Elman Bacher – Estudos de Astrologia – Volume 1

poradmin

Elman Bacher – Estudos de Astrologia – Volume 1

A Astrologia é para o estudante Rosacruz uma fase da religião, basicamente uma ciência espiritual.

Esta ciência, mais do que qualquer outro estudo, revela o ser humano a si mesmo.

Nenhuma outra ciência é tão sublime, tão profunda e tão abarcadora.

Ela revela a relação entre Deus (o Macrocosmo) e o ser humano (o Microcosmo), demonstrando que ambos são fundamentais.

1. Para fazer download ou imprimir:

Elman Bacher – Estudos de Astrologia – Volume 1 – Exatidão da Astrologia – Os Astros são Seres – O Sol – A Lua – Vênus – Mercúrio

2. Para estudar no próprio site (para ter as figuras, que tanto ajudam na compreensão, consulte a edição do item 1, acima):

ESTUDOS DE ASTROLOGIA

 

Por

Elman Bacher

Volume 1

Fraternidade Rosacruz

 

Centro Rosacruz de Campinas – SP – Brasil

Avenida Francisco Glicério, 1326 – conj. 82

Centro – 13012-100 – Campinas – SP – Brasil

Traduzido e Revisado de acordo com:

Studies in Astrology

2ª Edição em Inglês, 1951, The Rosicrucian Fellowship

Estudios de Astrología

3ª Edição em Espanhol, 1981, Editorial Kier S. A.

Pelos Irmãos e Irmãs da Fraternidade Rosacruz – Centro Rosacruz de Campinas – SP – Brasil

www.fraternidaderosacruz.com

contato@fraternidaderosacruz.com

fraternidade@fraternidaderosacruz.com

PREFÁCIO

Tantos foram os comentários favoráveis recebidos por nós, aos artigos astrológicos de Elman Bacher publicados em nossa revista “Rays from the Rose Cross”, durante os últimos anos, que estamos certos que haverá uma boa acolhida a esse trabalho, por parte dos Estudantes de Astrologia Espiritual.

Os profundos conhecimentos de Elman Bacher e sua devoção à ciência astral, aliados a uma extraordinária compreensão da natureza humana, permitiram-lhe apresentar temas que indubitavelmente o situam entre os melhores Astrólogos Esotéricos modernos. E como a veracidade e o valor da astrologia tornam-se, a cada dia, mais aceitos de modo geral, seus trabalhos ajudarão cada vez mais os seres humanos a conhecerem-se a si mesmos, e a realizarem seu mais alto destino.

Antes de sua transição, em 1951, Elman Bacher expressou o ardente desejo de que publicássemos seus artigos em forma de livro e, embora lamentemos profundamente não estar ele aqui para ver a concretização desse desejo, sentimos felizes por saber que sua aspiração está sendo realizada agora.

 

ÍNDICE

PREFÁCIO.. 3

INTRODUÇÃO.. 5

CAPÍTULO I – A EXATIDÃO DA ASTROLOGIA.. 7

CAPÍTULO III – OS ASTROS SÃO SERES. 16

CAPÍTULO IV – O SOL: O PRINCÍPIO DO PODER.. 32

CAPÍTULO V – A LUA: O PRINCÍPIO DA MATERNIDADE.. 40

CAPÍTULO VI – VÊNUS: O PRINCÍPIO DA MANIFESTAÇÃO APERFEIÇOADA.. 52

CAPÍTULO VII – O PLANETA MERCÚRIO.. 61

 

INTRODUÇÃO

A Astrologia é para o estudante Rosacruz uma fase da religião, basicamente uma ciência espiritual. Esta ciência, mais do que qualquer outro estudo, revela o ser humano a si mesmo.

Nenhuma outra ciência é tão sublime, tão profunda e tão abarcadora. Ela revela a relação entre Deus (o Macrocosmo) e o ser humano (o Microcosmo), demonstrando que ambos são fundamentais.

A ciência oculta, ao investigar as forças mais sutis que afetam o ser humano (o Espírito) e seus veículos, receberam seus efeitos com a mesma precisão que a ciência acadêmica fizeram com as relações do mar e do céu, da planta e do animal, dos raios do Sol e da Lua.

Com esse conhecimento podemos determinar o padrão astrológico de cada indivíduo, e conhecer a potência ou as debilidades relativas das diferentes forças atuantes em cada vida. De acordo com o que tenhamos alcançado deste conhecimento, podemos começar a formação sistemática e cientifica do caráter – caráter é destino!

Observamos os períodos e estações que são cosmicamente vantajosos para o desenvolvimento de qualidades ainda não desenvolvidas, corrigindo rasgos defeituosos e eliminando inclinações destrutivas.

A ciência divina da Astrologia revela causas ocultas que trabalham em nossas vidas. Assessora o adulto com respeito à vocação, os pais na orientação dos filhos, o mestre na orientação dos discípulos, o médico no diagnóstico das enfermidades; prestando-lhes, desta maneira ajuda a todos em qualquer situação em que precisem.

Nenhum outro tema dentro da margem do conhecimento humano, até esta data, parece conter as possibilidades estendidas aos astrólogos para ajudar aos demais na sua própria dignidade como deuses em formação, a um entendimento maior da lei universal, e a verificação de nossa eterna seguridade nos braços acariciadores da Vida Infinita e do Ser Iluminado.

CAPÍTULO I – A EXATIDÃO DA ASTROLOGIA

Milhões de palavras impressas ou verbais são usadas como argumentação para saber se a Astrologia é ou não “exata” e “científica”. As pessoas não solidárias à Astrologia (os que não a estudam, os religiosos exotéricos e os que não se aventuram a pensar no assunto) apresentam argumentos que servem, no final das contas, apenas como reflexões depreciativas sobre as habilidades daqueles estudantes que “interpretam horóscopos”. Alegam que, se a Astrologia fosse cientificamente exata, isso seria provado por uma perfeita concordância de todos os astrólogos em qualquer ponto sobre o assunto. Todos esses argumentos são ilegítimos, ilegais e perda de tempo, uma vez que esses não são pertinentes à essência profunda sobre o estudo da Astrologia.

Para aquelas pessoas que são contrárias à Astrologia, se faz necessário esclarecer um pouco mais sobre a “argumentação”, dando a seguinte explicação: todos os cristãos concordam com o significado das mensagens de seu Sacerdote; todos os músicos estão de acordo quanto a “correta” interpretação das sinfonias de Brahms; todos os médicos estão de acordo em relação ao tratamento empregado da paralisia infantil, e todos os pais estão de acordo quanto à maneira “perfeita” de criar seus filhos.

Cada protagonista da Astrologia difere de outros astrólogos em sua capacidade para interpretar horóscopos. Veremos isto na abordagem, na habilidade de entender a simbologia, na exatidão dos cálculos matemáticos, na habilidade de sentir a essência dinâmica do horóscopo, na habilidade de compreender os problemas psicológicos apresentados e de seus potenciais para solução. Chamamos a isto de “alternativa humana”.

A Astrologia é uma ciência exata, porque cada fator encontrado num horóscopo, corretamente calculado, é uma representação simbólica de um efeito exato e imparcial de uma causa específica. Representa a lei cósmica e imutável conhecida como a Lei de Causa e Efeito, que atua nas condições e experiências da vida de um ser humano no seu progresso em muitos renascimentos.

Num horóscopo corretamente calculado não existe acaso, acidente, hereditariedade ou capricho do destino. Cada Posição e Aspecto entre o Sol, Lua e Planetas é um fator do Corpo-Alma[1] do indivíduo, uma fase de sua consciência ou um marco em seu caminho espiritual.

Na medida em que um astrólogo interpreta todas as influências astrológicas de um horóscopo, e identifica com a lei de “aquilo que semeares, colherá”[2], ele estará apto para sintetizar a leitura em seu todo corretamente, quando poderá orientar no sentido de abrandar as causas passadas às condições presentes, e para determinar as soluções em potencial das dificuldades presentes.

 

CAPÍTULO II – A ASTRODINÂMICA

O termo astrologia dinâmica é usado para indicar o estudo do horóscopo sob o ponto de vista das influências astrológicas que diminuem ou aumentam segundo as reações do nativo às suas experiências durante determinada encarnação. As funções cíclicas das forças da vida dão ênfase periódica a cada influência e Aspecto planetário, e na medida em que cada ênfase é utilizada construtivamente efetua-se a transmutação alquímica. À medida que expressamos os pontos negativos estamos enfraquecendo os pontos positivos e nos tornando menos eficientes para o crescimento. Isto pode ser facilmente compreendido se considerarmos que nenhum ser humano jamais poderá separar-se de qualquer parte de seu horóscopo. Não existe nada parecido como “interrupção” de influência astrológica. Mesmo os inibidores e restritivos raios de Saturno seriamente afligidos continuam se “expressando” na consciência da pessoa para que ela possa desta forma expiar seu destino maduro[3].

Uma aplicação prática de astrodinâmica pode ser assim expressada: qualquer pessoa que consulta um astro-psicólogo faz isso porque está “em dificuldades”. Isto porque tem vivido por meio de seus negativos e sem uma abordagem dinâmica para interpretação. O astrólogo pode facilmente se confundir ao interpretar os Trígono e Sextis de um horóscopo como “estaticamente bom”. Um Trígono ou Sextil somente é “bom” se tiver como função a expressão concreta de neutralizante daquilo que é destrutivo ou regressivo na natureza da pessoa. Pobreza, doença, impulsos amorosos não satisfeitos ou distorcidos, temores e coisas do gênero são evidências de que a pessoa não tem aplicado o desejo para que se cumpram às promessas de seus Sextis ou os benefícios de seus Trígonos, mas tem expressado suas energias através das Quadraturas e Oposições, esgotando assim suas possibilidades para o bem no decorrer da vida. Se a pessoa expressa continuamente seus Aspectos negativos, isto resultará no enfraquecimento do desejo de regeneração, criando-se, assim um vínculo mais estreito à Roda da Vida.

O termo usado na linguagem musical para indicar um acorde é “modulação”, que serve como ponte de uma seção a outra em diferentes escalas ou tonalidades. Esse termo também pode ser usado, na terminologia astro dinâmica, para descrever as propriedades dos Aspectos Sextil e Oposição. No horóscopo, esses Aspectos podem ser considerados como os “pontos de transmutação” quando os dois Astros de uma Oposição recebem o Trígono e o Sextil de um terceiro Astro e também quando um Astro com a formação de um Sextil forma Quadratura com um terceiro Astro. Nos dois casos, o Astro que está formando o Aspecto benéfico com o adverso representa o meio pelo qual a pessoa encontra a sua “redenção do mal”. Assim, por meio do exercício dessa energia planetária efetua-se a transmutação, diminuindo-se e neutralizando-se o poder da Quadratura e da Oposição em exprimir discórdia.

As combinações dos Aspectos citados representam a forma “mais fácil” de alquimia espiritual. Contudo, existem outros Aspectos que devem ser considerados: é bem provável que uma Quadratura sem auxílio torna a transmutação muito mais difícil do que qualquer outra experiência na vida. Isto é, dois Astros em Quadratura entre si e sem nenhum Trígono ou Sextil com outros Astros. Superficialmente falando essa configuração representa um Aspecto de “destino maduro grave”, indicando um problema sério por meio do qual o nativo deve aprender uma lição muito importante e necessária. Apesar de saber que cada um destes dois Astros poderá ser ativado por Aspectos favoráveis no seu trânsito de tempos em tempos por lunações, progressões lunares, etc., onde existirá uma porção favorável de “auxílio”. Pelo fato deste Aspecto indicar a possibilidade de grande sofrimento ou dificuldade, o nativo deve ser informado sobre as qualidades básicas e positivas de ambos os Astros. O nativo deve utilizar de atenção, de força de vontade e de muita paciência quando o Aspecto for ativado, por exemplo, uma Quadratura sem auxílio. Seu esforço deverá ser grande para expressar as qualidades positivas dos dois Astros ou no mínimo daquele que está se manifestando mais diretamente. Por outro lado, se os dois Astros em Quadratura estiverem se afetando constantemente, os Aspectos adversos de um intensificarão os Aspectos adversos do outro Astro, e como resultado desta configuração poderá haver um resultado danoso no futuro. Porém, se por disciplina espiritual e/ou psicologia corretiva o nativo se permite apenas expressar as vibrações construtivas (qualidades positivas) de cada Astro, então haverá um estímulo positivo de um sobre o outro, facilitando assim, a transmutação desta configuração e com o tempo, o destino maduro será amenizado ou superado.

No Aspecto Oposição existe um “vaivém” de modo que se um dos Astros é enfatizado à custa do outro, poderá resultar em condição de desequilíbrio, isto é, dificilmente teremos um resultado de harmonia e equilíbrio. Em outras palavras, os Astros tende a bloquear o uso das expressões do outro ou as qualidades adversas de um Astro bloqueia a expressão das características do outro.

Uma coisa de suma importância que o astro-psicólogo precisa ter em mente em relação ao nativo é que na maioria dos casos, esses Aspectos adversos são devidos as expressões adquiridas de vidas anteriores e que a maiorias das pessoas na vida presente não tem ciência da capacidade de realização que elas têm. Pois a humanidade se identifica tanto com seus problemas, receios, maus hábitos, frustrações e sordidez que a maioria encontra uma maneira de se conformar com a situação e muitas expressam desta maneira: “Essa é minha maneira de ser, e não posso fazer nada a respeito”. São atitudes absurdamente errôneas, pois sempre existe uma solução para cada problema humano. O que se taxa de “problema”, nada mais é do que energia mal direcionada do indivíduo. Porém, tendo o horóscopo como ponto de orientação fica fácil encontrar nos Aspectos benéficos os meios para solução do “problema” ou das energias mal direcionadas.

A abordagem dinâmica para interpretação astrológica revela sua obra-prima como uma orientação para as crianças. O Ego recém-encarnado, menino ou menina, vem ao Mundo Físico escolhendo e sendo escolhido por pais que assumem a sagrada responsabilidade de guiá-los. Esses podem ter ideias preconcebidas daquilo que gostariam para seus filhos no futuro, mas se quiserem ser verdadeiros pais deverão orientá-los através de direções e orientações para formar o melhor caráter nesta criança. Isto mostra que os pais deverão atuar como meios neutralizantes nos pontos adversos indicados no horóscopo de seus filhos. Nenhuma mãe, tendo em mãos o horóscopo de seu filho, e certificando que existe um Marte adverso (Quadratura) a Lua do filho jamais deverá irritar-se na presença dele. E sabe por quê? Porque toda vez que isto acontecer a mãe estará enfatizando e fortalecendo a vibração discordante no subconsciente da criança, e a irritabilidade instintiva desta vibração intensificará, e uma “imagem de crueldade” será lançada mais profundamente no padrão vibratório do filho. Sabendo disto e também pelo fato de que toda criança reage a tudo que acontece em sua volta, então, a mãe deverá utilizar-se de toda manifestação de tranquilidade, equilíbrio, afabilidade e consideração para neutralizar parte destes impulsos brutais de Marte em Quadratura com a Lua, dando possibilidade à criança de lidar com esses impulsos muito mais facilmente na medida em que cresce. Assim, ela representará algo bom na vida do filho.

Esse assunto dever ser apreciado pelos Estudantes avançados na prática da Astrologia. Trata-se de um tema que correlaciona os fatores dinâmicos da transmutação alquímica com os cálculos matemáticos e a tabulação dos Aspectos progredidos.

A astrologia dinâmica é resultado da abordagem quando dizemos o “horóscopo jamais deixa de funcionar”. Não existe na Natureza ou no horóscopo a manifestação “do nada”, “do vazio” ou “sem atividade”. O que existem são períodos de quietude, atividade rotineira, e uma calma geral. Podemos observar, contudo, pontos culminantes, experiências intensas, cumprimento de mudanças drásticas e/ou quedas aparentes.

Existe um propósito na astrodinâmica que é estudar os Aspectos progredidos sob o ponto de vista de que esses representam estímulos não apenas a um Astro por vez, mas a uma “área” inteira do horóscopo.

A natureza da vibração astrológica cria um “campo de extensão” que chamamos de “órbita”. Essa esfera de influência para os Planetas: Vênus, Mercúrio, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão é de 6º graus antes ou depois da culminação deste Aspecto entre dois desses Planetas, porém, em se tratando do luminar Sol e Lua, esta extensão é de 8º graus antes ou depois da culminação entre esses ou com os demais Planetas. Quando os Astros entram nesta órbita dizemos que a “vida” do horóscopo é ativada.

Normalmente, na preparação de uma análise astrológica, deve-se fazer uma lista dos Aspectos progredidos para o ano em curso ou para o ano seguinte, com o propósito de determinar as principais fontes de experiências na vida da pessoa naquele momento. Em astrologia dinâmica fazemos a mesma coisa, exceto que nesta lista utilizamos os Aspectos progredidos por “grupos” ou “áreas”. Esta abordagem é que indica mais claramente as possibilidades para processos alquímicos. Onde se faz um contraste dos Aspectos benéficos e adversos que estão sendo estimulados simultaneamente ou em sequência, e assim poderá determinar quais os fatores disponíveis para a regeneração das emoções e redirecionamento das reações.

Independente dos cálculos matemáticos que possa estar envolvido neste tipo de “tratamento no horóscopo” não é tão compensador como os Aspectos progredidos. É destes Aspectos que faz com que o horóscopo tome outra dimensão, transformando numa representação de algo vivo, brilhante e vitalizante.

Quando o assunto for problema conjugal e um deles pede ajuda, deve-se levantar o horóscopo de ambos, fazendo a tabulação dos Aspectos pertinentes a cada um.  O que requer uma particular atenção quando houver Conjunções mútuas, pois, são elas que formam a base para análise do problema conjugal.

No horóscopo do esposo encontramos Peixes no Ascendente; Mercúrio, Regente da sétima Casa, se encontra a 9º de Aquário e na décima-primeira Casa. Marte está a 12º de Escorpião e na oitava Casa em Quadratura com Mercúrio. Agora descobriremos uma Conjunção mútua unindo os dois horóscopos. No horóscopo da esposa o Planeta Marte está em 10º de Aquário, formando uma Conjunção com Mercúrio dele e Marte em Quadratura com a Lua em Touro e essa forma uma Oposição ao Marte dele em Escorpião. A Conjunção do Marte dela ao Aspecto da sétima Casa dele (Mercúrio) é a chave da difícil situação conjugal, caracterizada pela vibração de Marte não-regenerado (Seu meio alquímico é o Sextil de Vênus a Mercúrio sem Aspecto adverso).

