Arquivo de tag Lei de Consequência

poradmin

Carta de Max Heindel: A Necessidade de Difundir os Ensinamentos Rosacruzes

A Necessidade de Difundir os Ensinamentos Rosacruzes

Ao reler a lição mensal que acompanha essa carta, incorporando o resultado das investigações feitas há algum tempo atrás, eu estava extremamente impressionado de novo pelo fato da existência das tais condições muito assustadoras que pairam sobre nós. Atualmente, quando os horrores da Primeira Guerra Mundial apontam números sem precedentes daqueles que passam do mundo visível para os reinos invisíveis sob condições angustiantes, parece que um esforço extraordinário deve ser feito para compensar e minimizar o mal. A Fraternidade Rosacruz é somente uma gota de água no oceano da humanidade, mas se fizermos a nossa parte, devemos receber maior oportunidade para servir.

Não há melhor remédio para as presentes condições do que o conhecimento da continuidade da vida e, do fato de renascermos de tempos em tempos, sob a imutável Lei de Consequência. Se esses grandes fatos com tudo o que eles implicam pudessem ser levados aos lares de um grande número de pessoas, esse fermento deveria, no final das contas, agir de tal maneira que alteraria as condições em todo o mundo. Um homem, chamado Galileu, mudou a visão do mudo em relação ao Sistema Solar e, embora sejamos apenas alguns poucos milhares, não será possível exercer alguma influência sobre a opinião do mundo, quando sabemos que isso é a verdade?

É normal dizer que as pessoas não se interessam pelos assuntos espirituais e que não conseguimos que nos ouçam, mas, na realidade, não é isso que acontece. Notem o caso de centenas de milhares de pessoas que foram ouvir Billy Sunday[1], o notável evangelista: muitos sim foram lá por curiosidade ou para zombar e desdenhar,  mas outros milhares sentiram um forte desejo de algo que, talvez, nem eles mesmos pudessem definir, e nem mesmo explicar o motivo porque estavam lá. Recentemente houve um debate entre um evangelista nova-iorquino e um advogado sobre o assunto: “Onde estão os mortos?”. Esse debate aconteceu num grande auditório que comportava milhares de pessoas e que prolongou por três dias. Todos os lugares do auditório estavam ocupados e, se bem me lembro, muitos permaneceram em pé por falta de cadeiras.

Não, o mundo está buscando alguma coisa; procurando isso com o coração faminto, e só depende unicamente de nós se vamos fazer a nossa parte; apresentando ao mundo a explicação racional de vida que os Irmãos Maiores nos transmitiram. É um grande privilégio e certamente, devemos tirar aproveitar tudo isso.

Contudo, a questão é: Como? Eu pergunto a você: seu jornal não publicaria, ocasionalmente, um artigo sobre esse assunto? Certamente, existem várias pessoas dentro da Fraternidade Rosacruz com capacidade para escrever tais artigos. Poderia ser formado um comitê para receber os artigos e fornecê-los aos Estudantes que solicitassem E, também, poderiam ser entregues aos editores dos jornais das suas respectivas cidades, e se esforçando, por meio desse veículo, a divulgar os Ensinamentos da Fraternidade Rosacruz. Se um artigo é bem escrito, raramente é recusado quando há espaço disponível, pois, os editores ficam satisfeitos em receber algo que eles acham que possa interessar ao público leitor, mesmo que eles mesmos não simpatizem com o assunto.

Alguns estudantes que têm facilidades em escrever, envie pequenos artigos sobre “A Continuidade da Vida”, e aqueles que estão dispostos a se comprometerem na publicação de tais artigos nos jornais da sua localidade, podem nos escrever e deixar seus dados para que possamos entrar em contato? Enviem seus artigos sobre esse assunto ao Departamento de Publicidade, Mt. Ecclesia.

Espero que esse apelo tenha uma calorosa resposta.

(Por Max Heindel – livro: Cartas aos Estudantes – nr. 56)

[1] N.T.: William Ashley Sunday (1862-1935) era um atleta americano que, depois de ser um popular defensor da Liga Nacional de beisebol durante a década de 1880, se tornou o evangelista americano mais célebre e influente durante as duas primeiras décadas do século XX.

poradmin

A Astrologia, uma fase da religião, dela não podendo se separar

A Astrologia, uma fase da religião, dela não podendo se separar

Meus amigos, mais uma vez estamos aqui para conversarmos sobre este assunto tão palpitante, tão atraente, que é a Astrologia, como ensinada pela Fraternidade Rosacruz.

Pretendemos demonstrar a veracidade da Astrologia não apenas como ciência positiva, possível de ser comprovada na vida quotidiana, mas principalmente como ciência espiritual. Oportunamente, os amigos que continuarem a nos honrar com a sua atenção chegarão a esta conclusão: verificarão que a Astrologia é, na realidade, uma fase da religião, dela não se podendo separar, e por isso nós, os Estudantes de Filosofia Rosacruz, a consideramos como “SAGRADA”, não a desvirtuando fazendo dela passatempo, nem meio divinatório.

Vamos hoje apresentar aos nossos amigos uma interessante conferência pronunciada pelo nosso muito estimado Max Heindel, que consideramos como o maior conhecedor de Astrologia sob o ponto de vista espiritual. Max Heindel jamais profanou os seus conhecimentos de Astrologia, dela se servindo apenas para explicar “Mistérios” religiosos e para cumprir o sagrado mandamento de Cristo Jesus: “CURAR OS ENFERMOS”. Essa é, por certo, a mais recomendável e a mais legítima das suas aplicações. Mas deixemos esse assunto para quando chegar sua oportunidade e passemos à conferência do nosso maior Amigo e melhor Servidor, Max Heindel:

A ASTROLOGIA, SUA POSSIBILIDADE E SUAS LIMITAÇÕES

Em nossos tempos começou-se a considerar a Astrologia como uma superstição, assim como o clarividente e o astrólogo são considerados como charlatões, não sem razão, muitas vezes. Na maioria dos jornais e revistas se encontram anúncios oferecendo horóscopos que abarquem desde o nascimento até o túmulo, pela ínfima soma de $ 10,00, e às vezes até em troca de um selo do correio.

O propósito dessa conferência é mostrar outro aspecto da Astrologia, que geralmente é desconhecido: mostrar suas possibilidades e limitações.

Há duas classes de Astrologia e duas classes de astrólogos: uns não levantam nunca o horóscopo do solicitante, senão que somente perguntam o mês do nascimento para saber em que Signo estava o Sol quando nasceu a pessoa. Então copiam de um livro ou tomam uma série de doze folhas mimeografadas que correspondem aos doze meses do ano, e que dão a “sorte” da pessoa.

Para qualquer Mente que raciocine é evidente que há mais do que doze classes de pessoas no mundo, e de acordo com esse método haveria completa semelhança de vida no caso de cada doze pessoas, porém sabemos que nem duas pessoas têm as mesmas experiências, que cada vida é diferente de todas as demais e que qualquer método que não faça tais distinções deve ser completamente falso.

O “astrólogo” de $ 10,00 é uma boa pessoa de negócios. Seus horóscopos mimeografados, gastos de correio, etc., não vão além de $ 5,00 ou menos; assim ela tira um bom lucro em cada horóscopo (?). Porém embora seja esse um bom negócio, não é o mais importante. O fato é que quando esses “astrólogos” obtêm a direção de uma pessoa qualquer inexperiente, se aproveitarão para iniciar um negócio muito mais rendoso. De tempos a tempos notificam aos seus clientes que certos fatos futuros irão ocorrer, e que mediante o pagamento de uma certa importância ele poderá revelá-los e ensinar como evitá-los. Continuam assim explorando as suas vítimas, sistematicamente, até que a experiência tenha ensinado a esses pobres ingênuos o valor nulo dessas predições. Essas vítimas são as que depois gritam contra a astrologia, tachando-a de fraude, de charlatanismo e de loucura.

O método científico exige em primeiro lugar o DIA, o MÊS e o ANO do nascimento, pois leva em conta todos os nove corpos celestes do Sistema Solar, e sabe que em cada momento eles ocupam entre si certas posições relativas. A mesma posição não se repetirá outra vez senão depois de um Ano Sideral, que compreende 25.868 anos comuns. Assim, se uma criança nascesse hoje, seria necessário esperar 25.868 anos antes que pudesse nascer outra com o mesmo horóscopo. Porém esses dados ainda não são suficientes, pois, se calcularmos que em cada segundo nasce uma criança, em um dia teriam nascido 86.400 crianças cujas experiências na vida seriam iguais, se fosse tomado em consideração apenas o dia do nascimento. Por conseguinte, o Astrólogo científico pede também a hora e o lugar do nascimento, além do dia, mês e ano, pois há pessoas que nascem na mesma hora, mas em lugares muito afastados um do outro; até mesmo os gêmeos podem nascer com diferenças de minutos e mesmo de horas, e isso produz também uma grande diferença.

