Arquivo de tag Virgem

poradmin

O emprego da Astrologia e como você a emprega

O emprego da Astrologia e como você a emprega

Há dias recebi de um amigo, que não compreende por que tenho confiança na Astrologia, um recorte de revista americana “News-week”, número de 12 de outubro de 1959. Apresento aos Amigos a tradução desse artigo, porque representa preciosa lição para nós.

“Para Bruce King, tudo o que está escrito nas estrelas, seja a Conjunção de Vênus com Marte, seja a de qualquer outro corpo celeste, representa dinheiro.

King, mais conhecido como Zolar, o mais popular astrólogo do mundo, é autor de aproximadamente 70% de todos os horóscopos vendidos no Estados Unidos. Seu lucro pelas predições: cerca de 150.000 dólares por ano.

Na última semana, King assinou contrato para colocar seus novos horóscopos para 5 anos (5 dólares cada um) nas 2.200 lojas de F.W. Woolworth antes da chegada do Ano Novo. Depois, puxando uma baforada de seu cigarro, concedeu uma entrevista, pela primeira vez durante seus 25 anos de astrólogo, em seu escritório em New York, sem turbante e sem olhar para a bola de Cristal.

Não sou adivinho, disse o senhor de 62 anos chamado Zolar (ZO de zodíaco e LAR de solar). Tudo o que faço com a astrologia é levantar o mapa da vida de uma pessoa. Ele mostra como a vida pode ser conduzida, mas nem os homens nem as mulheres são sujeitos ao destino.

Cada homem forma o seu próprio destino.

King recebe, no mínimo, umas 10.000 cartas por ano pedindo conselhos (que são fornecidos a 3 dólares, isto é, 800 cruzeiros cada um). Dessas cartas, 80% são de mulheres, concluindo-se, portanto, que a maioria das cartas trata de assuntos do coração. A pergunta feita com mais frequência, disse King, é: “Quando casarei?”. A resposta para os nascidos em princípio de abril é: “Urano favorece o amor e as amenidades da vida… durante o mês de outubro”.

Tendo sido corretor de fundos, King se ligou com a Astrologia durante a crise porque lhe pareceu que os astrólogos eram as únicas pessoas que tinham algum dinheiro. Imaginou e organizou a venda de horóscopos e mais tarde expandiu suas vendas por intermédio da cadeia de lojas de Woolworth Kresge e Mc Cory.

Ele estima em mais de 50 milhões o número de horóscopos vendidos por ano.

Agora, sua linha de acessórios astrológicos (?), todos remetidos pelo correio em envelopes sem indicação de conteúdo, inclui tudo, desde cartões de predição e de indicações astrológicas de aniversário, até seu livro mais vendido (best-seller): “Segredos Astrológicos do Amor, das Emoções e do Casamento”.

Esse é o artigo, meus Amigos.

Agora vamos à lição que ele encerra. Vamos responder sinceramente às seguintes perguntas:

Que uso você faz dos seus conhecimentos de Astrologia? Você a usa como uma ciência sagrada, que nos revela o segredo dos Equinócios e do sacrifício anual do Cristo para podermos sobreviver?

Ou a emprega vendendo predições (ainda que não por dinheiro, mas por fama e poder ilusórios), com informações de quando os Signos são propícios?

Nessa última hipótese, você se compara aos vendilhões do templo no tempo de Cristo e está prostituindo a divina prerrogativa de obtenção de ganho para si.

Quando você é provado por uma série de incidentes de “azar” você vai olhar o seu tema para ver se Marte e Saturno estão em conflito e se conforma com isso?

Ou você enfrenta a situação sabendo que isto é mais uma prova oferecida para o seu crescimento espiritual?

Você aceita um outro pedaço de sobremesa sabendo que está sobrecarregando o maravilhoso instrumento que vem construindo laboriosamente desde o princípio da criação, com a desculpa de ter Júpiter em Câncer? O nosso Corpo deve ser o instrumento do Ego e não um brinquedo dos desejos.

