Arquivo de tag Vênus

poradmin

Interpretação dos Hinos Rosacruzes: de Abertura e Encerramento (letra original do inglês)

Interpretação dos Hinos Rosacruzes: de Abertura e Encerramento (letra original do inglês)

O “Serviço do Templo” da Fraternidade Rosacruz, isto é, o Ritual oficiado em todas as reuniões públicas, é sempre iniciado na Sede Central, cantando todos, a quatro vozes, o HINO ROSACRUZ DE ABERTURA. Sua música está composta em Ré Maior, cuja clave leva dois sustenidos, sua vibração põe em ação o Poder da Onda de Vida de Libra, os Senhores da Individualidade. Consequentemente, ajuda  cada ouvinte a equilibrar suas forças e vibrar em EQUILÍBRIO, JUSTIÇA, CORTESIA e ESPERANÇA. De todos os Planetas, Vênus é quem exerce o maior poder vibratório sobre esta Onda de Vida. Vênus infunde Amor, Harmonia e Unidade, pela combinação das forças de atração e de coesão.

A clave de Ré Maior, governada pelo amor venusino, pode ser comparada a uma corrente confluente de tons. Quando vibra um tom, todos os demais (as pessoas reunidas) dentro do raio da onda de vibrações, respondem automaticamente e cantam em uníssono quando pertencem ao mesmo diapasão. Note-se que o poder-clave de Vênus é AMOR e rege a Onda de Vida de Libra. O Amor está correlacionado com o segundo aspecto de Deus e do ser humano. Portanto, o ser humano responde a essa nota vibratória quando se toca a nota-chave de Libra. A princípio, a ressonância do tom em nós é deficiente. Porém, pouco a pouco a repetição, em cada reunião da Fraternidade, do Hino de Abertura, em Ré Maior, vem despertar o amor nos ouvintes, levando-os, com o tempo, à sua maior expressão e poder e ao sentido de unidade de cada um com todos. Sobre o princípio desse elevado Ideal se apoiam todos os anelos da Fraternidade Rosacruz. Daí a repetição do Hino com sua maravilhosa letra, representativos de um ideal de amor-sabedoria.

A letra desse Hino foi escrita por Max Heindel. Suas palavras encerram um significado de enorme iluminação. Analisemos bem, a seguir, suas estrofes e busquemos penetrar algo do muito que elas contêm.

“Fiel em sua órbita segue o astro”. Cada estrela é corpo de uma poderosa individualidade, tem seu próprio caminho nos céus, completamente independente das outras.

“Elas mostram a sabedoria da eterna lei”. A órbita de cada estrela é determinada por leis cósmicas, fixas e imutáveis.

“E são expressão de Deus”. Cada estrela expressa não apenas um poder particular de Deus pelo qual foi criada, senão também revela que existiu um propósito definido em sua criação.

“Quais ciclos alternantes”. A trajetória de cada astro é invariável. Tampouco muda o poder particular nele incorporado. Fixa e invariavelmente, expressa o poder divino nele subjacente, chegando a alcançar os resultados espirituais para qual foi criado.

“O astro dança em rotação”. Embora aparentemente estacionário, nos seus giros vai descrevendo quase círculos ao redor de um ponto central, que é o centro da consciência divina, o Criador.

“No espaço e tempo em espiral”. O caminho de cada Astro, embora elíptico, também forma espirais, pois ele avança através do espaço, jamais repetindo as mesmas condições, dentro de seu ciclo evolutivo.

“E formam harmonia ao girar”. Sua verdadeira forma é esférica e se movem ao redor de seus eixos. Cada estrela emite um tom harmônico perfeitamente concordante com os tons das demais estrelas.

“Que pelo cosmos vai a ressoar”. A música das esferas não se detém enquanto dura a manifestação e penetra todo o sistema solar. Ainda mais, se essa harmonia se detivesse por uns segundos, o sistema solar inteiro se desintegraria.

“Atualmente o ‘homem’ ignora a Lei”. Achamo-nos longe de conhecer todas as leis regentes do cosmos. Mais que isso, vimos transgredindo quase todas as leis que nos têm sido reveladas. Vejamos, por exemplo, os Dez Mandamentos: “e gerou a dor, a desarmonia e a morte”. A desobediência do ser humano aos Dez Mandamentos tem sido a principal fonte de toda a discórdia e tristeza humanas. Ainda mais, é a causa da morte, tal como a conhecemos hoje.

“Pela dor, buscamos agora reconquistar a perdida paz e harmonia”. A harmonia não poderá prevalecer até que o ser humano incorpore em si mesmo os Dez Mandamentos e espontaneamente os viva. Deve também conhecer a lei de Causa e Efeito, juntamente com a lei de Renascimento.

“A Lei buscamos aprender”. Ao nos dispormos a estudar as leis da natureza com real sinceridade e devoção, para conhecê-las e vivermos como Deus manda, podemos alcançar a completa felicidade, a paz e evolução.

“E a Verdade conhecer”. Conhecendo as causas passadas e deduzindo as estreitas relações com os atos presentes, podemos evitar a inconveniência de sua repetição futura. As imutáveis e sempre operantes leis da Natureza emanam de Deus. Jamais se detêm em seu trabalho para trazer a perfeição a tudo que foi criado em embrionária forma.

“Pela conquista dessa verdade a humanidade se libertará”. Quando tenhamos alcançado a verdadeira compreensão de Deus e de suas leis, o que somos, o por que estamos aqui, o processo da saúde física e mental, o desenvolvimento anímico, a eternidade do espírito e a unidade de toda vida, então e só então, estaremos verdadeiramente qualificados para bem servir à Humanidade e à Evolução. Então poderemos ser mestres completos, aptos para levar a mensagem a todos os que estejam amadurecidos para recebê-la, libertando-os de todos os laços de ilusões e de exterioridades.

“Cumpramos todos o dever do nobre e reto proceder, sem ódios nem discriminações nem recompensas, mas simplesmente por amor.” Esse conhecimento não pode ser alcançado sem esforços. Devemos consagrar-nos diligentemente a esse entendimento que, por si só, uma vez alcançado, nos reclama vivê-lo, para que se converta em real valor na disseminação da Luz.

“Sabendo por amor agir e sem cessar o repetir. Chegarmos a finalmente eliminar os medos, tristezas e enfermidades gerados pelo pecado”. É certo que não basta conhecer a Lei. É indispensável PRATICÁ-LA, não apenas quando tenhamos vontade, senão quando convém ao bem dos outros, cada hora, cada dia e todos os anos. Quando tenhamos provado nossa diligência no SERVIÇO DESINTERESSADO, a recompensa será inteiramente nossa e nos tornará VERDADEIRAMENTE LIVRES. Viajaremos com inteira liberdade aonde nos agrada, sem qualquer limitação, deixando em repouso nosso corpo de carne, sobre o leito. Porém, quando chegamos à iniciação não ficamos dispensados de nosso dever sagrado de ajudar, em todos e de todos os planos em que funcionarmos. Ao contrário, impõe-se-nos mais definidamente esse dever e nos tornamos mais capacitados a prestá-lo com mais eficiência.