Entretanto, quando duas crianças nascem ao mesmo tempo e no mesmo lugar há também uma semelhança marcada em suas vidas. São conhecidos vários casos desses. Um exemplo bastará: um senhor chamado Samuel Hemmings nasceu no mesmo lugar, em Londres, e na mesma hora e quase no mesmo minuto em que nascia o Rei Jorge III, em 4 de junho de 1738. Estabeleceu-se como negociante em ferragens no mesmo dia em que o Rei Jorge III foi coroado, casou-se no mesmo dia que Sua Majestade, morreram ambos no mesmo momento, e todos os acontecimentos das suas vidas se pareceram uns com os outros.

A diferença de estado social impediu que ambos fossem reis, porém no mesmo dia que um era coroado como monarca de um reino, o outro se convertia num homem de negócios independente.

A Astronomia difere da Astrologia tanto quanto a Anatomia da Fisiologia. A Anatomia nos diz onde se encontram os órgãos do corpo, nos ensina a sua estrutura, e a Astronomia nos informa a respeito dos corpos celestes. Porém compete ao fisiólogo explicar a utilidade das diferentes partes orgânicas do corpo, porque isso é a única coisa que pode dar valor àquele conhecimento. E assim também é a parte que corresponde à Astrologia: explicar os significados das mudanças das posições relativas dos corpos celestes e a influência que elas possam ter sobre os atos da humanidade.

Não se necessita de nenhuma argumentação para provar que as condições químicas da atmosfera terrestre durante a manhã diferem das da tarde, ou das do meio dia. Vemos também as mudanças que se produzem nas diversas estações do ano, e sabemos que são devidas às mudanças de posição do Sol. Todos reconhecem o efeito da Lua sobre as marés, etc. Esses corpos celestes movem-se muito depressa e estão produzindo constantemente mudanças nas condições atmosféricas da Terra. Nos dias de hoje em que se verificam os extraordinários fenômenos da rádio, não é difícil compreender que outros corpos celestes também produzem seus efeitos. Como já vimos, essas alterações são tão numerosas que as mesmas condições químicas não se repetem senão depois de um intervalo de 25 mil e tantos anos. Vemos, pois, que as condições eletrostáticas da atmosfera no momento em que a criança aspira o seu primeiro alento, imprime em cada átomo do pequeno corpo sensitivo uma característica individual. É como se se carregasse uma bateria elétrica nova, qualquer mudança nas condições atmosféricas afetará esse cérebro diferentemente de todos os demais, porque sua característica ou condição original é distinta da de todos os outros.

Muitas pessoas pensam que a Astrologia é fatalista. Se bem que possa parecer assim à primeira vista, um estudo mais aprofundado demonstrará que essa ideia é errônea, que todas as nossas penas e tristezas são o resultado da ignorância e que o conhecimento poderá prevenir qualquer infortúnio, se for aplicado em tempo. Com o objetivo de compreender a finalidade do nosso livre arbítrio, devemos reconhecer o fato de que o resultado de nossas ações passadas é obtido mediante um tríplice processo de amadurecimento.

Em primeiro lugar, há causas que seguiram o seu curso sem serem modificadas por outros atos, e estão tão próximas de produzir efeitos, que são semelhantes à bala disparada de uma arma: está fora do nosso alcance poder detê-la, e temos de deixar que siga o seu curso, para o bem ou para o mal. A isso se chama em ocultismo uma “causa madura” que pode ser vista claramente no horóscopo quando ele é feito devidamente. Por suposto, nem sempre nos será de benefício conhecê-las quando não podemos evitá-las, porém algumas vezes podemos alterar as condições pelas quais essa causa madura se esgota a si mesma, e nisso reside a nossa maior esperança. Vemos as nuvens passageiras, sabemos quando terminará a sua fúria, e isso nos dá novas esperanças, que não teríamos a não ser pelo estudo do nosso tema astrológico.

A segunda classe de causas gera-se e produz seus efeitos cada dia: é uma espécie de “negócio à vista”. Essas causas podem anular-se ou modificar-se, quando se conhece a Astrologia. As tendências individuais também podem ser vistas no horóscopo.

A terceira classe de causas é a que estamos pondo em movimento, porém, que não podemos notar os seus efeitos por agora. Dessas, podemos nos salvar mediante o cuidado apropriado nos últimos anos da vida, e em vidas futuras, quando chega o momento do ajuste das contas.

O horóscopo nos ajudará, mostrando-nos nossas tendências, de maneira tal que possamos ter cuidado nos momentos críticos, trabalhando com todo o nosso poder para aproveitar as boas oportunidades, e fazendo os esforços possíveis para livrar-nos de qualquer má tendência.

Para dar um exemplo de como age a Lei de Consequência, com relação às predições, podemos citar alguns casos que conhecemos pessoalmente.

Certa vez, um conferencista muito popular, o Sr. L. que não havia nunca estudado a Astrologia, sentiu interesse por ela e veio pedir que lha ensinássemos. Para que ele tivesse maior interesse, aproveitou-se como base o seu próprio horóscopo, pois dessa maneira ele poderia comprovar as interpretações do passado e chegar assim a uma melhor compreensão do assunto, do que se fosse empregado o horóscopo de qualquer outra pessoa. No curso dos cálculos, se comprovou que o Sr. L. estava sujeito a frequentes acidentes. Figuravam nos cálculos, acidentes já passados, com indicação dos dias em que os mesmos teriam acontecido, o que foi confirmado e impressionou muito o Sr. L.

Depois, viu-se que a 21 de julho de 1906 teria lugar outro acidente que afetaria a parte superior do peito, os braços, o pescoço e a parte inferior da cabeça, e também que esse acidente se daria no curso de uma viagem curta. Foi, pois, recomendado ao Sr. L. que durante a Lua nova que teria lugar naquele dia e que era o fator que produziria o acontecimento, ficasse em sua casa e que também ficasse em casa no sétimo dia posterior, sendo esse último ainda mais perigoso que o primeiro. Ficou ele tão impressionado que prometeu atender ao conselho.

Um pouco antes do tempo crítico, escrevemos ao Sr. L. para recordar-lhe o assunto e respondeu ele que se recordava muito bem e que teria todo o cuidado.

A próxima notícia que se teve por intermédio de um amigo comum, dizia que no dia crítico, 28 de julho, o Sr. L. havia saído para uma viagem à Serra Madre, em um bonde, e que ao cruzar as linhas da estrada de ferro foi o bonde apanhado por um trem. O Sr. L. foi cuspido por uma janela, ficando ferido nas partes indicadas pela predição, sofrendo além disso uma lesão em um tendão, que não havia sido predita.

Era muito difícil compreender, entretanto, como o Sr. L. havia se descuidado da advertência, tendo ficado antes tão impressionado pela realidade do que havia sido predito. A resposta se obteve três meses depois, quando ele pôde escrever-nos. Dizia ele: “eu julguei que o dia 28 era 29”. Este é um caso de destino maduro, que não podia ser evitado.

Em outra ocasião, prevenimos outras pessoas contra acidentes: elas puderam escapar deles por seguirem as instruções dadas, porém tais pessoas costumam dizer: “você acredita mesmo que eu seria atingido se não seguisse os seus conselhos? ”. Aí está toda a dificuldade! Ninguém considera uma predição seriamente senão quando a experiência amarga os atinge, como aconteceu ao Sr. L. Ele nos escreveu depois: “esses acidentes fizeram-me ter um profundo respeito pela Astrologia”. Porém, se a amarga experiência é o único meio que aceitamos para aprender, então tanto pior para nós mesmos.

É uma verdade dizer-se que “nenhum homem vive para si mesmo”. Todos nos afetamos uns aos outros e isso também se pode ver no horóscopo. A morte dos pais pode-se ver particularmente no próprio horóscopo, pois aqueles foram a fonte do corpo em que vivemos; e em geral, quando não se conhece a hora do nascimento, um bom astrólogo pode comprová-la, deduzindo-a dos principais acontecimentos da vida, especialmente se é indicado o tempo em que morreram os pais. O marido e a esposa estão também tão ligados, que os grandes acontecimentos da vida de um se veem no horóscopo do outro.

Há alguns anos prevenimos uma senhora para o perigo, assinalado em seu horóscopo, de ruptura de relações com o seu marido. Eram pessoas de alta sociedade, e as indicações diziam que teriam de desistir de uma viagem, o que ela certificou imediatamente dizendo que realmente tinham planejado uma viagem à Europa, porém, como não tinha nenhuma intenção de abandonar o seu marido, perguntou se, por acaso, não estava ele em perigo de morte. A nossa resposta foi: “Pior do que isso!” Porém como era assunto delicado e ela era uma estranha, não se podia dizer nada mais, salvo que o desastre teria lugar no mês de novembro. No dia 14 desse mês, o marido dela foi sentenciado a cinco anos de penitenciária por haver cometido um crime infame. A viagem foi suspensa e o ostracismo social se fez sentir imediatamente.