O conhecimento da Lei do Renascimento foi ocultado ao ser humano deliberadamente, para que ele possa aproveitar ao máximo seu tempo de vida durante sua curta vida terrestre em se concentrar sobre as coisas materiais.

Os detalhes da verdadeira astrologia celestial ainda estão velados, pois, o ser humano deve desenvolver discriminação e prudência em sua Mente concreta. Se, como escravos, tentamos adaptar nossas ações às poucas máximas astrológicas que conhecemos, estamos contribuindo para a destruição do grande plano evolucionário de Deus!

As doze grandes Hierarquias que têm conduzido o desenvolvimento deste universo solar têm uma concepção da existência muito acima da concepção que o ser humano dela tem. Podemos dizer que a concepção humana está para a concepção das Hierarquias como a concepção de uma estátua (se pudesse conceber algo) estaria para a concepção do artista que a criou. O trabalho atual das Hierarquias neste Planeta é desenvolver o SERVIÇO (Peixes) e a PUREZA (Virgem) em toda a humanidade, para que possamos compreender nossas próximas lições que serão: AMIZADE (Aquário) e CONTROLE PRÓPRIO (Leão). Aprendemos a lição do SERVIÇO sobrepondo aos nossos desejos egoístas o cuidado para com nossa família, nossa comunidade e nossa pátria. Se tivermos bastante fé para agirmos assim, estaremos nos preparando adequadamente, pois Cristo aconselhou-nos a não nos preocuparmos com o amanhã. Nosso Pai Celeste sabe o que precisamos.

Será preciso irmos mais além? Max Heindel nunca nos teria ensinado Astrologia se tivesse pensado que ela seria pedra de tropeço a qualquer um dos seus seguidores.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz de fevereiro/1979)

poradmin

O Requisito da Evolução e correlação forte com Virgem e Mercúrio

O Requisito da Evolução e correlação forte com Virgem e Mercúrio

“Rogai-vos, pois, irmãos pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos Corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Que é o vosso culto racional.” (Rm 12:1)

Este pedido, feito na Epístola de São Paulo aos Romanos, nos ensina sobre dois importantes assuntos ligados com a vida do Cristão. O primeiro, é o fato de que o Corpo físico deveria ser um sacrifício vivo oferecido ao Deus Interior, e o segundo, é o culto ou o Serviço prestado pelo Corpo ao Espírito em sua evolução. Em poucas palavras, os Corpos são necessidades ou requisitos para a evolução do Espírito e por isso são os servos do Deus Interior. Este serviço é o seu sacrifício que termina com a morte.

O estudante místico ponderará agora o valor da Filosofia Rosacruz que, em sua sabedoria, ensina a manter um Corpo Puro, um Coração Terno e uma Mente Sã, para servir ao Ego durante seu desenvolvimento. De fato, tudo foi criado para o propósito de servir aos outros. Cada um, a seu modo, fornece o necessário para a existência do outro, consciente ou inconscientemente, e dessa forma, o Serviço torna-se o fator proeminente da evolução. Logo, “aquele que quiser ser o maior, seja o SERVO DE TODOS.”!

O ser humano foi primeiramente ensinado a SERVIR seu Deus fazendo e oferecendo sacrifícios a seu Criador e assim aprendeu que o serviço requer sacrifício. Naquele tempo não poderia compreender que devia fazer de si mesmo um sacrifício vivo e, por isso, oferecia em seu lugar um animal, que era parte de si, pois lhe pertencia para compensar o pecado que houvesse cometido, de acordo coma Lei de Jeová. Hoje, como seguidores de Cristo, nós nos oferecemos como sacrifícios vivos, e não as nossas posses, para agradá-Lo. Sacrificamos nosso eu pessoal pelo bem da individualidade impessoal, servindo e auxiliando os outros onde e quando podemos. Nosso primeiro serviço foi para obter algum lucro, mas quando estamos sintonizados com o Raio de Cristo, nosso serviço é pela Glória da Alma. Procuramos fazer aos outros o que o Cristo fez por nós, tornando-nos SERVOS DO CRISTO, que é nosso culto racional.

