Arquivo de tag Doença

poradmin

O Pecado e a Doença

O Pecado e a Doença

Geralmente, é considerada uma superstição grosseira quando alguém expressa seriamente a ideia de que a doença é o resultado do pecado, e quem faz tal afirmação corre o risco de ser ridicularizado fora dos tribunais. No entanto, se analisarmos o assunto com cuidado veremos que não é uma ideia tão absurda, pois o argumento científico não pode fugir do fato de que existe e deve haver uma inteligência superior que governa e guia o universo; além disso, que existem certas leis imutáveis ​​que preservam a ordem em todos os departamentos, e tudo, do simples micróbio até o ser humano, que está sob o domínio dessas leis. Se cairmos de uma janela do segundo andar, pecamos contra a lei da gravidade e a queda pode ocasionar ossos quebrados por causa de nossa descida muito rápida em direção ao solo; se colocarmos a mão no fogo, pecamos contra a lei da vibração e nossa mão é queimada devido à rapidez e à intensidade das correntes etéricas, e por esses pecados contra as leis da natureza, podemos sofrer por um bom tempo.

Casos bem definidos onde o pecado contra uma Lei da Natureza implica um sofrimento correspondente e são tão óbvios que, como regra geral, ninguém transgrida deliberadamente, temos muito cuidado em não cometer; contudo somos muito propensos a cometer pecados onde a penalidade não parece estar diretamente envolvida e de onde ganhamos, muitas vezes, das pessoas à nossa volta uma certa satisfação prazerosa – quando não de nós mesmos -, como é o caso da satisfação do apetite à mesa ou das paixões de natureza inferior. Todavia, “Embora os Moinhos de Deus moam devagar, eles moem muito bem”, e toda transgressão certamente trará sua justa penalidade, pois a escala da Justiça deve se equilibrar; não pode ser permanentemente pressionada de um jeito ou de outro. Enquanto não recuperamos o equilíbrio, sofremos pelos pecados que causam a depressão e, quando o equilíbrio é alcançado, os pecados são perdoados ou eliminados.

No entanto, embora a escala da justiça deva encontrar seu equilíbrio, seria uma ideia totalmente equivocada inferir que Deus ou a Natureza pretendem se vingar. Longe disso; assim que a lição foi aprendida e nos arrependemos e deixamos de pecar, estamos na condição propícia para que um mediador ou curador habilidoso no uso de forças ocultas possa intervir e nos salvar do sofrimento normalmente exigido para a expiação de nossos pecados, isto é, a dor que teríamos que sofrer durante o curso normal da natureza; e é exatamente isso que o Método de Cura da Rosacruz faz. Quando o Evangelho de Viver Correto, incorporado nos Ensinamentos Rosacruzes, foi assimilado pela pessoa que precisa de ajuda, a tal ponto que ela se declara pronta para se esforçar em viver sua vida em harmonia com as leis de Cristo e seguir Seus ensinamentos, ela se alinhou mentalmente com as Leis Universais da Saúde e pode ter os seus problemas resolvidos espiritualmente (que é a causa de tudo).

A Cura nem sempre pode ser milagrosa e instantânea, principalmente quando a doença é de longa duração, mas quando o transgressor da lei de Deus, ou da Natureza, ouve o Evangelho, ou a Boa Nova, e pede para ser curado de sua fraqueza, ele já está no caminho da recuperação.

(Publicado na Revista Rays From the Rose Cross – jan/1916 e traduzido pela Fraternidade Rosacruz – Campinas – SP)

poradmin

Quando ficamos doentes nesta vida, submetemo-nos a uma intervenção cirúrgica e um órgão é removido. Isto nos cura permanentemente ou retornamos num corpo futuro com uma enfermidade semelhante?

Pergunta: Quando ficamos doentes nesta vida, submetemo-nos a uma intervenção cirúrgica e um órgão é removido. Isto nos cura permanentemente ou retornamos num corpo futuro com uma enfermidade semelhante?