Esse caso demonstra particularmente a delicada posição do astrólogo. Ainda que possa ver e deseje ajudar, os convencionalismos o impedem de dizer o que vê. No caso mencionado isso foi evidente. Desejando impedir o sofrimento, não lhe foi possível evitá-lo. Portanto, sustentamos o princípio de que todos devem estudar a astrologia. Nem o melhor astrólogo, que no fim de contas não é mais do que um estranho, pode olhar tão bem as nossas vidas e a dos nossos queridos como nós mesmos, que conhecemos já muito do caráter deles nem os convencionalismos seriam obstáculo, como quando acontece quando tratamos com um estranho. Além disso “comprar um horóscopo” não poderá nunca engendrar em nós mesmos a capacidade real de auxiliar os outros, que certamente alcançaríamos com o conhecimento pessoal da Astrologia.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz de maio/1978)

poradmin

As dissonâncias que marcam o destino do nosso Planeta Terra e o nosso comportamento

As dissonâncias que marcam o destino do nosso Planeta Terra e o nosso comportamento

Atualmente, entre o comportamento da pessoa espiritualmente consciente e o comportamento do ser humano mundano, existe uma brecha intransponível. A diferença entre a luz e as sombras torna-se cada dia maior.

Encontramos irmãos que querem fazer “algo” para o bem da comunidade e irmãos que visam somente seus propósitos e interesses e, com um impulso louco, querem aproveitar todos os prazeres e experimentar todas as sensações, não sabendo que o amanhã pode trazer-lhes consequências dolorosas e desastrosas.

Sentem-se impunes, pois não conhecem a lei de Deus, a Lei da Consequência.

Podemos perceber na arte e na música, atuais, um desequilíbrio emocional, um grande frenesi que está sendo alimentado e provocado pelos ritmos alucinantes e pelas drogas.

O destino da Terra está marcado por essas dissonâncias. A música e a arte são um espelho verdadeiro dos sentimentos de cada época. Observando a arte atual, não podemos admirar-nos pela intranquilidade e pelos desastres que também acontecem na natureza. Os incêndios que consomem as florestas, as inundações e os terremotos mostram uma mudança radical e destrutiva. São os resultados de uma exaltação doentia, de uma vibração dissonante, fanatismo, racismo, terrorismo, causando desequilíbrio na natureza. A humanidade sofre, se apavora e morre. Um grande grito de angústia parte do coração humano: Meu Deus, Onde Estás? Mas, este grito não é suficiente, não podemos esperar milagres sem merecê-los. Temos que achar o caminho, galgá-lo e, humildemente, procurar o equilíbrio que deve existir entre o coração e o entendimento.

É aqui que encontramos, atualmente, um outro tipo de desequilíbrio existente, que é o mental. Os grandes passos da ciência e tecnologia resultam num grande orgulho intelectual. Achamos que somos donos do mundo; nossas realizações não têm limites e podemos usar os frutos do nosso intelecto para fins egoístas, dominando e atormentando os outros à nossa vontade, não acreditando que haja uma força, um poder maior que pode dar um “basta” para toda esta superioridade humana. Há tropeços pelos quais precisamos passar para visualizar nossos erros e achar o caminho. Quando, um dia, a humanidade reconhecer suas limitações, descobrirá que bateu na porta errada e, vencida e quebrada, começará a procurar o verdadeiro caminho.

Se tiver humildade e amor, despindo a vaidade do intelecto, conscientizando-se da inutilidade de satisfações puramente emocionais, poderá achar o caminho superior. Os guias da humanidade estão ansiosos para estender a mão e para nos ajudar. Depende de nossa escolha, se aceitamos essa ajuda ou não. Somos livres tanto para nos elevarmos como para nos destruirmos.

A finalidade de nossa existência é encontrar e desenvolver o nosso Eu-Superior. Não é uma tarefa fácil, porque as forças das trevas toldam, fortemente, o caminho. Velhos hábitos nos tentam, sombras da nossa inferioridade cegam os nossos olhos. Devemos afirmar e seguir aquela voz silenciosa que está presente em todo ser humano e que é o resultado dos acertos, das boas ações durante muitos renascimentos, aquela voz que se pode tornar mais e mais nítida, se persistirmos no bem e ouvirmos seus conselhos.

A nossa fé em Deus não deve ser em vão. A nossa parte deve ser feita, não com sonhos nem com fantasias, mas com trabalho dedicado e com uma vontade inabalável para ajudar a construir um novo mundo, um mundo melhor e, “com todo o nosso poder possamos elevar as almas, a fim de que vivam em Harmonia e na Luz de uma Perfeita Liberdade”.

(Revista ‘Serviço Rosacruz’ – 09/86)

poradmin

O Eterno Agora: a vantagem do seu momento presente

O Eterno Agora: a vantagem do seu momento presente

“O eterno agora” é uma frase usada pelos filósofos somente ao enfatizar a importância do tempo presente, que consiste em poder decidir como vamos redimir o passado e formar o futuro. Sob a Lei da Consequência, o que quer que seja feito, o bem, o mal ou mesmo nada, vai determinar algo sobre o nosso futuro. Ajuda a verificar se aprendemos nossas lições no passado ou se teremos que passar por lições mais duras.

Não obstante, algumas pessoas têm dificuldades em viver no presente. Uns vivem no passado, lamentando os “velhos bons tempos” que se foram, ou vivem no futuro, talvez com medo ou esperança. O presente tem pouca importância para eles, exceto quando é satisfatório, com menos sofrimento possível. Obviamente, nessas circunstâncias o desenvolvimento é lento.

Nós usamos o tempo presente, mostrando o nosso entendimento e nossa habilidade de agir e compreender o verdadeiro significado da existência e evolução humana.

Em nossas mãos sustentamos tudo que é precioso do passado. Nas nossas costas, ainda pesam todas as transgressões antigas, que ainda devemos transmutar. Por meio das nossas atividades no momento presente será determinado o futuro, tanto nosso, como da humanidade.

O momento presente tem uma vantagem sobre todos os outros tempos: é completamente nosso, e nele somos capazes fazer tudo que queremos. As oportunidades passadas já se foram, as futuras ainda não chegaram. O momento presente representa as oportunidades que podemos manipular, se quisermos formar algo que vale a pena.

(Publicado na revista ‘Serviço Rosacruz’ – 01/86)

poradmin

Livro: O Enigma da Vida e da Morte – Dos Escritos de Max Heindel

Em cada nascimento vem ao mundo o que aparenta ser uma nova vida.

Lentamente, a pequena forma cresce, vive e se move entre nós e torna-se um fator em nossas vidas; mas finalmente chega um momento em que a forma cessa o movimento e morre.

A vida que veio; de onde não sabemos, volta ou passa para o invisível além.

Então, com tristeza e perplexidade, nós fazemos as três grandes perguntas relativas à nossa existência: de onde viemos? Por que estamos aqui? Para onde vamos?

1. Para fazer download ou imprimir:

Max Heindel – O Enigma da Vida e da Morte

2. Para estudar no próprio site:

O ENIGMA DA VIDA E DA MORTE

 

Por

Max Heindel

Fraternidade Rosacruz

 

Centro Rosacruz de Campinas – SP – Brasil

Avenida Francisco Glicério, 1326 – conj. 82

Centro – 13012-100 – Campinas – SP – Brasil

Revisado de acordo com:

1ª Edição em Inglês, 1909, The Riddle of Life and Death, editada por The Rosicrucian Fellowship

Pelos Irmãos e Irmãs da Fraternidade Rosacruz – Centro Rosacruz de Campinas – SP – Brasil

www.fraternidaderosacruz.com

contato@fraternidaderosacruz.com

fraternidade@fraternidaderosacruz.com

ÍNDICE

INTRODUÇÃO.. 4

CAPÍTULO I – AS Três Teorias. 6

CAPÍTULO II – A Teoria Materialista.. 8

CAPÍTULO III – A Teoria Teológica.. 9

CAPÍTULO IV – A Doutrina dA Reencarnação.. 10

CAPÍTULO V – O Progresso EM Espiral.. 11

CAPÍTULO VI – A Lei dos Ciclos Alternantes. 12

CAPÍTULO VII – Explicando as Tendências Morais. 14

CAPÍTULO VIII – A Lei de Consequência.. 16

CAPÍTULO IX – A Escola da Vida.. 17

CAPÍTULO X – NÓS Somos OS mestres dOS nossos destinos. 19

CAPÍTULO XI – Recordando vidas passadas. 21

CAPÍTULO XII – Frequência do Renascimento.. 23

CAPÍTULO XIII – A Solução para o Enigma.. 25

 

INTRODUÇÃO

Em cada nascimento vem ao mundo o que aparenta ser uma nova vida. Lentamente, a pequena forma cresce, vive e se move entre nós e torna-se um fator em nossas vidas; mas finalmente chega um momento em que a forma cessa o movimento e morre. A vida que veio; de onde não sabemos, volta ou passa para o invisível além. Então, com tristeza e perplexidade, nós fazemos as três grandes perguntas relativas à nossa existência: de onde viemos? Por que estamos aqui? Para onde vamos?