Ao tabular as progressões do esposo, veremos que desde a Data de Cálculo Ajustada (DCA) anterior até a Data de Cálculo Ajustada (DCA) seguinte, a Lua se deslocou treze graus e trinta e oito minutos. A divisão deste resultado (13 graus) por doze mostra que o deslocamento mensal da Lua progredida é de um grau e oito minutos. O DCA é o décimo quinto dia do mês. O deslocamento lunar a cada quinze dias é de trinta e quatro minutos.

Fazendo uma tabela das posições mensais da Lua progredia para o período de um ano – a partir do décimo quinto dia de cada mês – encontraremos nas duas últimas semanas de março de 1947 a Lua progredida formando uma Conjunção exata com o Mercúrio dele. No início de junho formará uma Quadratura exata com seu Marte e no começo de agosto forma um Sextil exato com seu Vênus (procure marcar essas posições lunares na parte externa do Mapa-Exercício. Ponha-os entre parênteses de modo a gravar na mente o fato de que estamos lidando com um “campo de estímulos”).

A Quadratura Mercúrio-Marte mostra que, da segunda metade de março à primeira metade de junho, o problema conjugal vai ser estimulado de maneira decisiva (nesse caso hipotético estamos lidando apenas com o horóscopo do marido e neste caso em particularmente não é necessário concentrar-se no horóscopo da esposa. São as reações dele que estão sendo vistas. O que quer que seja que a esposa possa fazer durante esses meses ligar-se-á ao Aspecto dele). Contudo, pela Conjunção a Mercúrio e o Sextil a Vênus começa a vibrar, simultaneamente, com a Quadratura de Marte, porque Vênus está em órbita dentro de 6 graus formando um Sextil no horóscopo do nativo. Portanto, Vênus é o agente alquímico para que esse homem deva usar durante esse período de, aproximadamente, quatro meses para que possa neutralizar a vibração de Marte (que é muito forte em Escorpião) com o princípio da vibração de Vênus. Esta é a sua redenção para esse período. Se usar estas vibrações persistentemente nestes dias de dificuldades resultará em grande crescimento anímico e o esposo estará mais apto para dirigir sua vida a dois construtivamente à medida que cresce em experiência conjugal.

Veremos agora um resumo do que foi exposto acima. Consideremos agora, que marido e mulher estejam querendo saber sobre seus Temas astrológicos e ansiosos para entender como harmonizar suas experiências conjugais. Sendo assim, levanta o tema dos dois e faça-se a combinação dos Aspectos de ambos e descobre que a esposa tem Saturno em Gêmeos sem Aspecto adverso, formando um Trígono com seu Marte em Aquário e no horóscopo dele o Saturno dela forma um Sextil com Vênus sem Aspecto adverso.

Nesse caso vamos tabular os Aspectos progredidos da esposa por área e para os mesmos meses que fizemos dele. Cada um proporciona ao outro um estímulo adverso de Marte. Porém, cada um tem um agente alquímico ou regeneração com que trabalhar. Isto é, para que haja um entendimento mútuo, os dois precisam usar certa dose de vibração construtiva para neutralizar e harmonizar as discórdias que possam atravessar neste período de tribulação, tendo a certeza de que esta ajuda mútua, consequentemente, trará uma certeza maior de felicidade conjugal.

No horóscopo da esposa, já dito antes, encontramos Marte em Quadratura com a Lua e por isso ela deve, com muita paciência, buscar o equilíbrio de Saturno em Gêmeos, que é transmutar essa tendência de discórdia mental por meio da profunda afeição e efusão amorosa. Cada pessoa encontrará sua própria maneira para lidar com essa disposição violenta, mas pode alcançar esse crescimento mútuo desde que estejam juntos nesta luta.

A ilustração dada neste horóscopo é uma abordagem simples e direta. Entretanto, o procedimento para qualquer complexidade de Aspectos progredidos é o mesmo utilizado. Os princípios de transmutação e alquimia requerem que busquemos soluções para todos os problemas, mas, as soluções podem não ser tão evidentes se considerarmos cada Aspecto progredido como “uma coisa em si mesma”.

 

CAPÍTULO III – OS ASTROS SÃO SERES

A identidade dos relacionamentos através do estudo de um horóscopo é um dos problemas mais sutis e difíceis com que o astrólogo psicológico tem de lidar. Esta dificuldade está no fato de que a realidade do relacionamento entre duas pessoas não é uma coisa física ou de leis estabelecidas, mas da essência de sentimentos de duas pessoas entre si. Quando existir intensa atração ou inimizade entre pessoas mostra que essa “essência de sentimento mútuo” nada mais é do que a continuação de contatos estabelecidos em encarnações passadas e que pode manifestar-se independente de idade, sexo ou relacionamento mundano. Para o ocultista é fácil observar que o primeiro contato destas pessoas aconteceu em vidas passadas e o relacionamento, quer seja, amor ou ódio terá continuidade nesta vida como se nunca tivesse havido uma interrupção no relacionamento.

O objetivo final para qualquer relacionamento entre duas pessoas é o cumprimento. Pelas leis divinas nenhum vínculo de ódio jamais será “pendurado ao vento”, pois isto negaria a Lei do Amor. O sentimento de ódio é “amor ao contrário” ou “amor na contramão”. É a consciência de contato com o Universo que volta para si mesma por meio de outra pessoa. Enquanto não houver uma expressão ou transmutação de energia Superior a consciência continuará expressando tudo aquilo que é negativo e destrutivo.

Mostraremos agora alguns exemplos hipotéticos de relacionamentos e experiências que, sob o ponto de vista de destino maduro, representam fontes de ódio, medo e cobiça. Esses sentimentos estão presentes na vida de homens e mulheres do mundo inteiro e nas mais diversas épocas.

Em qualquer campo de esforço o individualista original e criativo representa uma ameaça à pessoa ortodoxa cristalizada. Esses protótipos podem ser descritos ou simbolizados por Urano e Saturno, respectivamente. Urano pode temer e odiar Saturno porque esse reprime e frustra sua liberdade; Saturno pode temer Urano como uma ameaça ao seu “status quo”. Quando Urano perde a liberdade ou quando Saturno perde a segurança, o resultado é o ódio. E o conflito permanecerá até que cada um possa aprender algo de valor com o outro.

As fases conflitantes da natureza feminina são ilustradas pela “mulher maternal” e pela “mulher namorada”. A velha luta de guerra com o macho da espécie é um objeto de conquista acossado e desnorteado. A senhora Lua-Júpiter-Saturno desenvolve implacável ódio por aquela sapeca senhorita Vênus-Urano e vê uma ameaça à paz do lar e à vida respeitável. Esta última considera sua operosa e deselegante irmã uma pobre antiquada que esqueceu o significado do romance.

Um problema trágico – e existem muitos – é representado pela interferência paterna. A pessoa que no passado negligenciou suas oportunidades pode ser atraída, por destino maduro, para um pai muito egoísta e possessivo. O pai, desconsiderando os anseios intrínsecos do filho, procura torná-lo a sua réplica ou de um parente admirado. Toda a experiência de vida do filho torna-se, então, uma distorção que resulta em frustração. Isto, por sua vez, resulta em ressentimento e ódio amargo ao pai. O pai é nutrido por seu próprio egoísmo possessivo quando faz do filho um escravo de seus anseios. À medida que passa o tempo aumenta a fixação do pai em sua realização vicária através do filho. Neste caso, o filho acaba por ignorar outras fontes de experiências em sua vida, como as amizades que se tornam insignificantes, o afeto e o companheirismo são descuidados e o resultado desta atitude nada mais é do que uma atrofia espiritual, mental e psicológica. E o que poderia ter sido uma fonte de inspiração, entusiasmo e realizações converte-se em um horror mortal.

O filho erra em permitir a outrem viver a sua própria vida. Como foco principal, o pai erra ao usar o poder com o desejo de dominar. Como as emoções negativas e dolorosas apoderam-se cada vez mais dessas pessoas, elas tornam-se incapazes na vida de expressar o bem. E é melhor nem mencionar o destino maduro destes dois, para as próximas vidas.

Na medida em que a validade, a realidade ou a importância de uma experiência depende das reações da pessoa ao evento em questão, e que as nossas experiências vêm a nós como objetivações do que é indicado em nossos horóscopos através do nosso “intercâmbio” com outras pessoas, não é lógico interpretar os Aspectos do horóscopo como seres? Na vibração anímica da outra pessoa é encontrada uma correspondência com algo em sua própria natureza que é indicado em seu horóscopo.

Caso o Aspecto seja adverso (Quadratura ou Oposição) o relacionamento com esta pessoa resultaria em uma reação adversa ou destrutiva. Isto poderia ser chamado de “medo”, “inveja” ou ódio. Qualquer pessoa nessa situação poderia dizer: “tenho medo daquele indivíduo” ou “invejo aquela pessoa” ou “odeio aquele indivíduo”. Porém, à luz da Astrologia, isso não é o que realmente o indivíduo queria dizer. Ele gostaria de se expressar da seguinte maneira: “Aquela pessoa me faz lembrar algo adverso que existe em minha natureza. Sinto que ela pode me fazer algum mal que eu recordo já ter feito a alguém. Meu sentimento é de medo. Sei que a pessoa alcançou algo que eu devia ter alcançado. Meu sentimento é de inveja. O mal que aquela pessoa faz aos outros me lembra a minha própria maldade no passado. Meu sentimento é de ódio”.

Quando descrevemos uma pessoa como o pior inimigo, o horóscopo dela corresponde como o seu pior Aspecto. Esta pessoa, tida como inimiga, pode ser pai, mãe, irmã, irmão, filho, esposo, esposa, amante ou patrão. Do mesmo modo que um diapasão faz vibrar em uníssono outro do mesmo tom, assim também o estado negativo do seu “inimigo” estimula o seu negativo e traze para a sua consciência com dor. Utilize essa reação dolorosa como um barômetro de sua própria condição espiritualEla indica uma lição muito importante. Serve para mostrar a necessidade de dar um passo muito importante no desenvolvimento. O seu “inimigo” não é seu inimigo. Ele ou ela é seu professor. Aprenda por meio desta pessoa, de si mesmo.

Contudo, não devemos parar neste ponto.  Ao identificar seus “inimigos”, por meio de suas reações e pela troca de experiências, você obterá uma perspectiva, a partir de si mesmo, como um fator no círculo de relações e veja como você se torna um “inimigo” dos outros pela expressão dos seus próprios Aspectos adversos. O próximo passo é você se tornar “amigo” de todos. Na medida em que você expressa, cada vez mais, as possibilidades positivas indicadas no horóscopo, você fará de si mesmo um imã para atrair tudo o que é bom e belo latente nos outros.

À medida que você estimular o bem nos outros, no sentido de regeneração, automaticamente eles vão se tornando conscientes da própria natureza benéfica existente neles. Eles gostam de você. Eles admiram você. Eles se sentem confortáveis e felizes com a sua presença. Eles se sentem em sua melhor disposição: mais corteses, mais atenciosos, mais corajosos, mais fortes. Eles dizem que o amam, que você é seu amigo. Isso não significa exatamente o que eles realmente querem dizer. O que eles querem dizer é que seu Eu Superior é atraído à sua consciência por meio do contato com você. Eles realmente não “o amam”. Eles simplesmente se fazem mais conscientes de seu próprio Deus interno, por meio do qual expressam reações harmoniosas e construtivas

O resultado das suas reações com a outra pessoa é que constitui o fator determinante deste relacionamento. Use seus “Aspectos benéficos” para transmutar os “Aspectos adversos” e derrote seus “inimigos” eliminando o “inimigo” que existe dentro de si mesmo.

Desde os primórdios tempos, o artista existente dentro do ser humano tem sido interpretado em versos, canções e telas e seu conceito de vida é tido como uma Grande Batalha. Os escritos mostram a história em símbolos e alegorias dos ataques violentos das Forças das Trevas contra a Fortaleza da Luz; a contenda do Diabo contra Deus pela alma do ser humano; a incessante fricção entre o Mal e o Bem; o Tentador buscando eternamente destruir aquilo que o coração humano aspira.

Os ataques a partir dos pontos de defesa, as escaramuças e os combates até a morte – tudo são fases desse Conflito – são mostrados em cada horóscopo. O Aspirante tem, dentro de si, o campo sobre os quais as demandas do destino lutam contra tudo em sua natureza que o impulsiona para frente e para cima. Para triunfar precisa alcançar uma compreensão, a mais clara possível, da natureza do inimigo que habita em seu subconsciente. Esse inimigo tem como ajudantes de campo as Quadraturas e Oposições, mas seu Quartel General é a décima-segunda Casa. Aqui é onde os planos são arquitetados e as armadilhas preparadas; os grilhões são forjados e as malhas da ilusão são tecidas. A luz do dia dificilmente penetra nessa caverna, pois o inimigo e seus lacaios preferem trabalhar na escuridão. O Aspirante só pode dissipar a sombra com a luz do “autoconhecimento”.

Cada experiência na vida representa um triunfo ou uma derrota, mesmo que seja temporariamente, na batalha.  E toda experiência é fruto do contato com outra pessoa ou pessoas, cujas energias astrais servem para estimular o Regente afligido ou o Astro da décima-segunda Casa do Aspirante. Esse deve estudar esta Casa com seus Aspectos e trabalhar para que suas atitudes objetivem as mais íntimas possibilidades para derrotar a si mesmo. Estas pessoas podem ser qualquer um: os pais, um filho, um amigo, uma namorada, a esposa ou o marido podem se ajustar a esse padrão. O Aspirante, ao usar seu horóscopo como um “mapa” no caminho de sua vida, deve compreender e estudar seu relacionamento com o ponto de vista de sua reação subconsciente e não pela reação mundana que esse tenha. A medida que transmute suas reações, acaba por melhorar a qualidade de seu relacionamento.

O método sugere o seguinte: o Aspirante faz um estudo detalhado das condições de sua décima-segunda Casa, sob o ponto de vista das Conjunções adversas, Quadraturas e Oposições. Então, relaciona, tanto quanto possível, os Temas dessas pessoas que têm influências em sua vida. Estuda particularmente os horóscopos que tenha qualquer Astro ou Ascendente em Conjunção com o Regente afligido ou com o ocupante da sua décima-segunda Casa; neste ponto ele faz um resumo mental de suas experiências com essas pessoas e daí conscientiza-se dos Aspectos adversos em sua própria natureza que foi estimulada pelo contato com elas. Sem levar em conta a severidade e condições dolorosas das experiências, ele então libertará todo o ódio. Dar-se-á conta de que cada uma dessas pessoas serviu para objetivar uma fase de seu próprio subconsciente negativo e não mais pensará delas como “perpetradoras do mal” contra si, mas sim como lições práticas para seu aprendizado e iluminação.

O Sol afligido, Regente da décima-segunda Casa: O Poder é a chave para esta lição de destino maduro. O Aspirante, nesta vida, sofre abusos e injustiças da parte daqueles que possuem autoridade, isto mostra que no passado ele abusou do poder. Usou sua posição e influência para escravizar outras pessoas e por isso deve aprender que o poder precisa ser expresso em termos de justiça e misericórdia. O pai ou um irmão mais velho pode ser o instrumento usado durante a infância do Aspirante para reparar o erro do passado. Mais tarde na vida adulta os chefes ou patrões, já que exercem autoridade sobre ele, podem chamar-lhe a atenção para esta lição de que necessita. O poder expresso em vitalidade física pode ser indicado de forma contrária, isto é, num corpo fraco e ineficiente, atraído nesta vida para um pai muito sujeito a doenças e debilidades físicas.

A Lua afligida, Regente da décima-segunda Casa: Feminilidade é a chave para o problema de destino maduro nesta vida. Representa para esta encarnação o momento de ajustar toda teia do destino não redimido que se originou quando o Aspirante usava um corpo feminino; destino esse, relativo às experiências no lar, às oportunidades para desenvolver, por meio dos sentimentos, uma faculdade maior de simpatia e ternura. A Lua simboliza a polaridade feminina da psique humana, e quer o Aspirante seja homem ou mulher esse Aspecto indica desordens e insuficiências nesta faculdade. “Dificuldades através da mãe” é a interpretação clássica das aflições à Lua. Neste sentido, a mãe do Aspirante é vista como sua “inimiga”. Sendo esse o caso, ele pode dar-se conta de que a influência dela em sua vida é igual à dele mesmo sobre outra pessoa em uma vida passada. Sua grande responsabilidade por ela, nesta encarnação, preenche aquilo que ele deixou de fazer no passado. Sua afeição por ela nunca é adequadamente correspondida, pelo que ele aprende o que significa negar o amor. Ele agora está preso às condições do lar, porque tinha em vista fugir delas no passado. As mulheres o confundem, de modo que ele parece nunca conseguir entendê-las bem. Ele nunca tratou de ser “verdadeira mulher” no passado ou tratou as mulheres com indiferença. O Aspirante pode compreender que as mulheres não são suas “inimigas”. Ele precisa, contudo, cultivar uma simpatia e uma compreensão mais profunda dos elementos básicos da “natureza feminina” se quiser redimir-se dessa condição marcada pelo destino maduro.

Saturno afligido Regente da décima-segunda Casa: O destino maduro é repressão e o “inimigo” é cristalização. As pessoas que representam esta posição são como que nocivas à vida do Aspirante. Elas estimulam sua sensação de insegurança; conduzem-no a veredas de supressão e negação; bloqueiam (aparentemente) o fluxo de Vida. Através do relacionamento com elas recebe a mais severa disciplina e, por meio delas ele cumpre suas responsabilidades mais profundas e gradualmente atrasadas. Elas servem para recordar-lhe tudo em sua natureza que não é prático; elas o detêm na terra enquanto ele anseia por liberdade.

Ele é individualista enquanto elas são fanáticas; ele se inclina para o misticismo, elas são ortodoxas e observantes das formas; ele não dá nenhum significado particular ao dinheiro, elas interpretam tudo na vida em termos financeiros. Sua tendência e o seu desejo instintivo é se libertar delas e escapar dos grilhões de sua influência. A tendência permanecerá até que ele perceba que não pode escapar das suas legítimas responsabilidades; que deve aprender a utilizar inteligentemente as coisas da terra; que o dinheiro, ainda que não tenha poder em si mesmo, todavia é um meio de troca entre pessoas, devendo também aprender a usá-lo apropriadamente. O Aspirante filosófico pode compreender que não está preso a relações difíceis e desapontadoras que ele próprio não tenha criado, mas tratará de dar o melhor de si mesmo a essas condições e aprender daqueles com quem se relaciona tudo o que exista para ser aprendido por ele.

