Arquivo de tag Filho do Homem

poradmin

Dor de Transição e as Experiências Dolorosas

Dor de Transição e as Experiências Dolorosas

Saturno, o grande justiceiro, já se encontra no umbral da nova era para ensinar lições de humildade e serviço, ainda que às custas de dor e sacrifício. É o tempo em que o ser humano deverá vencer sua natureza inferior até se transformar em “super-homem”. Através das preservações saturninas, pela purificação de sua natureza mais grosseira, o ser humano aprenderá suas lições, preparando-se para viver num mundo novo. Somente o indivíduo esclarecido será conclamado pelas Hierarquias a colaborar no insano trabalho de consolidação da nova Idade.

Obviamente, cada alma possui dons naturais para executar algum trabalho especial na evolução, e quando se acha envolvida nessa tarefa encontra uma invulgar satisfação. Entretanto, quando uma alma invade um campo alheio produz confusões e fracassos. Sempre existem invasores. São os fracassados que interferem nos esforços dos mais fortes, tratando de usurpar seus talentos. Os fortes, postados na vanguarda da evolução, são nossos atuais filósofos. Ao invés de estorvar o plano evolutivo, colaboram com ele. É com essas almas fortes que as Hierarquias trabalharão. São as pedras angulares do progresso dos autênticos aquarianos.

O nascimento de um mundo novo ocorre sempre em meio a mazelas, verdadeiros escombros, que estorvam e devem ser removidos. Isso acontece por meio de muito sofrimento. Uma alma rebelde se perguntará sempre: Por que me ocorrem tantas experiências dolorosas? A resposta é esta: Porque não age de acordo com as leis da evolução. Tais rebeldias, amiúde inconscientes, ocasionam, via de regra, a perda dos bens amealhados egoisticamente. O novo deve substituir o velho. Quem não segue a nova corrente perece, inevitavelmente. Tal é a realidade da vida que está às portas e projeta sua sombra sobre a civilização atual. Tudo isso nada mais é que a realização de uma profecia. Acaso Cristo não a revelou quando afirmou: “E então aparecerá o signo do Filho do Homem nos céus e todos os povos da terra gemerão de dor?”.

Relembrando a história da humanidade pode-se observar que, em certas etapas da evolução, produz-se uma grande depravação tal como a descreve a Bíblia. Os grandes pecados sempre precederam o despertamento dos povos à vida espiritual. Os esforços para elevar a humanidade provocam uma resistência encarniçada das entidades do mundo inferior que, então, redobram sua oposição ao bem, na tentativa de destruí-lo. Contudo, isso não deve nos alarmar, pois a Vontade Divina preside sempre tudo aquilo que é Bom e Verdadeiro, de tal forma a não deixar perder-se nenhum valor autêntico.

(Publicado na revista ‘Serviço Rosacruz’ – 09/86)

poradmin

Diz-se que quando o “Filho do Homem” é mencionado no Novo Testamento, esta referência se dirige ao Espírito Solar. Adoradores do Sol foram considerados idólatras. Nós também seríamos considerados como tais?

Pergunta: Diz-se que quando o “Filho do Homem” é mencionado no Novo Testamento, esta referência se dirige ao Espírito Solar. Adoradores do Sol foram considerados idólatras. Nós também seríamos considerados como tais?

Resposta: Todo aquele que não se amolda aos padrões atuais é um idólatra. Na época em que o Sol, por precessão, deixou a constelação de Touro e entrou em Áries, foi emitida a ordem: “Não adoreis o bezerro de ouro, isso é idolatria”. Mais tarde, quando chegou a era Cristã, houve uma nova aliança, não se devia mais praticar o judaísmo com seus holocaustos ardentes, porque Cristo chegou e houve um único sacrifício por todos.

Não há outro nome enviado pelos céus que possa representar a salvação, a não ser o nome de Jesus Cristo.

Mais tarde, quando Cristo entregar tudo nas mãos do Pai, será estabelecida uma nova norma, e voltar aos nossos ideais de hoje será considerado idolatria.