Através de cada limiar (ou princípio) o terrível espectro da morte lança sua sombra. E visita igualmente tanto o “palácio quanto o casebre”. Dela ninguém está a salvo: velhos ou jovem, doentes ou sãos, ricos ou pobres. Todos devem passar por este portal sombrio, e ao longo dos tempos soou o grito clamoroso por uma solução ao enigma da vida – ao enigma da morte.

Infelizmente, têm sido vagas as muitas especulações vindas de pessoas que pouco sabem e, portanto, tornou-se popularmente aceita a opinião de que nada em definitivo se pode conhecer acerca da mais importante da nossa existência: a Vida antes de manifestar-se pela porta do nascimento e além dos portais da morte.

Tal ideia é errônea. O conhecimento definido, de primeira mão, está ao alcance de todo aquele que queira se dedicar ao desenvolvimento do “sexto sentido”, latente em todos. Quando adquirimos, abre os nossos olhos espirituais, com os quais podemos perceber tanto os Espíritos próximos a entrar na vida física pelo nascimento, quanto àqueles que acabam de retornar ao além, após a morte. Nós os vemos tão claros e nitidamente como podemos ver os seres físicos com os nossos olhos físicos. Mas nem é necessária a investigação direta nos Mundos internos para satisfazer a Mente indagadora, do mesmo modo que não é necessário ir à China para conhecer as suas condições lá. Conhecemos as nações estrangeiras por meio de informações, de relatos de quem as visitou. E há tanta informação sobre os Mundos internos quanto há sobre o interior da África, da Austrália ou da China.

A solução do problema da Vida e do Ser indicada nas páginas seguintes, baseia-se no testemunho simultâneo de muitos que já desenvolveram a faculdade acima mencionada e que, por isso mesmo, tornaram-se aptos para investigar cientificamente os reinos suprafísicos. Isto está em harmonia com os fatos científicos, e é uma verdade eterna na Natureza, governando o progresso humano, quanto a Lei de Gravidade, também o é na manutenção dos Astros, dentro de suas próprias órbitas, em torno do Sol.

 

CAPÍTULO I – AS TRÊS TEORIA

Três teorias foram formuladas para resolver o enigma da vida e da morte, parecendo ser crença universal que uma quarta concepção é impossível. Assim sendo, uma dessas três teorias deve ser a solução verdadeira ou de outro modo o problema permaneceria insolúvel; pelo menos para o ser humano.

O enigma da vida e da morte é um problema básico; todos devem resolvê-lo algum dia, e a aceitação de uma dessas três teorias torna-se, então, importantíssima para cada um dos seres humanos, já que a escolha determinará os rumos de suas vidas. Para que possamos fazer uma escolha inteligente necessitamos conhece-las, analisá-las, compará-las e pesá-las, conservando a Mente aberta e livre do preconceito de ideias preconcebidas, pronto a aceitar ou rejeitar cada teoria segundo seus méritos. Citemos, primeiramente, essas três teorias e depois vejamos sua concordância com os fatos estabelecidos da vida e até que ponto eles se harmonizam com as outras Leis da Natureza, já conhecidas. Se verdadeiras, podemos racionalmente esperar que se harmonizem, pois a discordância não tem lugar na Natureza.

  1. A TEORIA MATERIALISTA afirma que a vida é uma jornada do ventre materno ao túmulo; que a Mente é o produto da matéria; que o ser humano é a mais alta inteligência do Cosmos; e que sua inteligência perece quando o Corpo se desintegra pela morte.
  2. A TEORIA TEOLÓGICA afirma que, em cada nascimento, uma alma recém-criada por Deus entra na arena da vida; que, no final de um breve período de vida no mundo material, passa ao invisível além através dos portais da morte, para lá permanecer; e que sua felicidade ou desgraça nesse além são determinadas para sempre pela crença que alimentou antes de morrer.
  3. A TEORIA DO RENASCIMENTO ensina que cada Espírito é parte integrante de Deus; contendo em si todas as possibilidades divinas como uma semente contém as possibilidades da planta; que por meio de repetidas existências em corpos físicos de crescente perfeição, esses poderes latentes gradualmente se convertem em energia dinâmica; que nesse processo ninguém se perde, e que todos os Egos, finalmente, alcançarão o objetivo da perfeição e religação com Deus, levando consigo as experiências acumuladas como fruto de sua peregrinação através da matéria.

 

CAPÍTULO II – A TEORIA MATERIALISTA

 

Comparando a Teoria Materialista com as conhecidas leis da Natureza, constatamos ser ela contrária a essas leis devidamente estabelecidas. De acordo com essas leis, a Mente não pode ser destruída pela morte, como afirma a teoria materialista, porque quando nada pode ser destruído, a Mente tampouco pode.

Além disso, está claro que a Mente é superior à matéria, pois modela a face de tal maneira que esta possa refleti-la; sabemos também que as partículas de nossos corpos estão constantemente sendo trocadas; e que uma mudança completa ocorre, no mínimo, a cada sete anos. Se a teoria materialista fosse verdadeira, nossa consciência também deveria passar por uma mudança completa a cada período desses, nada restando das recordações anteriores. Assim sendo, ninguém poderia relembrar qualquer acontecimento ocorrido há mais de sete anos.

Sabemos que não é esse o caso. Podemos nos recordar de toda a nossa vida; o mais insignificante incidente, embora esquecido na vida ordinária, é vividamente recordado por uma pessoa que se afoga, mesmo no estado do transe. O materialismo não leva em conta esses estados de subconsciência ou supraconsciência, e por não poder explicá-los, simplesmente os ignora, mas em face das investigações científicas que já estabeleceram a veracidade dos fenômenos psíquicos, a política de ignorar, em vez de refutar ou discutir essas afirmações da ciência, é imperdoável falha numa teoria que proclama ter resolvido o maior problema da vida: a própria Vida.

A teoria materialista tem ainda muitas outras falhas que impedem a nossa aceitação, mas já dissemos o bastante para justificar-nos e, deixando-a de lado, passaremos às outras duas teorias.

 

CAPÍTULO III – A TEORIA TEOLÓGICA

Uma das maiores dificuldades na doutrina dos teólogos consiste em ser ela total e reconhecidamente inadequada. De acordo com essa teoria, de que uma nova alma é criada a cada nascimento, miríades de almas têm sido criadas desde o princípio de nossa existência – mesmo supondo que esse começo se deu há apenas 6.000 anos. Segundo certas seitas, apenas 144.000 dessas almas serão salvos; as demais serão torturadas para sempre. E isso é chamado de “Plano de salvação de Deus” e exaltado como prova do maravilhoso amor de Deus.

Suponhamos que uma mensagem telegráfica seja recebida em Nova York informando que um enorme transatlântico está afundando em Sandy Hook[1]; e que 3.000 pessoas estão na iminência de morrer afogadas. Consideraríamos como um glorioso plano de salvação enviar em seu socorro um pequeno barco a motor que pudesse resgatar apenas dois ou três náufragos? Certamente que não. Somente quando algum outro meio mais adequado fosse providenciado para salvar pelo menos a grande maioria, é que poderíamos considerá-lo um bom “plano de salvação”.

O “plano de salvação” que os teólogos oferecem é ainda mais precário do que enviar um pequeno barco a motor para salvar as pessoas do transatlântico, pois dois ou três salvos para um total de 3.000 pessoas é uma proporção muito maior do que 144.000 de todas as miríades de almas criadas, segundo os próprios teólogos. Se Deus realmente tivesse elaborado esse plano, pareceria à mente lógica que Ele não seria bom. Se Ele não pode ajudar a si mesmo, Ele não é onipotente. Em nenhum dos casos, então, ele pode ser Deus. Tais suposições, no entanto, são absurdas como realidades, pois isso não pode ser o plano de Deus, e seria uma grande blasfêmia atribuir-Lhe tal coisa.