Netuno afligido Regente da décima-segunda Casa: O inimigo é decepção. Esse “inimigo”, em razão de sua sutileza, é difícil de derrotar. A infidelidade, a traição, a confusão mental e a perversão constituem sua armadura. Os oponentes do Aspirante que têm esta posição são dissimulados e furtivos, “não jogam limpo”. Bem… o Aspirante não jogou limpo no passado, e agora precisa aprender o que significa receber tal tratamento. Ele dizia uma coisa e fazia outra; pedia que confiassem nele e traia aquela confiança; pretendia ou usava as coisas espirituais como uma cortina de fumaça para o poder ou ganhos que almejava; traficava – não sabiamente, mas muito bem – com as forças astrais; deturpava e enganava. Os Aspectos a esse Netuno afligido representam os tipos de pessoas por meio das quais se efetua esse retorno para cumprir o destino plantado no passado. Uma pessoa pode influenciá-lo a um hábito destrutivo; outra pode participar com ele de uma maldade – e deixá-lo sozinho com a culpa de tudo; sua fé e seu mais profundo amor podem ser dirigidos a alguém que não merece uma grande consideração de ninguém. As duas melhores armas para o Aspirante combater esse particular “inimigo” são: fé nos princípios espirituais e conhecimento. Com o conhecimento ele pode aproximar-se de um alinhamento mais perfeito com a honestidade espiritual – o melhor corretivo para essa forma de condicionamento subconsciente, que resulta em ilusão e decepção.

O mesmo se dá com os outros Planetas: Urano (desequilíbrio), Júpiter (extravagância e ganância), Vênus (possessão), Mercúrio (pensamento) e Marte (masculinidade e sexo). Cada um como Regente afligido ou como ocupante da décima-segunda Casa indica certo grupo de pessoas que servem, embora inconscientemente, como nossos mais valiosos mestres.

O mecanismo do relacionamento proporciona ao Estudante de ocultismo um perfeito “campo de pesquisas” para o estudo da alquimia. O intercâmbio de relações entre duas pessoas “intimamente ligadas” é o pábulo que ambas ou uma delas pode utilizar para “tecer o Dourado Manto Nupcial”. Do metal básico da mistura subconsciente de atrações e repulsões, cada pessoa pode destilar, por suas próprias transmutações, a essência chamada amor. O Grande Mestre recomendou-nos: “Amai aos vossos inimigos e fazei o bem àqueles que te perseguem”. Por que? Porque Ele sabia que a reação de ódio ou de vingança cria um vínculo entre o que recebe e o que perpetra uma má ação, e que somente quando a reação negativa é neutralizada pelo bem poderá ser dissolvido o vínculo.

Quão verdadeiro é que nós tão frequentemente, mesmo sem intenção, causamos dor àqueles a quem reconhecemos amar, iludimos àqueles que poderíamos ajudar, e prejudicamos àqueles por quem alimentamos as “melhores intenções”! Existem muitas relações nas quais podemos expressar facilmente, tanto nossos Aspectos adversos como os Aspectos benéficos. Geralmente tais relações são das mais íntimas, aquelas em que o contato de outra pessoa estimula várias fases de nossa natureza. O estudo comparativo dos horóscopos de duas pessoas “muito íntimas entre si” revelará o significado da relação a cada uma das pessoas implicadas – as harmonias mútuas, os problemas mútuos e os meios mútuos para transmutação alquímica. Nesta aplicação, a ciência dos Astros oferece, de fato, uma chave à elucidação de mistérios. Nenhuma fase da vida é mais ilusória que o relacionamento; em nenhuma outra coisa se faz mais necessário o olho perspicaz da abnegação para “ver através” das névoas do desejo, do medo, da inimizade e do conflito.

Ao alcançarmos um ponto de vista imparcial e impessoal do relacionamento, nós compreendemos que termos tais como: “marido e mulher”, “pai e filho”, “irmão e irmã” e “amante e amado” são vestimentas que se usa para identificação no plano físico. A essência dessas relações encontra-se no plano suprafísico, isto é, nos planos: mental, emocional e espiritual.

Esta essência, seu propósito e sua realidade encontram-se nas Conjunções mútuas dos dois horóscopos. Dois instrumentos do Espírito encontram suas expressões por meio do mesmo grau, aproximadamente, sendo os horóscopos, portanto, pregados juntamente como duas tábuas, tornando-se um prego para cada Conjunção mútua. Exemplo clássico e perfeito de “alquimia por meio das relações” é aquele em que cada Astro envolvido tem uma Quadratura e um Sextil. Cada um destes relacionamentos entre estas duas pessoas estimula a desarmonia latente que existe na outra, mas, cada uma delas tem dentro de si os meios para transmutar essa desarmonia. A Casa em que se encontra a Conjunção em cada horóscopo indicará, naturalmente, o departamento da vida no qual a relação será expressa e qual dos dois será mais diretamente afetado por ela. Um completo “quadro da desarmonia” obtém-se ao combinar os Aspectos de Quadratura encontrado num horóscopo com suas posições no da outra pessoa. Então o efeito de cada pessoa sobre a outra, por ruim ou infeliz que seja tal efeito, é visto em sua plenitude.

O “quadro alquímico” é obtido, do mesmo modo, no que tange aos Astros que formam Aspectos de Sextis em cada carta e a posição e efeito no horóscopo da outra pessoa. Quando se “utiliza” o Sextil, a Quadratura em cada horóscopo é transmutada até certo ponto, o Sextil no outro horóscopo é estimulado por simpatia e as Casas envolvidas são estimuladas favoravelmente; o relacionamento, como um todo, melhora em qualidade e as possibilidades de se prejudicarem mutuamente ficam, portanto, reduzidas. Pela contínua aplicação deste processo, a relação torna-se cada vez mais uma relação de amor – desde que cada uma das pessoas envolvidas ajude a outra a conscientizar-se de seu Eu Superior.

Porém, quando somente uma das duas pessoas “usa seu Sextil” cria-se uma função de astrologia alquímica de natureza das mais difíceis e intensas. Quando isto acontece, o “mal”, que a outra expressa seguidamente por estímulo da Conjunção mútua, é “enfrentado construtivamente” pelo alquimista na expressão do seu Aspecto Sextil. O “malfeitor” intensifica sua tendência adversa pela repetida expressão do seu Aspecto de Quadratura e o resultado é o enfraquecimento da capacidade para se fazer o bem. Falando em termo médico, esta condição pode ser descrita como uma “Sextil-anemia”. Nada menos que uma tragédia. Isso é trágico para o malfeitor e é a condenação do relacionamento. Chegará o momento em que a pessoa negativa não poderá mais responder às possibilidades do seu Sextil. Então as relações, como intercâmbio entre duas pessoas, não mais poderão existir. O relacionamento se dissolve e cada um segue o seu caminho. O alquimista prossegue na expressão de uma vida superior e a outra pessoa deve enfrentar os resultados de sua maldade.

À medida que as relações se complicam por uma variedade de Aspectos mútuos, podem complicar-se também em suas expressões. Pode haver duas ou três Conjunções mútuas, uma das quais pode ser adversa, outra benéfica e outra mista. Semelhantes relações, como essas, continuam por anos e anos – ou vidas e vidas. Além disso, e desde que nenhuma vida comporta somente uma relação significativa, cada um desses Aspectos em uma Carta representa relações com outras pessoas. O indivíduo que tem de lidar com uma relação complexa com outra pessoa pode, para melhor entendimento, estudar seu “intercâmbio” com outras pessoas representadas por seus vários Aspectos. Ele pode aprender com cada uma delas – e deve – se quiser fazer dessa relação um objeto de completa harmonia. As pessoas representadas pelas Conjunções mútuas benéficas são aquelas por meio das quais “ele se sintoniza” com o melhor de si mesmo e por meio das quais compreende mais e mais claramente que pode contribuir para o relacionamento que contém muitas relações mistas. Seus Trígonos simbolizam expressões do seu Eu Superior – as pessoas que refletem seus Trígonos mostram-lhe sua melhor contribuição para qualquer relacionamento.

É interessante notar que as Casas ímpares do horóscopo terminam na décima-primeira Casa e são designadas “Casas das relações”, e que a décima-primeira Casa é a “Casa dos amigos”. Desde a primeira até a nona Casa nós expressamos as relações “pessoais”, “fraternais”, “pais-filhos”, “conjugais” e “pedagógicas”. Então, a essência cultivada, destilada de todas as nossas relações é mostrada pela nossa capacidade de expressar a décima-primeira Casa.

O amor sem paixão, afeição sem possessividade, intimidade sem sufocar, auxílio e encorajamento sem abuso, cooperação sem dominação nem subordinação, diversões saudáveis sem prazeres loucos; simpatia sem sentimentalismo negativo; intercâmbio mútuo sem qualquer perda da liberdade mútua de pensamento e ação – tais são os atributos de toda relação harmoniosamente praticada. Chamamos de Amizade a essência desses atributos, o impulso para a Fraternidade Universal.

Em virtude da décima-primeira Casa representar nossos impulsos mais altamente espiritualizados com respeito ao relacionamento, ela pode ser estudada como um dos “barômetros espirituais” do horóscopo. Qualquer problema de relações pode ser solucionado na medida em que a décima-primeira Casa seja “benéfica”. Todo problema irmão-irmã, pais-filhos e marido-mulher podem ser “desatado”, até certo ponto, pela aplicação dos impulsos da décima-primeira Casa expressos harmoniosamente.

Pode-se dizer então que a Amizade é a panaceia para as “feridas da relação”.

Essas “feridas” são as frustrações daquelas qualidades essenciais peculiares a cada tipo de relacionamento. As relações, ou irmão-irmã, fraternais são experimentados durante a infância e os anos de formação e representam o primeiro passo para as realizações da décima-primeira Casa. Na intimidade da vida doméstica e guiada pelos pais, meninos e meninas aprendem a cooperar, compartilhar e desfrutar os prazeres em grupo. As reações mútuas entre irmãos e irmãs e seus pais constituem os elementos básicos de suas tendências no relacionamento. Naturalmente, quando as relações fraternais estão repletas de discórdia, medo e ódio na maturidade, as realizações posteriores, muitas vezes, são inibidas e distorcidas.

Muitos homens e mulheres experimentam a miséria e a desarmonia no casamento devido aos negativos subconscientes oriundos das relações fraternais na infância. A competição pelo favoritismo dos pais, a rivalidade em talentos e conquistas, as aversões, os ressentimentos e todas as outras formas de conflito, se não transmutadas podem muito facilmente ser – e geralmente o são – transportadas para padrões conjugais e paternais, causando fracasso no relacionamento mais tarde na vida.

É evidente que as condições variam e assim também acontece nos horóscopos. Um indivíduo pode ter a “terceira Casa difícil” e a “sétima Casa afortunada”. Em outras palavras, suas experiências na infância com os irmãos e/ou irmãs podem ter sido muito infelizes e sua companheira de casamento pode ser a maior bênção de sua vida. Contudo, se mais tarde ele transfere para o seu casamento aquelas reações sombrias, poderá não corresponder à ajuda que sua esposa possa lhe dar.

Outro indivíduo pode desfrutar de um companheirismo do tipo mais harmonioso e produtivo com seus irmãos e irmãs. Não obstante, no casamento enfrenta as suas maiores provações. Todavia, em virtude das relações harmoniosas exercidas na infância, ele conhece muito mais do significado da vida. As imagens do seu relacionamento são pintadas com Alegria, Companheirismo, Dar-e-Receber, Confiança Mútua e coisas do gênero, de forma que por meio da expressão desses poderes espirituais ele pode lidar com os seus problemas conjugais.

Nenhum Estudante de astrologia precisa suportar dor e sofrimento por anos e anos em razão de seu relacionamento infeliz com o irmão ou irmã. Essa infelicidade é resultado apenas de uma coisa: da expressão contínua de uma fase negativa da terceira Casa. Conforme essa fase negativa seja transmutada o relacionamento é melhorado e a dor neutralizada. O relacionamento fraternal é, de todos os relacionamentos, o único que pode ser mais diretamente convertido em Amizade. Uma vez que geralmente não envolve os elementos possessivos da paternidade e nunca envolve o intercâmbio sexual do casamento, a relação contém muito mais do elemento de liberdade.

Num Aspecto o relacionamento fraternal é particularmente importante do ponto de vista psicológico. Referimo-nos à experiência da responsabilidade de destino maduro de uma pessoa por um irmão ou irmã mais jovem ou menos evoluído. Neste caso o relacionamento nos planos internos torna-se o de pai para filho, e as reações negativas da pessoa mais idosa podem ser transmutadas mais eficazmente por meio dos impulsos paternos-maternos do que por meio da décima-primeira Casa. Em outras palavras, os impulsos paterno-maternais constituem o “caminho de transcendência”, ou da “redenção do destino maduro”. Uma lição séria de paternidade é indicada por tal condição – seu cumprimento libertará a pessoa para expressar a verdadeira paternidade com muito mais êxito. Em virtude de sua qualidade sutil e ilusória, esse tipo de “paternidade de destino maduro” geralmente contém muito sofrimento em sua expiação, mas seu cumprimento resulta numa grande recompensa em sabedoria e fortalecimento espiritual – o que, em seu todo, representa vantagens para a pessoa no relacionamento com os seus próprios filhos.

A queda e fracasso das relações pai e filho, quer reais ou esotéricas, deve-se mais ao egoísmo e possessividade dos pais do que a qualquer outra coisa, de maneira que em nenhum relacionamento na vida o ponto de vista impessoal se faz mais vitalmente necessário. Nenhum pai ou mãe pode ser “bom” – no sentido espiritual – a menos que os atributos da amizade sejam expressos no relacionamento. Deve haver reconhecimento do valor intrínseco e tendências do filho. Deve haver disciplina e orientação, mas em termos das necessidades da criança. Nenhum pai ou mãe é bom quando faz da vida do seu filho uma realização vicária de suas próprias frustrações. O pai ou mãe, que é amigo ou amiga, guia seu filho para a melhor expressão do seu próprio padrão de vida.

Observe sua décima-primeira Casa e procure sua “chave da Amizade”. Esta é o Astro que, sem aflição, rege a décima-primeira Casa ou é aquele Astro que forma o melhor Aspecto com o Regente. Os Astros que se encontram na décima-primeira Casa indicam condições que são interpretadas por meio da amizade, mas o Regente é a chave para a expressão de amizade e fraternidade.

O Regente da décima-primeira Casa pode ter muitos Aspectos, tanto harmoniosos quanto desarmoniosos. Neste caso, contudo, se um Astro não afligido forma um bom Aspeto com o Regente, tal Astro representa puramente um canal de “transmutação-de-relação”. Esse é o Astro que, se aplicado, pode anular os obstáculos e desfazer o emaranhamento de qualquer problema no relacionamento. Representa o melhor que você tem a oferecer no intercâmbio espiritual com outras pessoas.

Combine a vibração deste Astro com a do Signo na cúspide da décima-primeira Casa e com a vibração do Regente desta. Esta é à base de sua “Casa dos Amigos”. Ela mostra um composto de como você ama seus amigos, o que deseja fazer por eles, o que pode fazer por eles, e o que eles veem de melhor em você.

As pessoas identificadas por Aspectos mútuos, com os Trígonos nas condições de sua décima-primeira Casa são aquelas que estimulam a sua mais profunda capacidade de amar. É por meio delas que você estabelece contato com o melhor do seu próprio ser e expressa o que há de mais puro em você em todas as relações. Por meio delas é que você encontra seu mais claro reconhecimento da Fraternidade Universal.

As pessoas identificadas por Aspectos mútuos, com as Quadraturas ao Regente da décima-primeira Casa são “inimigos de suma importância”. Elas externam ou objetivam suas reações que frustram ou destroem a amizade. Em virtude dos impulsos transcendentes da décima-primeira Casa, os Aspectos adversos (que representam frustrações e dificuldades) podem manifestar-se como: ódios, temores, e conflitos intensos. Toda relação em sua vida é manchada ou desvirtuada na medida em que essas aflições permaneçam inalteradas. Nenhum Estudante de ocultismo ou de astrologia deve ignorar essas “advertências” do horóscopo.

Concluindo, aqui vai um exemplo que ilustra o inter-relacionamento da Astrodinâmica com “Os Astros são Seres”. Para melhor entendimento, expomos um exemplo bastante simples.

Duas pessoas se conhecem na maturidade da vida, e então se estabelece de imediato uma amizade profunda e feliz entre elas. Cada uma tem uma Quadratura e um Sextil ao Regente da décima-primeira Casa, e o contato é representado pela Lua progredida em Trígono com o Regente da décima-primeira Casa de uma delas, o qual está em Conjunção com outro Astro no “padrão” da décima-primeira Casa da outra pessoa. Em outras palavras, o relacionamento entre as duas “floresce sob as melhores condições”.

Cada pessoa reagiu, durante um período de muitos anos, a todas as fases do padrão de sua décima-primeira Casa, e a força comparativa, naquele período de vida, exercida pelas influências do Sextil e da Quadratura foi um teste perfeito para essa amizade. Na medida em que o Aspecto adverso de uma pessoa seja expresso será dada à outra, oportunidade de transmutação; na medida em que ambas respondem à Quadratura, a amizade pode deteriorar e romper-se e a medida em que cada pessoa transmuta esses Aspectos adversos a outra pessoa será “elevada” espiritualmente.

Este tipo de relacionamento representa uma oportunidade perfeita para a prática da alquimia. Aquilo que seja adversamente inclinado nas relações pode ser neutralizado pelas expressões mais elevadas de ambas as pessoas unidas amorosamente.

Existe expressão de amizade mais perfeita?

 

CAPÍTULO IV – O SOL: O PRINCÍPIO DO PODER

Considerando a simplicidade da estrutura de um horóscopo, não podemos deixar de impressionarmo-nos pela profundidade de seu simbolismo. Um centro e doze divisões rodeadas por um círculo – isso é o tudo. Isto é a representação do Cosmos. Nada na simbologia representa tanto por tão poucos meios.

A estrutura de um horóscopo simboliza a base da manifestação de qualquer coisa: um ser humano, um evento, uma nação ou um Sistema Solar. Cada objetivação tem seu próprio padrão ou frequência vibratória, e o simples traçado de um círculo com divisões partindo de seu centro pode ser usado para representar o “corpo” dessa objetivação.

Consideremos um Sistema Solar: dizemos que o Logos, tendo selecionado uma área esférica de espaço na aurora da manifestação, verte suas energias no centro, objetivando assim um Sol – ou centro de manifestação. A Vontade do Logos interpenetra essa imensa esfera em todas as suas partes. Partindo do centro – ou Sol – irradiam-se vários campos para a atividade evolutiva. Chamamos a esses “campos” de Astros, sendo que cada um provê um lar para o desenvolvimento de vários tipos de Seres. Cada Astro está em relação ao Criador tanto quanto cada cor está em relação ao Princípio da Luz ou cada tom está em relação ao Princípio do Som. O Sol, como corpo central, é a Vontade do Logos objetivada, e os corpos do sistema são as expressões dessa Vontade em manifestação.