Na evolução do modo de servir, como na evolução de todas as coisas avançamos por meio de purgação da escória e dos resíduos. Isto é, na realidade, uma purificação. Nosso progresso, em “qualidade” de serviço, depende grandemente da purificação das nossas emoções e pensamentos que bem adquirimos por meio de nossa tentativa honesta de praticar o exercício noturno da Retrospecção. “Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus”. Por mais que falemos, não poderemos exaltar convenientemente a importância da Retrospecção, quando apresentamos nossos Corpos como sacrifícios vivos oferecidos a Deus. Devemos compreender perfeitamente que uma Retrospecção feita pela metade, isto é, sem o correspondente sentimento, não poderá queimar e, portanto, apagar os acontecimentos indesejáveis de durante o dia que foram gravados no Átomo-semente. A menos que sintamos o fogo do remorso cauterizar, queimar o âmago do nosso coração, a Retrospecção não está completa; a gravação não será apagada, e nossas vidas continuarão sem crescimento anímico apreciável.

Temos o testemunho que o serviço perfeito e ideal é um exemplo para nosso progresso, no sacrifício do Cristo que volta a nós nesta época do ano. O Sol, passando pelo Signo do Serviço, o da Imaculada Virgem, concebe e nos traz o Raio do Cristo dos reinos superiores. Este raio do Cristo Cósmico tem nascimento no último princípio da trindade maternal por meio do Signo de Virgem, com sua essência de pureza. Podemos, na realidade, sentir que a Gloriosa Luz Dourada, o Corpo do Cristo descendo do Céu à Terra, reveste a Vida e o Amor do nosso Redentor. Este acontecimento nos traz o terceiro Grande Festival Cristão na série dos acontecimentos da Vida de Cristo, e é celebrado na Festa da Concepção. A terceira mudança na Vida de Cristo ocorre no Equinócio de Setembro, quando o Sol entra no Signo de Virgem e a Vida do Cristo viaja desde a superfície da Terra até o seu centro que é atingido pelo Natal, com o nascimento do Cristo aqui na Terra. É essa Imaculada Concepção da Virgem, do Signo de Virgem, que presta o maior dos serviços: a Vida do Cristo “morre para o Mundo Celeste para nascer no mundo terrestre”. “Maior amor não existe do que esse: dar a vida pelo seu amigo”; este é o maior serviço que pode ser prestado.

É interessante notar que o Signo Virgem é, essencialmente, o Signo da PUREZA e que Mercúrio é o Planeta que, neste Signo, está ao mesmo tempo Exaltado e Essencialmente Dignificado por ser seu Regente. A Grande Hierarquia Criadora de Virgem é conhecida como os Senhores da Sabedoria e, sendo a mais elevada Hierarquia Criadora, tem a seu cargo o Espírito Divino no ser humano durante o atual Período Terrestre. Foi durante a segunda revolução do Período Solar que os Senhores da Sabedoria irradiaram de seus próprios Corpos o germe do Corpo Vital, tornando-o capaz de interpretar o Corpo Denso com a capacidade de crescimento e de propagação posterior, excitando os centros dos sentidos do Corpo Denso e fazendo-o, com isso, capaz de mover-se, servindo assim de instrumento perfeito e obediente para uso do Espírito.