 

CAPÍTULO IV – A DOUTRINA DA REENCARNAÇÃO

 

Se nos voltarmos para a doutrina da reencarnação (renascimento em corpos humanos), que postula um lento processo de desenvolvimento levado a efeito com inabalável persistência através de repetidos renascimentos em formas humanas de crescente eficiência, pelo que todos os seres alcançarão no devido tempo uma estatura espiritual inconcebível à nossa limitada compreensão atual, facilmente poderemos perceber sua harmonia com os métodos da Natureza. Em toda parte, encontramos na natureza essa lenta, mas persistente luta pela perfeição, e em nenhum lugar vemos um processo súbito quer de criação, quer de destruição análogo àquele que os teólogos e materialistas querem fazer-nos crer.

A ciência reconhece que o processo de evolução, como o método de desenvolvimento da natureza, é igual tanto para a estrela do céu quanto para a estrela do mar, para o micróbio como para o ser humano. É o progresso do espírito no tempo e, à medida que observamos em volta e notamos a evolução em nosso universo tridimensional, não podemos nos furtar da evidência de que o seu caminho também é tridimensional, uma espiral. Cada espiral é um ciclo, e os ciclos seguem em ininterrupta progressão, à medida que as espirais se sucedem umas às outras, sendo que cada ciclo é o produto melhorado do precedente e a base do progresso dos ciclos subsequentes.

Uma linha reta nada mais é do que a extensão de um ponto, e assim também as teorias dos materialistas e dos teólogos. A linha materialista da existência vai do nascimento à morte; a linha do teólogo começa em um ponto imediatamente anterior ao nascimento e prolonga-se para o invisível além da morte. Não há retorno possível. A existência assim vivida extrairia um mínimo da experiência da Escola da Vida, como se o ser humano fora apenas um ser unidimensional incapaz de se expandir ou de alcançar as sublimes alturas da realização.

 

CAPÍTULO V – O PROGRESSO EM ESPIRAL

Um caminho de zigue-zague, de duas dimensões, para a vida evolucionante não seria o melhor, um círculo significaria voltar infindavelmente sobre as mesmas experiências. Tudo na natureza tem um propósito, inclusive a terceira dimensão. Para que possamos viver as oportunidades de um universo tridimensional, o caminho evolutivo deve ser em espiral. E assim é de fato. Em toda parte, quer no céu quer na terra, todas as coisas caminham para frente, para cima e para sempre.

A pequena planta no jardim e a sequoia[2] gigante da Califórnia, com seu tronco de 13 metros de diâmetro mostram a espiral na ordenação de seus ramos, talos e folhas. Se estudarmos a grande abóboda celeste e examinarmos a nebulosa espiralada, que são mundos em formação, ou os caminhos percorridos pelos Sistemas Solares, fica evidente que a espiral é o caminho do progresso.

Encontramos outra ilustração do progresso em espiral no curso anual de nosso Planeta. Na primavera, ela sai de seu período de repouso, desperta de seu sono hibernal. Então, vemos a vida brotando por toda parte. E a Natureza empregando todas as atividades para criar. O tempo passa; os cereais e a uva estão amadurecidos e sendo colhidos, e novamente o silêncio e a inatividade do inverno substituem a atividade do verão; e outra vez o manto de neve envolve a Terra. Mas ela não dormirá para sempre; e novamente despertará ao canto de uma nova primavera, e com isso terá progredido um pouco mais no caminho do tempo.

 

CAPÍTULO VI – A LEI DOS CICLOS ALTERNANTES

 

É possível que uma lei, sendo universal em todos os demais reinos da Natureza, seja revogada apenas no reino humano? Pode a Terra despertar todos os anos de seu sono hibernal; pode a árvore e a flor viver novamente e somente o ser humano morrer? Não, isto é impossível num universo governado por lei imutável. A mesma lei que desperta a vida na planta para um novo crescimento deve também despertar o ser humano para mais um passo rumo à perfeição. Portanto, a doutrina do renascimento, ou repetidas encarnações humanas em veículos de crescente perfeição, está em pleno acordo com a evolução e com os fenômenos da Natureza, quando se afirma que o nascimento e a morte seguem um ao outro em contínua sucessão. E isto se acha em plena harmonia com a lei dos Ciclos Alternantes que estabelece uma sequência ininterrupta, um após o outro: atividade e repouso, fluxo e refluxo, verão e inverno. Está também em perfeito acordo com a fase espiral da Lei de Evolução quando declara que toda vez que o Espírito retorna a um novo nascimento, assume um corpo mais perfeito e, à medida que o ser humano progride em conquistas mentais, morais e espirituais em consequência das experiências acumuladas de vidas passadas, alcança um melhor ambiente para viver.

Quando buscamos solucionar o enigma da vida e da morte; quando buscamos uma resposta que satisfaça tanto a Mente quanto ao Coração, sobre as diferenças nos dons ou condições dos seres humanos, buscando uma razão para a existência de tristeza e dor; quando indagamos por que um indivíduo é criado no regaço de luxo, enquanto outro tem de resignar-se com as miríades migalhas que lhe atiram; Por que um recebe uma educação moral, enquanto o outro é ensinado a roubar e a mentir; por que um nasce com uma feição e imagem venusiana, enquanto o outro nasce com a cabeça de Medusa[3]; por que um desfruta da mais perfeita saúde, enquanto outro jamais conhece um momento de alívio de suas dores; por que um tem o intelecto de Sócrates[4], enquanto outro mal sabe contar “um, dois ou muitos”; assim como os aborígenes Australianos, os materialistas ou teólogos nada podem esclarecer. O materialismo atribui às causas das enfermidades a Lei de Hereditariedade e, com relação às condições econômicas, Spencer[5] nos diz que, no mundo animal, a lei da Sobrevivência é “comer ou ser comido”; e na sociedade civilizada a Lei é “enganar ou ser enganado”.

 

CAPÍTULO VII – EXPLICANDO AS TENDÊNCIAS MORAIS

A hereditariedade explica parcialmente a constituição física. Semelhante produz semelhante, pelo menos no que concerne à forma, mas a hereditariedade não explica as tendências morais e as inclinações mentais, as quais diferem em cada ser humano. A hereditariedade é um fato nos reinos inferiores, onde todos os animais de uma mesma espécie parecem ser iguais, comem o mesmo tipo de alimento e agem de maneira semelhante em idênticas circunstâncias, porque não têm somente vontade própria, mas são dominados por um Espírito-Grupo comum. No reino humano é diferente. Cada ser humano age à sua própria maneira. Cada um requer uma dieta própria. Conforme passam os anos de infância e adolescência o Ego vai moldando o seu instrumento de tal maneira que nele reflete as suas características. Assim, não existem duas pessoas exatamente iguais. Mesmo os gêmeos que não podem ser distinguidos na infância diferenciam-se gradativamente ao crescerem, pois, suas próprias características é que formalizarão o pensamento do Ego interno.

No plano moral prevalecem semelhantes condições. Os registros policiais demostram que os filhos de criminosos incorrigíveis, geralmente, não possuem tendências criminosas; eles quase sempre se conservam afastados dos tribunais, e nas “galerias de criminosos” da Europa e da América é impossível encontrar pai e filho ao mesmo tempo. Assim, os criminosos são filhos de pessoas honestas sendo, portanto, a hereditariedade incapaz de explicar as tendências morais.

Quando considerarmos as elevadas faculdades intelectuais e artísticas, descobrimos que os filhos de um gênio são, muitas vezes, pessoas medíocres e até mesmo idiotas. O cérebro de Cuvier[6] foi o maior, jamais pesado e analisado pela ciência. Seus cinco filhos morreram de paresia[7]. O irmão de Alexandre, o Grande[8], era um idiota, e como esse, muitos outros casos poderiam ser citados de improviso, para mostrar que a hereditariedade explica apenas parcialmente a similaridade da forma, e nada esclarece sobre as condições mentais e morais. A Lei da Atração, que faz com que os músicos se agrupem em salas de concertos e estimula reuniões de pessoas literárias em razão de suas semelhanças e gostos; é a Lei de Consequência, que leva aqueles que desenvolvem tendências criminosas a se associar com criminosos, a fim de que possam aprender a praticar o bem, sofrendo as consequências do mal praticado, explicam, mais logicamente do que a hereditariedade, os fatos de associações e de caráter.

Os teólogos explicam que todas as condições são criadas pela vontade de Deus, que em Sua insondável sabedoria houve por bem tornar alguns ricos e a maior parte pobres; alguns inteligentes e outros tolos etc.; que Ele proporciona dificuldades e provações a todos; sendo que a maioria terá maiores dificuldades e provações e uma minoria terá pouco, dizendo ainda que devemos aceitar nossa parte sem murmurar ou queixas. Mas é quase impossível olhar o céu com amor quando se pensa que de lá vem, por capricho divino, todas as nossas desgraças, sejam grandes ou pequenas. E a bondosa mente humana se revolta ao pensamento de um pai que esbanja amor, conforto e riqueza a uns poucos, e envia tristeza, sofrimento e miséria a milhões. Certamente deve haver outra solução, diferente dessa, para os problemas da vida. Não é mais razoável supor que os teólogos interpretam mal a Bíblia, do que atribuir tão monstruosa conduta a Deus?