O horóscopo, como um mapa dos céus, deveria realmente mostrar o Sol no centro. Contudo, em relação à Terra, que é nosso campo de evolução, e para propósitos astrológicos, incluímos o Sol na família dos Astros porque, em termos humanos, a expressão da Vontade ainda está para ser desenvolvida pelos processos evolutivos. A humanidade, em sua maior parte, vive negativamente em sentimentos, temores e desejos. Consequentemente, a dominação pela experiência é inevitável. Viver na “consciência Solar” implicaria em uma completa identidade com a Fonte, completo desapego das exigências do sentimento, completo controle e direção de todas as faculdades expressas pelo ser humano. Isto, em outros termos, é Maestria. Em outras palavras um Mestre, mesmo encarnado, determina suas experiências pela irradiação do seu próprio centro, não pela resposta aos impulsos e tendências dos seus Astros. Ele então, e tanto quanto possível, é verdadeiramente um criador – vive em sua consciência Solar.

Mesmo do ponto de vista da mais mundana abordagem à astrologia, usa-se o mesmo traçado. O local do nascimento é o centro do qual se irradiam as várias experiências da vida em termos de pessoas, lugares e coisas. O mesmo traçado é usado para representar o “Ego objetivado”, o Eu Superior – ou o “Deus em potencial” é o centro do círculo, e os diversos estados ou expressões dessa potencialidade são as posições dos Astros e seus Aspectos. Deste modo o horóscopo é visto, seja qual for sua aplicação, como o símbolo de uma manifestação de Deus.

Uma vez que o Sol representa o mais elevado estado de consciência conhecido pelo ser humano, o princípio envolvido é o Poder – o primeiro aspecto do Logos. Como astro-analistas, devemos prestar muita atenção aos Aspectos do Sol no horóscopo, uma vez que esses representam os “graus de consciência de Deus” que a pessoa alcançou até aqui em seu atual ciclo de desenvolvimento. Cada Aspecto benéfico[4] do Sol que indique uma aplicação harmoniosa ou construtiva do princípio de Poder é uma redenção. E cada Aspecto adverso[5] é visto, portanto, como um obstáculo ou perversão do Poder. O Sol é a síntese de todos os Astros, de modo que qualquer Astro identificado com o Sol por Aspecto, por disponente[6], etc., ganha, por conseguinte, em poder e esfera de expressão, quer espiritual ou mundanamente. Os Astros, especialmente os dinâmicos, posicionados em Leão, indicam que sua expressão construtiva deve basear-se no uso correto do poder; as aflições indicam tendências para pervertê-lo.

Um interessante estudo é o de Mapas Natais que têm o Sol sem Aspectos. Tal padrão nos diz que, neste ciclo, o nativo que tem esse mapa natal está iniciando sua consciência de poder. O Signo onde o Sol está nos revela o caminho espiritual ou esotérico desse desenvolvimento. A Casa em que o Sol se posiciona nos revela onde ele começa esse caminho, nesta encarnação. Os Astros e seus Aspectos em Leão indicam por meio dos quais ele procura expressar o Princípio de Poder, e por quais canais será expressa no futuro sua consciência de Poder. O Sol na quarta Casa, quaisquer que sejam os seus Aspectos com os outros Astros, mostra as possibilidades de expressão do Poder na maturidade da vida. Os Aspectos adversos, a esta posição, indicam as pessoas ou experiências e reações que ameaçarão essa realização durante os anos de crescimento.

Fixemos em nossas Mentes a ideia de que os Aspectos adversos que envolvem o Sol representam problemas graves. Os outros Astros podem estar conflitantes entre si, podendo resultar disso muitos problemas, mas quando o crescimento e o propósito da consciência do poder são impedidos, a habilidade da pessoa para lidar com suas dificuldades Astrais fica grandemente limitada. As soluções ficam, portanto, muito mais difíceis de serem encontradas e aplicadas. Em outras palavras, o horóscopo inteiro é enfraquecido, na medida em que a consciência Solar é inibida ou debilitada. E, consequentemente, as aflições dinâmicas no horóscopo ficam com muito maior poder para “afligir dinamicamente”. Força, ou energia de qualquer tipo, deve, numa análise final, ser controlada pelo poder que se irradia do centro. Aclare esta ideia imaginando a posição do Sol como o centro de atividades no horóscopo, irradiando suas energias em todas as direções. As Quadraturas e Oposições ao Sol podem ser vistas como linhas de força dos Astros, que interceptam ou interrompem essas irradiações em ângulos retos ou frontalmente, desde o lado oposto do círculo.

Basicamente, a Casa que tem Leão na cúspide mostra o departamento da vida que contém sua fonte de experiência de Poder ou “lição de Poder”. Sejam quais forem às condições adversas indicadas nessa Casa – e podem haver muitas – expressam o seu poder e autoridade nos assuntos dessa Casa que você possui melhores habilidades. Os Astros nela indicam o que você deseja expressar, mas Leão, na cúspide, mostra como você pode expressar melhor esses impulsos. A posição do Sol indica onde procuramos dominar diretamente e governar nossas condições. Por conseguinte, ela é nosso “centro” para esta encarnação. Naturalmente é possível ter uma grande variedade de “condições solares”. Contudo, qualquer Astro em Aspecto favorável com o Sol – e deste modo integrado com poder, até certo ponto – pode ser utilizado como um neutralizador de Aspectos adversos em outras partes do horóscopo. Qualquer que seja esse Astro é automaticamente muito influente no Tema, podendo ajudar a resolver as desarmonias.

Uma consideração sobre os Aspectos adversos do Sol: infunde poder ao Astro que aflige e o faz perceber adversamente; deste modo encontra-se a essência de tais Aspectos.

Sol-Marte – Poder-Desejo: O poder se expressa por meio do conflito, da competição, dominação, conquista sexual, impiedade e crueldade. Marte é auto expressão básica ou primitiva, de maneira que quando se abusa do poder, por meio dele, sua vibração libera uma tremenda energia que tende a resultar em alguma forma de destruição, dores aos outros, ou “dominação a qualquer custo”. O poder se expressa aqui como egotismo. Esses Aspectos adversos simbolizam a polaridade masculina não regenerada. Até certo ponto, o Sol adversamente aspectado em Áries ou em Escorpião contém muito da mesma coloração; também, qualquer aflição ao Sol em Conjunção com Marte, em qualquer Signo. Já que esse Aspecto é tão basicamente masculino em qualidade, sua redenção pode ser encontrada em alguma aplicação construtiva da polaridade feminina: Lua, Vênus ou Netuno.

Sol-Júpiter – Poder-Orgulho: Aqui o poder se expressa em várias formas de auto aprovação negativa ou falsa. Estas formas de “batidinhas em suas próprias costas” podem ser atribuídas ao tipo de consciência que fornece muito valor indevidamente a abundância financeira, à posição social ou profissional, ao conceito da própria família, que se gaba de seus talentos e habilidades e do tipo de benevolência que geralmente é expresso visando o reconhecimento ou os aplausos. Um aspecto de “falsa aristocracia”, símbolo de esnobismo e pretensão. A pessoa assim condicionada tende a exagerar aquilo que supõe valioso em sua própria natureza e condições e reage com raiva ou com ofensas a qualquer insinuação de que ele não é absolutamente o que presume ser. Sob crítica aberta e franca, fecha os ouvidos e a consciência e se retira para a torre de marfim de sua imponente dignidade ofendida; mas se permitam ouvir a ele, indiretamente, que se esperam dele certas coisas boas e ele se voltará para apoiar a bela opinião que aprecia. Em outras palavras, ele vai “derramar seu poder” em melhoria se ele sente que vale a pena o esforço, mas, em sentido inverso, ele vai derramar os mesmos fluxos de poder em seu orgulho, se ele for menosprezado. Ele deve manter sua boa opinião de si mesmo! Tal pessoa não poderia fazer nada melhor para harmonizar suas desarmonias internas do que criar um padrão regular de atos benevolentes – e não falar sobre eles.

Sol-Saturno – Poder-Irrealização: esta é, talvez, o mais “doloroso” de todos os tipos de conjunto de Aspectos adversos ao Sol. Indica uma área de experiência tão carente de realizações que as energias do próprio Centro são exigidas para redenção do destino maduro. Em um horóscopo predominantemente dinâmico, esse conjunto enfatiza fortemente a ambição e na realização de alguma forma. A “ânsia de subir” é sentida intensamente e o poder é utilizado em grande escala para vencer os obstáculos. Aparentemente esse padrão representa um passado em que as oportunidades de desenvolvimento foram negligenciadas ou desperdiçadas. Assim, nessa encarnação, o tempo perdido precisa ser redimido. Num horóscopo predominantemente passivo, esse conjunto é fortemente gravitacional, em seu efeito: as exigências de Saturno prendem a pessoa à Terra. Em tal caso, examine cuidadosamente o horóscopo para ver se descobre qualquer impulso dinâmico que possa proporcionar uma possível liberação de poder nos canais de crescimento. As pessoas representadas por Saturno neste conjunto são aquelas que tendem a reprimir ou inibir a pessoa em questão. Elas ameaçam a própria individualidade desta, e embora ela possa ter que redimir-se de uma experiência de responsabilidade muito necessária, para o bem de seu próprio viver construtivo e saudável, não deve permitir ser tão influenciada por outra pessoa que a sujeite ao desespero, ao enfraquecimento da própria confiança ou a outros possíveis negativos psicológicos.

Sol-Urano – Poder-Ilegalidade: esse é tipo de conjunto de Aspectos adversos ao Sol do anarquista. Em razão da natureza e propósito de Urano, sua Quadratura ao Sol, ou Conjunção adversa é um potencial, em alguma forma, de terrível destruição. Tão grandes são as possibilidades de liberação de energia indicadas por esta combinação que se deve achar e analisar cuidadosamente todo meio de controle. Enorme tendência para cristalizar-se de alguma maneira está automaticamente implicada como um fator concomitante a esse conjunto – examine, cuidadosamente, as condições de Saturno e daí determine em que parte de sua experiência a pessoa tende a rebelar-se com tal intensidade – e possivelmente até com violência. Uma característica de gênio em potencial é indicada por qualquer Aspecto de Urano com Sol, mas a Quadratura e a Oposição parecem indicar a possibilidade de considerável destruição na expressão dessa genialidade. Se “bem aproveitado”, esse conjunto lança tremendas cargas magnéticas e dinâmicas em outros Astros envolvidos e, consequentemente, quando dirigido construtivamente pode resultar em grandes empreendimentos e habilidades.

Sol-Netuno – Poder-Ilusão: esse tipo de conjunto de Aspectos adversos ao Sol é muito sutil e difícil. O poder de visualizar – e sonhar – é intenso, mas desde que esse conjunto indica perpetração de ilusão no passado, demonstra um padrão de desilusão na atual encarnação. O instinto dramático é pronunciado; com efeito, tão pronunciado que às vezes a pessoa vive seu sonho de “coisas como poderiam ser”, ao invés de realizá-las como elas são.

Num artista, particularmente das artes regidas por Netuno – música e drama – esse conjunto é muito inspirador; mas é inspiração sem controle. Quando estimulada, a pessoa pode “sintonizar”, sem esforço, as influências sutis e tornar-se um instrumento. Todavia, o preço pago por um excesso desta “sintonia” é o esgotamento físico, psíquico e nervoso – perda de força, vitalidade e de saúde em geral. A pessoa representada por Netuno neste padrão – em suas fases adversas – são as que podem induzir o indivíduo a hábitos debilitantes e, portanto, enfraquecê-lo quanto aos seus propósitos.

Se o horóscopo for eminentemente passivo em qualidade, com fraca fonte de estímulos ou “impulsos”, esse conjunto, se fortemente marcado, pode indicar um indivíduo que passa a vida sonhando, sem propósitos nem realizações. Cedo ou tarde, ele deverá cair na realidade e, até certo ponto, juntar seus esforços aos canais do viver construtivo. Quando seus sonhos se desfizerem e sua torre de marfim desmoronar, e aqueles a quem amava e admirava se converter em fonte máxima de sua dor, então ele há de encarar essas experiências com uma aplicação construtiva de Netuno – fé, conhecimento espiritual, amor puro e, sobretudo, aprender daqueles que o iludiram. Esses refletiram apenas aquilo que, no passado, foi falso nele. Esse conjunto indica sintonia com forças superiores, ou no mínimo com forças invisíveis, as quais, em expressão negativa, produzem experiências com o raio astral inferior. Para reconstruir seu padrão ele precisa purificar e depurar suas “imagens internas”, por meio de meditações construtivas ou orações – e converter suas inspirações e sonhos em realidades, por meio de alguma forma de trabalho ou realizando propósitos autodirigidos de concretizar ideais verdadeiramente elevados.

Sol-Lua – Poder-Sentimento: pais com inclinação astrológica que tenham um filho com Sol e Lua em Aspectos adversos devem tentar adotar uma atitude impessoal para com ele. Esse conjunto indica que sua Mente subconsciente é muito facilmente impressionável, e que “quadros” de sentimentos negativos, formados na infância, podem obscurecer a consciência de si mesmo e criar-lhe confusão pelo resto da vida. O estudo de tal Mapa Natal da criança revelará aos pais as direções que eles precisam tomar; mas, se em sua excessiva preocupação por cada momento da existência dele, eles o impressionam com essas preocupações, com seus temores e ansiedades, o que podem causar-lhe um grande mal – embaraçando o subconsciente dele com seus próprios Aspectos adversos e afirmando a incapacidade dele em “abrir seu próprio caminho”, enquanto cresce. A criança com esse conjunto deve ser guiada construtivamente para tomar suas próprias decisões, nunca forçada contra sua vontade. Isto se aplica, naturalmente, a coisas relativamente sem importância. É claro que uma criança não pode crescer desenfreada, mas aquelas coisinhas que são de seu interesse pessoal devem ser respeitadas pelos outros para que ela possa, no mínimo até certo ponto, formar consciência do seu pequeno mundo. Tem-se verificado que o impacto de alguma influência na infância sobre o subconsciente da criança causa-lhe um conflito interno que resulta em desarmonia e fracasso na vida adulta. Quando a criança aprende a conhecer o seu próprio poder sem influências impróprias, ou negativas, sobre seu subconsciente, é muito mais capaz de prever, planejar, criar e realizar seus propósitos. Afinal, diz-se que o Sol representa o florescimento da personalidade e da habilidade, de maneira que, a consciência do eu como um criador do bem pode ser melhor estimulada já no começo. Se um adulto, que tenha o Sol em Quadratura ou Oposição à Lua procura solucionar uma tendência desintegradora em sua vida, faça o que pode ser feito para induzi-lo de algum modo à psicanálise, de forma a trazer à superfície de sua Mente consciente as compulsões que podem ter-lhe sido impressas quando era pequeno. Ele deve lançá-las para cima e para fora para limpar seus canais a favor de uma expressão de vida mais construtiva.

 

CAPÍTULO V – A LUA: O PRINCÍPIO DA MATERNIDADE

Quando estudamos as posições do Signo e dos Aspectos da Lua em um horóscopo lidamos com um dos fundamentos da expressão da vida: a base da polaridade feminina. A Lua é uma das pedras angulares de um horóscopo; é a raiz de onde brotam todas as outras variações das fases passivas, receptivas e emocionais da personalidade. O significado mais completo da vibração Lunar só pode ser compreendido quando se entende que cada ser humano possui dentro de si as essências de ambas as polaridades; todo horóscopo tem Sol-Marte, bem como Lua-Vênus, em um ou outro padrão.

O sexo físico, no mundo das formas, é uma ênfase específica de ambas as polaridades para os propósitos de perpetuação. Contudo, nos planos internos das impressões subconscientes, dos sentimentos, das memórias de destino maduro e dos padrões raciais a influência da Lua prevalece. Vê-se assim que a realização dos processos evolutivos se efetua nos aspectos físicos de ambas as polaridades, geralmente se alternando, e desde que o sexo físico se faz acompanhar de uma especialização de experiências, todos os seres humanos precisam conhecer a vida, como ser masculino e como ser feminino. Esta “especialização” não é só de expressão, mas também, e automaticamente, de destino maduro; portanto, certas lições só podem ser aprendidas por meio da encarnação como ser feminino. Em relação a isto, grande parte do destino maduro do ser masculino pode ser atribuída, por causa e efeito, a descumprimentos e desvios dos impulsos femininos em encarnações passadas, sendo a Lua, em tal horóscopo, a chave desses padrões de destinos maduros. O destino maduro que o homem expia através das mulheres é meramente a objetivação de sua própria polaridade feminina não regenerada; ele se manifesta como ser masculino, mas, por reflexo, através de seus contatos e trocas com “a mulher de sua vida” essas desordens internas são manifestadas.

Marte, dinâmico e vitalizante, é a função fecundante, a essência do sexo masculino; a Lua é a que recebe essa energização e converte a semente adormecida em forma. Portanto, a Lua é o elo entre o Ego e um grupo intitulado família. Esse grupo é o agente pelo qual o ser masculino, como macho, projeta-se na corrente de vida.

Portanto, a Lua é vista como o Princípio da Maternidade e, na astrologia mundana ou objetiva, esse é seu significado básico. Por meio da experiência como mãe, a humanidade recebe lições inigualáveis em alcance, profundidade e importância. É como mãe que os potenciais do egoísmo e egotismo, da dominação e destruição de Marte recebem suas primeiras transmutações alquímicas, através da iniciação do auto sacrifício exigido pelas funções da maternidade.

Muito se tem dito, desde épocas passadas, sobre a santidade da maternidade; quão poucas pessoas percebem que o mesmo impulso que leva uma mulher primitiva, semelhante ao animal, a ceder seu corpo à dor para que a corrente de vida possa ser perpetuada é, no microcosmo, idêntico àquele impulso pelo qual um Mestre, por meio de formas de transmutação e alquimia altamente desenvolvidas, “nutre” a vida espiritual da raça. A mulher primitiva responde instintivamente aos apelos do sangue e do desejo; o Mestre realiza suas aspirações transcendentais com amor impessoal. Quando se trata de nutrir a vida de outro – ou de outros – o princípio da maternidade é expresso (Astrologicamente, é claro, a mulher do exemplo acima é Lua-Marte; o Mestre, como uma expressão de Luz espiritual, sintetiza o espectro astral. No caso dele, a Lua é expressa, cosmicamente, como Netuno e Marte é expresso como Urano).

Como, poderia se perguntar, pode cada criança, em uma família grande, ter a Lua em um Signo diferente, uma vez que todos têm a mesma mãe? Em virtude da qualidade de experiência envolvida na maternidade, e das variações de “capacidade”, em níveis psicológicos e emocionais, e em situações domésticas que podem ocorrer durante os anos de fruição, uma mulher, quando mãe de uma sexta criança, não é a mesma que era quando era mãe só da primeira. Cada criança, em uma família, tem um padrão individual, e a sua Lua reflete ou indica um “quadro materno” individual. Consequentemente, ainda que a mãe seja a mesma pessoa, ela é “vista” diferentemente por cada criança, de acordo com a consciência ou subconsciência de cada uma. E isso é muito importante: ela pode ter um tipo diferente de vínculo de destino maduro – alguma expressão de atração ou repulsão básica – com cada filho. Portanto, a Lua de cada criança indica um padrão diferente de reações e sentimentos no relacionamento deles com a mãe.

