Arquivo de tag Região Etérica

poradmin

Sol transitando pelo Signo de Sagitário (novembro-dezembro)

A força Crística dourada, descendo da fonte do Sol, passa pela Região Etérica do Mundo Físico durante dezembro (Sagitário).

Quando o Sol passa por Sagitário, no mês de dezembro, Cristo ilumina os reinos internos e forma um verdadeiro traje espiritual para o nosso Planeta.

Visto com visão espiritual, a partir do espaço sideral, a Terra aparece como uma bola de ouro fundida.

O Discípulo que vê este resplendor, a partir da superfície do Planeta, caminha em um oceano de luz dourada.

Todo o brilho e cor das festividades de Natal são apenas um pálido reflexo da luz e da glória dos reinos planetários internos quando a Glória de Cristo está operando ali dentro.

Se um Discípulo no Caminho da Santidade tem trabalhado fiel e efetivamente com as forças da transmutação, sob a influência de Escorpião, ele se encontrará atraído para aquele grande e glorioso esplendor.

Sagitário tem sido simbolizado por uma série de lâmpadas acesas, e o Discípulo que tem sido persistente em seus trabalhos espirituais agora descobre que estas lâmpadas foram acesas dentro de sua própria aura, e até mesmo dentro de seu próprio corpo-templo. Estas são as lâmpadas que iluminam o seu percurso para o centro da Terra. Lá ele estará na presença do Senhor Cristo, a Luz do mundo. Lá ele receberá a Sua bênção e O ouvirá entoar o mantra que tem sido utilizado em cada Templo de Iniciação, antiga ou moderna: “Muito bem, servo bom e fiel… entra tu para a alegria do teu Senhor.” (Mt 25:21).

poradmin

Por que a umidade não se forma em torno do nosso Sol atual, já que a condição é parecida ao que tínhamos no Período Lunar?

Pergunta: Por que é declarado em sua literatura que no Período Lunar a umidade foi produzida pelos Globos de calor entrando em contato com o frio externo? No mesmo princípio, por que a umidade não se forma em torno do nosso Sol atual, já que o Sol está cercado por um espaço frio?

Resposta: O ponto mais denso encontrado no Globo do Período Lunar é a Região Etérica do Mundo Físico. Quando a literatura Rosacruz menciona a umidade nesse Período, ela não se refere à umidade física, mas àquela que mais tarde se tornou umidade quando foi condensada em substância física. Essa substância, em formas modificadas, existe desde o começo dos tempos. A filosofia oculta é frequentemente questionada em termos comparativos ao invés do sentido literal, pela razão de,  no presente momento, nenhum termo do Mundo Físico ter sido criado para designar as coisas que estão sendo descritas.

A umidade não é formada em torno do Sol no presente momento porque as leis que governam a umidade física não são as mesmas que regulam e governam o desejo ou a substância etérica.

(Pergunta de Leitor publicada na Revista Rays from the Rose Cross de nov./1940 – traduzida pela Fraternidade Rosacruz Campinas-SP)

poradmin

Existe alguma conexão entre o Jardim Bíblico do Éden e o laboratório dos alquimistas?

Pergunta: Existe alguma conexão entre o Jardim Bíblico do Éden e o laboratório dos alquimistas, ou seja, a medula espinhal? O Jardim do Éden tinha alguma existência física real em alguma parte específica do mundo?

Resposta: O Jardim do Éden realmente existiu. Era a Região Etérica de nossa Terra física e a humanidade habitava ali. Isso foi no tempo conhecido como a Época Lemúrica. Nesse momento o ser humano não estava plenamente consciente de seu Corpo Denso e sua consciência estava focalizada quase inteiramente nos Mundos espirituais, especificamente na Região Etérica do Mundo Físico. Ele foi banido desta Região por conta de seu contato com os Espíritos Lucíferos, que o ensinaram a exercitar a função criadora sexual, independentemente dos Anjos, e assim prover novos Corpos Densos, quando eles os perdiam, e também aprender o segredo de vitalizar seu Corpo Vital à vontade, frustrando a evolução.

O trabalho do alquimista na medula espinhal é totalmente diferente. Esse trabalho consiste no processo alquímico de acender e elevar a parte da força criadora sexual que agora está sendo usada para a geração de corpos e/ou para gratificação dos sentidos através da medula espinhal até a cabeça. Quando essa força atinge a cabeça, ela se une à outra metade da força criadora sexual que, no passado, foi elevada para construir um cérebro e uma laringe. Quando isso for conseguido, o ser humano será capaz de falar a palavra criadora, imbuída de vida e vibrante com energia vital.

(Pergunta de Leitor publicada na Revista Rays from the Rose Cross de nov./1940 – traduzida pela Fraternidade Rosacruz Campinas-SP)

poradmin

As pessoas que estão no Mundo do Desejo ou Região Etérica veem o Sol tal como o vemos? Essas regiões não acompanham a rotação da Terra como sua atmosfera? Então, por que não há ali dia e noite?

Pergunta: As pessoas que estão no Mundo do Desejo ou Região Etérica veem o Sol tal como o vemos? Essas regiões não acompanham a rotação da Terra como sua atmosfera? Então, por que não há ali dia e noite?

Resposta: A razão pela qual temos dia e noite, luz e escuridão, é que a Terra é opaca à nossa visão física. Portanto, quando o Sol está no lado oposto da Terra não podemos perceber os raios de luz, que penetram através desse mesmo globo, com nossa visão física, pois há uma luz invisível que os psicômetros e clarividentes podem ver tanto na escuridão quanto durante o dia. É verdade que a atmosfera da Terra gira com ela, e o mesmo acontece com a matéria de desejos que constitui o Mundo do Desejo do nosso Planeta. Contudo, os que se despojaram de seu invólucro mortal e estão no Mundo do Desejo veem através da Terra tão facilmente quanto nós vemos através de uma vidraça. Além disso, a maior parte deles está longe da Região Química do Mundo Físico, que até mesmo os raios diretos do Sol não seriam interrompidos pelo globo mineral sobre o qual vivemos em nossos corpos físicos. Por essas razões, não há ali noite nem dia. Não há também estações que dependam daquilo que chamamos dia. Porém, há um dia perpétuo de luz perene nesses Mundos.

(Pergunta nº 54 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas – Vol. I – Max Heindel)