 

CAPÍTULO VIII – A LEI DE CONSEQUÊNCIA

A Lei de Renascimento oferece uma solução razoável a todas as desigualdades da vida, isto é, as tristezas e sofrimentos, quando se une à sua lei complementar, a Lei de Consequência mostrando o caminho da emancipação.

A Lei de Consequência é a Lei da Justiça da Natureza. Decreta que aquilo que o ser humano semear isso mesmo colherá. O que somos, o que temos, todas as nossas boas qualidades são resultado do nosso trabalho no passado, daí os nossos talentos. O que nos falta física, moral ou mentalmente é pelo fato de termos negligenciado certas oportunidades no passado, ou mesmo por não termos as tido, mas algum dia e em algum lugar teremos outras possibilidades e então, recuperaremos o que foi perdido. Quanto às nossas obrigações para com os demais e os débitos deles para conosco, a Lei de Consequência prevê isto. O que não pode ser liquidado em uma só vida será liquidado nas vidas futuras. A morte não cancela nossas obrigações, da mesma forma que mudando para outra cidade não liquidamos nossas dívidas contraídas aqui. A Lei do Renascimento provê-nos um novo ambiente, mas nele vamos encontrar nossos velhos amigos e nossos antigos inimigos. Nós os reconheceremos, pois quando encontramos com uma pessoa pela primeira vez e sentimos como se a conhecêssemos durante toda a nossa vida, isso não é mais do que um reconhecimento do Ego que atravessa o véu da carne e descobre o antigo amigo. Por outro lado, quando nos deparamos com uma pessoa que imediatamente nos inspira medo ou repulsa, novamente isso representa uma mensagem do Ego nos advertindo contra o nosso velho inimigo de vidas passadas.

 

CAPÍTULO IX – A Escola da Vida

O ensino oculto relativo à vida, que baseia sua solução nas Leis gêmeas de Consequência e Renascimento, diz simplesmente que o mundo que nos rodeia é uma escola de experiência; que assim como enviamos uma criança à escola dia após dia e ano após ano, para que aprenda mais e mais conforme avance através das diversos graus, do jardim de infância à faculdade, assim também o Ego humano, como filho do Pai, vai à Escola da Vida, dia após dia. Só que nessa vida mais ampla do Ego, cada dia na escola é uma vida terrestre, e a noite que cai entre dois dias de aprendizado corresponde ao sono da morte numa vida mais ampla do Ego humano (o Espírito no ser humano).

Numa escola existem muitos graus. As crianças mais velhas que frequentaram as muitas aulas irão aprender lições muito diferentes daquelas que estão cursando o jardim de infância. Assim também, na Escola da Vida, aqueles que ocupam posições elevadas, dotados de grandes faculdades, são nossos Irmãos Maiores, enquanto que as pessoas não civilizadas ainda estão ingressando nas classes mais primárias. O que eles são agora nós também já fomos, e todos alcançarão, no devido tempo um ponto em serão mais sábios, do que aqueles que agora têm o conhecimento. Nem deve surpreender ao filósofo que o poderoso oprima ao fraco; as crianças mais velhas são cruéis com seus companheiros mais jovens, em determinada fase de seu crescimento, porque elas ainda não desenvolveram o verdadeiro senso de justiça, mas, à medida que elas crescem, aprenderão a proteger os mais fracos. O mesmo acontece às crianças de maior idade. O altruísmo floresce mais e mais em toda parte, e dia virá em que todos os seres humanos serão tão bons e benevolentes quanto os maiores santos.

Só existe um pecado: a Ignorância; e apenas uma salvação: o Conhecimento Aplicado. Toda tristeza, sofrimento e dor provêm da ignorância de como agir, e a Escola da Vida é tão necessária para o desenvolvimento de nossas capacidades latentes quanto a escola diária o é para as crianças despertarem suas faculdades.

 

CAPÍTULO X – NÓS SOMOS OS MESTRES DOS NOSSOS DESTINOS

 

Quando nos dermos conta de que isso é assim, a vida logo tomará outro aspecto. Não importarão, então, as condições em que nos encontramos, o saber que NÓS as criamos, ajudar-nos-á a suportar com paciência; e, melhor que tudo, o glorioso sentimento de que somos senhores de nosso destino, e de que podemos fazer o nosso futuro como bem o desejamos, o que seria em si mesmo um poder. Resta-nos desenvolver o que nos falta. Naturalmente que temos que levar em conta nosso passado, e é possível que muitos infortúnios possam dele resultar em consequências de más ações. Mas se deixarmos de praticar o mal, podemos contemplar com alegria qualquer aflição, considerando que elas estarão saldando velhas dívidas e nos aproximando do dia em que delas teremos uma boa recordação. Não é válida a objeção de que frequentemente o mais correto é o que mais sofre. As grandes inteligências que dão a cada ser humano a soma de suas dívidas passada; as quais devem ser liquidadas em cada vida, sempre o ajudam a liquidá-las sem lhe acrescentar novas, mas apenas dando-lhe tanto quanto ele possa suportar para apressar o dia de sua emancipação; e, nesse sentido é estritamente verdadeiro que “O Senhor castiga a quem ama”[9].

A doutrina do Renascimento muitas vezes é confundida com a teoria da transmigração, que ensina que o espírito humano pode encarnar em um animal. Isso não tem fundamento na natureza. Cada espécie de animal é emanação de um Espírito-Grupo, o qual os governa DE FORA, por sugestão. O Espírito-Grupo funciona no Mundo do Desejo, onde a distância não existe; por isso ele pode influenciar qualquer membro da espécie que dirige e em qualquer lugar em que esse se encontre. Por outro lado, o Espírito humano, o Ego, penetra dentro de um Corpo Denso; assim, existe um Espírito individual em cada pessoa, habitando em seu instrumento particular e guiando-o DE DENTRO. Esses dois estágios evolutivos são inteiramente diferentes, sendo tão impossível ao ser humano encarnar em um corpo animal quanto para um Espírito-Grupo tomar a forma humana.

 

CAPÍTULO XI – RECORDANDO VIDAS PASSADAS

 

A pergunta “Por que não recordamos das nossas existências passadas?” é outra aparente dificuldade. Mas se compreendermos que a cada nascimento temos um cérebro totalmente novo, e que o Espírito humano é fraco e se acha absorvido pelo seu novo ambiente, não nos deve surpreender afinal que ele não possa impressionar fortemente o cérebro nos dias da infância, quando ele é mais sensível. Algumas crianças recordam seu passado, especialmente nos primeiros anos, e é coisa das mais patéticas o fato de tais crianças serem totalmente incompreendidas nessas ocasiões pelas pessoas mais velhas. Quando falam da vida passada elas são ridicularizadas, e até punidas por serem “fantasiosas”. Se as crianças falam de seus companheiros invisíveis, e de que “veem coisas” – porque muitas crianças são clarividentes – acabam defrontando-se com o mesmo tratamento severo, e o inevitável resultado é que elas aprendem a calar-se até perderem por completo aquela faculdade. Acontece, porém, que algumas vezes, quando a afirmação da criança é ouvida, resultam em espantosas revelações. O escritor ouviu falar sobre esse caso há alguns anos na costa do Pacífico:

Uma História Notável

Certo dia, na cidade de Santa Bárbara, uma criança vendo um cavalheiro, chamado Roberts, que passava pela rua, pôs-se a correr na sua direção, gritando “Papai”, e insistindo em afirmar que ela vivera com ele e com a ‘outra mãe’ em uma casinha perto do riacho; e que certa manhã ele as deixara para não mais voltar. E que ela e sua mãe haviam morrido de fome e a pequena criança finalizou dizendo estranhamente: “Mas eu não morri, vim para cá”. A história não foi contada em um só fôlego, nem resumidamente, mas sim a intervalos, por uma tarde inteira e em respostas e perguntas intermitentes. A história do Sr. Roberts é a da precipitada fuga de dois jovens namorados; de seu casamento e migração da Inglaterra para a Austrália; da construção de uma casinha próxima a um riacho e num lugar ermo; de sua saída de casa certo dia deixando sua mulher e o bebê, e de sua prisão sem que lhe fosse concedida permissão para avisar a sua esposa – porque os agentes temiam a fuga do prisioneiro – de como foi levado sob a mira das armas até o litoral e embarcado para a Inglaterra, acusado de assalto a um banco na mesma noite em que viajara para a Austrália; de como, chegando à Inglaterra, conseguiu provar sua inocência,  e de como só então, atendendo aos insistentes rogos sobre sua esposa e filha, que àquela altura deveriam estar morrendo de inanição, as autoridades concordaram em organizar e enviar um grupo de salvamento, e em resposta soube que o grupo encontrara apenas os ossos de uma mulher e de uma criança. Todas essas coisas corroboraram a história da menininha de três anos; e sendo-lhe mostradas algumas fotografias ao acaso, ela pôde apontar as do Sr. Roberts e as de sua esposa, embora o Sr. Roberts tivesse mudado bastante nos dezoito anos decorridos desde a tragédia até àquele incidente em Santa Bárbara.