Resposta: Cristo disse: “Como um homem pensa em seu coração, assim ele é”, e isto abrange toda a questão quando considerada em seu mais amplo significado. Quando entramos nos reinos invisíveis após a morte, passamos durante o estado “post-mortem” pelas experiências do Purgatório e do Primeiro Céu, todos os nossos veículos dissolvem-se gradativamente, e depois entramos no Segundo Céu onde começamos a criar o meio para a nossa próxima existência. Quando essa tarefa termina, entramos no Terceiro Céu, do qual pouquíssimos têm consciência ainda. Consequentemente, o esquecimento é total sobre o que ocorreu antes, e só levamos conosco a quintessência das nossas experiências passadas em forma de faculdades quando retornamos ao Segundo Céu em nosso caminho em direção ao renascimento. Aqui moldamos o arquétipo de nosso futuro corpo físico com a ajuda dos Anjos do Destino e dos seus agentes.

Esclarecendo melhor este ponto, lembremo-nos que durante os dias de infância passamos pelas mais terríveis dificuldades para aprender a escrever. As letras que rabiscávamos eram extremamente grotescas, mas, aos poucos, com o decorrer do tempo e um esforço persistente, adquirimos a faculdade de escrever de forma legível. Com o passar dos anos, esquecemos as dificuldades do aprendizado, mas a faculdade permaneceu conosco.

Similarmente, o Espírito quando renasce esquece tudo que aconteceu antes, mas a faculdade de fazer determinadas coisas subsiste nele. Por conseguinte, se ele formou um corpo fraco num certo lugar em uma vida e sofreu a dor inerente àquela fraqueza e doença, mesmo a remoção de um órgão, podemos ter certeza que, embora o acontecimento vá ser esquecido numa futura existência, o Espírito relembrará o fato quando estiver moldando o arquétipo e preparando-se para renascer. Ele se esforçará em criar um órgão melhor para evitar a dor experimentada numa vida anterior e, assim, ao invés de perpetuar o órgão doente, podemos dizer, seguramente, que um órgão doente numa vida será sadio na seguinte.

Gradualmente, a humanidade vai aprendendo através de erros do passado a criar um corpo mais aprimorado e sadio.

Recorrendo a outra ilustração, analisemos o caso de um arquiteto que, após ter construído uma casa e vivido nela, sentiu-a desconfortável. Vejamos como ele agiria. Se vendesse essa casa e construísse outra para si, lembrar-se-ia dos incômodos experimentados na sua residência anterior e iria esforçar-se para construir uma casa que não apresentasse os mesmos inconvenientes.

Possivelmente iria deparar-se, na nova casa, com outros aspectos não muito a seu gosto e, ao vender esta, construiria uma terceira casa melhor do que as duas anteriores e assim por diante. Podemos inferir que o mesmo acontece com a casa do Espírito, construída novamente a cada vida. Oliver Wendell Holmes coloca isso de forma muito bonita no último verso do seu “O Caracol”, que construiu conchas cada vez maiores e finalmente abandonou-as quando estavam superadas. Ele diz:

“Oh Minh’alma! Constrói para ti mansões mais majestosas

Enquanto as estações passam ligeiramente!

Abandona o teu invólucro finalmente;

Deixa cada novo templo, mais nobre que o anterior,

Com cúpula celeste, com domo bem maior,

E que te libertes, decidida

Largando tua concha superada nos agitados mares desta vida”.

(Pergunta 45 do Livro Filosofia Rosacruz por Perguntas e Respostas vol. II, de Max Heindel)

poradmin

Diagnóstico pela Astrologia

Diagnóstico pela Astrologia

Para aqueles que concedem a divina ciência dos astros um estudo verdadeiro e um julgamento premeditado não existem dúvidas quanto a superioridade do diagnóstico pela Astrologia sobre todos os outros métodos de diagnosticar enfermidades. Contudo o reto uso deste método requer uma elevada capacidade de discernimento associada a certos princípios psicológicos fundamentais.