(Pergunta 138 do Livro Filosofia Rosacruz por Perguntas e Respostas vol. II, de Max Heindel)

poradmin

Todos nós podemos e devemos decifrar a mensagem e resolver o mistério do Universo: eis um exemplo

Todos nós podemos e devemos decifrar a mensagem e resolver o mistério do Universo: eis um exemplo

Diz-se amiúde e com razão, por certo, que “o menino é o pai do homem” e sobre o mesmo princípio podemos dizer que o Filho do Homem é o Super-homem. Portanto, quando o Sol entrar, por precessão, no Signo celestial de Aquário, o aguador, virá uma nova fase da religião do Cordeiro exotericamente e o ideal que devemos perseguir está indicado no Signo oposto: Leão.

A Lua, habitação do regente autocrático da raça e o dador de leis, Jeová, está, exaltada em Touro, Signo do touro, e quando o Sol transitou, por precessão, por esse Signo, todas as religiões de raça, mesmo a fase mosaica da religião ária do Cordeiro, pediam uma vítima propiciatória para cada transgressão da lei.

Mas o Sol está exaltado em Áries e ao entrar nesse Signo, por precessão, o grande espirito Solar, Cristo, veio como um Sumo Sacerdote da Religião Ária, ab-rogou o sacrifício de outros ao oferecer-se a Si mesmo como um sacrifício perpétuo pelo pecado do mundo.

Observando o ideal maternal de Virgem durante a Era de Peixes e seguindo o exemplo de Cristo como um serviço de sacrifícios, a imaculada concepção converte-se numa experiência real para cada um de nós, e Cristo, o Filho do Homem (Aquário), nasce internamente.

Deste modo, gradualmente a fase terceira da religião Ária se manifestará e um novo ideal será encontrado no Leão de Judá (Leão). Valor e convicção, fortaleza de caráter e virtudes semelhantes farão do ser humano realmente o Rei da Criação, digno da confiança e do afeto dos reinos inferiores de vida, bem como do amor das divinas Hierarquias que sobre ele estão.

Assim, a mensagem mística da evolução do ser humano está marcada em caracteres de fogo no campo celestial, onde qualquer investigador pode ler.

E quando estudemos o propósito de Deus, revelado no Zodíaco, aprenderemos a nos conformarmos inteligentemente com Seus desígnios e deste modo abreviar o dia da emancipação de nosso limitado ambiente atual, para sermos perfeitamente livres como espíritos, sobrepondo-nos à lei do pecado e da morte, por meio de Cristo, o Senhor do Amor e da Vida.

Todos nós podemos e devemos decifrar a mensagem e resolver o mistério do Universo.

A entrada do Sol em Aquário, em que teremos mais estreita união com o Cristo, por uma forma elevada da religião do Cordeiro, está indicada, além do Zodíaco, no Evangelho de São Lucas (22:10-11), São Marcos (14:13-15) e São Mateus (26:18), pois o Cristo Solar é simbolizado em Astrologia pelo Sol, quer na evolução do ser humano, como das nações e do mundo. Aquário, às vezes, é representado por uma mulher derramando água de um cântaro; outras vezes por um menino e outras ainda, por um homem. O correto é de um rapaz, que simboliza o Cristo já crescido no ideal dentro de nós; a água que se derrama sob controle do cântaro, pelo rapaz, significa o equilíbrio das emoções. Será, pois, a época do Amor racional, inteligente, o equilíbrio entre o Coração e a Mente, preconizado pelos Rosacruzes.

A palavra chave de Aquário, como Signo Fixo, é: Estabilidade.

(Publicado na Revista ‘Serviço Rosacruz’ – 01/64)

poradmin

A que raio pertence a Fraternidade Rosacruz?