Do Planeta Mercúrio, alguns dos seus habitantes foram mandados a Terra para trabalhar com a humanidade. São conhecidos pelos estudantes ocultistas como Senhores de Mercúrio. Eles ensinaram e guiaram os mais adiantados da humanidade e elevaram-nos à categoria de reis, fazendo-os dirigentes do povo, por meio da arte do DOMINIO PRÓPRIO e do domínio sobre os outros. No atual Período Terrestre, já passamos pela revolução de Marte e estamos seguindo o curso da revolução de Mercúrio, estando, portanto, sob maior influência Mercuriana. Os Senhores de Mercúrio ensinaram a humanidade a deixar o Corpo à vontade e a funcionar em seus veículos superiores, independentemente do Corpo Denso que assim tornou-se uma habitação aprazível em vez de uma prisão fechada; em um instrumento, em vez de grilhões embaraçantes. Durante as últimas três e meia revoluções do Período Terrestre, Mercúrio ensinará ao Ego a sair do seu veículo mais denso por meio da Iniciação. Mercúrio polarizou o metal que leva o seu nome, o mercúrio, que evapora pelas paredes do vaso que o contiver e que é assemelhando à Mente. Esta Iniciação pode ser alcançada por meio da PURIFICAÇAO DA MENTE, enquanto o Sol passa pelo Signo da Virgem e por meio da influência dos Senhores de Mercúrio, os Irmãos Maiores da atual humanidade.

O cordão espinhal é o elo entre os dois órgãos criadores: o cérebro, que é o campo de ação dos intelectuais Mercurianos, e os genitais que são o campo de ação dos sensuais e apaixonados Espíritos Lucíferos. A Mente inferior juntou-se a paixão egoísta, sendo missão dos Senhores de Mercúrio, que são de inteligência superior, ensinar-nos como usar a Mente sem egoísmo, como torná-la verdadeiramente criadora, de modo, que não mais dependeremos do progresso sexual de gerações que agora está sendo utilizado em Corpos separados.

Hoje, como estamos dentro da época Mental-Mercuriana, os efeitos mentais à distância estão sendo realizados e, portanto, bem podemos compreender a verdade enunciada por Cristo no Seu Sermão da Montanha: “Todo aquele que olhar para uma mulher desejando-a, com ela já praticou o adultério no seu coração”.

Este é, na verdade, o mês da Purificação Mental. Tenhamos diante de nossa Mente a imagem da VIRGEM IMACULADA simbolizada por Virgem. É o estado atual da Mente, neste momento de concepção, que dará à luz mais tarde, quando o Raio da Luz do Cristo entrar na Terra no Equinócio de Setembro e viajar para o centro da Terra para nascer pelo Natal.

O Cristo do novo ano vem a nós do Pai, o mais elevado Iniciado do Período de Saturno, cuja humanidade constitui agora os Senhores da Mente. Vem revestido da pureza mental e está pronto a nos assistir na transformação de nossa Mente apaixonada em uma Mente compassiva. É por intermédio de Mercúrio, o Mensageiro dos Deuses, e oitava inferior de Netuno, que poderemos acender, no CANAL ESPINHAL, o fogo luminoso e brilhante da purificação e regeneração que nos habilitará a apresentarmos nossos Corpos como um sacrifício vivo, santo agradável a Deus por ocasião da Festa dos Tabernáculos.

“Se alguém me serve, siga-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E se alguém me servir, meu Pai o honrará.” (Jo 12:26)

(Revista ‘Serviço Rosacruz’ – 08/79 – Fraternidade Rosacruz – SP)

poradmin

As Aventuras de Rex e Zendah no Zodíaco – A Terra de Virgem

As Aventuras de Rex e Zendah no Zodíaco
A Terra de Virgem

A entrada para a próxima terra se fazia por meio de um pórtico cujos pilares eram inteiramente cobertos por espigas de milho seguras por meio de folhas entre as quais apareciam ramos de frutas e flores. Rex e Zendah lembraram-se do festival da colheita.

 

Na base de cada um dos pilares havia uma bacia com água; em torno de cada bacia havia palavras gravadas.

Numa estava escrito: “Somente com mãos e pés limpos podem entrar nesta terra”. E na outra: “O asseio é quase religiosidade”.