“Com a tocha da razão por guia buscamos restaurar a harmonia e a felicidade”. Munidos da Luz de um verdadeiro CONHECIMENTO e da RAZÃO (atributo do Poder da Vontade), o Iniciado se guinda a novos poderes para mais eficazmente fomentar a HARMONIA no mundo carente. Transmitindo convictamente esse conhecimento de Deus e de Suas Leis Cósmicas, governantes de nosso e outros sistemas solares, podemos ajudar  cada um a viver em harmonia consigo mesmo e com os demais, criando condições para estabelecimento de uma futura fraternidade, em que se restauram a saúde e a paz.

“Pois a razão, assim usada, dar-nos-á a sabedoria desejada”. O serviço altruísta, amoroso e desinteressado em favor dos demais é o caminho mais curto, o mais seguro e mais agradável que nos conduz a Deus.

“E esforçando-nos para não cair, alcançaremos finalmente o Bem, pela transubstanciação do mal”. Bendita afirmação! Se resistimos, embora fracassemos muitas vezes e nos levantemos sempre, aprenderemos nossas lições. Sem tréguas, sem descanso, mas também sem ansiosa pressa, nossos esforços prevalecerão finalmente. E todo o aparente mal, existente em nós e no mundo, no desvirtuamento das realidades divinas, irão desaparecendo pela gradativa afinação às leis do Criador, mediante a aplicação ordenada desses princípios infalíveis e científicos que encerram amor para tudo vencer e purificar.

Quando analisamos cuidadosamente as palavras desse Hino, chegamos à conclusão de que encerram uma completa fórmula de iniciação.

Nosso HINO ROSACRUZ DE ENCERRAMENTO, também com letra escrita por Max Heindel, é tocado na clave de Ré Bemol Maior, com 5 bemóis, cuja vibração rege a Onda de Vida de Áries, a mais avançada das doze (os Xeofins).

“Deus te guarde até retornar”. Essa tonalidade eleva a audiência ao próprio trono do Pai. É surpreendente que Max Heindel, conhecedor profundo de todas essas coisas, nos exorte a deixar o templo em absoluto silêncio para não alterar as vibrações ali deixadas?

Também os versos do Hino de Encerramento foram escritos por Max Heindel, os quais, profundamente analisados, nos revelam profundas verdades de sublime conteúdo espiritual.

“Vivamos cada dia no amor de Deus”. Quando se executa em Fá Maior, com um bemol na clave, emitimos a nota-chave de Sagitário, os Senhores da Mente , que irradiaram de si mesmos o gérmen mental para a humanidade. Qualquer música tocada em Fá Maior ajuda a desenvolver a Mente  humana.

Quando esse canto é executado na tonalidade de Sol Maior, com um sustenido na clave, suscitamos a influência de Capricórnio, a Onda de Vida Arcangélica, da qual o Cristo é o maior Iniciado. A vibração posta em ação tem efeito direto sobre o mais remoto desenvolvimento do Corpo de Desejos, do qual os Arcanjos são construtores especialistas. Dos planos dos Desejos, os Arcanjos laboram, influenciando-nos para que refinemos nossos corpos emocionais e os empreguemos da melhor maneira.

Os que residem em Mount Ecclesia, na Sede Mundial, desfrutam a oportunidade de se reunir, pelo menos duas vezes por dia, no esforço conjunto para gerar a FORÇA CURATIVA, para com ela socorrer os enfermos, partilhando da grande vantagem de, por esse meio, desenvolver também a Mente , ao cantar o HINO ROSACRUZ DE ENCERRAMENTO, nas despedidas, na tonalidade de Fá Maior.

Esse Hino doxológico é tocado e cantado na CAPELA e no TEMPLO ao final dos serviços devocionais, na clave de Sol Maior, cuja clave leva um sustenido. É a clave de Capricórnio, que representa os Arcanjos.

Esse Hino termina, pois, com sentidas palavras de louvor a Deus ao Criador de nosso Sistema Solar, de todas as criaturas aqui em evolução e de todas as hostes de seres de outros planos de vida, sem olvidar o Pai, o mais elevado Iniciado Iniciado de Sagitário, Hierarquia dos Senhores da Mente; o Filho, Cristo, o mais elevado Iniciado da Onda de Vida de Capricórnio, os Arcanjos; e o Espírito Santo, Jeová, o mais elevado Iniciado da Onda de Vida Angélica, todos trabalhando fervorosamente para ajudar a humanidade e os demais Reinos de vida, na penosa tarefa de seu desenvolvimento evolucionário.

((Traduzido do folheto da The Rosicrucian Fellowship e  Publicado na Revista Serviço Rosacruz de outubro/1968)

poradmin

Lua e Vênus; Sol e Marte em dois horóscopos bem configurados a harmonia prevalece?

Pergunta: Ao falar da polaridade astral em relação ao casamento, sendo a Lua e Vênus fatores significativos no horóscopo de um homem, e o Sol e Marte no de uma mulher, dizem que se estes Astros forem harmoniosamente configurados, etc., a harmonia prevalecerá. Seria a configuração da Lua PARA Vênus e Marte PARA o Sol nos respectivos horóscopos, ou da Lua e Vênus em um horóscopo e o Sol e Marte no outro? O que aconteceria se o Sol masculino estivesse em Oposição a sua própria Lua, mas se harmonizasse com a Lua do provável companheiro? Caso o Ascendente seja desconhecido, qual a melhor base para avaliar a compatibilidade? Será a harmonia ou qualquer outro Aspecto dos dois signos da Lua?

Resposta: Realmente, ambos são necessários para haver harmonia. Uma pessoa com Marte em Quadratura com Vênus não será bem-sucedida nos assuntos amorosos, mas só Marte, no horóscopo de uma mulher, estiver no lugar de Vênus no horóscopo de um homem, teremos então, um caso de amor, à primeira vista. Contudo, esse amor será terreno e mundano — a fase inferior do amor.

O Sol de uma pessoa no lugar da Lua de outra, produz uma condição de harmonia espiritual. Também é verdade que até mesmo a Oposição dos dois luminares de um horóscopo em relação a outro trará harmonia devido a serem opostos. O mesmo não acontece com as Quadraturas, mas verificamos que a Oposição produz harmonia.

A Quadratura do Sol e da Lua sempre torna um homem vacilante. Ele nunca sabe o que quer. Ele está sempre em conflito entre duas ideias. Não obstante, ele pode harmonizar-se com alguém do outro sexo se sua Lua estiver no lugar do Sol da companheira ou em Trígono. Isso traria, sem dúvida, harmonia espiritual.

(Perg. 126 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas – Vol. II – Max Heindel – Fraternidade Rosacruz SP)

poradmin

Sugestões para a sua Saúde

Sugestões para a sua Saúde

Assim como a água se congela pelas Linhas de força etérica nela contidas, invisíveis, mas presentes durante todo o tempo, e tomando formas sólidas de vários contornos que chamamos cristais de gelo, assim também o alimento que nós liquefazemos como sangue, congela ao longo das linhas etéricas no nosso Corpo Vital e tomando formas diferentes como cartilagens, ossos, etc., formando-se cada espécie do tecido congruentemente com as linhas etéricas dessa parte particular do Corpo.

