se a visão espiritual positiva, sob o domínio da vontade.

No ocultista, a maior parte da corrente de força sexual flui para cima, pelo canal espinhal e pela laringe, até o cérebro e, dali, para baixo, ao coração. O ocultista desenvolve a parte intelectual da sua natureza em maior proporção que a parte da corrente flui para cima pelo coração e laringe, antes de chegar ao cérebro. O místico desenvolve a parte devocional da natureza, em grau maior que a parte intelectual. Ambas as formas pertencem ao desenvolvimento espiritual positivo e aumentam a visão espiritual.

O caminho negativo de desenvolvimento é o do médium. Este desenvolve sua faculdade por meio do plexo-solar e do sistema nervoso simpático, em vez de fazê-lo pelo cérebro e pelo sistema cérebro-espinhal. A visão do médium não está sob seu domínio, nem sujeita à sua vontade. Além disso, não a retém para as vidas futuras, enquanto a visão espiritual positiva, obtida pelo verdadeiro ocultista ou místico, retém-se para sempre.

O ocultista e o místico terão que obter o desenvolvimento nos dois sentidos: intelecto e coração.

O caminho negativo seguido pelo médium há de ser muitas vezes, entrar no desenvolvimento da visão espiritual positiva. Contudo não devemos, nunca, cultivar a mediunidade.

A visão espiritual e os poderes ocultos só podem ser desenvolvidos, de modo seguro, por uma vida de serviço em favor da humanidade. Se desenvolvemos estes poderes, por qualquer outro motivo que não seja o da colaboração com o grande plano da evolução, estaremos em perigo. Se nosso objetivo é o desejo egoísta de obter poderes, para favorecer, exclusivamente, nossos propósitos e nossas vantagens individuais, abrimos nossa “aura” a entidades más, que nos servirão temporariamente. Breve seremos nós que teremos de servi-las. E, pior, exigirão o pagamento da dívida até ao extremo. Paga a dívida, o aspirante é ainda, muitas vezes, arrastado para baixo, aos abismos da degradação.

A vaidade que alguém alimente por ter certo grau de desenvolvimento espiritual pode ser a porta de entrada de elementais na sua aura, o que muitas vezes, produz a queda do indivíduo. Por esta razão, a Bíblia é cientificamente correta, quando nos previne contra o orgulho. Este perigo apresenta-se de modo sério, quando trilhamos o caminho da perfeição. Os veículos do aspirante estão sensibilizados quer pela vida pura, quer pelos exercícios que pratica.

Tem que ser muito mais cuidadoso que as demais pessoas, para evitar sensualismo de qualquer natureza, porque o arrastaria e o esmagaria com maior rapidez que a outros.

Entre os primeiros exercícios que o aspirante ao conhecimento direto deve praticar, está a aguda observação de detalhes. É verdade que a maioria tem olhos e não vê. O aspirante deve se exercitar na arte de observar tudo em volta, com grande minúcia, porque do outro modo, sobrevirá um conflito entre as recordações conscientes, na Mente, e as recordações subconscientes, no Corpo Vital, e isso produzirá desarmonia.

Passando pela rua, podemos melhorar nossa observação, notando, distintamente, todas as casas e seus detalhes, os jardins, o estilo da arquitetura, etc. Mais tarde, deveríamos recordar estes detalhes.

A concentração e os pensamentos positivos são os poderes mentais a desenvolver depois. Nesta prática há que fixar a Mente num só ponto e não permitir que se distraia. A distração destrói o poder do pensamento. A concentração cria-o e fortifica-o. O pensamento positivo alcançará sempre seu objetivo. O pensamento negativo é débil e nunca consegue grande coisa. O pensamento positivo facilitará uma Mente capaz de fazer milagres, em qualquer campo de ação, e nos concederá êxito. O pensamento negativo abre nossa aura às entidades de natureza indesejável.

Exercícios superiores são a meditação, o discernimento, a contemplação e a adoração. Informações sobre eles acham-se no livro “Conceito Rosacruz do Cosmos”. É muito recomendável seu estudo. A repetição sistemática de verdades espirituais faz com que as mesmas se introduzam e se fixem no Corpo Vital. Gradualmente, farão arte do caráter, mormente se reforçados por obras. Deste modo, podemos formar o nosso caráter como quisermos, e caráter é destino.