O espaço entre os pilares não era fechado por portão, mas parecia coberto de pés de milho mais altos do que as crianças. Não se via nenhum caminho e quando as crianças tocavam os pés de milho com as mãos sentiam que eles eram duros, não dobravam. Não havia nenhuma passagem entre os pés de milho… Zendah olhou para o rolo que Hermes lhe dera e mostrou a Rex o que lá estava escrito: “Quando chegarem à Terra da Virgem, lavem-se na água das bacias e esvaziem-nas diante dos pés de milho entre os pilares: depois pronunciem a senha”.

Os meninos dirigiram-se para as bacias. Rex lavou as mãos em uma e Zendah na outra.

– “Você acha que nós devemos lavar em ambas as bacias? “, perguntou Rex.

– “É claro, bobinho”, disse Zendah. “Suponho que sejam espécies diferentes de água. Senti isso quando pus minhas mãos dentro delas”. Sentando-se no chão, Zendah pôs os pés nas águas de ambas as bacias.

– “Não vejo necessidade de fazer isso”, resmungou Rex, pensando que estavam perdendo tempo com tanta lavagem. Todavia, Zendah mostrou a Rex que numa das bacias estava escrito sobre limpeza de pés e mãos e Rex concordou que era melhor lavar os pés também. Depois de se lavarem, despejaram a água como estava ordenado. Na areia apareceram as seguintes palavras: PUREZA e SERVIÇO. Essas palavras formaram-se lentamente e logo desapareceram. Uma voz assustou-os – “Sejam bem-vindos meninos”.

Olharam para cima e viram que onde havia pés de milho que não dobravam estava Hermes com os braços estendidos para eles.

– “Vocês se conduziram muito bem até aqui sem mim”, disse Hermes, “mas nunca me afastei de vocês, embora vocês não me percebessem. Era eu quem “soprava” nos seus ouvidos quando vocês não sabiam o que fazer”.
Chamou os meninos para perto de si e afastando os pés de milho com uma das mãos, com a outra apontou para um caminho que havia entre eles.

Caminharam por extensos milharais, por grandes plantações de aveia, cevada, trigo e outras espécies de grãos.

Tudo madurinho, pronto para ser colhido. No fim do caminho encontraram uma bonita cidade onde várias mulheres, vestidas, de amarelo – cor de milho maduro – foram ao seu encontro. Essas mulheres pareciam não ver Hermes, mas falaram com as crianças.

– “Lavaram seus pés? “, perguntou uma.

– “Suas mãos estão limpas? “, perguntou outra.

– “Espero que vocês não tragam a menor partícula de sujeira para a Terra da Virgem”, disse uma terceira.

Rex e Zendah ficaram atarantados e olharam para Hermes para saber o que deviam dizer.

– “Senhoras”, disse ele, “não há necessidade de fazerem tais perguntas. Estariam bem empregadas para muita gente: não para esses meninos que estão usando seu corpo astral que, como sabem, está sempre limpo. Além disso, eles não poderiam entrar nesta terra sem usarem antes a água das bacias do portão”.

As mulheres inclinaram-se solenemente para as crianças que seguiram com Hermes pela cidade ensolarada. Por toda a parte viam-se pequenas casas com jardins, cada um diferente dos outros.

 

Umas coisas tinham esses jardins em comum; não se via nenhuma erva má, e em todos eles havia canteiros de flores e passeios limpos, sem uma pedra fora do lugar. Era tudo tão bem arrumadinho que os meninos chegaram a ter receio de passar por ali.

Passando além desses lugares floridos chegaram à cidade principal que Hermes disse chamar-se cidade da Perfeição.

Lá havia lindas casas limpas que, na maioria, pareciam lojas dos mais variados negócios. Dentro delas, escreventes trabalhavam afanosamente escrevendo em enormes livros, fazendo soma de parcelas com várias ordens de algarismos.

