Arquivo de tag tromba marinha

poradmin

O Lado Oculto da Oração

O Lado Oculto da Oração

Na noite em que a Lua[1] está transitando por em torno do décimo quinto grau de Signo Cardinal[2], realizamos nosso Ritual do Serviço Devocional de Cura. Nesse sentido, é muito importante ter em mente que os Estudantes da Fraternidade Rosacruz, que residem em várias partes do mundo, concentram nesse dia dirigindo seus pensamentos para a Pró-Ecclesia, com o mesmo objetivo que estamos agora tentando realizar, ou seja: gerar pensamentos de auxílio e de cura e concentrá-los em uma única direção: os Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz, para que os utilizem no seu benéfico Serviço em prol da humanidade.

Porém, se realmente queremos realizar algo naquele sentido, devemos ter uma compreensão clara e definitiva do que é o nosso ideal e quais são os meios para alcançá-lo. Não é suficiente sabermos de modo vago que existem no mundo a doença e o sofrimento, nem que façamos uma ideia, também vaga, de auxílio para aliviar esse sofrimento, seja ele físico ou mental. Devemos fazer algo definido para atingir nosso objetivo e, portanto, será bom colocar diante de nossas Mentes uma ilustração que possa nos ajudar.

Vamos supor, que um de nossos prédios está em chamas. Muito lixo se acumulou em um canto e, por combustão espontânea, finalmente pegou fogo. Temos mangueira, água e um bico para que possamos esguichar sobre o fogo e tentar apagá-lo. Contudo, para fazer isso, precisamos primeiro ligar a água e apontar o bico para o fogo; além disso, o fluxo de água deve ser adequado para enfrentar o fogo. Não nos ajudará em nada se apenas abrirmos a torneira pela metade ou se tivermos um fluxo fraco e esguicharmos aqui e ali. Devemos apontá-lo diretamente para o centro do fogo e devemos ter força e volume adequado para lidar com o material em chamas. Se tivermos esses requisitos, seremos capazes de apagar o incêndio no edifício e, portanto, teremos cumprido nosso propósito pelo uso adequado de meios eficientes.

A cura de enfermidades oferece uma analogia perfeita, pois em qualquer patologia, podemos dizer, há realmente um incêndio, o invisível fogo que é o Pai tentando dissolver as cristalizações que acumulamos em nossos corpos. Reconhecemos a febre como sendo um fogo, mas os tumores, como o câncer e outras doenças, são, também em realidade, o efeito desse fogo invisível, que tenta purificar o organismo e libertá-lo das condições que criamos ao transgredir as Leis da Natureza.

Agora, os pensamentos de cura.

Este mesmo poder que está procurando, lentamente, purificar o Corpo pode ser aumentado, em alto grau, pela concentração adequada, o que é realmente uma prece, desde que tenhamos as condições apropriadas.

Para ilustrar essas condições tomaremos como exemplo a tromba marinha. Talvez nenhum de nós tenha presenciado este fenômeno da natureza, que, embora maravilhoso, inspira pavor.

Em geral, quando ele ocorre o céu parece aproximar-se da água; há no ar um tenso estado de concentração.

Gradualmente, um ponto do céu desce até a superfície das águas e as ondas, em certa extensão, parecem saltar para cima até que, ambos, céu e água, unem-se formando um redemoinho de voragem vertiginosa.

Algo semelhante ocorre quando uma pessoa ou várias pessoas estão em prece fervorosa. Todas as forças da natureza que realizam o trabalho conosco estão trabalhando apenas no éter – eletricidade, força expansiva no vapor etc. – todas são etéreas. Contudo, existem forças no universo muito mais potentes e sutis, entre elas, o poder do pensamento. Quando uma pessoa se absorve numa intensa súplica a um Poder superior, sua aura parece afunilar-se em forma semelhante à parte inferior da tromba marinha. Isso eleva-se no espaço a uma grande distância e, sintonizando-se com a vibrações do Cristo, do Mundo Interplanetário do Espírito de Vida, atrai para si uma força divina que penetra na pessoa ou num grupo de pessoas e vivifica o pensamento-forma que elas criaram. Desse modo, o fim pelo qual se uniram, será atingido.

Mas gravemos bem em nossas mentes que esse processo de orar ou de concentrar, não é um frio processo intelectual. É preciso haver um grau adequado de sentimento para atingir o fim desejado, pois, se faz necessário uma quantidade de água para apagar o fogo. Se não estiver presente esta intensidade de sentimento, o objetivo não será alcançado, contudo se utilizar apenas uma pequena quantidade de água, isto não apagará um grande incêndio. Este é o segredo de todas as preces milagrosas que já foram registradas: a pessoa que orava, fazia-o sempre com intenso fervor; todo o seu ser se submergia no desejo de obter aquilo por que orava, e dessa forma, elevava-se aos reinos divinos, trazendo de volta a resposta do Pai.

No ano passado, tivemos um caso desse tipo, aqui em Mount Ecclesia. Um dos trabalhadores se feriu em um acidente de automóvel e sofreu um traumatismo craniano. Naquela noite, aqui na Pró-Ecclesia, todos nos juntamos à uma súplica silenciosa ao nosso Pai Celestial para que ele pudesse ser auxiliado na cura.