O aspirante, amiúde, retarda seu progresso por alimentar ansiedade, uma forma de medo. Deve fazer as coisas que sabe serem boas; não deve ter medo do futuro. “O perfeito amor expulsa o medo”.

É necessária esta vitória sobre o amor, antes de desenvolvermos nossos poderes ocultos em geral. Se não a dominarmos, não teremos segurança, para cruzar os planos invisíveis, e nem estaremos em condições, para percorrer esses planos, longe da proteção de nossos corpos físicos. Sentir medo é prova de que não estamos, ainda, completamente capacitados para dominar estas entidades, por conseguinte, é o primeiro grande inimigo que o estudante de ocultismo tem de vencer.

Alguns estudantes caem no erro de desenvolver a vidência espiritual, por meio de drogas, espelhos mágicos ou inadequados exercícios de respiração. Com o tempo, surgirão enfermidades ou obsessões, resultado dessas práticas de caráter negativo. Desenvolvem a visão espiritual, certamente, mas com vibrações irregulares. Os que seguem estas práticas abrem sua natureza ao Mundo do Desejo inferior e às suas entidades viciosas. Os exercícios de respiração orientais não são apropriados aos ocidentais. Algumas vezes, extraem o Corpo Vital do físico, cortando o laço entre os centros sensoriais etéricos e as células cerebrais, produzindo a loucura. Em outros casos produzem ruptura entre o Éter de Vida e o Químico, causa frequente de tuberculose. Nossos estudantes devem desconfiar seriamente dessas práticas; nem sequer fazer o menor ensaio. A respiração higiênica, profunda, e boa, é recomendável.

Finalmente, o equilíbrio, em todos os planos, é o grande objetivo do estudante de ocultismo. Este objetivo é triplo: primeiramente, a concentração mental; em segundo lugar, o equilíbrio emocional e, por último, o poder espiritual.

Todavia, ao obter tudo isto, tendo desenvolvido a visão superior e podendo abandonar seu corpo conscientemente, o aluno não possui a onisciência. Está, somente, no ponto de começar sua educação nos Mundos espirituais. Ali, tem de aprender, num curso de trabalho paciente e de aplicação assídua aos problemas do novo ambiente.

Podemos dar-nos conta, agora, como é tolice seguir os ensinamentos de qualquer mestre que desenvolveu, porventura, um dos três graus da visão espiritual e, talvez, de maneira imperfeita.

Tudo o que se obtém dos Mundos internos, por meio, de qualquer grau de visão espiritual, tem de ser submetido à prova da lógica e do bom senso. Se não resistir a esta prova, devemos rejeitar e fazer novas investigações, antes de aceitar.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz de novembro/1972)

poradmin

Dicas para melhorar nossa capacidade de Observação

Dicas para melhorar nossa capacidade de observação

 