Todas as paredes eram cobertas de prateleiras divididas em centenas de repartições, cheias de papéis e todas rotuladas com nomes diferentes. Pessoas andavam apressadas pondo ou tirando papéis dessas repartições.

Estavam muito atarefadas para poderem explicar aos meninos que também não se mostraram muito interessados até que Hermes lhes explicou que aquilo que ali escreviam era de grande utilidade para outras terras porque lá se escreviam e conservavam guardadas as coisas importantes que aconteciam.

De lá foram ter a um grande quarto na subloja que muito os interessou.

Era o maior laboratório que já haviam visto. Homens e mulheres de aventais brancos, auxiliados por vários rapazes da idade de Rex, estavam agrupados em torno de pequenas chamas azuis de gás, observando vasos de vidro de formas estranhas.

Outros esmagavam coisas em almofarizes. De quando em quando havia explosões nos vidros e todos se juntavam em redor anotando em seus cadernos de apontamento.

Um homem tirava o sumo de várias frutas, enchia vidros com ele e experimentava o efeito de gotas de líquidos coloridos sobre eles. Esses resultados também eram anotados. Rex perguntou: – “Que fazem eles? ”

– “Tentam descobrir quais as coisas que têm maior valor alimentício para as pessoas comerem”. Rex replicou: – “Pensei que os melhores alimentos fossem o de melhor gosto.

Daí eles passaram por um corredor até uma sala verde cheia de plantas e de flores desabrochadas; muitas delas desconhecidas dos meninos.

– “Por que”, perguntou Zendah, depois de andar de uma planta para outra, “elas não se parecem nem um pouco com as que temos em casa? ”

 

O jardineiro-chefe chegava nesse momento e respondeu:

– “Não, não são: aqui as Fadas nos ajudam desenvolver novas espécies de frutas e flores. Vejam: assim é que fazemos, mas primeiramente precisamos ver se as estrelas dizem ser o tempo propício”. Dirigiu-se para um livro pendurado num dos cantos da sala e correu seu dedo por uma página.

– “Bem, em cinco minutos poderemos começar”.

Tirou uma pequena escova de uma caixa e dirigindo-se a uma planta branca semelhante a um lírio que crescia próximo, tirou um pouco de pólen dos seus estames e depositou-o no longo talo verde que crescia no centro de uma magnífica flor vermelha.

– “Agora”, disse, “devemos atá-lo num saquinho de musselina para que ninguém o toque. Quando as sementes amadurecerem, veremos delas nascer um lindo lírio, vermelho com pintas brancas ou então branco com pintas vermelhas. Não podemos afirmar como será porque tudo depende das Fadas”.

Depois, deu aos meninos um pêssego com gosto de abacaxi e uma maçã almiscarada, sem sementes.
Mostrou-lhes uma rosa azul e uma ervilha amarelo-brilhante.

– “Todas essas flores e esses frutos são descobertos aqui, antes de vocês poderem produzi-los na terra”, disse ele.
Zendah segurou em seu braço.

– “Quando poderemos produzir uma rosa azul? “, perguntou. Ele balançou a cabeça misteriosamente.
– “Quando o jardineiro-chefe for morar com vocês”, respondeu.

Os meninos não queriam mais sair dali. Afinal, Hermes disse-lhes que se apressassem e levou-os a um jardim cercado por altas paredes de pedras. As paredes eram cobertas por árvores frutíferas. No meio do jardim havia um canteiro hexagonal cheio de lírios brancos. No centro desse canteiro havia uma árvore estranha; suas folhas brilhavam como prata e os frutos cintilavam como joias de diversas cores. No alto do galho mais elevado havia uma maçã dourada que brilhava como o sol.