Claramente, o escritor percebeu a intensidade do sentimento e como ele deu origem àquele canal na parte inferior em forma de funil, que trouxe a resposta divina. Naquela noite, o trabalhador recuperou a consciência, algo muito incomum na história desses tipos de casos. Também descobrimos que em certas comunidades sagradas, como, por exemplo, “a mesa redonda do rei Arthur”, ou em um círculo de espiritualistas, uma condição semelhante é provocada. As pessoas que estão sentadas em círculo, sintonizam com uma vibração comum, cantando certas músicas. E, assim, estando unidas, formam um único funil áurico que traz de volta a resposta do que desejam, de acordo com a intensidade de seus desejos e sua concentração.

Essa vibração espiritual é tão poderosa que, às vezes, pode ser transmitida e permanecer ao redor, mesmo em objetos aparentemente inanimados. Por exemplo, muitas pessoas sentiram, algumas foram até superadas, pelas poderosas vibrações no órgão daqui. Você notará que há sobre o órgão uma cópia do Cristo pintada por Hoffman[3]. Não há dúvida na Mente do orador de que quando Hoffman pintou esse quadro, ele sentiu muito intensamente a posição e o sentimento de Cristo no Getsemani; portanto, impregnou-se a sua imagem, uma representação desse mesmo canal áurico. Isso não seria reproduzido e não permaneceria como uma cópia impressa da imagem.

Contudo, esse quadro que está aqui na Pro-Ecclesia foi pintada por um de nossos membros que solidarizou ao sentimento do artista original e foi tomado de uma compreensão do mistério do sofrimento de Cristo naquela hora solitária. Assim, conseguiu trazer esse mesmo canal a sua imagem e, portanto, as vibrações são emanadas dela.

Tudo isso nos ensina que essa força está disponível e pode ser usada cientificamente com muito maior efeito do que se a usássemos de maneira aleatória, vagamente desejando isso, aquilo ou outra coisa. Todavia, há um grande perigo se fizermos mau uso desse maravilhoso poder; portanto, façamos sempre nossas súplicas em favor dos outros, acrescentando estas palavras de Cristo: “Pai, Faça-se a Tua Vontade e não a minha”. Caso contrário, somos suscetíveis de causar sofrimento onde deveríamos ajudar. Você provavelmente notou que eu disse “nossas súplicas em favor dos outros”. Deixe essa ideia aprofundar em nossas Mentes, de que nunca devemos pedir nada a nós mesmos. Isso é supérfluo. O Cristo nos garantiu que, se buscarmos primeiro o Reino de Deus e Sua justiça, todas as outras coisas nos serão dadas por acréscimos.

Também temos a promessa da Bíblia: “O Senhor é meu pastor, não me faltará”, e muitos anos de experiências demonstraram ao autor que esse é um fato real, que se trabalharmos com a lei para os outros, então, a lei cuidará de nós, pois somos trabalhadores dela.

A grande razão pela qual a oração não está sendo ouvida hoje é que as pessoas que suplicam estão sempre pedindo algo para si mesmos, contrariamente ao bem comum. Se estamos cuidando de nós mesmos e sempre tentando obter o melhor de nós mesmos, independentemente de todos os outros, então não é necessário que Nosso Pai Celestial cuide de nós. Porém, no momento em que nos colocamos em Suas mãos e pensamos em como podemos realizar Sua obra, como podemos realizar Sua vontade na Terra, assim como está sendo feita no Céu, então nos tornamos colegas de trabalho com Ele, trabalhadores em Sua vinha. Portanto, cabe a Ele cuidar de nós, e então podemos confiar plenamente que tudo o que for necessário de material ou para o nosso conforto espiritual estarão disponibilizados. A providência também não será pequena, escassa ou mesquinha, mas receberemos a medida completa, precisa e transbordante.

Com esses pensamentos, entraremos no silêncio e, por dez minutos, focaremos nossa Mente no objeto para o qual nos reunimos – para ajudar e curar nossos irmãos sofredores, mas particularmente aqueles que se inscreveram à sede para buscar ajuda as suas dificuldades.

(de Max Heindel; publicado na: Rays From The Rose Cross de agosto de 1915 – Traduzido pela Fraternidade Rosacruz em Campinas – SP – Brasil)

[1] Auxiliares visíveis são tão necessários quanto Auxiliares invisíveis, e nossos amigos e pacientes podem compartilhar desse grande privilégio, que além de aumentar muito o poder da força curadora liberada, também juntamos em oração pelos enfermos. Nosso Serviço de Cura é oficiado todas as noites no Templo de Cura às 18h30 (19h30 nas localidades onde vigora o horário de verão) e na Pro-Ecclesia às 16h15 (aberta ao público), quando a Lua estiver em um Signo Cardinal: Áries, Câncer, Libra e Capricórnio). Relaxe, feche os olhos, faça uma imagem mental da rosa branca pura do centro do emblema Rosacruz na parede oeste de nossa Pró-Ecclesia e concentre-se no amor e na cura divina.
[2] N.T.: Áries, Câncer, Libra ou Capricórnio
[3] N.T.: Johann Michael Ferdinand Heinrich Hofmann foi um pintor alemão, notável pela vasta obra de representação da vida de Jesus.