Os chamados “mortos” são os agentes principais do processo da assimilação. Eles são os construtores, enquanto que os “vivos” são os destruidores. Os vivos têm mais força para destruir que os mortos para construir, e por essa razão é que a doença se origina.

A missão da Fraternidade Rosacruz é: ensinar as leis da natureza e como viver em harmonia com elas ajudando as pessoas a corrigir enganos passados. Daí o caráter curativo da nossa obra. Os médicos são particularmente úteis nesse trabalho e aqueles que se juntaram a nós como Probacionistas, são cuidadosamente ensinados pelos Irmãos Maiores a tratar seus pacientes durante a noite, quando ambos, paciente e médico, estão fora dos seus Corpos. Os Probacionistas leigos em medicina são como assistentes dos médicos, variando seu número de acordo com as circunstâncias.

A Lua é o corpo celeste promotor dos eventos. Embora os acontecimentos sejam regidos por outros Planetas não se realizam enquanto a Lua não os provocar.

Há dentro do corpo humano um fluxo e um refluxo (uma maré), assim como há no Mundo exterior. Ha períodos críticos em certas doenças, que podem ser previstos com segurança pela Lua. É muito importante que todos conheçam a enorme influência desse satélite.

Há uma força cósmica que culmina por ocasião da Lua Nova e outra quando da Lua Cheia. Tudo o que se inicia desde a Lua Nova aumenta em intensidade e culminando quando a Lua estiver Cheia.

Esse período marca o fluxo de vida que vem do Sol, refletido pela Lua. Esta força é um grande auxiliar na recomposição do corpo e para conservá-lo em estado saudável. Da Lua Cheia até a Lua Nova, esta grande força-luz torna-se cada vez mais escura e tudo que é iniciado nesse período tende a definhar e a morrer gradualmente.
Sabendo que a Lua tem essa influência, conforme aumente ou diminua em luz, concluímos que esse fator deve ser levado em consideração quando aplicarmos algum tratamento. Todos os tratamentos podem ser divididos em duas classes gerais: estimulantes e sedativos. A primeira classe tem efeito mais acentuado e é melhor aplicada durante o aumento de luz da Lua. A outra é melhor empregá-la durante o período decrescente da Lua.

A regra geral é: desde a Lua Nova até a Lua Cheia, os estimulantes produzem mais efeito e os sedativos, menor. Diminua a dose de estimulantes e aumente a dos sedativos. A única exceção a esta regra é quando a Lua crescente se aproxima de uma conjunção com Saturno. Neste caso, dê doses maiores de estimulantes e menores doses de sedativos.

Quando a Lua Crescente se aproxima de uma Conjunção com Marte e Mercúrio, os estimulantes têm seu máximo efeito e os sedativos o mínimo.

Quando a Lua Crescente está em bom Aspecto com Júpiter e Vênus, os estímulos cardíacos produzem seu efeito mais duradouro. A palpitação é tratada com melhores resultados quando a Lua está decrescendo e faz aspectos favoráveis com os Planetas por último. Aplique estimulantes cardíacos com muita cautela quando os Aspectos da Lua para com esses Planetas sejam desfavoráveis, especialmente em Lua Nova. Os anestésicos também, nessas ocasiões, poderão produzir resultados fatais. Se inibimos o nervo pneumogástrico em certa medida, aquietamos a ação do coração e assim estamos aplicando o que em medicina chama-se um sedativo. A manipulação desse nervo de modo a estimular sua ação tem valor similar ou equivalente à aplicação de um estimulante medicinal.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz – 4/72, traduzido da revista Rays From The Rose Cross – Fraternidade Rosacruz – SP)

poradmin

As Aventuras de Rex e Zendah no Zodíaco – A Terra de Virgem

As Aventuras de Rex e Zendah no Zodíaco
A Terra de Virgem

A entrada para a próxima terra se fazia por meio de um pórtico cujos pilares eram inteiramente cobertos por espigas de milho seguras por meio de folhas entre as quais apareciam ramos de frutas e flores. Rex e Zendah lembraram-se do festival da colheita.

 

Na base de cada um dos pilares havia uma bacia com água; em torno de cada bacia havia palavras gravadas.

Numa estava escrito: “Somente com mãos e pés limpos podem entrar nesta terra”. E na outra: “O asseio é quase religiosidade”.

O espaço entre os pilares não era fechado por portão, mas parecia coberto de pés de milho mais altos do que as crianças. Não se via nenhum caminho e quando as crianças tocavam os pés de milho com as mãos sentiam que eles eram duros, não dobravam. Não havia nenhuma passagem entre os pés de milho… Zendah olhou para o rolo que Hermes lhe dera e mostrou a Rex o que lá estava escrito: “Quando chegarem à Terra da Virgem, lavem-se na água das bacias e esvaziem-nas diante dos pés de milho entre os pilares: depois pronunciem a senha”.

Os meninos dirigiram-se para as bacias. Rex lavou as mãos em uma e Zendah na outra.

– “Você acha que nós devemos lavar em ambas as bacias? “, perguntou Rex.

– “É claro, bobinho”, disse Zendah. “Suponho que sejam espécies diferentes de água. Senti isso quando pus minhas mãos dentro delas”. Sentando-se no chão, Zendah pôs os pés nas águas de ambas as bacias.

– “Não vejo necessidade de fazer isso”, resmungou Rex, pensando que estavam perdendo tempo com tanta lavagem. Todavia, Zendah mostrou a Rex que numa das bacias estava escrito sobre limpeza de pés e mãos e Rex concordou que era melhor lavar os pés também. Depois de se lavarem, despejaram a água como estava ordenado. Na areia apareceram as seguintes palavras: PUREZA e SERVIÇO. Essas palavras formaram-se lentamente e logo desapareceram. Uma voz assustou-os – “Sejam bem-vindos meninos”.

Olharam para cima e viram que onde havia pés de milho que não dobravam estava Hermes com os braços estendidos para eles.

– “Vocês se conduziram muito bem até aqui sem mim”, disse Hermes, “mas nunca me afastei de vocês, embora vocês não me percebessem. Era eu quem “soprava” nos seus ouvidos quando vocês não sabiam o que fazer”.
Chamou os meninos para perto de si e afastando os pés de milho com uma das mãos, com a outra apontou para um caminho que havia entre eles.

Caminharam por extensos milharais, por grandes plantações de aveia, cevada, trigo e outras espécies de grãos.

Tudo madurinho, pronto para ser colhido. No fim do caminho encontraram uma bonita cidade onde várias mulheres, vestidas, de amarelo – cor de milho maduro – foram ao seu encontro. Essas mulheres pareciam não ver Hermes, mas falaram com as crianças.

– “Lavaram seus pés? “, perguntou uma.

– “Suas mãos estão limpas? “, perguntou outra.

– “Espero que vocês não tragam a menor partícula de sujeira para a Terra da Virgem”, disse uma terceira.

Rex e Zendah ficaram atarantados e olharam para Hermes para saber o que deviam dizer.