– “Esta é a coisa mais valiosa desta Terra”, disse Hermes, “a maçã Dourada do conhecimento e da cura. Em todo o universo só existe este exemplar. Algumas das pessoas que vocês acabaram de ver estão tentando fazer nascer outras árvores semelhantes a esta. Conseguiram fazer uma maça prateada que fará muito benefício, mas ainda não descobriram como fazer nascer a maçã vermelha”. Saindo desse pátio, penetraram no palácio. Aí, como em toda parte, tudo estava onde devia estar; nada faltava, embora não fosse tão bonito nem tão confortável quanto o Palácio de Vênus.

 

As paredes eram cobertas de linho amarelo. Pequenas correntes d’água passavam por canais nos corredores de modo que para se entrar nos quartos era preciso passar pela água. Isso era para evitar a entrada de poeira nos quartos.

Na sala maior, bem no fundo, havia um dossel sob o qual estavam sentados cinco homens sábios em torno de uma mesa redonda. Havia uma cadeira vazia na mesa; a diferença entre essa cadeira e as outras estava em ser mais belamente entalhada. Hermes disse que essa era a sua cadeira, mas que sempre estava tão ocupado como mensageiro dos deuses que os cinco homens governavam por ele quando estava ausente.

– “Meu irmão Vulcano também ajuda, mas está tão ocupado em forjar obras de arte que também não tem muito tempo para governar. Pouca gente sabe quando ele aqui aparece”.

Os meninos olhavam para uma oficina ao lado da sala. Lá viram Vulcano martelando folhas de metal. Muitos jovens faziam inúmeras coisas úteis, desde vasos e bacias até pequenos baldes. Era notável a delicadeza dos detalhes e o polimento dado a cada peça. Voltando à sala grande, Hermes apanhou em um prato uma bonita maçã colorida e deu-a a Zendah. Olhando-a surpresa, Zendah verificou que era de metal embora parecesse verdadeira.

– “Esta é uma cópia da maçã da saúde”, disse Hermes, “mas poderá fazer passar a dor de cabeça quando você cheirar, também cura uma porção de outros males”.

Nas mãos de Rex, Hermes depositou um alfinete com feitio de lírio, cuja cabeça era de jaspe, dizendo-lhe para conservá-lo como lembrança da Terra da Virgem.

De um outro prato tirou um grande pedaço de bolo e partindo-o ao meio deu um pedaço a cada um dos meninos.
– “Em parte alguma vocês encontrarão pão que satisfaça tanto como este da Terra da Virgem”, disse.

De fato, depois de terem provado, Rex e Zendah concordaram que jamais provaram pão tão delicioso.

De regresso ao portão de entrada, passavam por todas as casas tão limpinhas e de novo chegaram aos campos de milho. Hermes mostrou-lhes o caminho acenando com a mão.

Os meninos penetraram no caminho mostrado e logo chegaram ao lado de fora da Terra da Virgem, próximo do portão seguinte.

(The Adventures of Rex and Zendah In The Zodiac – por Esme Swainson – publicado pela The Rosicrucian Fellowship – publicado na revista Rays from the Rose Cross nos anos 1960-61; As Aventuras de Rex e Zenda no Zodíaco (as Ilustrações são originais da publicação) –Fraternidade Rosacruz – SP – publicado na revista Serviço Rosacruz de 1980-81)

poradmin

Algumas Correlações do Signo de Virgem

SIGNO: Virgem, a virgem

QUALIDADE: Comum ou flexível e aplicação conversível das formas básicas de energia.

ELEMENTO: Terra, ou o Corpo. A compilação da experiência na vida para ser utilizada como matéria prima para o crescimento da Alma.

ANALOGIA FÍSICA: frescura

PLANETA REGENTE: Mercúrio.

CASA CORRESPONDENTE: a 6ª casa corresponde a Virgem.

ANATOMIA ESOTÉRICA: Virgem é a representação do Corpo Vital.