    O emprego da faculdade de observação pelo aspirante à vida superior é de inestimável valor, pois é por meio dessa habilidade que ele pode sutilizar seu Éter de Luz (um dos dois éteres que compõem o Corpo-Alma) e também restaurar o ritmo e a harmonia de seu Corpo Denso. A definição de observação dada por Max Heindel, em sua décima primeira conferência do livro Cristianismo Rosacruz, refere-se ao “uso dos sentidos como meio de obter informações a respeito dos fenômenos que ocorrem ao nosso redor”. Sob esta consideração, sugere-se que o aspirante inicie, desde já, a criação do saudável hábito de observar todas as coisas que estão a sua volta. Alguns exercícios que podem auxiliá-lo neste processo. São eles: (1) de ordem visual (como a observação dos detalhes das arquiteturas das casas, das árvores, do movimento, por exemplo), (2) de ordem auditiva (tais como as modulações dos sons, do ritmo da fala de nossos amigos, do canto dos pássaros, etc.), (3) de ordem tátil (como sentir a brisa em nosso rosto e até mesmo, o ritmo do caminhar quando se anda pelas ruas), entre outros. Deste modo, o aspirante gradualmente torna-se consciente de todos os eventos pelo qual está inserido.
    Adiante no texto da citada conferencia, o Sr. Heindel dá uma explicação esotérica sobre a importância da observação. Ocorre que o Corpo Vital, independente da vontade do indivíduo, também funciona como um espelho, ou como uma película cinematográfica em movimento que não pára, nem por um segundo, de captar as imagens do ambiente no qual o aspirante está inserido. Semelhantemente, o Corpo Vital também capta as idéias que brotam de seu Espírito interno. O problema é que as pessoas, em sua maioria, não captam, de forma consciente, as mesmas informações que o Corpo Vital faz. Em outras palavras, a memória consciente, (estabelecida pela observação), não coincide com a memória gravada pelo Corpo Vital, e isso resulta em
uma importante discrepância (ou entrechoques de vibrações) que gradualmente destrói o Corpo Físico. Para atestar o fato de que as pessoas possuem olhos, mas não vêem, e ouvidos, porém não ouvem, pergunte qualquer detalhe sobre algum objeto, cena de filme, ou até mesmo algum sentimento que ela teve num determinado momento, e não raro receberemos uma resposta do tipo: “Não me lembro nem do que comi no almoço, como vou lembrar sobre o que você está me perguntando!”.
    O fato é que, quanto maior for à discrepância entre as imagens gravadas pelo Corpo Vital e os eventos gravados na memória consciente pela observação, maior também será o tempo necessário para a restauração do Corpo Físico durante o sono. Há casos, por exemplo, em que as discrepâncias são tamanhas, que não resta tempo algum para trabalho nos planos internos. Se isso ocorrer com freqüência, pouco crescimento espiritual será alcançado pelo Ego. Por isso, o aspirante sincero, reconhece que pode (e é responsável) por tornar esse tempo maior ou menor, dependendo de sua capacidade em colocar em prática os ensinamentos dados pelos Irmãos Maiores. Pela observação, é possível fazer com que os entrechoques de vibrações das duas memórias ocorram com menor freqüência e, deste modo, a restauração do Corpo Físico poderá ocorrer de maneira mais rápida.
    Como auxílio neste processo, é de grande valia ao aspirante, aprender a observar não apenas detalhes de objetos e fenômenos externos, mas também minúcias internas, pois é bem provável que o Corpo Vital também registre tais informações. É natural que neste ponto do texto, o leitor possa estar se perguntando: “que eventos são esses?”. Tais eventos são aqueles gerados pelo espírito (vontade), pelo Corpo de Desejos
(sentimentos e emoções), e pela Mente (pensamentos). A observação destes detalhes contribuirá fortemente no processo de redução dos entrechoques de vibrações entre as memórias.
    De maneira geral, a maior parte das pessoas, quando está realizando uma determinada tarefa, observa apenas os procedimentos envolvidos para sua execução e seu resultado, (por exemplo, se alcançou ou não o objetivo). Porém, é importante que o aspirante também observe, de maneira sincera e verdadeira, os motivos internos que o fez se movimentar nessa ou naquela direção. A chave para identificar tais motivos é
empregar o método do “Por que”. Alguns exemplos:  Por que agi desta maneira?

Respostas:
1. O motivo foi “motivação por motivação”, pura e sincera, afinal, eu gosto de fazer aquilo que faço;
2. Porque foi uma vontade de provar aos outros que eu posso realizar coisas;
3. Não foi motivação, mas sim medo de não perder meu emprego/ amigo/ simpatia/ etc.;
4. Porque tive a necessidade de provar para as pessoas, que sou capaz e não um incompetente;
5. Porque tive vontade de fazer melhor que os outros, afinal sou um competidor inato;
6. Porque tive interesses pessoais;
7. …                                                                        