A posição da Lua no Signo no horóscopo de uma menina – uma mãe em potencial – mostra, basicamente, o tipo de mãe que será ou poderá ser; os Aspectos da Lua descrevem suas experiências básicas de maternidade. No horóscopo de um menino, por reflexo, a Lua descreve a tendência geral de suas experiências domésticas e a essência de suas atitudes para com as mulheres, em geral. Aqui, há um importante ponto a ser levado em conta: em virtude da transição da mãe de uma família, o pai pode ter que tomar seu lugar na vida de seus filhos; sua Lua, então, indica sua habilidade para assumir esta responsabilidade. Em outras palavras, ele deve ser tanto mãe quanto pai, e não apenas seu Sol-Marte, mas também sua Lua recebe toda expressão direta. A recíproca é verdadeira: o Sol-Marte de uma mulher indica sua habilidade para exercer o poder e tomar iniciativas para criar sua prole, se o pai morre. Ambos padrões de polaridade são então sintetizados por meio da vibração de Urano para a transcendência das responsabilidades nas relações e destino maduro de família.

A Lua como um fator mental: ela simboliza os processos da “mente de sentimentos” subconsciente, não do pensamento impessoal separado. Ela é opinião, baseada em padrões familiares ou raciais que podem ou não ter muita relação com a realidade. Em outras palavras, ela é o “pensamento motivado por reações sentimentais”. Aqui a Lua é vista como “ponto de vista pessoal” que certamente se torna evidente quando a pessoa discute com qualquer outra pessoa ou questiona qualquer coisa em um estado de perturbação emocional. Como fator básico da triplicidade mental – Lua, Mercúrio e Netuno – a Lua encontra sua regeneração por meio de processos de disciplina e controle emocional e de desenvolvimento do desprendimento pessoal. Estamos ligados a pessoas e coisas de acordo com a intensidade e de sentimentos que nutrimos por elas. São nossos sentimentos que contribuem para a realidade tanto quanto se referem às relações pessoais. Só quando o sentimento é eliminado, o preconceito suprimido, as influências dos pais e da família transcendidos, e o equilíbrio interno desenvolvido é que “as coisas são vistas” – por meio de Mercúrio – “como são em si mesmas”.

Assim Mercúrio diz: “Este chapéu é azul”. Um fato impessoal. A Lua pode dizer: “Eu penso que esse chapéu é encantador – sua cor é exatamente como a dos olhos do meu bebê”. Sentimento pessoal. Esses são naturalmente exemplos triviais, mas servem para indicar como os sentimentos pessoais podem influenciar a nossa interpretação dos fatos.

Esta artimanha da Lua para perturbar, pelo sentimento, nossas percepções podem se manifestar de modo mais amplo para produzir resultados trágicos. Um rapaz rompe o namoro com sua jovem namorada; ela reage, emotivamente, com grande ressentimento e sofre durante anos com a convicção (subconsciente) de que “todos os homens são enganadores e mentirosos” (Até podemos ver seu rosto tenso e ouvir sua voz estridente). Ela então não está pensando com sua inteligência, mas com o sentimento de decepção, orgulho ferido e solidão. Um indivíduo sofre ofensas e injustiças por parte de outro de etnia ou nacionalidade diferente. Ele reage com amargura e essa recai sobre seus filhos. Um desses filhos absorve essa infeliz impressão, e, em virtude de uma pessoa ter prejudicado seu pai, ele, filho, adota dali por diante uma atitude de prevenção contra as pessoas daquela nacionalidade e sente o forte impulso de condená-las a todas, sem exceção, à desgraça. Neste exemplo fica revelada uma fraqueza na atitude do filho. Aqui ele não usa sua própria habilidade para pensar, mas se permite sujeitar-se inteiramente aos impulsos negativos das emoções perturbadoras do seu pai. E enquanto não fortalecer seu poder de discernir e pensar – conscientemente – ele continuará vitimando a si próprio por meio de seus sentimentos descontrolados nas atitudes relativas a essa particular nacionalidade.

Esta retenção de padrões subconscientes, por meio dos sentimentos, representa, em larga escala, aquilo que é conhecido como “memória” de raça e neste contexto a Lua, como “mãe”, significa a identificação do indivíduo com a sua nacionalidade ou etnia. Marte nos impele a lutar por nosso país, mas por meio da Lua amamos nossa pátria, como um filho ama sua mãe. O simbolismo é exatamente paralelo. Contanto que a consciência de raça seja pertinente aos padrões subconscientes de uma pessoa, ela se encontra na mesma classe de submissão aos seus “sentimentos nacionalistas” que uma criança quando, “presa à sua mãe”, vê na segurança protetora do seu amor a razão do seu viver. Esses estados mentais são idênticos em essência; um é infantilismo com respeito a um indivíduo, o outro é infantilismo com respeito a um padrão de raça. Quando a emotividade amadurece, todas as mães são Mães, as pessoas de quaisquer nacionalidades são Irmãos e Irmãs, e qualquer ou todas as nações podem ser o Lar. Contudo, na escala das coisas, cada padrão racial provê uma “matriz de nutrição” – ou lar – para um propósito específico e evolutivo. Cada uma é “boa em seu próprio tempo e para seu próprio propósito”, justamente como cada mãe é “a mãe certa para cada criança”.

Uma vez que a Lua, como um fator mental, se refere a interpretações do horóscopo sob um ponto de vista psicológico e psiquiátrico, não podendo, portanto, ser tratada detalhadamente aqui, oferecemos alguns pontos de interpretação básica da Lua, como Maternidade, em combinação com os outros Astros.

O grau ou intensidade de capacidade maternal é indicado pelo Signo em que a Lua se posiciona, os “padrões de experiência” pelos Aspectos que a Lua recebe dos outros Astros. No Signo de Câncer a Lua está em sua posição mais maternal; o impulso para nutrir é aqui acentuado ao máximo. Os dois outros melhores Signos para capacidade maternal são: Touro e Peixes. Em Leão, o Signo solar, a Lua brilha com calor e poder, mas com uma qualidade positiva que contrasta com a sua passividade básica de natureza. Em Libra ela se mistura lindamente com a vibração Venusina do Signo das sociedades, o que enfatiza os impulsos da sétima Casa. Em Gêmeos e Aquário ela está em seu mais puro mental; e em Aquário a Lua é tão impessoal quanto ela pode ser – desprendida, científica, e em sentimento é amigável, ao invés de simplesmente maternal. Em Capricórnio ela se mistura com o lado da forma da vida, por meio da vibração de Saturno; aqui ela é prática, capacitada, fidedigna ou confiável, mas algo carente da sensibilidade e simpatia que marcam o instinto maternal. Em Escorpião ela é intensamente emocional e fecunda, mas a vibração de Marte aquático enfatiza a força e a severidade. Esta posição é considerada desfavorável para a Lua, sob o ponto de vista psicológico. No horóscopo de um homem ela não reflete uma “imagem das mulheres” particularmente harmoniosa ou feliz. Em Áries, a Lua definitivamente não é ela mesma. Aqui ela se expressa com uma qualidade dinâmica, egoísta e masculina que é a antítese de sua natureza feminina – a palavra-chave é “autoafirmação”.

Deve-se enfatizar que a Lua focaliza o instinto maternal, mas existem diversas classes de “variação de experiência”. Estas são indicadas pelos Astros que se encontram no Signo de Câncer, regido pela Lua; diz-se que esses Astros estão disponentes[7] pela Lua. Também os Astros que se acham na quarta Casa – não importa o Signo – indicam, em grande medida, o lado objetivo da “consciência doméstica”; é através da “experiência do lar” que esses Astros encontram seus principais canais de expressão e o mais elevado potencial para realização.

A faculdade do instinto é uma das palavras-chaves da função da Lua. A esse respeito, a Lua simboliza o “instinto racial”, a “compulsão biológica”. Ela representa a expressão mais profundamente enraizada da força da polaridade feminina. Embora de natureza passiva e receptiva, a Lua encontra sua regência e seu detrimento em Câncer e Capricórnio, respectivamente, ambos os Signos Cardeais; vê-se assim certa faculdade dinâmica ou geradora na atuação da Lua.

Na medida em que a Lua esteja aliada a Signos que lhe sejam afins, ela expressa, com poderoso impulso, profundas necessidades de realização; quando está aliada a Signos com os quais não tem afinidade, ela deve expressar seus impulsos por meio de qualidades incompatíveis com a sua nota-chave básica; na medida em que esteja bem aspectada, ela promete realizações, harmonia nas experiências de dar-e-receber e saúde; na medida em que esteja com Aspectos adversos, ela indica: “destino maduro feminino”, tanto objetiva quanto subjetivamente, as necessidades para transmutação e regeneração de sentimentos, desarmonias físicas – especialmente nas mulheres; e as indicações de transmutação da expressão feminina são mostradas em qualquer Aspecto adverso da Lua, tanto nos horóscopos dos homens quanto nos das mulheres.

As notas interpretativas que se seguem devem, necessariamente, permanecer básicas e simples, para maior clareza. Lembre-se de que a Lua rege a função da Mente Subconsciente[8], e que qualquer Aspecto adverso representa uma “imagem” negativa que, trazida do passado, está “próxima à superfície da consciência”, podendo manifestar-se definitivamente na infância. A transmutação de um horóscopo começa com a transmutação dos Aspectos adversos da Lua.

Lua-Sol: O impulso maternal é aqui identificado, de algum modo, com o Poder. Afligidos, o sentimento e o propósito entram em conflito – um ou outro tende a predominar; o excesso de influência da Lua tende a determinar a força interna; com excesso de influência do Sol a maternidade se expressa em termos de dominação e tirania. Esse é um aspecto desintegrante porque a pessoa, por meio de “sentimentos sobre si própria”, não é totalmente consciente das capacidades internas, carecendo, portanto, de autoconfiança; para regenerar esse aspecto, o poder, na experiência doméstica, deve ser redirigido para as realizações da Lua, não se expressar apenas por se expressar. Sentimentos e propósitos benéficos são harmoniosos; a experiência maternal é expressa e cumprida com eficiência; certa “positividade” é encontrada, assim indicando a possibilidade de que a mãe seja a “líder” da família. A Lua em bom Aspecto com o Sol é redenção em qualquer horóscopo, pois mostra uma integração básica de polaridade.

Lua-Mercúrio: Com Aspectos adversos, sentimento e interesse maternal entram em conflito com o pensamento; a mãe com esta configuração adversa necessita de disciplina mental porque tende a “interpretar” de acordo com os seus sentimentos do momento, e não de acordo com a realidade. Ela deve se vigiar cuidadosamente quanto às suas palavras, não se permitindo falar demais quando estiver emocionalmente perturbada porque então é capaz de dizer inverdades e cometer injustiças. “Parar para pensar” é uma boa política para redirecionar esse impulso, e, quando esta configuração adversa for encontrada no horóscopo de uma criança, a mãe deve reconhecer que o filho é muito impressionável às suas palavras, ela não deve infligir na Mente dele seus impulsos e pensamentos negativos. Muitas pessoas com esta configuração têm sido, por destino maduro, impressionadas com as expressões negativas das emoções de suas mães, e têm vivido infelizes por muitos anos devido às “imagens” que, na infância, foram impressas em sua Mente Subconsciente. Tanto no caso da mãe quanto no da criança, a disciplina mental e o equilíbrio emocional são da maior importância para criar felicidade e êxito. Estabeleça o hábito de “averiguar os fatos” (Mercúrio), e agindo de acordo com eles, os sentimentos podem ser controlados.

Lua-Vênus: Estas duas formam a base da polaridade feminina realizada, no sentido de que elas indicam as emoções da mulher como mãe e como companheira. Sabendo que Vênus é “cultura e refinamento”, seus padrões discordantes com a Lua indicam falta de sentimento harmonioso; dependendo de qual dos dois está mais fortemente enfatizado na Carta Natal[9], o instinto maternal pode obscurecer a “reação ao outro indivíduo”, ou o impulso estético ou de companheirismo pode obscurecer aos reclamos da maternidade. Esta é uma configuração que simboliza relacionamento desarmonioso com a mãe, em termos de emoção. E na Carta Natal, quer do homem quer da mulher, representa a necessidade de equilíbrio e de completar os padrões femininos. Esse processo pode ser realizado (para a Lua) aproveitando-se as oportunidades para expressar o instinto de criança e (para Vênus) desenvolver a cortesia, a cooperação, o “pensar em termos da outra pessoa”, o que afinal é a base de todo viver civilizado (Vênus). Os Aspectos benéficos entre Lua e Vênus indicam um cultivo básico da natureza emocional. O refinamento e a graça, a cortesia e o bom gosto foram cultivados: estas qualidades podem ser refletidas fisicamente como beleza e encanto. Relações harmoniosas com a mãe, ou com as mulheres em geral, estão prometidas. O cultivo de faculdades estéticas também está indicado, desde que a Mente Subconsciente tenha sido fortemente impressa pelo fator de redenção de “pensar e agir em termos de harmonia”.

Lua-Marte: Como quer que se apresente, esta é uma configuração delicada, uma vez que os dois formam base da “emoção primitiva”. Indica impressionabilidade subconsciente intensa e os sentimentos maternais são sobrecarregados. Se o Aspecto é adverso, especialmente se uma Quadratura, isto significa “violência”, irritabilidade, ciúme e ressentimento. A ânsia de dominar é forte, sendo que estas mães tendem a “comandar seus filhos à sua vontade”. Esse Aspecto indica a possibilidade de ambição e da “ânsia de conseguir” serem estimuladas pela experiência da maternidade – tais mulheres sentem o desejo de “lutar por suas crianças”. Nos Aspectos adversos esse desejo é expresso com grande força; destaca-se então a “lei de unhas e dentes”. Ódios e inimizades em potencial são fortemente evidenciados por Marte afligindo a Lua, já que a Mente Subconsciente é profundamente impressionada pela “ânsia de defender e derrotar”. Padrões harmoniosos de Marte-Lua indicam possibilidades de ação construtiva muito maior – a energia é expressa por meio da ânsia de conseguir, ao invés de fazê-lo pelo impulso de destruir. Esta é a mãe corajosa, intrépida e valente, capaz de viver suas experiências maternais em termos de positividade e trabalho duro. Um Aspecto benéfico de Saturno, Vênus e/ou Júpiter com a Lua – paciência, harmonia e benevolência – são bons corretivos para as aflições Marte-Lua.

Lua-Júpiter: O instinto maternal se expressa por meio da benevolência e da abundância. Com Aspectos adversos a mãe pode se inclinar para um excesso de tolerância – ela busca “superproteger” suas crianças; o Aspecto adverso também indica uma superabundância de preocupação materna, e embora os motivos possam ser absolutamente sinceros e desinteressados, a mãe com a Lua afligida por Júpiter carece da capacidade de julgar – seus sentimentos obscurecem suas avaliações sensatas e tende a enfraquecer suas crianças, por tornar as coisas “demasiado fáceis para eles”. Ela precisa se disciplinar, até certo ponto, disciplinando suas crianças. Deve lhes permitir o privilégio de se desenvolverem por meio do exercício de sua própria iniciativa e do cumprimento de suas responsabilidades. “Libertando-se” deles por esse modo, até certo ponto, ela ganha em perspectiva e em controle emocional. Aspectos benéficos entre Lua e Júpiter formam um belíssimo padrão de amplitude, generosidade, sinceridade, e julgamento equilibrado. Tal mãe expressa a si mesma abundante e saudavelmente. Ela irradia calor e conforto; é uma fonte de bem-estar para a família, tanto fisicamente quanto psicologicamente. Esse Aspecto é um retrato astrológico de Ling Sao, a mãe no livro “A Semente do Dragão”, obra de Pearl Buck.

Lua-Saturno: Aqui a experiência materna identifica-se com o lado da forma da vida, através da Responsabilidade. A Conjunção de Saturno com a Lua faz da experiência maternal algo como uma crucificação – muito além do significado comum da palavra. A maternidade, neste caso, “crava” a mulher às exigências da vida, e por meio das experiências domésticas ela deve realizar-se através de muitos obstáculos que podem ser reais, mas que também podem não ser, em virtude do seu ponto de vista subconsciente. Esse é um padrão de “estreitamento” – muito tem de ser feito por meio de uma limitação de esfera. Vênus e/ou Júpiter afligindo a Lua em Conjunção com Saturno apresenta um quadro um tanto triste – experiência doméstica vivida mais sem alegrias e em termos de limitação de meios. Saturno e/ou Marte afligindo, a vitalidade e o “ímpeto” ficam enfraquecidos – a realização é alcançada com medidas neutralizadoras de restrições e inibições. Saturno em Quadratura ou Oposição à Lua firma o temperamento e pode resultar em um necessário neutralizador de aflições dinâmicas, mas a influência de Saturno pode ser sentida como impedimento, restrição ou inibição. A posição de Saturno mostrará um canal através do qual o instinto maternal se expressará para o cumprimento de responsabilidade. Os Aspectos benéficos entre a Lua e Saturno indicam controle de sentimento e integração de habilidades práticas. Esta é a mãe forte, competente que vive ordenada e metodicamente. É um pilar de confiabilidade e, se é ou não particularmente emotiva ou carinhosa, ela ainda é confiável e capaz de colocar o lado doméstico de sua vida sobre uma base segura e prática. Talvez algo carente de “expressividade”, ela é, porém, uma mãe leal e devotada, que expressa seu amor materno no desejo de proteger e estabilizar.