 

CAPÍTULO XII – FREQUÊNCIA DO RENASCIMENTO

 

Não se deve supor, contudo, que todos os que atravessam os portais da morte renasçam em tão pouco tempo, como aconteceu com a menina. Tão curto intervalo tiraria do Ego a oportunidade de realizar o importante trabalho de assimilar experiências e preparar-se para uma nova vida terrena. Mas uma criança de três anos não tem ainda experiências significativas, podendo, portanto, buscar logo a seguir um novo corpo físico para renascer, geralmente na mesma família. Muitas vezes uma criança morre porque algumas modificações nos hábitos dos pais frustra o cumprimento do destino resultante de seus atos passados. Então é necessário aguardar outra oportunidade, mas também elas podem nascer e morrer a seguir para ensinar aos pais uma lição de que eles precisem. Houve um caso em que um Ego encarnou oito vezes na mesma família com tal propósito, até que os mesmos aprendessem a lição. Depois, renasceu em outro lugar. Era um amigo da família que adquiriu grande mérito, ajudando-os deste modo.

A Lei do Renascimento, quando não é alterada pela Lei da Consequência, em tão grande extensão como no caso acima mencionado, trabalha consoante ao movimento do Sol, conhecido por Precessão dos Equinócios, pelo qual o Sol retrocede através dos doze Signos do Zodíaco, assim chamado Ano Sideral ou Mundial que compreende 25.868 anos solares ordinários.

À medida que o movimento da Terra em sua órbita ao redor do Sol produz as mudanças climáticas conhecidas como estações, as quais por sua vez alteram as nossas condições e atividades, da mesma forma o movimento do Sol por precessão nos grandes anos siderais produz mudanças ainda maiores nas condições climáticas e topográficas, relacionadas com a civilização, sendo necessário que o Ego em seu aprendizado experimente a todas.

Portanto, o Ego renasce duas vezes durante o tempo em que o Sol percorre cada um dos Signos do Zodíaco, e que é aproximadamente 2.100 anos. Portanto, normalmente, transcorre cerca de 1.000 anos entre duas encarnações e, como as experiências de um homem diferem grandemente das de uma mulher – não se modificam materialmente em mil anos as condições terrestres – assim, o Espírito geralmente renasce alternadamente ora como homem e ora como mulher. Mas isto não significa ser a regra rígida e inflexível. Ela está sujeita a modificações sempre que a Lei de Consequência o exija.

 

CAPÍTULO XIII – A SOLUÇÃO PARA O ENIGMA

Assim, pela experiência por parte do Ego, a ciência oculta soluciona o enigma da vida em todas as condições que se têm esse objetivo, sendo que todos são determinados automaticamente pelos méritos de cada um. Isto arranca da morte o seu aguilhão e o terror que o inspira, colocando-a no lugar que merece e considerando-a como um simples incidente numa que é mais ampla, analogamente ao fato de nos mudarmos para outra cidade por algum tempo; isto torna menos triste à partida daqueles a quem amamos, pois nos garante que o mesmo amor que lhes devotamos será o elemento que a eles nos unirá outra vez, e ainda nos proporciona esperança maior: a de que alcançaremos algum dia o conhecimento que solucionará todos os problemas; que ligará todas as nossas vidas; e melhor que tudo – conforme nos ensina a ciência oculta – que através de sua aplicação temos nela, o poder de apressar o glorioso dia em que a fé será absorvida pelo conhecimento. Então, poderemos compreender em seu sentido mais profundo a beleza do poético enunciado da doutrina do renascimento, de Edwin Arnold[10]:

O Espírito jamais nasceu!

E jamais deixará de existir!

Jamais houve tempo em que deixou de ser,

Princípio e fim são sonhos no sentir.

O Espírito permanece sempre sem nascer e sem morrer.

A Morte jamais o tocou,

Embora possa parecer.

Morta a casa em que habitou

Não! Simplesmente como alguém que tira

Uma roupa usada e a joga além

E ao vestir outra, diz;

Hoje, essa veste vou usar.

Assim também, o Espírito põe à margem

Uma transitória e carnal roupagem

E prossegue para, então, herdar

Outra morada, outro novo lar!

FIM

[1] N.T.: é uma península barrier de aproximadamente 9,7 km por 800 m, em Middletown, Monmouth County, no leste do estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos.

[2] N.T.: A sequoia-gigante é a maior árvore do mundo em termos de volume. Ela atinge em média de 85 – 115 m de altura, e 8–13 m em diâmetro. A sequoia-gigante mais velha conhecida possui 4.650 anos de idade.

[3] N.T.: A Medusa, na mitologia grega, era um monstro ctônico do sexo feminino

[4] N.T.: Sócrates (c. 469 a.C.-399 a.C.) foi um filósofo ateniense do período clássico da Grécia Antiga. Creditado como um dos fundadores da filosofia ocidental

[5] N.T.: Herbert Spencer (1820-1903) foi um filósofo inglês e um dos representantes do liberalismo clássico.

[6] N.T.: Georges Cuvier (1769-1832) foi um naturalista e zoologista francês da primeira metade do século XIX, é por vezes chamado de “Pai da Paleontologia”. Foi uma figura central na investigação em história natural na sua época, comparou fósseis com animais vivos criando assim a Anatomia Comparada.

[7] N.T.: A paresia é a disfunção ou interrupção dos movimentos de um ou mais membros: superiores, inferiores ou ambos e conforme o grau do comprometimento ou tipo de acometimento fala-se em paralisia ou paresia.

[8] N.T.: Alexandre III da Macedônia (português europeu) (356 a.C.-323 a.C.), comumente conhecido como Alexandre, o Grande ou Alexandre Magno foi rei (basileu) do reino grego antigo da Macedônia.

[9] N.T.: Hb 12:6

[10] N.T.: Edwin Arnold (1832-1904), foi um poeta e jornalista britânico.

poradmin

Filosofia Rosacruz pelo Método Socrático: Renascimento e Lei de Consequência

Renascimento e Lei de Consequência

Pergunta: Qual o verdadeiro propósito da vida?

Resposta: O verdadeiro propósito da vida não é a felicidade atual, mas a experiência pela qual nos é possível desenvolver os poderes espirituais latentes e transformá-los em faculdades, para servir melhor ao plano divino da evolução. Deus evoluciona por nosso meio. Nós somos células no corpo cósmico de Deus. Estamos cristalizando matéria para Ele, criando um veículo na qual possa funcionar. Somos tão necessários a Deus, como Deus para nós. Devemos, por conseguinte, no máximo grau desenvolver as qualidades espirituais e os talentos latentes para que possamos colaborar neste grande projeto.

Pergunta: Quais são os objetivos da evolução através da matéria?

Resposta: Os três grandes objetivos da evolução, através da matéria, são:
1. 1 A espiritualização do caráter
2. 2 O desenvolvimento da vontade, para dirigir as faculdades obtidas pela experiência
3. O desenvolvimento da Mente criadora, para, em certo dia, podermos criar, direta e conscientemente.

Pergunta: O que é necessário para que estes objetivos sejam colimados?

Resposta: Para obter este desenvolvimento é necessário que o Ego renasça muitas vezes em corpo físico. Quando a experiência de qualquer vida foi total e espiritualmente assimilada, nos mundos superiores, o espírito sente necessidade de obter novas experiências. Este desejo impele, irresistivelmente, ao renascimento. Nosso conhecimento a respeito da reencarnação não fica limitado a especulações. O renascimento é um dos primeiros fatos concretos demonstrados aos alunos da Escola de Mistérios. Ensina-lhes a observar uma criança ao morrer. Depois, a seguir esta criança, através do mundo invisível, dia após dia, até chegar à reencarnação, dentro de poucos anos. Feito isso, o aluno sabe, com certeza absoluta, que o renascimento é um fato e não somente uma teoria metafisica.

Pergunta: Qual é o primeiro passo a ser dado nesse processo?