Pergunta: Lê-se no “CONCEITO”: “Todas as escolas ocultas pertencem a um dos sete raios planetários, e as pessoas só podem ingressar na escola a cujo raio pertencem”. A que raio pertence a Fraternidade Rosacruz? Isso significa que quem quiser ingressar nela e não pertencer ao mesmo raio será rejeitado? A compreensão deste ponto torna-se ainda mais difícil devido à declaração, creio eu nos livros de Astrologia, de que nossa Estrela-Pai não é conhecida até a última Iniciação.

Resposta: Há duas classes de pessoas no mundo, mencionadas na Lenda Maçônica como os Filhos de Seth e os Filhos de Caim, representados atualmente pela Franco-Maçonaria e o Catolicismo, a política e o sacerdócio – os que escutam a voz do intelecto e se deixam levar pela cabeça, e os que obedecem à voz do coração, seguindo suas emoções e sentimentos. Os Filhos de Seth, pessoas que trilham o caminho da devoção e seguem sua religião, não importa em que país estejam, não entram em contato com nenhuma Escola de Mistérios em toda a sua existência. Eles seguem seus mestres espirituais, dóceis como cordeiros, como a água que flui suavemente num canal artificial, e entre os seus líderes, desde o tempo de Abel, o pastor, encontramos grandes luzes como Salomão, que renasceu mais tarde como Jesus, e é atualmente o pilar espiritual invisível da Igreja, que ele finalmente guiará sob o abrigo do Reino de Cristo. Essas pessoas são os protótipos divinos, Adão e Eva, criados por Jeová, o Regente da Lua, a Rainha das águas do mundo e das emoções humanas. Nossas emoções são tão instáveis quanto a água, que é regida em seus fluxos e refluxos periódicos pela Lua.

A outra corrente da humanidade, chamada os Filhos de Caim, é a classe na qual a essência divina, o Ego, se faz sentir como um fogo ardente. O instinto criador original é agudo e perspicaz neles, pois quando a humanidade estava no berço, eles ouviram a voz dos Espíritos Lucíferos e comeram da Árvore do Conhecimento. Por essa razão tornaram-se iluminados. A Mente desenvolveu-se em detrimento do coração. De Caim, Tubal-Caim, e Matusalém descendem todos os artesãos do mundo. Foram os que construíram o Templo de Salomão sob a liderança de Hiram Abiff, o Mestre Maçom, que renasceu posteriormente como o Filho da Viúva de Naim, ressuscitado pela garra potente do Leão de Judá, e que atualmente trabalha na indústria e política sob o nome de Christian Rosenkreuz, a fim de conduzir seus companheiros ao reino de Cristo, onde as duas correntes se unirão – onde não haverá prelados nem reis, mas exclusivamente um, o Cristo justo, que exercerá o duplo cargo de Rei e Sacerdote.

Em toda grande comunidade humana, sempre há os que ficam para trás e os que vão à frente, e podemos encontrar indivíduos pertencentes a cada uma dessas duas correntes da humanidade entre os tipos inferiores, como também entre as pessoas mais civilizadas da Terra. Ao longo do caminho evolutivo há, podemos dizer, portões que levam ao caminho da Iniciação e que podem ser destravados por todo aquele que tenha a chave apropriada.

As fechaduras diferem nos diferentes pontos encontrados no caminho da evolução, tornando-se cada vez mais complexas, já que todos nós estamos aprendendo hoje, através da trilha evolutiva, lições que só eram ensinadas em eras passadas no processo de Iniciação nas Escolas de Mistérios.

A cada vida nascemos com um novo horóscopo. O nosso Ascendente e nossos Astros serão muito diferentes a cada vida, de acordo com as lições que temos de aprender e as dívidas do passado que temos de saldar.

Em uma vida podemos ter Marte como Regente, em outra podemos ser regidos por Vênus ou por qualquer um dos outros Astros. O Espírito deve aprender todas as coisas para se tornar perfeito, e deve, por conseguinte, evoluir sob a influência de todos os Astros para que todos os aspectos da sua natureza sejam igualmente equilibrados. Não obstante, a marca da nossa Estrela-Pai ou Fogo-Pai está sempre presente, e isto fez com que um espírito inerentemente marcial seja diferente de outro que venha do Raio de Júpiter, embora seus horóscopos possam ser bem semelhantes, como, por exemplo, no caso de gêmeos.