Primeiramente, o mínimo possível do diagnóstico obtido diretamente do horóscopo pode ser dado ao paciente, pois, é preciso que se tenha sempre em lembrança que uma pessoa enferma é uma pessoa anormal em certo grau, inclinada a não compreender devidamente ou a interpretar erroneamente aquilo que se lhe diz. Acontece com muita frequência, que uma pessoa sabedora de certo aspecto adverso no seu mapa, ou de uma certa condição crônica no seu corpo, construa a imagem mental da anormalidade, podendo assim torná-la ainda mais severa. Uma tal fixação mental e emocional, pode se tornar tão forte que venha a prevalecer um espírito de desesperança, e destarte a pessoa cria um invólucro em torno de si, dificultando muito qualquer auxilio que se lhe queira prestar

Vemos assim, a necessidade de sempre se acentuar fortemente os aspectos positivos e a possibilidade de usá-los, a fim de contrabalançar e superar os estados mentais e emocionais indesejáveis que resultam de uma enfermidade.

Otimismo e jovialidade são os fatores fundamentais em um bem estabelecido método de cura.

Afora isso, o paciente deve saber que os aspectos do seu mapa natal são obra exclusivamente sua e que eles o afetarão enquanto trilhar as linhas negativas de pensamento ou de sentimento lá indicadas. Deve-se evidenciar repetidamente a habilidade que possui o Ego em “governar as suas estrelas”, de modo a evitar qualquer grau de fatalismo. Não há limites para o poder de um Espírito desperto!

(Revista ‘Serviço Rosacruz’ – 05/79 – Fraternidade Rosacruz – SP extraído de Rays from the Rose Cross)

poradmin

Durante o período de tratamento de um paciente, podemos eliminar as vibrações da enfermidade de modo que elas não voltem depois do término desse tratamento?

Pergunta: Durante o período de tratamento de um paciente, podemos eliminar as vibrações da enfermidade de modo que elas não voltem depois do término desse tratamento?

Resposta: Supomos que esta pergunta se refere ao tratamento magnético da doença, e podemos dizer que este método de cura consiste inteiramente na remoção das vibrações doentias pela absorção destas no corpo do curador, que deve ter suficiente vitalidade para lançá-las fora de si, caso contrário, ele também ficará doente. A questão já foi explicada anteriormente em nossa literatura, mas, se for analisada sob outro ângulo, poderá tornar-se interessante ou instrutiva.

Quando alguém observa com a visão espiritual uma pessoa doente, o corpo vital do paciente parecerá delgado e macilento na proporção dos estragos causados pela doença. Não haverá linhas radiantes saindo dele como quando seu corpo está são, mas veremos uma emanação doentia em forma de redemoinhos e espirais suspensos junto ao Corpo Denso. Ao invés da cor púrpura rosada, geralmente observamos uma cor cinza-escura em várias partes, e o lugar particularmente atingido encontra-se envolto em algo parecido a uma massa gelatinosa preta.

Reconhecemos isto como vibrações da enfermidade, e quando a pessoa é submetida a um tratamento de cura magnético, é esta massa preta venenosa que é absorvida pelas mãos do curador. Quando ele a joga fora por um movimento vigoroso dos braços, ela cai no chão. Se o paciente estiver perto dessa massa caída, ele a reabsorverá. Portanto, o autor costuma sempre lançar estas emanações para fora da janela ou numa lareira onde elas possam ser queimadas. Assim, não causarão mais danos.

Enquanto estamos abordando este assunto, será útil expor outro aspecto da questão, assim como o método de cura. Quando um órgão está doente, ele gera uma substância tóxica que o envolve impedindo que as correntes do Corpo Vital passem através dele. A função do curador magnético é simplesmente limpar o órgão desses miasmas, abrindo assim o caminho para o influxo das correntes vitalizadoras que favorecem a saúde. Geralmente, o alívio é temporário, pois o órgão fraco e doente continua a produzir esses miasmas, o que leva o curador magnético a ter que agir novamente. Esse tratamento prossegue até que as correntes vitais se tornem suficientemente fortes para elas próprias neutralizarem e expulsarem essa substância tóxica, limpando assim o órgão. Então, a saúde é restabelecida.