– “Senhoras”, disse ele, “não há necessidade de fazerem tais perguntas. Estariam bem empregadas para muita gente: não para esses meninos que estão usando seu corpo astral que, como sabem, está sempre limpo. Além disso, eles não poderiam entrar nesta terra sem usarem antes a água das bacias do portão”.

As mulheres inclinaram-se solenemente para as crianças que seguiram com Hermes pela cidade ensolarada. Por toda a parte viam-se pequenas casas com jardins, cada um diferente dos outros.

 

Umas coisas tinham esses jardins em comum; não se via nenhuma erva má, e em todos eles havia canteiros de flores e passeios limpos, sem uma pedra fora do lugar. Era tudo tão bem arrumadinho que os meninos chegaram a ter receio de passar por ali.

Passando além desses lugares floridos chegaram à cidade principal que Hermes disse chamar-se cidade da Perfeição.

Lá havia lindas casas limpas que, na maioria, pareciam lojas dos mais variados negócios. Dentro delas, escreventes trabalhavam afanosamente escrevendo em enormes livros, fazendo soma de parcelas com várias ordens de algarismos.

Todas as paredes eram cobertas de prateleiras divididas em centenas de repartições, cheias de papéis e todas rotuladas com nomes diferentes. Pessoas andavam apressadas pondo ou tirando papéis dessas repartições.

Estavam muito atarefadas para poderem explicar aos meninos que também não se mostraram muito interessados até que Hermes lhes explicou que aquilo que ali escreviam era de grande utilidade para outras terras porque lá se escreviam e conservavam guardadas as coisas importantes que aconteciam.

De lá foram ter a um grande quarto na subloja que muito os interessou.

Era o maior laboratório que já haviam visto. Homens e mulheres de aventais brancos, auxiliados por vários rapazes da idade de Rex, estavam agrupados em torno de pequenas chamas azuis de gás, observando vasos de vidro de formas estranhas.

Outros esmagavam coisas em almofarizes. De quando em quando havia explosões nos vidros e todos se juntavam em redor anotando em seus cadernos de apontamento.

Um homem tirava o sumo de várias frutas, enchia vidros com ele e experimentava o efeito de gotas de líquidos coloridos sobre eles. Esses resultados também eram anotados. Rex perguntou: – “Que fazem eles? ”

– “Tentam descobrir quais as coisas que têm maior valor alimentício para as pessoas comerem”. Rex replicou: – “Pensei que os melhores alimentos fossem o de melhor gosto.

Daí eles passaram por um corredor até uma sala verde cheia de plantas e de flores desabrochadas; muitas delas desconhecidas dos meninos.

– “Por que”, perguntou Zendah, depois de andar de uma planta para outra, “elas não se parecem nem um pouco com as que temos em casa? ”

 

O jardineiro-chefe chegava nesse momento e respondeu:

– “Não, não são: aqui as Fadas nos ajudam desenvolver novas espécies de frutas e flores. Vejam: assim é que fazemos, mas primeiramente precisamos ver se as estrelas dizem ser o tempo propício”. Dirigiu-se para um livro pendurado num dos cantos da sala e correu seu dedo por uma página.

– “Bem, em cinco minutos poderemos começar”.

Tirou uma pequena escova de uma caixa e dirigindo-se a uma planta branca semelhante a um lírio que crescia próximo, tirou um pouco de pólen dos seus estames e depositou-o no longo talo verde que crescia no centro de uma magnífica flor vermelha.

– “Agora”, disse, “devemos atá-lo num saquinho de musselina para que ninguém o toque. Quando as sementes amadurecerem, veremos delas nascer um lindo lírio, vermelho com pintas brancas ou então branco com pintas vermelhas. Não podemos afirmar como será porque tudo depende das Fadas”.

Depois, deu aos meninos um pêssego com gosto de abacaxi e uma maçã almiscarada, sem sementes.
Mostrou-lhes uma rosa azul e uma ervilha amarelo-brilhante.

– “Todas essas flores e esses frutos são descobertos aqui, antes de vocês poderem produzi-los na terra”, disse ele.
Zendah segurou em seu braço.

– “Quando poderemos produzir uma rosa azul? “, perguntou. Ele balançou a cabeça misteriosamente.
– “Quando o jardineiro-chefe for morar com vocês”, respondeu.

Os meninos não queriam mais sair dali. Afinal, Hermes disse-lhes que se apressassem e levou-os a um jardim cercado por altas paredes de pedras. As paredes eram cobertas por árvores frutíferas. No meio do jardim havia um canteiro hexagonal cheio de lírios brancos. No centro desse canteiro havia uma árvore estranha; suas folhas brilhavam como prata e os frutos cintilavam como joias de diversas cores. No alto do galho mais elevado havia uma maçã dourada que brilhava como o sol.

– “Esta é a coisa mais valiosa desta Terra”, disse Hermes, “a maçã Dourada do conhecimento e da cura. Em todo o universo só existe este exemplar. Algumas das pessoas que vocês acabaram de ver estão tentando fazer nascer outras árvores semelhantes a esta. Conseguiram fazer uma maça prateada que fará muito benefício, mas ainda não descobriram como fazer nascer a maçã vermelha”. Saindo desse pátio, penetraram no palácio. Aí, como em toda parte, tudo estava onde devia estar; nada faltava, embora não fosse tão bonito nem tão confortável quanto o Palácio de Vênus.

 

As paredes eram cobertas de linho amarelo. Pequenas correntes d’água passavam por canais nos corredores de modo que para se entrar nos quartos era preciso passar pela água. Isso era para evitar a entrada de poeira nos quartos.

Na sala maior, bem no fundo, havia um dossel sob o qual estavam sentados cinco homens sábios em torno de uma mesa redonda. Havia uma cadeira vazia na mesa; a diferença entre essa cadeira e as outras estava em ser mais belamente entalhada. Hermes disse que essa era a sua cadeira, mas que sempre estava tão ocupado como mensageiro dos deuses que os cinco homens governavam por ele quando estava ausente.

– “Meu irmão Vulcano também ajuda, mas está tão ocupado em forjar obras de arte que também não tem muito tempo para governar. Pouca gente sabe quando ele aqui aparece”.

Os meninos olhavam para uma oficina ao lado da sala. Lá viram Vulcano martelando folhas de metal. Muitos jovens faziam inúmeras coisas úteis, desde vasos e bacias até pequenos baldes. Era notável a delicadeza dos detalhes e o polimento dado a cada peça. Voltando à sala grande, Hermes apanhou em um prato uma bonita maçã colorida e deu-a a Zendah. Olhando-a surpresa, Zendah verificou que era de metal embora parecesse verdadeira.

– “Esta é uma cópia da maçã da saúde”, disse Hermes, “mas poderá fazer passar a dor de cabeça quando você cheirar, também cura uma porção de outros males”.

Nas mãos de Rex, Hermes depositou um alfinete com feitio de lírio, cuja cabeça era de jaspe, dizendo-lhe para conservá-lo como lembrança da Terra da Virgem.

De um outro prato tirou um grande pedaço de bolo e partindo-o ao meio deu um pedaço a cada um dos meninos.
– “Em parte alguma vocês encontrarão pão que satisfaça tanto como este da Terra da Virgem”, disse.