Resposta: O primeiro passo que o Ego dá no caminho do renascimento é escolher os pais, ou tê-los escolhidos para si. Não é assunto de mera sorte. Geralmente, destinam-nos pais a quem prestamos serviços em vidas anteriores; assim, estão, realmente, obrigados a sermos úteis, também.
Examinando estas ideias, podemos compreender a obrigação de facilitar os meios, sempre que seja possível, para permitir a outros Egos voltar como nossos filhos, a fim de, posteriormente, poderem prestar-nos serviço igual. Quando o Ego conta com certa quantidade de bom destino, permite-se-lhe ver, panoramicamente, diferentes vidas com diferentes pais e deixa-se-lhe a liberdade de escolher. Uma vez feita a eleição e determinadas as linhas gerais da vida, o Ego não pode voltar atrás. Sem dúvida, tem liberdade de ação para os detalhes. Estes podem ser executados num espírito de amor, ajuda e tolerância, ou num espírito de rebelião, odiando o ambiente no qual se acha situado. Assim, pode criar, livremente, um bom, ou um destino adverso, para uma vida futura.

No processo atual do renascimento, os distintos Átomos-sementes atraem para si os materiais para uma nova série de veículos: uma Mente, um Corpo de Desejos, um Corpo Vital e um Corpo Denso. Quando chega a hora, estes materiais se introduzem nos novos veículos e, então, o Ego renasce no Mundo Físico.

Isto ocorre, quando as forças Astrais estão em harmonia com o destino criado pelo Ego, em vidas precedentes. O Ego não pode renascer em nenhum outro momento, porque as forças ocultas em seus Átomos-sementes o impediriam. Depois do nascimento, as forças Planetárias que exercem influência sobre os veículos do Ego impelem, dia a dia, em certas direções, em harmonia com seu destino previamente criado e, assim, convertem-se em executores automáticos daquele destino. Sem dúvida, as forças Astrais nunca obrigam. Quando um ser humano usa sua vontade para trabalhar em harmonia com a evolução, domina as forças Astrais e as dirige.

Pergunta: Como opera a Lei de Consequência?

Resposta: A Lei de Consequência, ou Lei de Causa e Efeito, opera continuamente. Desde o momento do nascimento, as forças postas em ação em vidas precedentes e ainda não esgotadas, começam a produzir efeitos na criança e seus veículos. Todos os antigos amores e ódios sobem à superfície. Aparecem os antigos inimigos, para que o Ego, em contato com eles, possa preparar seu destino e transformá-los em amigos. Amigos anteriores ajudam o Ego, trabalhando com ele, em proveito mútuo. Assim nos aproximamos, lenta, mas irresistivelmente, da época da amizade universal. Pela Lei de Consequência, o ser humano aprende que cada ato acarreta responsabilidade e que cada força que põe em movimento tem seu correspondente efeito. Se, por negligência ou egoísmo, causa sofrimento, ou perdas aos outros, a Lei de Consequência lhe trará, fatalmente, condições semelhantes, em data mais ou menos remota. Assim, compreenderá a injustiça que há no agir desta maneira. Se não faz caso da lição recebida, a natureza lhe proporcionará experiências cada vez mais duras, até que faça o esforço necessário e obtenha poder e domínio sobre si.

Se os atos que praticamos são construtivos, na vida futura nasceremos sob condições que nos trarão êxito e felicidade. Se, ao contrário, cedemos as paixões, sem considerar os demais, ou se permanecemos indolentes e descuidados, renasceremos em condições e entre pessoas que farão nossas vidas fracassarem e nos causarão muitas calamidades.

Pergunta: Há algum outro fator importante em termos de progresso?

Resposta: Durante toda a vida, a qualidade a que os Rosacruzes chamam Epigênese está em atividade.
Esta qualidade é o poder de acionar um número ilimitado de causas novas não determinadas, nem impostas por atos do passado. Se estivéssemos sujeitos totalmente ao passado e incapazes de gerar causas novas, seria impossível desenvolver o poder criador original. Nem haveria livre arbítrio. A faculdade espiritual da Epigênese capacita-nos, se aplicarmos a vontade, abrirmos passagem e atingirmos esferas de maiores poderes e atividades proveitosas.

(Revista: Serviço Rosacruz – 02/73 – Fraternidade Rosacruz – SP)

poradmin

A Lei de Consequência é falha?

A Lei de Consequência é falha?

Sabemos que a Lei de Consequência não apenas determina nosso estado individual de saúde física e mental, mas também as relações que constituem nossos ambientes. Porém, se deixarmos o prisma de percepção subjetiva (o de sofrimento e doença pessoal) e enxergarmos a ação desta Lei num contexto mais abrangente, será possível verificar que a Lei de Consequência é falha para nos direcionar à libertação, sendo necessário outro fator para nos fazer avançar.

A situação hipotética ilustrará esta questão: numa encarnação passada, uma pessoa estava tão voltada para si que acabou por negligenciar conforto, simpatia, amor, e amizade àqueles que eram seus dependentes. Tal atitude provocou uma desarmonia que deverá ser, então, reequilibrada.

Sabemos que não há fórmulas certas e também não possuímos capacidade de entendimento suficiente para determinar com certeza os meios pelo qual a Lei de Consequência busca harmonizar os desequilíbrios que um Ego gerou, mas conforme ensinado por Max Heindel no capítulo 6 do livro “A Teia do Destino”, cada ato de cada indivíduo produz uma determinada vibração no universo, que reflui sobre ele e sobre outros ao seu redor. Assim, utilizando o caso ilustrativo acima, é possível concluir duas situações genéricas condições futuras que poderão constituir o destino desse Ego errante. Na primeira, o Ego fará a decisão de pagar pela negligência cometida, renascendo com o desejo ardente de receber grande simpatia e conforto de seus familiares. Escolhe, então, nascer entre pessoas que sofrerão a tentação de negligenciá-lo, para também sentir o que fez outros sentirem no passado;

Pela Lei de Atração e polaridade, o Ego deverá atrair pessoas que sejam capazes de produzir um ambiente favorável para que reequilibre suas desarmonias. Pelo mecanismo puro da Lei de Consequência, seus familiares atuais deverão estar aptos a produzirem um ambiente negligenciador capaz de fazer este Ego expiar suas faltas passadas. Os Anjos do Destino, então, colocam o Ego entre pessoas sem qualquer vínculo espiritual anterior, o que o torna um verdadeiro estranho na família.

Assim, a harmonia pessoal do Ego será reestabelecida pela dura convivência com os familiares. Mas se olharmos do ponto de vista coletivo, três perguntas surgem:

(1) as negligências da atual família serviriam apenas de instrumento para a Lei de Causa e Efeito e, portanto, indubitavelmente positivas ao Ego devedor, sem causar nenhum destino doloroso para a mesma?

(2) os atuais familiares, ao serem negligentes, estão gerando novos desequilíbrios que deverão ser expiados no futuro, independente se está servindo de benefício para o Ego que veio com o propósito de expiar? Ou ainda,

(3) a negligência é tanto benéfica e maléfica para os realizadores?

Ora, se a segunda e a terceira hipóteses forem verdadeiras, a Lei em si foi projetada sem a possibilidade de se chegar a um fim comum de harmonia. Também é impossível acreditarmos que as novas negligências da família não gerem problemas futuros. Assim, a Lei nunca será suficiente para dar fim aos desequilíbrios, pois depende de pecadores para santificar outros pecadores mais antigos, e sempre que uma harmonia for estabelecida, outra necessariamente deverá ser produzida.

Conclui-se, portanto, que a Lei de consequência é falha.

As Escolas de Sabedoria Ocidental promulgam que sempre há uma margem significativa de livre arbítrio em cada situação vivenciada, independente se a mesma estiver relacionada com nossas responsabilidades de débitos com a Lei. O fato de a família ter uma tendência de negligenciar o Ego, não significa que deverá fazê-lo. Pelo contrário, se usar sua Epigênese (originalidade sem relação com causas passadas) e se esforçar para não seguir tal tendência (ou tentação), poderá promover condições muito mais favoráveis para que este Ego harmonize seus desequilíbrios.

Neste sentido, vejamos a segunda situação de vida para este Ego errante: a família negligenciada pelo Ego escolhe renascer ao seu lado, com a tendência de amá-lo fortemente e dar para ele todo o carinho que ele não foi capaz de dar. Em outras palavras, ele receberá tudo aquilo que decidiu ignorar no passado. Aqui, o amor dos familiares será muito mais eficiente para fazer o Ego reestabelecer à harmonia necessária para que expie suas faltas. “O amor é o cumprimento da Lei”. Este é o fator determinante para que o progresso espiritual continue.

Há muitos outros meios benéficos que o nosso livre-arbítrio possibilita superar a Lei de Causa e Efeito ou de destino, sem cair na amarra de não se chegar a um fim comum de harmonia. A Lei trabalha por meio da dor com o propósito de despertar a nossa consciência para outros focos da existência: o amor e o desapego material.

Trabalhar com amor, de modo original, para frente e para cima, nos permitirá que identifiquemos nossas tendências ou tentações que escolhemos sofrer nesta vida e, uma vez identificada, poderemos usar a Lei da Epigênese, para criar condições favoráveis para que as desarmonias do passado possam ser equilibradas pelo amor.

Que as rosas floresçam em vossa cruz