Lua-Urano, Lua-Netuno: Nesses padrões há uma indicação pela qual o instinto materno básico pode ser redimido por canais espirituais impessoais, universais ou criativos. Em contato com Urano e Netuno, as indicações da Lua ocupam um espaço que ela não tem com os Astros menores. A Mente Subconsciente é sensibilizada e vitalizada por sintonizar-se com o que pode ser chamado de “padrões cósmicos”, onde a intuição e as faculdades psíquicas podem ser desenvolvidas. A Lua-Urano é muito mais dinâmica e criativa; a Lua-Netuno é mais sensitiva, emotiva, receptiva e compassiva. Contudo, as abordagens interpretativas a estas configurações devem ser feitas a partir da comparação dos Aspectos da Lua com os Astros menores – já que eles constituem os “primeiros degraus da escada”. A Lua em Trígono com Urano e Quadratura com Marte não é tão fácil como quando está em Sextil ou Trígono com Marte. Neste exemplo requer-se muito controle e direção de Marte antes do Trígono de Urano poder se expressar construtivamente. De outro modo, Urano respaldado por Marte desordenado, pode se expressar destrutivamente. A Lua em Trígono com Netuno e Quadratura com o Sol é muito melindrosa, impressionável e psíquica; mas com desordem entre Propósito e Sentimento ou com vitalidade esgotada; a sensitividade de Netuno pode resultar em alguma forma de psiquismo negativo e confusões mentais. Estude os Aspectos Lua-Urano pela síntese da Lua com os outros Astros dinâmicos que ela pode formar Aspectos; Lua-Netuno – compare seus padrões com Vênus e Saturno. Devemos saber como a Mente Subconsciente está alinhada com a polaridade masculina ou com a polaridade feminina – isto nos dá a chave da qualidade subconsciente básica. A Lua em Aspecto com Urano ou com Netuno é um indício de “universalidade latente”, já que esses Aspectos mostram a direção em que os impulsos primitivos, básicos, “carne e sangue” da Lua poderão, com o tempo, ser expressos em termos de realizações impessoais ou cósmicas.

 

CAPÍTULO VI – VÊNUS: O PRINCÍPIO DA MANIFESTAÇÃO APERFEIÇOADA

Vênus, feminina e magnética, é a consciência da harmonia resultante da alquimia de transmutações emocionais.

A harmonia pode ser definida como “consciência de união consumada” – antítese de Ego-separação. Através do primitivo Marte, nós como indivíduos, vivemos em e para o eu; Marte regenerado é aquela expressão do eu que se baseia na coragem da integridade pessoal. Um ser humano não pode “dar aos outros” se não tem uma consciência estabelecida “de que” e “de quem” ele é internamente, uma consciência de suas potencialidades e a determinação de realizá-las. Esse impulso de Marte no sentido da autopreservação é a etapa de que o Ego necessita para identificar-se com as correntes de vida através de “projeção” e do destino maduro resultante. Cada um de nós tem que formar um Corpo-Alma; não podemos formá-lo para outrem, e ninguém pode formá-lo para nós. Cada um de nós tem – em cada encarnação – no mínimo uma etapa do Corpo-Alma para desenvolver; não podemos desenvolver os dos outros e os outros não podem desenvolver o nosso. Isto, em essência, é o propósito da vibração de Marte – consciência da individualidade.

Entretanto, achamos que as experiências são objetivações de nossos próprios estados internos, os quais são “ligados” pelos nossos contatos com as outras pessoas. Quando a vibração de Marte tende a predominar, somos impelidos a usar nossa autoconsciência para interferir na vida do outro, sacudi-lo, para subjugá-lo para os nossos próprios propósitos. Isto é Marte como um rompedor de relações; o relacionamento consumado é a auto expressão que contribui, ao mesmo tempo, para o bem do outro. A vibração de Vênus é a nossa capacidade de agir – de atrair para nós – em termos de intercâmbio harmonioso com outras pessoas, cooperando e ajudando com boa vontade e propósitos construtivos. Deste modo nossas projeções são frutíferas e a mutualidade de desenvolvimento fica assegurada. As correntes de experiência são estimuladas e sustentadas progressivamente.

A palavra “manifestação”, do título, pode ser considerada sob duas abordagens. Saturno é Manifestação como forma física, a objetivação do Espírito. Nos processos do relacionamento, Saturno é visto como “responsabilidade”. Existe uma importante qualidade terrena acerca de responsabilidade que reflete perfeitamente a natureza essencial de Saturno.

Foi observado e psicologicamente provado, que o impulso amoroso proporciona a base mais satisfatória para o cumprimento de obrigações e responsabilidades. Quando amamos, descobrimos recursos de coragem e fé mais profundas, expressões que tendem a “aliviar a carga”. Além disso, o cumprimento é executado de modo muito mais completo e satisfatório quando uma atitude carinhosa, alegre e entusiasmada forma a base do esforço. Daí a derivação do nosso título – a consciência Venusiana como base de aperfeiçoamento do corpo das relações. A exaltação de Saturno no Signo de Vênus, que é Libra, é o correlativo astrológico. Além do mais, a experiência de relacionamento (Vênus) implica, automaticamente, na responsabilidade (Saturno) do cumprimento.

Nós temos dito que “Urano é a oitava superior de Vênus”. A triplicidade emocional é composta de: Marte, Vênus e Urano. Enquanto Marte é a projeção masculina, individualista e Vênus simboliza a transmutação dele em refinamento, por meio dos relacionamentos, Urano é a “fusão” dos dois dentro do indivíduo. Por conseguinte, a frequência vibratória mais elevada de Urano é a mistura das polaridades masculina e feminina conhecida como “Casamento hermético”, sendo que a expressão criativa dessa vibração manifesta sua realização sem necessidade de parceiro. Do estudo deste processo podemos ver que Urano representa a expressão da união suprema, que não depende das ilusões do relacionamento emocional; pois, em relacionamento, o cruzamento de intercâmbio, macho-fêmea é sempre evidente. As polaridades fundidas permitem à pessoa criar, a partir do seu próprio centro, em um nível de consciência emocional mais elevado do que aquele que Marte ou Vênus podem conseguir sozinhos, ou em intercâmbio entre si através de duas diferentes pessoas. Vênus no Signo de Urano, que é Aquário, é uma expressão transcendente de amor baseado no desprendimento e na liberdade.

Vênus está em sua Queda no Signo de Virgem. Virgem é um Signo mental, analítico e crítico. Quando você analisa, desmonta um objeto em partes para observar as partes em separado. Isto, na esfera de experiências de Vênus, serve para dar ênfase às coisas. A afeição é expressa em termos de “certo e errado”, “dever” e “adaptabilidade”, no sentido superficial. Vênus em Virgem é mais amor como “algo a ser feito” do que amor como fonte de experiências vivificantes e enriquecedoras que refrescam o coração e iluminam a Mente.

Uma expressão adicional de Vênus em Virgem pode ser descrita como amor ao seu trabalho, mas em escala menor ou em experiências domésticas em geral, a expressão parece mostrar-se uma preocupação com assuntos práticos da vida cotidiana: casa limpa e bem arrumada, bom talento culinário e fazer coisas graciosas. A redenção de Vênus em Virgem pode ser encontrada no estabelecimento de atitudes harmoniosas (belas) para com outras pessoas. Virgem transmite um talento crítico, mas Vênus impulsiona na expressão do tato e da cortesia; a compreensão simpática deve substituir a inclinação para descobrir e propalar os erros dos outros. Uma casa limpa e bem arrumada é algo belo e admirável, mas uma casa em que também contém uma vibração alegre, confortável e agradável é uma representação cheia de experiência do coração, uma cultura de Vênus.

Vênus, em qualquer horóscopo, é o símbolo da faculdade estética, bem como do amor em potencial. O ritmo, o equilíbrio, a proporção e o gosto são tão evidentes nas relações cultivadas como são nas qualidades das coisas a que chamamos belas.

Vênus é a reação estética instintiva – resultado do refinamento interno que se segue aos processos de transmutações emocionais. Ela é tida como a nossa habilidade inata para perceber e apreciar as cores, contornos, modulações e proporções. Ela é gosto cultivado – avaliação discriminatória.

Netuno, por outro lado, é a nossa reação à beleza não espontânea – em outras palavras, é a nossa capacidade para reagir à arte. Muitas pessoas têm uma sensibilidade aguda para as belezas da Natureza e de outras pessoas, mas sem Netuno elas não podem responder às expressões abstratas ou simbólicas das formas artísticas. Então, existem aquelas que possuem um alto grau de desenvolvimento – grande talento ou talvez até um gênio – ao longo de linhas de alguma arte em particular, que não apreciam a beleza em outras formas e podem demonstrar sua “falta de Vênus”, pela rudeza de sua aparência pessoal, falta de sociabilidade e deficiência de: desenvolvimento emocional e do cultivo de relacionamentos.

Vênus tende a fornecer, à pessoa, uma aparência encantadora; seja por um corpo gracioso, bem proporcionado, seja por uma voz expressiva – elas são belas naturalmente. Netuno é o uso habilidoso de cosméticos que criam a ilusão de beleza, são as lições de dança e de canto, pelas quais as pessoas forjam um grau de beleza maior do que possuem naturalmente. Vênus é o bom-gosto instintivo por meio do qual a mulher se adorna de acordo com os seus próprios requisitos pessoais; é a escolha de roupas que, por seu estilo e cor, combinem com a sua aparência – ela e suas roupas formam um conjunto harmonioso. Netuno é moda, onda e artifício pelos quais as pessoas, sem gosto próprio, seguem um padrão inventado, artificial. Seguir a moda pode ser – embora muitas vezes não seja – sinônimo de bom-gosto.

Netuno é arte – seja qual for a forma, é a invenção de um símbolo para expressar uma ideia ou ideal estético. De todas as formas de arte, a música instrumental e o drama são, de modo particular e peculiarmente, Netunianos. As qualidades especiais de Vênus são evidenciadas nas artes da Dança e do Canto. Isto se diz em referência à “base natural” destas duas artes; ambas são manifestações altamente cultivadas de funções corporais notavelmente desenvolvidas. É necessária alguma combinação ou relação entre Netuno e Vênus para que se verifiquem indicações astrológicas de talento artístico. Algum outro Astro pode indicar uma qualificação especial, mas esses dois formam a “base estética”.

Nos Signos Libra e Peixes, Vênus encontra as expressões mais puras de sua natureza essencial; Libra, o Signo da sétima Casa, é o símbolo do relacionamento, enquanto Peixes é a essência do amor espiritualizado. Em Touro, Vênus encontra a forte expressão de sua potencialidade emocional, porém mais em termos terrenos. Em Gêmeos e Aquário, se misturam com os impulsos de relação fraternal e amor-amizade. Em Sagitário, combinando-se com as qualidades de Júpiter da nona Casa, Vênus é considerado muito favorável, já que implica numa harmonia de espiritualidade e idealismo. Em Câncer é maternal e amante do lar, com intensa receptividade às necessidades daqueles a quem ama. Em Leão resplandece calorosa e dramaticamente – Vênus em Leão é o símbolo superior do amor romântico. Em Escorpião é intensamente magnética; a vibração de Marte é indicativa do amor como expressão sexual. Contudo, esta posição de Vênus é considerada desfavorável – para ela – porque “a parceria fica ameaçada pelo desejo pessoal”, e sob o ponto de vista fisiológico, a respeito do organismo físico feminino, as aflições de Vênus em Escorpião podem ameaçar realizações no inter-relacionamento sexual. Todavia, em pessoas avançadas, esta posição de Vênus pode prometer um potencial para grandes transmutações de emoções por meio da devoção consagrada – isso pode ser muito espiritual. Em Capricórnio, assim como em Virgem, parecem predominar as considerações de ordem material ou prática. Vênus afligido em Capricórnio é relacionamento – ou amor ou seu fingimento – como apoio à ambição e posição. Esta fraqueza de Vênus indica o egoísmo consumado – no sentido frio e calculista da palavra. Em Áries, Vênus é “amor como expressão própria” – exercendo a influência egoística e dinâmica de Marte.

Em um horóscopo, a esfera do potencial de Vênus pode ser encontrada determinando-se os Aspectos harmoniosos, assim como os Astros que estão disponentes[10] por Vênus. Esta última frase é importante porque Vênus pode estar sem Aspectos ou fraco por posição ou afligido por Aspecto; mas os Astros em Touro e/ou em Libra “se expressam por meio de Vênus”, estendendo a influência desta no horóscopo. Uma vez que Vênus é passivo – o resultado de processos transmutativos é afligido – e ela não aflige a outro Astro. As Quadraturas e Oposições a Vênus ou Conjunções adversas representam:

  • Possibilidades de frustração do impulso para a união e para a expressão de amor;
  • Estados de consciência que inibem o desenvolvimento dos impulsos estéticos e sociais.

Vênus em Sextil com um Astro que, pelo contrário, esteja afligido mostra a necessidade de usar Vênus como um agente alquímico para redimir o outro Astro de sua aflição. Os Trígonos a Vênus representam florescimentos da alma; o cultivo de graças internas mentais e emocionais e a capacidade para um viver harmonioso e alegre.

Quando Vênus está sem Aspecto, devemos considerar a Casa onde se encontra no horóscopo como ponto focal do impulso social; o Signo onde Vênus se encontra indica o potencial esotérico da natureza amorosa. Podemos interpretar esse padrão como representando uma encarnação na qual está sendo feita uma preparação alquímica para o futuro. Embora Vênus, neste caso, acene para uma pequena “promessa de recompensa” nesta vida, todavia, se estabelecem padrões de reação pelos quais os impulsos auto isolantes sejam transmutados em atos de dar ou em devoção a um ideal ou, ainda, a uma obra ou ao cultivo de uma compreensão simpática, o processo resultará numa recompensa de Vênus no futuro. A pessoa com Vênus sem Aspecto pode possuir uma disposição particularmente infeliz ou insociável, mas se ela fizer alguma coisa, uma vez ou outra, para tornar alguém feliz ou motivada, ela estará se expressando em termos de Vênus – uma emanação de boa-vontade que, infalivelmente, deve render seu prêmio.

Se Vênus é forte por influência, mas aflita por Aspectos então é “impulso sem cultivo”; o homem sociável que não pode distinguir amigos de conhecidos; a mulher que só gosta de cores bonitas – ela usa um chapéu vermelho, um casaco púrpuro, um vestido amarelo e sapatos cor-de-rosa; o “artista” que cantará ao menor desafio – sua voz irrita a todos os que o escutam; a mulher viciada em colecionar “coisas finas” – seu lar é uma selva de quinquilharias incoerentes. esses são exemplos-caricaturas de Vênus que encontramos em vários lugares e situações. Tais pessoas demonstram uma decidida falta de seleção discriminativa ou de senso de conveniência das coisas. Vênus é sempre “a maneira mais refinada de fazer qualquer coisa”.

Nesse ponto, nós sugerimos um resumo de Vênus com os três “primitivos” – Marte, Lua e Saturno. esses três formam os fundamentos de experiência nos planos emocional, mental e físico, e a relação deles com Vênus nos dá o como e o porquê de sua esfera e influência no horóscopo.

Marte-Vênus: esse é o padrão “amor-desejo”; o impulso sexual e seu refinamento por meio da união; a autoafirmação e sua conclusão através do relacionamento; a projeção do impulso dinâmico e sua realização aperfeiçoada; na experiência conjugal – companheirismo realizado através da integração das polaridades masculina e feminina. A despeito do sexo físico da pessoa, a predominância quer de Marte quer de Vênus no horóscopo indica a tendência da polaridade predominante. Se ambos estão fracos, os potenciais de emoção são baixos, o fogo sexual está ausente, e as expressões de vida puramente mentais ou puramente físicas predominarão nas experiências da pessoa. Se Marte aflige Vênus é necessário comparar, cuidadosamente, a esfera de ação de cada um.

  • Marte forte e Vênus fraco: predominância da masculinidade, dos impulsos dinâmicos, de autoafirmação e desejos sexuais;
  • Marte fraco, Vênus forte: a feminilidade predomina; o ímpeto e o atrativo estão ausentes na personalidade; a sensibilidade estética pode ser altamente desenvolvida, mas há pouco impulso para o trabalho ou esforço; esse padrão não favorece os homens, uma vez que o elemento feminino predomina sobre o masculino. Marte em Sextil ou Trígono com Vênus: promessa de mutualidade sexual e realização de impulsos amorosos; natureza saudável e emocionalmente integrada; capacidade para desfrutar das atividades e trabalhar cooperativamente; tanto nos horóscopos dos homens quanto nas das mulheres esse Aspecto é favorável, já que promete mutualidade entre as fases masculina e feminina da personalidade e do relacionamento.

Lua-Vênus: Esta é a base feminina do horóscopo. A mulher como mãe e como companheira; a polaridade feminina latente no homem indica os seus relacionamentos e experiências com as mulheres em geral. As aflições entre a Lua e Vênus no horóscopo de uma mulher indicam distúrbios fisiológicos, possíveis frustrações dos impulsos maternais e conjugais; irrealizações das capacidades afetivas. No horóscopo de um homem, a Lua afligindo Vênus indica seu destino maduro feminino, desarmonias nas relações com a mãe, esposa e/ou sócias mulheres. esse é o homem que desconhece a maneira de ser do sexo feminino – seus padrões femininos estão em desordem, não regenerado, prometendo desapontamentos e atritos; através da “ignorância do coração” ele cria um doloroso destino maduro para o futuro. esse homem precisa cultivar compreensão e simpatia; até lá, sua consciência permanece rude em certa medida, particularmente se Marte e Saturno estão fortes, independentemente dos Aspectos que formem.

Saturno-Vênus: Aspectados desarmoniosamente, isto indica o prazer sacrificado pela responsabilidade, o amor dominado pelo dever ou o amor debilitado pela introversão, ignorância ou pelo temor; disciplina forçada dos impulsos estéticos ou amorosos como uma retribuição de destino maduro de excessos do passado; Vênus, pelo contrário, se bem Aspectado e forte, a Quadratura com Saturno pode indicar limitação de esfera de ação para o aperfeiçoamento da qualidade. Harmoniosamente Aspectados entre si, Saturno e Vênus significam expressão do amor por meio da responsabilidade; o cumprimento de responsabilidade é um canal para o florescimento de capacidades amorosas; o amor é visto aqui como uma âncora, um meio de restrição benéfica e direção de energia e trabalho. esse é “o amor que deve ser manifestado” – o sonho que deve ser realmente vivido. Constância e fidelidade são as palavras-chave deste Aspecto – o amor se aprofunda e dura muito. A união serve para estimular talentos práticos e a experiência de amar forma uma base sólida para um viver construtivo e bem-equilibrado.

 

CAPÍTULO VII – O PLANETA MERCÚRIO

É atribuída, simbolicamente, a faculdade do intelecto ao Planeta Mercúrio, por meio do qual interpretamos, identificamos, classificamos, analisamos e avaliamos as coisas da Terra. Como princípio de identificação, ele representa a “denominação”, a “criação de palavras” e a objetivação dos pensamentos em palavras faladas e escritas. É o símbolo da percepção e da comunicação conscientes. É nossa consciência quando estamos livres de congestões emocionais ou perturbações de sentimentos subconscientes.

A substância a que chamamos Mercúrio é pesada, ainda que seu estado, em condições normais, seja líquido; nossos pensamentos, quando desorganizados ou desfocados são também como que líquidos, transitórios, passando rapidamente de uma impressão a outra, “para cima e para baixo”, “sim-e-não”, “ora-quente-ora-frio”. Contudo, quando nossos padrões de pensamento estão organizados, temos a faculdade de decidir definitivamente e de incorporá-los em algum tipo de exteriorização concreta definida, em palavras isoladas ou no prolongamento destas em sentenças. Esta exteriorização é o que chamamos “linguagem” – a faculdade universal de corporificação do pensamento. A qualidade líquida de Mercúrio é vista nas muitas maneiras pelas quais se podem identificar uma coisa específica; sua exatidão pode ser vista na “solidez” com que essa coisa é identificada por uma palavra ou sentença específica.