As crianças nascidas com o mesmo Tempo Médio de Greenwich em Madrid, Nova York ou Honolulu serão de tipos bem diferentes, marcadas por suas peculiaridades nacionais e raciais, mas mesmo assim seus horóscopos assemelhar-se-ão muito. Isto demonstra que não é o horóscopo em si que conta, mas a influência invisível devida à identidade do Fogo-Pai ou Estrela-Pai e, quando um homem ou uma mulher estão prontos para transpor o portão ou empreender o caminho que leva à Escola de Mistérios, ele ou ela sentirão a atração espiritual correta através da vibração da cor básica da aura. Se essa atração for respeitada, ela os levará, sem dúvida, ao lugar correto, onde não serão rejeitados.

Falando de um modo geral, pode-se dizer que todos os povos do Mundo Ocidental pertencem à Escola da Sabedoria Ocidental dos Rosacruzes, e que eles se enganam quando tentam entrar para uma escola pertencente ou que divulgue a filosofia oriental. Quando Moisés conduziu os Israelitas para fora do Egito, a terra do Touro, onde o animal era adorado quando o Sol, por Precessão, se encontrava no Signo de Touro, ele deu ao povo ao qual guiava, um novo símbolo, o do Cordeiro. Desde a época em que o Sol, por precessão, atravessou o Signo de Áries, o Cordeiro, tornou-se idolatria adorar o Bezerro de Ouro (Touro), ou, reverenciar as serpentes e os escorpiões, que eram os sacerdotes dessa dispensação (porque Escorpião é o Signo oposto a Touro). Então, veio Cristo, o Cordeiro de Deus, assim chamado para inaugurar uma nova religião; e ouvimos falar de um julgamento quando Ele voltar novamente sob o Signo de Libra, a balança, oposto a Áries, para julgar o mundo inteiro.

Mais tarde, por precessão, o Sol passou pelo Signo de Peixes, os peixes, e por dois mil anos, abstivemo-nos de comer carne em determinados dias, comendo peixe em seu lugar, enquanto adorávamos o Signo oposto Virgem, a Virgem Imaculada. Atualmente o Sol está entrando, por precessão, na órbita do Signo celestial de Aquário, o Filho do Homem e, na futura Era Aquariana, teremos um padrão totalmente diferente do que tivemos até hoje. De fato, devemos aprender a venerar o Cristo interno, e esse Cristo não é o mesmo para cada um de nós. Ele é o Salvador que nos conduzirá além da nossa atual condição.

A diferença é o raio planetário básico que está em cada um e em todos nós. Assim, há o raio horoscópico, governado pelo Astro que rege o nosso horóscopo em cada vida; há o raio individual, governado pelo sub-raio do nosso Fogo-Pai ou Estrela-Pai sob o qual nos originamos, e, finalmente, há o próprio Fogo-Pai ou Raio em si. É esse último que não é revelado senão na última Iniciação.

Nosso raio individual é-nos revelado no momento em que recebemos as instruções do discipulado, e o raio horoscópico torna-se evidente tão logo calcularmos nosso tema e soubermos interpretá-lo.

Esclarecemos esse ponto de um outro ângulo, ilustrando-o em cores. Há sete cores no espectro: vermelho, laranja, amarelo, etc., mas, dentro do vermelho também encontramos sete subrraios, vermelho-escuro, o vermelho-alaranjado, o vermelho-amarelado, etc. O mesmo sucede com o raio amarelo; nele encontramos o amarelo-vermelhado, o amarelo-escuro, etc. Da mesma forma, sob o raio de Marte, encontramos alguns que são Marte-Saturno, outros Marte-Sol, outros ainda Marte-Vênus, e assim por diante. Marte é, então, a Estrela-Pai, enquanto o nome do outro Astro designa o Raio individual. Por essa razão, encontramos nas Escolas de Mistérios espalhadas pelo mundo, pessoas nascidas com qualquer um dos doze Signos elevando-se e com qualquer um dos Astros governando. Também encontramos pessoas com raios individuais do Sol, Vênus, Marte, Mercúrio, etc., tanto nas Escolas de Mistérios Orientais como nas Ocidentais. Mas a Escola de Mistérios em si é colorida pela profunda e predominante influência planetária do Fogo-Pai, a Estrela-Pai, sob a qual se originou.