De fato, depois de terem provado, Rex e Zendah concordaram que jamais provaram pão tão delicioso.

De regresso ao portão de entrada, passavam por todas as casas tão limpinhas e de novo chegaram aos campos de milho. Hermes mostrou-lhes o caminho acenando com a mão.

Os meninos penetraram no caminho mostrado e logo chegaram ao lado de fora da Terra da Virgem, próximo do portão seguinte.

(The Adventures of Rex and Zendah In The Zodiac – por Esme Swainson – publicado pela The Rosicrucian Fellowship – publicado na revista Rays from the Rose Cross nos anos 1960-61; As Aventuras de Rex e Zenda no Zodíaco (as Ilustrações são originais da publicação) –Fraternidade Rosacruz – SP – publicado na revista Serviço Rosacruz de 1980-81)

poradmin

As Aventuras de Rex e Zendah no Zodíaco – A Terra do Touro

As Aventuras de Rex e Zendah no Zodíaco

A Terra do Touro

 

Uma muralha de pedra, sólida e preta apareceu aos olhos de Rex e Zendah quando se aproximaram da terra do touro. Levantava-se reta e lisa; não se via uma falha. Mais ou menos a seis pés de altura do chão havia muitas esculturas; rostos pequenos, pássaros e animais semelhantes aos que fossem descobertos nas escavações feitas nos desertos do Egito. Os rostos eram esculpidos, sobressaindo ligeiramente da superfície da muralha e o conjunto escultural tinha por fundo linda pedra azul para fazer com que as esculturas sobressaíssem.

Defronte da muralha o chão era arenoso; tão seco que a cada passo que se dava erguia-se uma nuvem de poeira. Os meninos sabiam que era difícil encontrar o Portão do touro, pois estava escondido, e por isso eles começaram a examinar cuidadosamente toda muralha. De súbito, Zendah tropeçou em alguma coisa no chão. Afastou a areia com as mãos e encontrou um alçapão de pedra, quadrado, tendo no meio uma argola de cobre que repousava num cavado feito de pedra. Rex pegou a argola e deu-lhe um puxão, mas a argola não se moveu. Zendah também tentou, mas nada conseguiu.

Súbito, lembraram-se: ‘temos de botar no cavado em que está a argola, o pó azul que Hermes nos deu, e colocar as joais que ganhamos na Terra do Escorpião-Águia e na do Homem do Jarro, uma de cada lado, e a joia do Leão por baixo. Depois disso vamos esperar para ver o que sucede”.

Olharam para as instruções que Hermes lhes dera para se certificarem se era isso que deveriam fazer. Era isso mesmo. Zendah ajoelhou-se e pôs o pó no cavado e arrumou as joais da maneira ordenada. Um minuto depois, subiu uma espiral de fumaça do pó e a terra tremeu tão forte que Rex e Zendah caíram um de cada lado do alçapão.

Ao se levantarem constataram estar ao lado de uma abertura feita no chão. O alçapão estava suspenso de um lado como uma tampa de caixa. As joias enfileiradas adiante, prontas para eles apanharem-nas de novo. A abertura do alçapão era o princípio de uma escada de pedra. Os meninos pensaram que ali estava a entrada da Terra do Touro. Desceram a escada até o fundo onde viram uma arcada com uma porta de pedra na qual havia uma aldrava para bater, em forma de cabeça de touro. Rex deu duas pancadas e ouviu-se uma voz:

– “Quem é?”

– “Rex e Zendah”.

– “A senha?” perguntou de novo a voz.

– “Força”.

A porta caiu para trás e eles tiveram de subir por ela para poderem entrar. O Guardião do portão era uma pessoa alta e estava com um capacete semelhante a cabeça de um touro. Que figura esquisita!

À entrada estava parada uma robusta mulher usando vestido branco com cinto azul. Seus ombros estavam encobertos completamente por um colar chato, de pedras azuis. Uma cinta de cobre mantinha seus cabelos castanhos-escuros em ordem. Na frente da cinta havia um ornamento feito de chifre.

– “Sejam bem-vindos à Terra do Touro”, disse ela. “Possa nossa amizade durar tanto quanto são fortes e duradouros os nossos alicerces”. Afastando-se para um lado, conduziu os meninos para dentro onde estava parado um carro puxado por dois bois brancos com uma coroa de flores nos chifres. Depois dos meninos subirem para o carro, ela subiu na frente e dirigiu a carruagem.

As estradas eram largas e lisas, muito bem conservadas. Não viajaram muito, mas assim mesmo tiveram tempo para olhar os arredores. A primeira parte da terra por que passaram era campo; por toda parte viram homens e mulheres atarefados em arar e plantar. Todos pareciam saudáveis e vigorosos. A maioria possuía esplêndida cabeleira castanho escuros e grandes olhos também dessa cor. Todos cantavam enquanto trabalhavam. Onde havia muitos juntos, podia-se ouvir quase que um concerto. Em alguns lugares as sementes já germinavam.

Parecia não haver lugar que não fosse cultivado.

Pouco adiante viram homens abrindo novas estradas e fazendo as fundações de edifícios. Os edifícios eram fortes e bem feitos. As paredes muito grossas e feitas de pesados blocos de pedra. Parecia que durariam para sempre depois de prontos.

Nas casas já habitadas, os meninos verificaram que cada uma tinha um pequeno campo onde um touro ou uma vaca pastava ou estava deitado, aquecendo-se ao sol. De fato, havia, tanto gado nessa terra quanto cavalos na Terra do Arqueiro.

Logo chegaram à Cidade do Touro. Era um quadrado perfeito, tendo aos lados altas e maciças paredes nas quais havia entradas frente ao norte, ao sul, a leste e a oeste. A carruagem parou no portão norte e eles seguiram seu guia a pé pela cidade. As ruas estavam cheias de pessoas; e como trabalhavam. Parecia que tinham tudo que você possa imaginar para vender. Havia mercadores de todas as parte do mundo tentando vender suas mercadorias dos donos de lojas.

Em algumas lojas havia nas vitrines toda a sorte de coisas boas para comer. Só de olhá-las, ficava-se com fome.

Os meninos pararam a entrada de uma joalheria pois nunca viram, em parte alguma, tanta joia de ouro, nem pedras tão bonitas. Zendah quis comprar algumas para levar para casa, mas… não encontrou dinheiro nos bolsos de sua “roupa estelar”.

Estava difícil afastá-los dali porque havia muitas coisas bonitas para se ver; mas afinal, foram para a parte central do mercado, onde se erguia o edifício principal da terra. Havia uma fonte em cada canto, surgindo das costas de quatro touros de mármore, pois este grande edifício, como toda a cidade, era um quadrado perfeito. O portão de entrada estava guardado por homens com capacetes semelhantes ao que usava o Guardião da entrada da Terra.

Suas túnicas curtas eram azuis e seus escudos brancos, com um touro preto como ornamento.