Mercúrio identifica tanto o abstrato quanto o concreto. É por meio de Mercúrio que compreendemos o concreto, mas é por meio das faculdades dos outros Astros que compreendemos o abstrato. Mercúrio, entretanto, é a raiz básica de nosso desenvolvimento de compreensão, do concreto mais literal ao abstrato mais intangível. Analisemos o símbolo planetário: uma cruz (matéria, manifestação, estrutura, o concreto, encarnação), sobre ela um círculo (perfeição, o completo) que, por sua vez, tem sobre si um semicírculo voltado para cima (instrumentalidade, receptividade de instrução ou inspiração).

Sintetizando esses fatores simbólicos, vemos que pelo exercício da faculdade de Mercúrio aprendemos sobre os princípios da vida por meio de sua expressão na Região Química do universo. Esse símbolo pode ser chamado de “Vênus com os cornos da Sabedoria”, e a dignidade aérea de Mercúrio, Gêmeos, é o Signo da nona Casa (oitava da Sabedoria) do Signo de Libra de Vênus. Foi-nos dito que os Senhores de Vênus e os de Mercúrio foram os Mestres que instruíram a Humanidade incipiente nos princípios da linguagem, dos ofícios, das artes e ciências, pelo que a Humanidade aprendeu a funcionar com eficiência sempre crescente no mundo material. Em suma, Mercúrio é o elo (mensageiro) entre os deuses (princípios) e a humanidade. É por meio de Mercúrio que nós aprendemos, em primeiro lugar, a natureza objetiva e a qualidade das coisas, depois a percepção dos princípios abre nossa consciência para a realidade subjetiva; em ambas as oitavas nós aprendemos, mas na primeira nos integramos através da identificação; na segunda conhecemos através da experiência que a Compreensão proporciona.

Já que o símbolo de Vênus esteja incluído no símbolo de Mercúrio, pode-se supor que todas as expressões artísticas da humanidade estiveram baseadas no desejo de comunicação. O semicírculo voltado para cima, que Mercúrio tem em comum com Netuno, representa uma forma microcósmica da instrumentação, que é um dos principais significados de Netuno.

O ser humano primitivo desenhava um pequeno quadro de algo para comunicar seu pensamento a outra pessoa. Partindo desse nível, ele desenvolve um sistema de símbolos para comunicar seus “pensamentos-imagens” – ideogramas, letras e suas combinações em palavras, e destas para sentenças. A expressão que a humanidade dá de seus conceitos, realizações, sonhos e aspirações – destiladas da experiência evolutiva – são o que nós chamamos de BELAS ARTES; todas elas, não importam os materiais ou técnicas usadas, é a faculdade Mercurial tornada extensiva por Vênus-Netuno, como comunicações simbólicas partindo dos recursos da consciência. Nem todos compreendem uma tela, uma peça musical, um poema ou uma escultura; aqueles que compreendem estão simpaticamente sintonizados com a consciência do artista. Todavia, todo aquele que possui um grau normal de mentalidade pode compreender o “simbolismo relativamente literal” da linguagem e expressar-se por ele – pelo menos falando. Aprender a falar é algo que todos temos feito em cada encarnação desde o princípio; fazemo-lo e aprendemo-lo instintivamente. esse instinto é simbolizado pela região da vibração da Lua – aquilo que conhecemos ou aprendemos por meio da faculdade memória subconsciente[11]. Portanto, considera-se o falar tão instintivamente natural quanto andar ou dormir. Ler e escrever, contudo, são extensões da Lua através de Mercúrio. A Mente consciente[12] deve ser treinada para entender a técnica dos símbolos representada pela língua particular com que se nasce. Você aprendeu português na sua infância, mas pode não ter conhecido esta língua em qualquer encarnação anterior. Você aprendeu a falar em português imitando, instintivamente, aqueles ao seu redor, como a recapitulação de uma faculdade que você exercitou em cada encarnação; mas pode ser que somente dentro da esfera de um passado relativamente recente você tenha adquirido fluência na palavra escrita, e pode ser que o português, sua língua vernácula, seja a única em que você tem agora alguma habilidade para ler e escrever. Destacada ilustração da “maturidade” de Mercúrio observa-se no talento natural para aprender a falar, ler e escrever em outros idiomas. A posse desse talento evidencia que a pessoa tem exercido suas potencialidades Mercuriais durante muitas encarnações; sua Mente adquiriu uma receptividade tal que a capacita a compreender uma variedade de técnicas de símbolos; a compreensão de vocabulário, de gramática, etc., tornou-se uma faculdade especializada que está integrada na consciência. A “mercurialidade” de Mercúrio, em nenhum caso, é mais bem ilustrada que a “magia” que ocorre na consciência de uma pessoa para outras pessoas quando aquela aprende a se comunicar na linguagem destas – ou vice-versa. O “espaço psicológico” que tende a existir entre as pessoas desconhecidas é, portanto, em certa medida, desintegrado e uma sensação de “entrosamento mútuo” toma seu lugar. De “Mercúrio como palavra” nós passamos para os “números” e em seguida para os símbolos abstratos. Nesses três estágios a Mente consciente é exercitada em três níveis específicos, sendo os dois primeiros os canais mais concreto e direto para o aprendizado. É verdade que cada Astro tem seu efeito especial sobre as faculdades mentais, mas, além de Mercúrio, outros três Astros referem-se especificamente a “oitavas mentais”. São esses: Lua, Netuno e Júpiter. A Lua, Regente de Câncer, é a Mente “instintiva”; por meio desta oitava nós pensamos pelos “padrões herdados”, “pensamos como pensa a tribo”, pensamos por meio do sentimento, temor, desejo, preconceito e dos padrões instintivos de segurança. Mercúrio é nossa “escolha e seleção individual”, é o “pensamento livre de congestões de sentimentos ou de negativos subconscientes”. Netuno é a Mente psíquica, a Mente telepática; é aquela parte da mentalidade pela qual nos tornamos instrumentos. Júpiter é a Mente da moralidade; é “o pensamento elevado ao nível de conceito”; é a decisão que se baseia não apenas na conveniência, mas na compreensão de princípios. Por meio de Mercúrio nós aprendemos pelo estudo e pela observação; por meio de Júpiter aprendemos pela experiência, da qual destilamos melhoramento e crescimento. Os símbolos Astrais de todos os quatro envolvem o semicírculo, que é o símbolo da Lua.

Júpiter é “a Lua posta na cruz da encarnação”; Mercúrio e Netuno têm o semicírculo voltado para cima, mas o símbolo de Netuno não ostenta a cruz – ele é o genuíno símbolo do “cálice”, o “receptáculo perfeito”, a “receptividade baseada na fé” e é o símbolo da faculdade oitava superior que denominamos instrumentação.

Atribuímos a Mercúrio a regência de dois Signos Comuns; Gêmeos e Virgem, de Ar e de Terra, respectivamente. Como Regente de Gêmeos, Mercúrio está exaltado (maduro) em Virgem, porque o conhecimento amadurece ao ser posto em uso; o conhecimento, como tal, permanece em sua infância se não é projetado ou expresso para o progresso da encarnação. Somente por meio do conhecimento pode o serviço ser realizado e os assuntos materiais melhorados. Qualquer coisa que seja “conhecida perfeitamente” pode ser “usada corretamente”; a ignorância é o caminho para o “mau uso” e para a corrupção do serviço.

Mercúrio é a mais plástica de todas as vibrações Astrais. Isto significa que “ele” é o mais facilmente afetado – ou qualificado – pelo Signo em que se encontre. Ambos os Signos de sua dignificação são Signos Comuns; um (Gêmeos) é a feminino-masculino, o outro (Virgem) é o masculino-feminino. Mercúrio, como intelecto, é não-emotivo ou neutro, no que concerne a gênero. Por regência do Signo ele é a raiz dos padrões de relacionamentos fraternais e a androginia de sua natureza é revelada claramente na natureza de Urano, Regente do Signo da nona Casa de Gêmeos que é o símbolo da bipolaridade criativa. O intelecto também é uma faculdade bipolar, posto que ambos os sexos devam exercitá-lo em cada encarnação. No que concerne a “qualidade genérica”, esta faculdade não é nem masculina nem feminina, mas tampouco é peculiar a um ou a outro gênero. Uma das evidências da fusão de polaridades é o desenvolvimento e exercício do intelecto pelos seres humanos encarnados como mulheres; assim como o cultivo da simpatia representa um “aperfeiçoamento” da natureza masculina. A Mente deve ser treinada para coordenar as condições e expressar os poderes de emoção, do sentimento e desejo em todas as oitavas evolutivas.

Como faculdade da razão, Mercúrio representa a raiz na consciência pela qual se aprende a Lei de Causa e Efeito. A Mente consciente observa o mundo material, evoluindo daí uma percepção da exteriorização de causas internas. Na mitologia, o Mercúrio de pés alados era o mensageiro dos deuses para a humanidade. “Os deuses” são simplesmente uma maneira simbólica de referência aos princípios da vida. Quando a humanidade emerge de uma reação puramente de sentimento para a vida e a experiência, ela abre caminho para o desdobramento de sua consciência do mundo material e dos princípios que esse expressa e pelos quais funciona. O ser humano aprende sobre uma ação quando percebe seu efeito; partindo disso, ele aprende sobre a sua própria consciência como sendo ela a fonte de todas as suas ações e expressões. O indivíduo irracional – se é que alguém pode sê-lo inteiramente – é assim porque recusa abrir sua consciência à voz de Mercúrio. Ele não estuda a si próprio em relação aos efeitos que tem causado. Ele não estuda as coisas e as outras pessoas como manifestações da lei, por conseguinte ele não se integra na forma. Permanece em um redemoinho desfocado de reações de sentimento; sem controle, sem padrão e sem rumo. As Quadraturas entre os Astros e Mercúrio representam o potencial do indivíduo para ser irracional. Tenha isto em mente quando analisar um horóscopo – é muito importante. Mercúrio é o meio pelo qual aprendemos a desintegrar congestões e realizar ideais.

Um ponto psicológico que pode ser de interesse: quando a Virgem de Mercúrio está no Ascendente, sua outra dignificação, geralmente, se encontra no Meio-do-Céu. A introversão que, portanto, é frequentemente atribuída a Virgem no Ascendente se descreve assim: o autodesenvolvimento é o foco da realização da ambição. As complexidades da personalidade de Virgem no Ascendente e de Peixes no Ascendente (são os últimos dos Signos de semicírculos inferiores e superiores) são representadas pela polaridade de Capricórnio-Câncer, sincronizando com a quinta e décima-primeira Casa – as Casas do amor criativo. Sempre que Capricórnio-Câncer são focalizados na quinta Casa, percebemos o potencial amoroso misturado com a consciência genealógica; tais pessoas estão, muito provavelmente, sujeitas aos complexos emocionais de natureza do destino maduro nos relacionamentos com seus pais.

Mercúrio, variável e impressionável, está à mercê de “excesso de ação”, “excesso de fixidez” e “excesso de adaptabilidade”. Uma vez que esse Astro rege os dois Signos mutáveis básicos (Comuns), seu potencial para integração é amplamente qualificado pelo relativo dinamismo ou condição estática do horóscopo, como um todo. Gêmeos e Virgem iniciam, cada um, um quadrante zodiacal; por conseguinte eles iniciam um quadrante de Casas que totalizam, juntas, um semicírculo inteiro de Casas ou um diâmetro completo da roda. Portanto, qualquer Aspecto de congestão ou de atrito a Mercúrio tem o efeito direto de prejudicar a habilidade da pessoa para aprender das experiências representadas por esses dois quadrantes – onde quer que estejam colocados no horóscopo. A particular localização de Mercúrio, como “focalizador” das vibrações Gêmeos-Virgem, mostra o departamento de experiência que provê o exercício das faculdades mentais para a “reabilitação” das desarmonias e a coordenação da Mente com os sentimentos. O Signo em que Mercúrio se posiciona identifica essa “coloração genérica” particular – expressivo-dinâmica ou reflexiva-absorvente. O fator mais importante na análise dos padrões de Mercúrio encontra-se no Astro que rege o Signo em que Mercúrio se posiciona. Esse Astro é o disponente de Mercúrio e tem muito a ver com o modo pelo qual a pessoa desenvolve – ou deixa de desenvolver – sua capacidade de raciocinar.

“Mente versus emoção” é representado por um Mercúrio descongestionado, disponente por um Astro congestionado. As congestões que envolvem o disponente representam – é claro – problemas que são levantados por reações emocionais negativas para outras pessoas, eventos, etc. Mercúrio limpo, descongestionado, torna relativamente fácil para a pessoa aprender de suas experiências e exercitar o controle racional de suas emoções e reações de sentimentos. Se Mercúrio e seu disponente estiverem descongestionados, você pode estar seguro de uma coisa: não importa que outras dificuldades possam estar configuradas no horóscopo, a pessoa tem uma habilidade natural e impulso para ser prática no aprender como realizar seus ideais e mais profundos anelos, a despeito do que sejam esses ideais ou do que ela, em sã consciência, chama de “realização” ou “êxito”. Seu ideal pode ser abundância financeira, pode ser popularidade e admiração, pode ser realização profissional de um talento, pode ser poder sobre outras pessoas; podem ser centenas de outras coisas, mas um Mercúrio limpo, descongestionado – tanto por Aspecto quanto por vibração – torna-lhe possível ver claramente o caminho para a realização do seu sonho.

Mercúrio congestionado com um disponente descongestionado promete desintegração de uma congestão mental, se o princípio do disponente é exercitado em relação aos problemas de Mercúrio. As “virtudes” do disponente Astral são os “agentes alquímicos” pela qual aquela particular qualidade genérica de Mercúrio pode ser “purificada” e as qualidades mentais harmonizadas e organizadas. Qualquer Aspecto de um Astro a Mercúrio é melhor do que nenhum, porque todo Aspecto é uma “canalização” para o treinamento das faculdades mercuriais. Mercúrio em Signo Cardeal, Fixo ou mutável (Comum) deve ser sintetizado com a cruz que esteja mais fortemente enfatizada no horóscopo, porque, por exemplo, um Mercúrio Cardeal ou Comum pode servir como um neutralizador muito eficaz de muitos Astros em Signos Fixos – e assim por diante. Mercúrio Cardeal enfatiza a expressão; Mercúrio Fixo enfatiza a retenção e Mercúrio Comum ou mutável enfatiza a adaptabilidade.

Para continuarmos com essa matéria vamos usar uma cópia do Grande Mandala – uma roda de doze Casas com os Signos zodiacais em sequência, começando com Áries no Ascendente. Coloque os símbolos Astrais nos Signos e Casas de suas Dignificações. Destaque as terceira e sexta cúspides, porque elas pertencem à Dignificação de Mercúrio em Gêmeos e Virgem.

A natureza andrógina (bipolar) de Mercúrio nota-se em seus atributos de “entrada, aprendizado e rendimento” (expressão do pensamento). Aprender tudo e expressar nada é usar apenas a metade da faculdade de Mercúrio; inversamente, as pessoas mentalmente desorganizadas revelam apenas a “metade de Mercúrio” quando se expressam continuamente sem concentração, reflexão ou entrada mental. Como expressão, Mercúrio não pode produzir nada válido se a entrada não for resultado de uma concentração e esclarecimento dos poderes mentais. Nós nos expressamos para o mundo consoante à imagem mental que temos dele; pontos de vista baseados primariamente em congestões de sentimentos e desejos não “veem” – nem podem ver – o mundo com clareza nem expressar o pensamento com verdade e justiça.

Um Aspecto de Quadratura ou Oposição de um Astro com Mercúrio pode atuar como um estímulo à expressão, mas a expressão em si mesma tenderá a exteriorizar um negativo na consciência. Isso é o que se entende por congestões a Mercúrio. Estados de sentimentos subconscientes baseados na ignorância, desarmonia, e assim por diante, desviam as faculdades mercuriais da verdadeira percepção; consequentemente, o que se expressa por meio de Mercúrio pode ser um “mensageiro falso” para outras pessoas. A respeito do Grande Mandala, vejamos como os potenciais de Mercúrio podem ser distorcidos e corrompidos pela má interpretação de outros princípios Astrais. Interpretação errada significa simplesmente falso conhecimento – portanto, falsa compreensão.

A “criminalidade” tradicionalmente atribuída à Quadratura entre Marte e Mercúrio se deve à coloração mental de egotismo negativo. “Eu primeiro” é a palavra-chave desta combinação. O Grande Mandala nos diz que “EU SOU” (a consciência do Ser individualizado) é a palavra-chave da regência de Marte sobre Áries. A mistura congestiva da vibração de Áries com Mercúrio, como Regente de Gêmeos, é uma representação de “Eu penso em termos do que é conveniente para mim – primeiro e último”. Um indivíduo é criminoso porque não está ciente e nem respeita o “EU SOU” do outro indivíduo. Mercúrio, pois, funciona correspondentemente; ele “avalia os ângulos”, “prepara as cartas” e “joga a partida”, de acordo com a sua limitada compreensão do “EU SOU” e do “EU QUERO”. Esta preocupação negativa com o “EU SOU” sem consideração ao “Você É” cria congestões no pensamento, porque nós estamos aqui para aprender a utilizar os recursos dos três primeiros Signos para a expressão evolutiva. A mente criminosa e antissocial não está ciente do princípio do sexto Signo, Virgem, a dignidade-Terra de Mercúrio, porque Virgem é a aplicação dos poderes mentais, na realização dos padrões de serviço. Por sua vez, o serviço (Virgem) emana do centro do coração de Leão, e Leão é o primeiro Trígono (Aspecto do Amor) da trindade do fogo, iniciada por Áries de Marte. Os Aspectos harmoniosos entre Marte e Mercúrio representam uma integração prática no pensamento. A pessoa pode projetar seus pensamentos na forma e dar-lhes objetividade. Esse é um dos melhores padrões de representação da habilidade de “conseguir que se façam as coisas”, pois o pensamento geralmente está integrado à ação e expressão físicas. Esse padrão enfatiza as áreas masculinas da consciência, porque acrescenta um colorido dinâmico aos processos do pensamento.