Além de observar o motivo pelo qual uma ação foi realizada, o aspirante pode também observar o sentimento que o envolveu no momento em que estava executando tal tarefa. Exemplos:
1. Durante a execução, independente do motivo, eu estava com tremenda ansiedade e medo de que alguma coisa terminasse de modo errado;
2. Estava ansioso, mas não por medo, e sim porque sou perfeccionista demais e tudo tem que ser perfeito;
3. Estava com raiva. Afinal só estou fazendo isso porque não quero perder meu emprego;
4. Estava me sentindo feliz e alegre;
5. Estava triste;
6. …

    É muito comum as pessoas não fazerem distinção entre sentimentos e pensamentos. Mas esses fenômenos são bem diferentes, embora possam ou não possuir afinidade entre si. Por exemplo, uma pessoa pode dizer: “Eu senti que num dado momento, as coisas poderiam ter saído errado”. Mas observe que tal relato não é
referente a um sentimento, mas sim a um pensamento. Normalmente os sentimentos são alegria, tristeza, raiva, ódio, rancor, medo, coragem, ansiedade, entre outros. Pensamentos são idéias mais ou menos elaboradas sobre os fatos. Com certeza, estes últimos podem estar embasados em um sentimento bom ou ruim. A comum astúcia que todos nós praticamos em maior ou menor grau, é um bom exemplo da Mente
(pensamentos) aliada à parte inferior do Corpo de Desejos (eu emocional inferior). Dados provindos da neurociência cognitiva, também revelam a possibilidade de ativações primárias de áreas cerebrais emocionais, antes de áreas corticais pré-frontais (que são mais relacionadas a pensamentos conscientes), frente determinados estímulos. Isso é bem evidente em transtornos ansiosos, como o Transtorno de Estresse Pós-Traumático, Transtorno de Pânico, entre outros. Isso tolda a capacidade do Ego de tomar decisões de maneira rápida. No exemplo acima, sobre confusões entre pensamentos e emoções, provavelmente o sentimento da pessoa sobre a possibilidade de algo sair errado, era de medo e/ou ansiedade, pois esses sentimentos possuem boa afinidade com estes pensamentos.

    Outro importante fator que o aspirante deve aprender a observar é o COMO seu jeito de ser, (que é modulado pelos motivos, pelos sentimentos e pensamentos) gera impactos nos demais que convivem com ele. A chave para isso é utilizar o método do “COMO”. Exemplos:

1. Como meu jeito ansioso, precipitado e/ou medroso afetou (ou afeta) meus colegas de trabalho, minha família, meus amigos, etc.?
2. Como meu sentimento afetou na decisão ou no desfecho da ação que eu estava executando?
3. Como as pessoas me “olham” em função desse meu jeito de ser?
4. Como meu perfeccionismo afeta aos demais que convivem?
5. Como minha felicidade, alegria, tristeza, raiva, entre outros sentimentos, influenciam na maneira que o outro se comporta em relação a minha pessoa?
6. …


   É muito importante, o aspirante ter em mente que a observação consciente dos fatos internos e externos, também fornece base para o exercício de retrospecção. Normalmente, se o resultado de uma tarefa foi positivo, o aspirante louva-se por tal resultado, de modo que seu comportamento seja reforçado para continuar a agir desse modo. Entretanto, se os eventos internos não forem considerados, é provável que essa faceta do fenômeno permaneça apenas no Corpo Vital do aspirante, e, se isso acontecer, ficarão nele como discrepantes. Por isso, sugere-se ao aspirante que também aplique seu critério pessoal de valores aos fenômenos internos que vivencia (o crivo da lógica).

    Coletar informações, por meio de observações como estas, é muito importante para deixar seu exercício de retrospecção mais rico e, desta maneira, aprender as lições desta e de próximas vidas, de restaurar o equilíbrio entre memória consciente e dados gravados pelo Corpo Vital, ter saúde e longevidade. Como o exercício de retrospecção influencia diretamente no caráter, e “caráter é destino”, é bem provável que o aspirante comece a notar grandes diferenças em sua vida conforme for mudando seu eu real, para seu Eu Ideal (isso é pessoal). Com o tempo novas sinfonias e orquestras estarão vibrando em sua vida, o que provavelmente o fará uma pessoa muito realizada e feliz.

Que as rosas floresçam em vossa cruz