O médico osteopata enfoca o assunto do ângulo oposto, manipulando os nervos, que são as avenidas para as correntes vitais. Isto fortalece essas correntes que começam a dispersar o miasma que está na parte afetada do corpo. No entanto, isto requer uma série de tratamentos para que a saúde se restabeleça, pois, o miasma tóxico bloqueia novamente os nervos logo após o médico interromper as suas manipulações. Por conseguinte, parece ao autor, embora nunca tenha tentado isto, que uma combinação dos dois métodos, a abertura das correntes nervosas fortalecendo-as por meio dos tratamentos osteopáticos e, ao mesmo tempo, a remoção do miasma tóxico pela cura magnética, tendo o cuidado de queimá-lo ou eliminá-lo, facilitaria maravilhosamente o tratamento da doença.

(Perg. 43 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas – Vol. II – Max Heindel – Fraternidade Rosacruz SP)

poradmin

A Diferença entre Curar Definitivamente ou Sarar (remediar)

A Diferença entre Curar Definitivamente ou Sarar (remediar)

Como a grande maioria das pessoas não faz distinção entre curar definitivamente e sarar, não será demasiado explicar a diferença que consiste principalmente em haver ou não haver cooperação do paciente. Uma pessoa pode sarar outra com massagens ou drogas. Nesses casos, o paciente se mantém passivo, como o barro nas mãos do oleiro. Não há dúvida de que com tais tratamentos podem desaparecer as afecções e o doente se restabelecer, mas em geral seu restabelecimento é apenas temporário porque não foram levadas em conta as causas reais da enfermidade; o doente não compreendeu que a doença é a consequência da violação das Leis da Natureza, sendo provável, portanto que continue fazendo as mesmas coisas que fazia e como resultado a doença poderá retornar. Sarar (ou remediar) é um processo físico. Curar definitivamente é radicalmente diferente porque nesse caso se exige que o paciente coopere espiritual e fisicamente com quem.

Para esclarecer esse assunto, nada melhor do que estudar a vida e as obras do nosso Mestre, o Cristo. Quando as pessoas iam a Ele para serem curadas definitivamente, não esperavam ser submetidas a nenhum tratamento físico porque sabiam que iriam ser curadas pelo poder do Espírito. Elas tinham confiança ilimitada n’Ele, o que era absolutamente essencial, como podemos observar nos incidentes registrados no Capitulo XIII do Evangelho segundo São Mateus, onde se diz que o Cristo foi para o meio das pessoas entre as quais Jesus, o possuidor original do Corpo, havia morado em sua juventude. Tais pessoas não viam mais do que o ser humano exterior e diziam: “Não é este Jesus o filho de José? Não estão conosco seus irmãos?”. Elas acreditavam que nada de grandioso poderia sair de Nazaré e as coisas foram feitas de acordo com a sua fé, pois lemos que “ali não fez grandes obras devido à falta de fé”.

Mas a fé sem obras é morta e em todos os casos em que Cristo curou alguém, essa pessoa tinha que fazer alguma coisa: tinha que cooperar com o Grande Médico, antes que a sua cura se efetuasse. Dizia Ele: “Estende a tua mão”, e quando a pessoa assim fazia, sua mão ficava curada. Dizia a outro: “Toma o teu leito e anda”, e quando isso era feito, desaparecia a enfermidade. Ao cego mandou: “Vai e banha-te no lago de Siloé”, ao leproso: “Vai ao sacerdote e oferece o teu donativo”, etc. Em todos os casos havia necessidade da cooperação ativa da parte daquele que desejava ser curado. Eram simples pedidos, mas tais como eram, tinham que ser atendidos e a obediência auxiliava o trabalho do curador.