Rex e Zendah estavam certos de que esse palácio não poderia sair dali; era tão sólido e tão estável quanto era móvel e aéreo o palácio de Hermes. Já no seu interior, os meninos ficaram embasbacados; estavam na parte mais bonita do edifício; cada parede, soalho ou corredor era de desenho diferente feito de pedra de várias cores e feitios.

Para poderem entrar na sala principal tiveram de afastar as cortinas de cor azul celeste. O teto da sala estava pintando de forma a parecer o céu estrelado. Ao redor havia grandes pilares com figuras pintadas semelhantes àquelas da entrada da terra.

O trono tinha por braços touros entalhados e em cima, na parede que ficava por trás, havia grande janela em forma de crescente lunar.

Uma mulher que estava sentada no trono sorriu para os meninos e pouco depois viram que ela era a Rainha Vênus, embora parecesse algo diferente, o que fez com que não a reconhecessem imediatamente. Seu vestido estava todo dobrado ao seu redor, em tantas dobras que ela estava quase escondida, mas seu pescoço e seus braços estavam nus. Usava magnífico colar de esmalte azul com correntes de esmeraldas pendentes e em sua cabeça tinha uma coroa feita de estreita tira de cobre os quais brilhava com círculo de prata.

Já era tarde porque a noite começara a cair enquanto eles iam para o palácio. A lua cheia apareceu brilhando através da janela bem por cima da cabeça da Rainha. Nesse preciso instante um órgão, no fundo do salão, começou a tocar suavemente e vozes em coro cantaram uma canção de agradecimento que, em constante crescente, terminou fortíssimo.

No momento de silêncio que se seguiu, Rex e Zendah viram a figura do quarto grande Anjo, com uma estrela na fronte, muito semelhante aos outros Anjos que haviam visto, com a única diferença que este possuía asas azuis.

Abriram-se as cortinas e uma procissão de pagens apareceu conduzindo bandejas de cobre. Era o festival das Ofertas da Terra. Essas ofertas consistiam em sedas, sementes, buquês de violetas, ornamentos de ouro e de prata, tudo tão bonito! No fim de tudo apareciam vasilhas cheias de moedas de ouro e de prata.

Mercadores de todas as cores e raças davam suas graças. Arquitetos trouxeram seus planos. Durante todo o tempo que durou a procissão de dádivas, o coro entoou a canção da Abundância da Terra.

Cada pagem, à medida que entrava, ocupava determinado lugar a direita ou à esquerda do trono. Depois de terem entrado todos os pagens, Rex e Zendah viram que estavam esperando por eles, para se apresentarem diante do trono.

Ficaram muito encabulados pois nada tinham para oferecer.

A Rainha Vênus sorriu e disse:

– “Não esperamos que nossas visitas nos façam ofertas; ao contrário, somos nós que lhes damos algo, para levarem consigo. Por certo já perceberam que nesta terra há abundância de tudo o que proporciona conforto e bem estar. Eis aqui a bolsa mágica que nunca se esvazia desde que você dê um pouco do seu conteúdo a outro que dele precise ou toda vez que você gastar algum dinheiro com você. Ela lhe dará riqueza, Rex, mas use-a com sabedoria. A você Zendah, concedo o Dom da voz, Dom mais precioso do que o ouro”.

Tendo tocado a garganta da menina com sua varinha ornada com violetas, Vênus colocou-lhe em torno do pescoço um colar de esmeraldas. Zendah sentiu vontade de cantar.

Vênus acenou com a cabeça, dando sinal aos músicos, e antes que pudesse perceber o que fazia, Zendah estava cantando sozinha.

Rex ficou admirado, pois nunca ouvira a irmã cantar, antes. Quando Zendah terminou a canção, a Rainha Vênus acenou aos meninos e ambos subiram os degraus do trono. Vênus abraçou-os e beijou-os.

– “Agora, sentem-se aí defronte, nessas almofadas, para vocês serem transportados ao portão da próxima Terra”.

O órgão tocou um acorde lento e de novo as vozes do coro entoaram algumas palavras que os meninos não compreenderam. Ao final, a própria Rainha Vênus juntou-se ao coro.
As luzes como que se apagaram e eles foram descendo, descendo, como se estivessem penetrando na terra e, de repente… um súbito barulho como se fechasse uma porta… e mais uma vez, com o quarto terremoto, estavam do lado de fora do Portão do Touro.

(The Adventures of Rex and Zendah In The Zodiac – por Esme Swainson – publicado pela The Rosicrucian Fellowship – publicado na revista Rays from the Rose Cross nos anos 1960-61; As Aventuras de Rex e Zenda no Zodíaco (as Ilustrações são originais da publicação) –Fraternidade Rosacruz – SP – publicado na revista Serviço Rosacruz de 1980-81)

poradmin

Canais de Cura

Canais de Cura

Curar é uma palavra mágica. Uma palavra capaz de fazer soar uma corda dentro de todos os corações. Quem, dentre nós, nunca sentiu interiormente um movimento de piedade e desejou possuir mãos com o dom de curar? Que coração não se comoveu ante a possibilidade de suprimir a dor, o sofrimento e a enfermidade, obstáculos a limitar a livre expressão de nossos irmãos? Tantos pediram este poder divino em suas orações. Tão poucos se dão conta do que pedem e do sacrifício que isso encerra.

Através das idades, o ser humano vem buscando incessantemente a fórmula mágica – a panaceia – para remover os males do Corpo e da Mente. Durante a marcha dos séculos apareceram curadores divinos que verdadeiramente procuraram extrair a água da “Fonte da Cura”, oferecendo-a aos sofredores.

Estes curadores, todavia, não eram a fonte, nem a água. Eram unicamente canais, instrumentos para a condução da Graça Divina à humanidade enferma. O maior curador de todos os tempos foi Cristo-Jesus, o canal mais perfeito que já caminhou sobre a Terra. Foi o mais exaltado instrumento através do qual a Luz, a Vida e o Amor do Pai puderam encontrar expressão. Amiúde dizia: “Não sou Eu, mas o Pai em Mim que faz as obras”. Ele mesmo nos deixou a promessa de que faríamos tudo o que fez. Ressaltou a possibilidade de convertermo-nos em canais por onde possam expressar atos de misericórdia e cura.

Para seguirmos Seus passos, tornando-nos canais radiantes de luz e força curadora, devemos aspirar a serem curadores. A aquisição do conhecimento, embora se constituindo em um mero princípio neste trabalho, é um passo necessário. Do devido uso do conhecimento surge o poder.

A aquisição do conhecimento constitui sempre um prelúdio para sua utilização. Aqueles que assistiram aos cursos ministrados durante a Escola de Verão em Mount Ecclesia puderam obter um vislumbre dos muitos fatores requeridos pelo trabalho de cura. Ensinaram lhes como as leis operam sobre os planos físico, mental, emocional e espiritual. À medida que se medita sobre eles as Portas da Inteligência começam a abrir-se, ampliando nossa consciência. Desenvolvem, também, nossa intuição e percepção interna, convertendo-se, gradativamente, em uma ferramenta mais eficiente, um instrumento mais útil para conduzir a “água da vida” aos outros.