Podemos entender, baseados no fato que o Fogo-Pai só é revelado na última Iniciação, que a natureza básica de toda Escola de Mistérios não pode ser revelada abertamente ao público. Mas, devemos diferenciar entre uma Escola de Mistérios e uma associação como a Fraternidade Rosacruz e outras sociedades semelhantes, que são apenas escolas preparatórias para suas respectivas ordens ocultas. Tais escolas, como a Fraternidade Rosacruz e organizações semelhantes, seriam naturalmente dominadas pela influência astral advinda da nascente. Portanto, essa não pode ser dada.

Há muitas pessoas que pretendem saber tudo e que sorriem misteriosamente ou emitem falsas informações que não podem ser contestadas e desmentidas porque dizem respeito aos segredos da Iniciação. O autor sempre teve como princípio declarar honestamente e sem hesitação diante de qualquer pergunta que ele não podia responder: “Não sei”. Aparentar onisciência equivale a aparentar divindade. Embora o autor tenha encontrado muitos “professores”, encontrou pouquíssimos “possuidores”, e o consulente terá que esperar pela resposta a essa pergunta até que chegue o momento apropriado na Iniciação.

Mesmo no caso do raio individual, que é dado aos Discípulos no momento em que ingressam no caminho do discipulado, verificou-se que pessoas sob o Signo de Gêmeos, por exemplo, que se supunha serem regidas por Mercúrio, tinham em seu raio individual todos os outros diferentes Astros, e o mesmo acontecia com os que pertenciam aos outros Signos. O autor dedicou tempo e estudo esforçando-se por descobrir uma regra, mas isso provou ser totalmente inútil. Há apenas uma explicação fornecida pelos Irmãos Maiores, isto é, o raio individual é retido pelo Espírito ao longo de toda a série de suas vidas, e é perfeitamente independente dos raios horoscópicos que mudam de acordo com o seu nascimento, meio ambiente e as lições a serem aprendidas a cada vida.

(Perg. 155 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas – Vol. II – Max Heindel – Fraternidade Rosacruz SP)

poradmin

Diz-se que quando o Novo Testamento menciona o “Filho do Homem” quer se referir ao Espírito Solar. Os adoradores do Sol foram considerados idólatras. Nós também seríamos considerados como tais?

Pergunta: Diz-se que quando o Novo Testamento menciona o “Filho do Homem” quer se referir ao Espírito Solar. Os adoradores do Sol foram considerados idólatras. Nós também seríamos considerados como tais?

Resposta: Todo aquele que não segue os padrões de seu tempo é um idólatra. Quando o Sol, por precessão, a deixou constelação de Touro e entrou em Áries foi emitida a ordem “Não adoreis o bezerro de ouro; isso é idolatria”. 

Posteriormente, quando chegou a era Cristã, houve uma nova aliança e não se devia mais praticar o Judaísmo com suas oferendas, pois Cristo chegara e houve um único sacrifício por todos. Tornou-se idolatria executar o antigo sacrifício. Não há nenhum outro nome dado sob o céu pelo qual nós devemos ser salvos, a não ser o nome de Jesus Cristo. Mais tarde, quando Cristo entregar tudo nas mãos do Pai, haverá um novo padrão e será idolatria voltar aos nossos ideais de hoje.

(Revista Serviço Rosacruz – 12/73 – Fraternidade Rosacruz – SP)