Quando Naamã foi a Eliseu, acreditando que o profeta iria fazer um grande passe de mágica e cerimônias para livrá-lo das suas manchas de lepra, ficou decepcionado. E quando o profeta lhe disse: “Vai e banha-te sete vezes no Rio Jordão”, ficou irritado até o ponto de gritar: “Não temos grandes rios na Assíria? Por que tenho que me lavar no Jordão? Que tolice!”. Faltava-lhe o espírito de submissão, absolutamente necessário para que o serviço pudesse ser feito e podemos afirmar que se persistisse, jamais teria ficado curado, pelo Cristo, da sua enfermidade. Tampouco seriam curados pelo Cristo os enfermos, se não obedecessem e fizessem o que lhes ordenava. Essa é uma Lei da Natureza absolutamente certa. A desobediência produz a enfermidade. A obediência, envolva ela o lavar-se no Jordão ou o estender a mão, mostrará a mudança de ânimo e a pessoa ficará em situação de receber o bálsamo que pode vir por intermédio do Cristo ou por intermédio de outra pessoa, conforme o caso. Em primeiro lugar, em todos os casos, as forças curadoras provêm do Pai que está nos Céus, que é o Grande Médico.

Existem três fatores no processo de curar definitivamente: primeiro, o poder de nosso Pai Celestial; a seguir, o curador; e por fim o ânimo obediente do paciente sobre o qual possa agir o poder do Pai por intermédio da pessoa que cura, de tal forma que dissipe todas as enfermidades corporais.

Compreendamos em seguida que todo o Universo está impregnado pelo Poder do Pai, sempre à nossa disposição para curar todas as enfermidades, de qualquer natureza que sejam: isto é absolutamente certo.

O curador é o foco, o veículo por cujo intermédio se infunde a energia no Corpo do paciente. Se for um instrumento adequado, consagrado, harmonioso, real e bem harmonizado com o Infinito, não há limites para as obras maravilhosas que o Pai realizará por seu intermédio, quando a oportunidade se apresentar a um paciente suficientemente receptivo e de Mente obediente.

(“Extraído livro: Princípios Ocultos de Saúde e Cura” – Max Heindel)

poradmin

A Doença é a Consequência do Pensar e do Agir Erroneamente

A Doença é a Consequência do Pensar e do Agir Erroneamente

“O pensamento, o sentimento e/ou a emoção mais superficiais são transmitidos aos pulmões, de onde são injetados no sangue. O sangue é o nutridor de todas as partes do Corpo e o veículo direto do Ego”.

A meditação a respeito das verdades que se relacionam com essas afirmações leva a uma realização iluminadora de vital importância no pensamento construtivo. Realmente nós nos tornamos aquilo em que pensamos, tanto fisicamente como espiritualmente. Nossos pensamentos tornam-se cristalizados, por assim dizer, em nossa expressão facial e na totalidade de nossa forma física. Nosso ambiente, nossos companheiros também são reflexos da nossa linha habitual de pensamento. Obviamente, se desejarmos ter corpos saudáveis, devemos injetar em nossa corrente sanguínea elevados pensamentos e emoções. Cada pensamento possui um poder vibratório, dependente da força de vontade que o emitiu, tornando-se parte do conjunto de nosso poder áurico. Atrai para si material de idêntica natureza de forma que, nessa manifestação da Lei de Atração, temos a chave do pensar em saúde. Quanto mais pensamos no bem, na verdade e na beleza mais fortaleceremos o elemento saúde-atração em nossa aura e, portanto, mais injetaremos saúde em nossa corrente sanguínea e daí em nossos tecidos.

A doença, sabemos, é consequência do pensar e do agir erroneamente; desatendendo às imutáveis Leis de Deus.

Esse “mal”, como quaisquer outros, pode ser sobrepujado com o “bem”. Ignorando qualquer mal aparente; tratando com ele dentro de uma atitude impessoal ou indiferente e enfatizando pensamentos bondosos e superiores, beneficiaremos nossos Corpos e ambientes, tão certamente como a lei de gravidade opera com incessante regularidade.

Realmente, podemos criar tal força para o bem; pelos esforços constantes do pensar construtivamente. Pensemos em saúde em nossos corpos, em alegria, gratidão, beleza, bondade e amor!

Os Auxiliares Visíveis são tão necessários como os Auxiliares Invisíveis. Nossos amigos e pacientes podem participar desse privilégio superior, bem como adicionar muito ao poder de libertação da força curadora, juntando-se a nós em oração pelos doentes.

(Revista ‘Serviço Rosacruz’ – 06/73 – Fraternidade Rosacruz – SP)