Mas, para que nos convertamos realmente em verdadeiros canais de cura, um preceito deve ser entendido e consolidado em nosso interior: “o Cristo” – o Senhor da Cura – é a encarnação do Princípio do Amor Divino. E se desejamos aprender a curar, cumpre-nos, antes de tudo, aprender a amar. O amor não é meramente um sentimento, nem uma emoção, mas um princípio atual, um poder divino latente em cada um de nós. É a influência que sustenta, reserva e protege toda a criação. E, naturalmente, toda cura está contida no amor. É fácil ver em proporção ao nosso desenvolvimento do Princípio de Cristo – poder do amor dentro de nós – se crescemos em graça e habilidade para curar e abençoar.

Cristo Jesus, como sabemos, produziu milagres na arte de curar, era possuidor da habilidade de Curar instantaneamente aqueles que mereceram essa benção.

Como se verificaram esses milagres? Max Heindel nos oferece uma explicação iluminadora: o Cristo encarna dentro de Si mesmo a síntese das vibrações estelares, assim como a oitava encerra todos os sons da escala. Emitia de Si mesmo a verdadeira e correta influência astrológica, necessária em cada caso particular de cura. Era capaz de perceber a desarmonia da pessoa enferma. Sabia como eliminá-la em seguida, pela virtude de seu exaltado desenvolvimento, pois ele foi o Canal Perfeito. Não necessitava mais reparação, pois obtinha resultados imediatos substituindo a discórdia astrológica – causadora da enfermidade – pela harmonia.

Esta referência às vibrações astrológicas em relação à cura é um ponto vital a ser considerado na arte de curar. Portanto, contemplemos os Astros, pois ali se encontra a Escritura de Deus estampada. Ali, no firmamento, existem verdades sagradas ocultas, reveladas apenas aqueles que aspiram a ler as inscrições astrais.

Na ciência da astrologia, a sexta Casa associa-se à enfermidade e à saúde. O regente natural deste departamento da vida é Virgem, a Virgem Imaculada, o símbolo da pureza, do discernimento e do serviço. O Maior de todos os curadores nasceu da Virgem. À medida que crescemos em qualidade de serviço e pureza, apressamos o nascimento do Cristo-Menino dentro de nós. Enquanto não houver o nascimento de Crístico em nós, não poderemos converter-nos em curadores afortunados. Está aí uma Lição ensinada por Virgem.

Observemos agora o Signo que rege a cura. Vejamos o dinâmico Escorpião representado pelo escorpião, pela serpente e pela águia. A serpente representou sempre a força criadora: envilecida converte-se em escorpião ou degeneração. Elevado e transmutado, porém, transforma-se no símbolo da águia, a regeneração. É interessante observar uma característica das pessoas de Escorpião: possuem uma habilidade natural para curar.

Nos velhos livros de astronomia a constelação de Escorpião abrangia também a de Libra. Assim, Virgem e Escorpião permaneceram lado a lado nos céus. Depois, parte da constelação de Escorpião serviu para formar os pratos da balança (Libra). Isto, em si mesmo, é muito significativo. Em um lado dos céus estrelados permanecia Virgem, a Imaculada Virgem; no outro está Escorpião. E reluzindo entre eles, em refinada beleza, estão os pratos de Libra, formando uma verdadeira ponte de amor, harmonia, beleza, equilíbrio e proporção unindo os dois Signos representativos da saúde e cura.

Que formosas lições podemos aprender contemplando esses Signos zodiacais. As Hierarquias celestiais expressando-se através deles nos ajudarão a desenvolver poderes divinos, convertendo-nos em canais individuais de cura. Encontramos a pureza, o discernimento e o serviço simbolizados por Virgem devendo mesclar-se com o amor, beleza e equilíbrio de Libra, além de combinar-se com o poder de Escorpião.

Com esse ideal como nossa meta – pois sem ideais elevados não faríamos nenhum progresso – nossos corpos se transformam em canais radiantes, tornando-nos dignos de confiança e capazes de fazer bom uso do poder curador.

Em nossa contemplação dos símbolos celestiais destacamos Libra, a ponte celestial entre Virgem e Escorpião. No palácio de Libra mora o amor, o princípio Crístico – a chave mágica para a verdadeira cura. Como seus companheiros naturais notamos a beleza, a harmonia, a música, o equilíbrio, a justiça e a proporção.

Libra carrega os pratos da alegria e da tristeza. Se cruzarmos sem perigo a ponte de Libra, conduzindo desde Virgem a terra misteriosa de Escorpião (cura), devemos primeiramente equilibrar tais pratos. Em um deles permanece Vênus – o regente deste Signo – símbolo da alegria. No outro encontramos Saturno – exaltado em Libra – representando a tristeza. Este equilíbrio da alegria e tristeza em nossas vidas pessoais encerra uma poderosa lição e um grande desafio. Não se pode encontrar uma melhor descrição desse equilíbrio que nas palavras do poeta Khalil Gibran:

“Vossa alegria é vossa tristeza descoberta.

E do manancial onde aflora vosso riso, jorram amiúde vossas lágrimas.

E como mais poderia ser?

Enquanto se aprofunda vossa tristeza, mais alegria poderá obter.

Alguns dirão: A alegria é maior que a tristeza;

E outros afirmarão: A tristeza é maior.

Porém, eu vos digo que são inseparáveis.

Juntas vêm, e enquanto uma permanece só à mesa,

Recorde que a outra está dormindo em vosso leito.

Certamente estais suspensos, como os pratos,

Entre vossas alegrias e tristezas”.

Somente quando aprendermos a equilibrar alegria e tristeza em nossas reações às experiências da vida poderemos adentrar a casa do tesouro de Libra.

Assim, ao delinearmos, individualmente, o modelo de nossas vidas, investimo-nos das qualidades positivas exemplificadas por esses nobres Signos. Ao fazê-lo, capacitar-nos-emos para a missão de Curadores Divinos. Esforcemo-nos em converter-nos não em curadores, mas em canais puros, através dos quais o poder de cura do nosso Pai Celestial possa fluir. Cristo nos ensinou isto na expressão: “Não se faça a minha vontade, mas a Sua, Pai”. Assim não correremos o risco de fazer uso indevido desse poder celestial.

Um poeta desconhecido nos enseja a chave nestas palavras:

“Se possuis o coração compassivo,

o cérebro onisciente, a mão que cura,

A sempre radiante coroa de sabedoria e amor,

Se podes obter tudo isto e ser um Deus,

Não busques a fama: unicamente o Serviço Amoroso

Obtém este poder”.

Estas últimas palavras nos deixam entrever o segredo da cura, como pode ser observado nos céus: serviço (Virgem) no amor (Libra); este dom pode ser adquirido (Escorpião).

Os céus indicam o caminho da cura. Nós, Aspirantes à vanguarda do trabalho espiritual, podemos e devemos nos converter em uma verdadeira legião de luz – canais de luz – pois, como Filhos de Deus, temos o privilégio de apressar o dia quando o “Sol da retidão levantar-se-á com a Cura em suas asas”.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz – 10/76)

poradmin

Algumas Correlações do Signo de Libra

SIGNO: Libra, a balança

QUALIDADE: cardinal; ou consciência dirigida ativa e dinamicamente para o interesse em objetivos específicos.