ANATOMIA EXOTÉRICA: específica: duodeno, intestino delgado, apêndice, peritônio, mesentério, pâncreas, baço, fígado, veia portal, plexo solar e útero; geral – aqueles órgãos e estruturas que entram no processo de assimilação dos nutrientes e sua incorporação pelo Corpo.

FISIOLOGIA: Mercúrio, Regente de Virgem, governa os processos fisiológicos da respiração, oxigenação do sangue, sensações em geral, mas especialmente a da visão, audição e paladar; funções da tireoide e das glândulas paratireoides, funções dos órgãos da fala e assimilação dos alimentos no intestino delgado. Mercúrio também tem particular regência sobre as atividades do hemisfério direito do cérebro e da faculdade de equilíbrio e coordenação associados ao mecanismo do ouvido interno.

LIÇÕES: para um desenvolvimento balanceado, sentimento deve ser casado com certa quantidade de seriedade e sinceridade; atividade mental deve ser balanceada com atividade física, e a mente investigadora deve ser guiada por um idealismo elevado e reverenciado por todas as coisas criadas.

INFLUÊNCIA BÁSICA: adaptável, reservado, calmo e inclinado para o envolvimento intelectual.

INFLUÊNCIA POSITIVA: uma influência positiva de Virgem inclina para a eficiência, onde cada esforço conta e muito pouco é perdido (no entanto, pode haver uma tendência para a indolência). Pessoas trabalhando com essa influência são, normalmente, capazes de analisar a situação em detalhes e focar exatamente no que interessa. Seu enfoque é, geralmente, lógico e sequencial, não deixando escapar nada. Se a influência positiva de Virgem é altamente desenvolvida, felizmente, tende a dar o bom senso de não esperar muita perfeição daquilo que tem uma inevitável quantidade de imperfeição. Intelectualmente, no final, eles são capazes de discriminar e aplicar suas habilidades com uma seletividade apropriada.

INFLUÊNCIA NEGATIVA: com a influência negativa de Virgem, a habilidade para discriminar se transforma em uma atitude crítica que está sempre procurando o que está errado nas coisas. Isto é, há ainda uma habilidade para discriminar entre o que é bom e o que é mal (do ponto de vista intelectual), mas é o lado mal que normalmente é focado. Essa tendência de ser cético de ver sempre o bem em tudo pode ficar desinteressante – uma tendência de ver o que está errado com as coisas e uma aversão em fazer tudo para melhorar por causa de uma atitude derrotista. Essa mentalidade sem imaginação tende àqueles que permitem que essas forças se apoderem deles a construir um molde cinzento sombrio a tudo no mundo.

TABERNÁCULO NO DESERTO: simboliza a Mesa dos Pães da Proposição com suas duas pilhas de pães ázimos, seis pães em cada pilha. Esses pães simbolizam o serviço desinteressado que o Aspirante presta no Mundo e que transforma em matéria prima para o desenvolvimento espiritual. Como nós sabemos que todo desenvolvimento oculto começa com o Corpo Vital, a que Virgem é o Signo do serviço com discernimento, então nós podemos dizer que todo desenvolvimento oculto começa com o serviço judicioso. Ou seja: o serviço é o alimento que nutre a Alma.

MITOLOGIA GREGA: Vulcano foi conhecido como Hephaestus. Hephaestus foi o mestre dos artesãos dos deuses, produzindo todo tipo de maravilhosos e miraculosos equipamentos para sua forja e oficina. Ele reflete o ideal de Virgem do serviço desinteressado, pois sempre o achamos ocupado em fazer algo necessário para os outros deuses.

CRISTIANIDADE CÓSMICA: o Sol em Virgem marca o tempo da preparação para a anual descida do Raio do Cristo na Terra que começa quando o Sol passa por Libra. O período quando o Sol está passando por Virgem pode ser utilizado para nos prepararmos para receber a benção do Senhor pela nossa própria santificação por meio da expectativa da oração e adoração.

(Traduzido da Revista: Rays from the Rose Cross – set/76)