Vênus e Mercúrio só podem fazer entre si os Aspectos de Conjunção e Sextil. A vibração de Vênus, por meio do Sextil, atua como uma transmutação refinadora para qualquer congestão de Mercúrio por outros Astros. Uma vez que Gêmeos de Mercúrio e Libra de Vênus estão em Trígono um com o outro, esse Aspecto entre esses dois Planetas aponta, inquestionavelmente, para um recurso vibratório pelos quais as desarmonias de relacionamento podem ser convertidas em intercâmbio construtivo e em benefício de ambos. O Sextil de Vênus indica que a expressão artística também é uma transmutação para a harmonia dos poderes mentais. Vênus-Mercúrio, em Conjunção ou Sextil, acrescenta um toque de refinamento à personalidade inteira, o que pode aumentar com a maturidade espiritual. Desde que o Virgem de Mercúrio é o Signo da décima-segunda Casa de Libra, esse Aspecto entre os dois Planetas indica o melhoramento das experiências de relação, quando se presta serviço e quando a consciência de fraternidade é um dos mais significativos “ajustadores” para todos os tipos de congestão de relacionamento ou dificuldade. Esse Aspecto indica claramente que quando a pessoa procura aprender (Gêmeos) do relacionamento, desenvolve um potencial de fogo certeiro para harmonizar o relacionamento por meio da transmutação da mutualidade. Vênus em Conjunção com Mercúrio e em Quadratura com um terceiro Astro é como aninhar passarinho em um ninho de espinhos. A delicadeza e o refinamento da Conjunção são – até certo ponto – congestionadas em expressão pelo terceiro Astro; esse Astro pode representar um fator ambiental ou um fator de relacionamento, mas o Aspecto em si mesmo indica que a pessoa precisa refinar sua consciência para aquela situação ou relação, devendo redimi-la pela expressão por meio de Vênus. O princípio representado pelo “Astro da Quadratura” deve ser desenvolvido em níveis conscientes pela alquimia do exercício de Vênus-Mercúrio.

A Lua em Quadratura com Mercúrio certamente ativa bastante as faculdades mentais, mas a grande necessidade indicada é concentração. Esse é o Aspecto da distração e do descuido. A referência ao Grande Mandala é muito iluminadora: Gêmeos é o Signo da décima-segunda Casa desde Câncer, por conseguinte o conhecimento e a organização mental são as “redenções” dos “sentimentos instintivos” de Câncer. Um horóscopo que tenha esse Aspecto nos diz que o Princípio da Maternidade é um dos importantes “estudos” para a pessoa nesta encarnação; a qualidade desorganizada de Mercúrio, neste padrão, se deve a uma fragilidade na base psicológica do sentimento subconsciente, ficando demonstrada a necessidade de aprender a lição de disciplina mental contra as investidas de negativos ao sentimento subconsciente. A mãe desta pessoa pode ter um efeito muito pronunciado sobre a Mente e – posto que a Lua é o arquissímbolo da polaridade feminina básica – o Aspecto representa uma forma de pensamento e expressões negativas, por parte da pessoa, em uma encarnação anterior como mulher. Portanto, agora quer seja homem quer seja mulher, com esse Aspecto a pessoa é suscetível às influências mentais da verdadeira mãe ou das pessoas que tomem o lugar da mãe na sua vida. A Lua é também a “mente pública” – a Mente instintiva coletiva das massas de pessoas que são magnetizadas em conjunto por denominadores comuns de nacionalidade, religião, vibração emocional ou atividade mútua. A pessoa com a Lua em Quadratura com Mercúrio que procura se expressar publicamente deve organizar seus pensamentos para ser eficiente. A “mentalidade das massas” é afetada – benéfica ou adversamente – somente pela concentração de poder. Para efetuar tal padrão de trabalho, a disciplina requerida para planejar, organizar, etc., é o meio pelo qual a pessoa é induzida a corrigir a desintegração ou “distração” do Aspecto de Quadratura. Virgem de Mercúrio é o Signo da terceira Casa desde Câncer; então Virgem é Terra – e, portanto, uma expressão mais concreta dos potenciais de Mercúrio – o capítulo de experiência representado pela localização de Virgem no horóscopo, pode ser a canalização mais objetiva para corrigir a Quadratura de Mercúrio. Se Gêmeos é conhecimento, então Virgem é conhecimento posto a serviço de maneira prática. Os instintos representados pela Lua devem ser organizados e focalizados, se o conhecimento é para ser colocado em prática.

O Grande Mandala mostra Capricórnio na cúspide da roda; seu Regente, Saturno, é o Guardião desse portal; ele diz: “Cumpra suas responsabilidades para com você mesmo e para com os outros ou não poderá passar por Aquário e Peixes”. Num horóscopo que mostre Saturno em Quadratura ou Oposição a Mercúrio vemos uma representação de “organize sua Mente nesta encarnação – senão! “. Esse Aspecto é peculiar porque ilustra, talvez, mais claramente que qualquer outro, a bondade intrínseca em um Aspecto “adverso”. Capricórnio é o Signo da oitava Casa desde Gêmeos; a regeneração se efetua por meio da disciplina e da ordem. A frustração que parece ser representada por esse Aspecto é focalizada, evidentemente, nas condições da Casa em que Gêmeos se encontra, porque Gêmeos é o Signo Comum (mutável) de Mercúrio e, por conseguinte, aquele que mais necessita de organização. Esse Aspecto, em um horóscopo que seja basicamente Cardeal ou Comum por posições Astrais, é um foco de organização; ele detém as condições de Mercúrio somente porque estas condições precisam ser mais bem ordenadas e sistematizadas mais claramente. A pessoa Cardeal que só “se expressa sem planejamento” ou a pessoa Comum/mutável que “só flutua”, precisa focalizar-se em pontos de necessários para a realização. A pessoa Fixa que tem Saturno em Quadratura com Mercúrio pode, se quiser, usar seu Mercúrio para aprender sobre os resultados da inadaptabilidade. No passado ela “se enterrou fundo” em padrões de pensamento e reação; consequentemente, no tempo designado para as “coisas novas”, ela tende a resistir e se ressentir da mudança de suas condições. Esta pessoa pode estar – e geralmente está – altamente concentrada, talvez em um admirável foco de mentalidade, mas tende a pensar sobre as coisas ou aprender qualquer coisa, a partir de uma abordagem muito fixa. Com o tempo ela pode adoecer internamente na cristalização de suas condições e assuntos, pelo que buscará expandir-se por meio de mudanças. Saturno em Quadratura com Mercúrio, em um horóscopo fixo, pode representar receio mental ou intelectual e experimentar o desejo de saber mais, o que resultará numa descarga eficaz das congestões mentais e, a partir desse nível, numa melhora das condições psicológicas. Qualquer horóscopo com Saturno em Quadratura com Mercúrio terá que ser sintetizada e analisada cuidadosamente para determinar se o propósito do Aspecto é organizar tendências que inclinam para a dispersão ou observar os resultados de uma hipercristalização. A vida é uma sequência de emanações: o melhor do passado (Saturno) providencia sua contribuição ao melhor do presente. O indivíduo com Saturno em Quadratura com Mercúrio pode inclinar-se a resistir e ressentir-se do passado (o velho, o cristalizado e antiquado) como impraticável e desnecessário. Todavia, se ele usar seu Mercúrio poderá estudar o velho para determinar seu valor construtivo no presente. Isso descristaliza o sentimento de frustração e resulta na conversão dos poderes combinados de Saturno e Mercúrio para um bom proveito.

Além disso, Saturno rege o Signo Cardeal que inicia a trindade de Terra – a terceira oitava da qual é Virgem de Mercúrio. A lição espiritual é esta: desde que “terceira oitava” significa “Sabedoria”, a realização perfeita em qualquer nível se soma ao recurso da sabedoria – uma vez que a sabedoria é destilada da experiência. O conhecimento livresco (Gêmeos) é o primeiro passo para a compreensão, mas toda pretensão de compreensão é posta à prova concreta nos processos do viver. Portanto, nas contribuições válidas ao serviço nós provamos se sabemos ou não daquilo que falamos. Assim, com Saturno em Quadratura com Mercúrio, o conhecimento deve ser demonstrado em um tipo de vida que seja verdadeiro serviço; esta é a evidência da oitava-sabedoria da vibração de Mercúrio.

Urano, Regente de um Signo Fixo é exaltado em outro, quando em Quadratura com Mercúrio acrescenta um toque do que pode ser chamada “implacabilidade”. Urano “inspira” Mercúrio com o gênio inventivo, porque Urano é o símbolo da individualidade que se expressa criativamente. Contudo, esse Aspecto pode significar “maxilar preso” para Mercúrio, porque os processos do pensamento são filtrados por meio de um recurso intenso de emotividade. Uma obstinação inalterável é representada por esse Aspecto – é a representação da Mente fanática. O gênio pode precisar desta certeza profunda para realizar seus grandes propósitos; ele focaliza uma grande realização e não pode, em muitos casos, ser demasiado sensível e deixar-se influenciar pelos pensamentos dos outros. Deve viver e realizar através de sua individualidade não importa quão ortodoxo ou excêntrico que possa parecer. Ele pode ser um tirano ou um déspota, um mestre no crime ou inspirado cientista, mas sua Mente, contudo é revolucionária em seus efeitos; suas expressões mentais são carregadas de poder – para o bem ou para o mal. Todavia, os gênios são poucos e distantes uns dos outros; a pessoa comum com esse Aspecto pode estar desenvolvendo uma potencialidade de gênio, mas a adaptabilidade mental é uma das coisas necessárias aos processos evolutivos – precisamos estar livres interiormente para aprender mais e mais enquanto subimos a escada. Uma pessoa medíocre que tenha Urano em Quadratura com Mercúrio pode sentir “Eu sei tudo, não me diga nada”. A vida, pela ativação de Urano, pode se tornar elástica de maneira radical, efetuando mudanças de forma tão brusca que o mundo da pessoa expande com a vida ou se desintegra pela resistência as mudanças necessárias. Gêmeos é a raiz da consciência fraternal; o Aquário de Urano é a sua oitava espiritualizada; quando os dois Regentes estão em Quadratura temos o possível retrato de uma pessoa cuja experiência nesta encarnação sintoniza-a, pela primeira vez, com o conceito de irmandade universal, e esta é sua oitava de consciência que está bem acima da Mente e do Coração da pessoa comum. Assim, “captando um primeiro vislumbre” a pessoa pode falar de fraternidade além de sua habilidade de entendê-la e vivenciá-la – exceto de maneira “simulada”. Ela pode conseguir muitos partidários para a causa e bater sua cabeça contra a parede dura do conservadorismo. Esse Aspecto é o símbolo, por excelência, do “extremista-aliciador”; é também o símbolo – vamos enfrentá-lo – de uma pessoa que está entrando em contato com o pensamento astrológico ou psicológico pela primeira vez. A vibração de Urano insere novidades nas perspectivas mentais. Podemos ser lançados abruptamente numa vibração de Urano no curso de uma encarnação, mas não nos ajustaremos a essa vibração antes que decorram vários renascimentos. Urano em Quadratura com Mercúrio significa simplesmente que nesta encarnação os poderes mentais e as capacidades intelectuais deparam com uma novidade jamais conhecida antes. Urano em Trígono com Mercúrio é um ajuste mental estabelecido para um padrão impessoal; a individualidade é aqui aprazada para “florescimento”, e a pessoa expressa naturalmente nesta vibração transcendental aquilo que se refere “ao que é progressivo”. Esta pessoa pode aprender da representação universal – pode pensar em termos da raça, não das limitadas condições do grupo local. Esse Aspecto, seja qual for o nível evolutivo, é uma abertura para o gênio em potencial porque, com o Trígono, Mercúrio está organizado para a expressão.

Concluindo, ligue as cúspides da terceira, sexta, nona e décima-segunda Casas do Grande Mandala por linhas retas; o resultado será a Quadratura dos Signos Comuns/mutáveis, as congestões de Mercúrio através das deficiências de Júpiter e Netuno, e as potencialidades negativas de Júpiter e Netuno criados pelas bases de um Mercúrio desorganizado. Se Mercúrio é “falar, dizer e comunicar”, Júpiter é “ensinar” e Netuno é “inspirar”. Nós informamos através de Mercúrio, mas irradiamos sabedoria – destilada de nossas experiências – através de Júpiter para acender a Sabedoria latente de nossos irmãos e irmãs mais jovens. Por meio de Netuno nós “incendiamos as almas das pessoas” e esse incêndio só pode ser irradiado por uma consciência que esteja centralizada na verdadeira percepção; esta percepção, por sua vez, é evoluída pelos exercícios construtivos de Mercúrio. As oitavas superiores de Mercúrio, quando congestionadas, representam potenciais para a “perversão da verdade”; quando elas congestionam Mercúrio, então a faculdade de organização intelectual é “adulterada” sutilmente por falsos conceitos gerados em encarnações anteriores. Todas as condições representadas num horóscopo por Júpiter e Netuno congestionados representam a necessidade de se obter informações verdadeiras de fatos pertinentes àquelas condições e experiências; que significa usar Mercúrio objetivamente, sem emoção e concisamente. Fatos, não crenças; demonstrações, não implicações; provas demonstráveis, não apenas aceitas cegas e credulamente por preguiça mental, são os corretivos de Mercúrio para as congestões de Júpiter e Netuno. A “base” da cruz Comum é formada por dois Signos Mercuriais para dar apoio confiável às autênticas realizações de Júpiter e Netuno; esses, por sua vez, devem fornecer escopo em oitavas cada vez mais abstraídas para o exercício das faculdades de Mercúrio. Nós compreendemos uma imagem literal, depois uma palavra, a seguir um número, então um símbolo, depois um conceito, a seguir um princípio, e depois um ideal. Compreender a natureza dos ideais (Netuno) é o florescimento dos potenciais de Mercúrio, porque nos ideais é que se encontra a realidade esotérica de toda vida manifestada.

[1] N.T.: O Corpo-Alma não é um extrato, como o é a Alma. É um dos veículos do Espírito, ou um dos seus Corpos. É composto dos dois Éteres Superiores do Corpo Vital: Éter Luminoso e Éter Refletor. O Corpo-Alma é construído por meio de uma vida abnegada de Amor e Serviço em favor da humanidade. Essa vida abnegada é que atrai e aumenta os Éteres Superiores. Com a união do Pensamento, poder do Amor, a ação correta e da constante repetição estamos realmente construindo e revestindo-nos com o Dourado Traje Nupcial, o qual ainda não pode ser visto pela maioria dos olhos mortais. Nenhum conceito humano nos pode dar uma ideia aproximada do que é o Corpo-Alma.

[2] N.T.: Gl 6:7

[3] N.T.: Refere-se à consequência que necessariamente deverão ser vivenciadas pela pessoa. No entanto, a Filosofia Rosacruz, uma Escola de Mistérios Ocidentais, ensina-nos que sempre há certa margem para a pessoa colocar coisas novas em movimento. Em outras palavras, é possível modular a intensidade de um destino maduro, desde que a lição que se deve aprender tenha sido aprendida e o reequilíbrio com as forças da natureza, tenha sido reestruturado.

[4] N.T.: Trígonos, Sextis e algumas Conjunções.

[5] N.T.: Quadraturas, Oposições e algumas Conjunções.

[6] N.T.: Disponente ocorre quando dois ou mais Astros são ligados pelo regimento que forma frequentemente uma corrente. Um exemplo é Sol em Áries / Marte em Gêmeos / Mercúrio em Peixes / Netuno em Sagitário / Júpiter em Sagitário. Nesta cadeia o Sol dispõe de Marte que dispõe de Mercúrio, que dispõe de Netuno que dispõe de Júpiter. Não pode ir mais longe porque Júpiter está em seu próprio Signo. Todos os cinco desses Astros trabalham juntos e devem ser interpretados dessa maneira. A configuração de disponentes pode-se trabalhar em um tema pessoal ou entre duas ou mais pessoas.

[7] N.T.: Disponente ocorre quando dois ou mais Astros são ligados pelo regimento que forma frequentemente uma corrente. Um exemplo é Sol em Áries / Marte em Gêmeos / Mercúrio em Peixes / Netuno em Sagitário / Júpiter em Sagitário. Nesta cadeia o Sol dispõe de Marte que dispõe de Mercúrio, que dispõe de Netuno que dispõe de Júpiter. Não pode ir mais longe porque Júpiter está em seu próprio Signo. Todos os cinco desses Astros trabalham juntos e devem ser interpretados dessa maneira. A configuração de disponentes pode-se trabalhar em um tema pessoal ou entre duas ou mais pessoas.

[8] N.T.: A memória involuntária ou Mente Subconsciente está, atualmente, fora de nosso controle. Do mesmo modo que o Éter leva à sensível película da máquina fotográfica uma impressão da paisagem fidelíssima nos menores detalhes, sem ter em conta se o fotógrafo os observou ou não, assim o Éter, contido no ar que aspiramos, leva consigo uma imagem fiel e detalhada de tudo o que está em volta de nós. Não só das coisas materiais, mas também das condições existentes em nossa aura a cada momento. O mais fugaz sentimento, pensamento ou emoção é transmitido aos pulmões, de onde é injetado no sangue. O sangue é um dos produtos mais elevados do Corpo Vital, tanto por ser o condutor de alimento para todas as partes do Corpo quanto por ser o veículo direto do Ego. As imagens nele contidas imprimem-se nos átomos negativos do Corpo Vital, para servirem como árbitros do destino do ser humano no estado pós-morte.

[9] N.T.: Horóscopo

[10] N.T.: Disponente ocorre quando dois ou mais Astros são ligados pelo regimento que forma frequentemente uma corrente. Um exemplo é Sol em Áries / Marte em Gêmeos / Mercúrio em Peixes / Netuno em Sagitário / Júpiter em Sagitário. Nesta cadeia o Sol dispõe de Marte que dispõe de Mercúrio, que dispõe de Netuno que dispõe de Júpiter. Não pode ir mais longe porque Júpiter está em seu próprio Signo. Todos os cinco desses Astros trabalham juntos e devem ser interpretados dessa maneira. A configuração de disponentes pode-se trabalhar em um tema pessoal ou entre duas ou mais pessoas.

[11] N.T.: A memória subconsciente, involuntária, ou Mente subconsciente. Ela é impressa sobre o nosso Corpo Vital. O Éter contido no ar que nós respiramos registra a cada instante de tudo que nos acontece e tudo que nós desejamos, sentimos e pensamos. Essas imagens passam pelo sangue, por intermédio dos pulmões e são impressas no Éter Refletor do Corpo Vital. Todas as nossas ações, nossos desejos, emoções, sentimentos e pensamentos são, assim, fielmente conservados. Após a morte, eles determinarão nossas condições de existência no Purgatório e no Primeiro Céu.

[12] N.T.: A memória consciente, voluntária ou Mente consciente. É a nossa memória comum e acessível a todos. Imperfeita e fugitiva, ela se forma a partir das percepções dos nossos cinco sentidos.

Sobre o Autor

admin administrator

Deixe uma resposta