ELEMENTO: ar, ou a consciência relacionada com os assuntos sociais e intelectuais. Entre outras coisas, o elemento ar corresponde aos gases, a Mente e ao Mundo do Pensamento.

NATUREZA ESSENCIAL: Integração.

ANALOGIA FÍSICA: vento

PLANETA REGENTE: Vênus, porque é capaz de expressar suas funções: fácil e livremente quando colocado nesse Signo. Vênus representa a urgência para expressar o amor e a apreciação, para experimentar a consciência da moral, da ética e dos valores estéticos e se esforçar para uma paz, harmonia e beleza maiores.

CASA CORRESPONDENTE: a 7ª Casa corresponde a Libra e representa o desejo para agir baseado nos relacionamentos e comunicações com os outros.

ANATOMIA ESOTÉRICA: representa a Mente Subconsciente.

ANATOMIA EXOTÉRICA: específica: rins, as glândulas suprarrenais, ovários, tubos de Falópio, a região lombar, a pele, os ureteres e o sistema vasomotor. Geral: órgãos reprodutivos internos, glândulas endócrinas.

FISIOLOGIA: Vênus, regente de Libra, rege a fisiologia do paladar, do olfato, da digestão dos açúcares, amidos e celuloses no corpo, a filtração seletiva das substâncias nos rins, a circulação do sangue nas veias, e a produção de estrógeno e outros hormônios femininos. Vênus também rege o apetite e as funções da glândula timo.

TABERNÁCULO NO DESERTO: simboliza a consciência contida na parte externa do Tabernáculo. Libra é o Signo da balança e através desse Signo o ser humano aprende os trabalhos das leis gêmeas de Renascimento e Consequência. Ele aprende como a Lei de Causa e Efeito guarda a medida cósmica da justiça e da harmonia em equilíbrio e como, por meio de ciclos de descanso e atividade, progresso e recapitulação, morte e renascimento, o ser humano evolui de um para outro nível.

MITOLOGIA GREGA: Afrodite, deusa do amor, Eros, Hera e Athena, embora as duas últimas são específicas de Vênus em Libra. Hera foi a deusa do casamento e a deusa da justiça para aqueles que foram vítimas da infidelidade ou da traição. Athena foi a deusa da sabedoria, do conhecimento temperado com amor, a patrona das artes e da guerra contra a injustiça, da iniquidade e de tudo aquilo que procurava escravizar a nobreza humana em direção a luxuria do poder e do engrandecimento.

CRISTIANIDADE CÓSMICA: A entrada do Sol em Libra marca o tempo quando Cristo toma contato novamente com a Terra física. Também indica Sua tarefa para a estação sagrada que se aproxima: Seu trabalho para restabelecer o equilíbrio das forças que o ser humano insiste em desequilibrar através das atividades discordantes nos seis meses que se passaram (de março até setembro).

LIÇÕES: a natureza mutável, algumas vezes parece que se encontra no sétimo céu em seus entusiasmos e, de repente e sem causa visível, os pratos da balança pendem para o outro lado, e se encontram na mais profunda melancolia e tristeza, como se não tivesse nenhuma amizade no mundo.

(traduzido da Revista: Rays from the Rose Cross – outubro/75 e 78 pela Fraternidade Rosacruz – Campinas – SP – Brasil)

poradmin

Algumas Correlações do Signo de Touro

 

SIGNO: Touro, o touro

QUALIDADE: Fixo; ou consciência dirigida gradual e consistentemente para estabelecer e manter um centro estável.

ELEMENTO: Terra; ou consciência em harmonia com o tangível, dimensões exteriores e manifestações da vida. Entre outras coisas, o elemento Terra corresponde aos sólidos, o Corpo Denso, a Região Química do Mundo Físico e o Tríplice Corpo.

NATUREZA ESSENCIAL: Tranquilidade

ANALOGIA FÍSICA: Terra ou solo fértil.

PLANETA REGENTE: Vênus. Porque ele é capaz de expressar suas funções mais fáceis e livremente quando ele está situado nesse signo. Vênus representa a necessidade de expressar o amor e a afeição, experimentar a paz, a harmonia e a beleza, e se esforça para a elevação moral e o refinamento estético.

CASA CORRESPONDENTE: a 2ª Casa corresponde a Touro e representa o desejo para a segurança no mundo exterior.

SÍNTESE: Combinando os fatores precedentes nós vemos que Vênus em Touro e na segunda casa representa a consistente e firme necessidade de expressar o amor e a afeição, a paz experimentada, a harmonia e a beleza, e se esforça para a elevação moral e o refinamento estético em uma maneira tangível e externa, através do desejo de obter segurança no mundo exterior.

ANATOMIA ESOTÉRICA: representa o Corpo de Desejos.

ANATOMIA EXOTÉRICA: específica: crânio e base do cérebro, cerebelo, pons varolii, medula oblongata, mandíbula inferior, língua, palato, garganta, faringe, laringe, tonsilas, adenoides, ouvidos, Tubo de Eustáquio, vértebra e nervos cervicais, glândulas salivares, glândula Tireoide e glândulas paratireoides. Geral: veias e celulose.

FISIOLOGIA: Vênus, o regente de Touro, governa o processo fisiológico envolvidos no gosto, cheiro, metabolismo dos carboidratos (aqui junto com Mercúrio), filtração dos resíduos nos níveis celulares e orgânicos, produção (aqui junto com a Lua) dos hormônios femininos, produção de insulina, circulação do sangue nas veias e o funcionamento da glândula Timo.

TABERNÁCULO NO DESERTO: representa o Altar dos Sacrifícios, que ficava dentro do Portão Leste. Esse Altar simboliza o sacrifício dos nossos próprios desejos, a fim de que as necessidades para o nosso progresso espiritual possam ser realizadas. Nossos desejos para termos facilidades e conforto e para termos ganho pessoal e poder, deve dar lugar ao desejo de participar em um plano mais abrangente que veja além do momento atual e além da personalidade. Esse sacrifício fornecerá o combustível para alimentar nossas aspirações espirituais.

MITOLOGIA GREGA: Na mitologia grega Vênus eram os deuses: Afrodite, Hera e Eros. Afrodite é a deusa do amor, Hera, a deusa do casamento (refletindo o regente de Libra que também é Vênus) e Eros que corresponde ao Cupido da mitologia romana, é o atendente de Afrodite. Eros representa a força de atração e de coesão entre as pessoas.

CRISTIANIDADE CÓSMICA: Em sua ascensão aos mundos superiores, o Cristo passa através do Mundo do Desejo e nesse tempo do ano Ele se esforça para purificar as condições lá prevalecentes. Então, Ele ajuda a dispersar os miasmas do egoísmo e de outras forças astrais negativas, tornando possível para nós obtermos material mais puro para construirmos melhores Corpos de Desejos.  Isso acelera o dia em que nós sejamos capazes de conquistar nossa natureza inferior.

(traduzido da Revista: Rays from the Rose Cross – maio/1978 pela Fraternidade Rosacruz – Campinas – SP – Brasil)