Categoria Rituais: Diário e Semanal

poradmin

Interpretação dos Hinos Rosacruzes: de Abertura e Encerramento (letra original do inglês)

Interpretação dos Hinos Rosacruzes: de Abertura e Encerramento (letra original do inglês)

O “Serviço do Templo” da Fraternidade Rosacruz, isto é, o Ritual oficiado em todas as reuniões públicas, é sempre iniciado na Sede Central, cantando todos, a quatro vozes, o HINO ROSACRUZ DE ABERTURA. Sua música está composta em Ré Maior, cuja clave leva dois sustenidos, sua vibração põe em ação o Poder da Onda de Vida de Libra, os Senhores da Individualidade. Consequentemente, ajuda  cada ouvinte a equilibrar suas forças e vibrar em EQUILÍBRIO, JUSTIÇA, CORTESIA e ESPERANÇA. De todos os Planetas, Vênus é quem exerce o maior poder vibratório sobre esta Onda de Vida. Vênus infunde Amor, Harmonia e Unidade, pela combinação das forças de atração e de coesão.

A clave de Ré Maior, governada pelo amor venusino, pode ser comparada a uma corrente confluente de tons. Quando vibra um tom, todos os demais (as pessoas reunidas) dentro do raio da onda de vibrações, respondem automaticamente e cantam em uníssono quando pertencem ao mesmo diapasão. Note-se que o poder-clave de Vênus é AMOR e rege a Onda de Vida de Libra. O Amor está correlacionado com o segundo aspecto de Deus e do ser humano. Portanto, o ser humano responde a essa nota vibratória quando se toca a nota-chave de Libra. A princípio, a ressonância do tom em nós é deficiente. Porém, pouco a pouco a repetição, em cada reunião da Fraternidade, do Hino de Abertura, em Ré Maior, vem despertar o amor nos ouvintes, levando-os, com o tempo, à sua maior expressão e poder e ao sentido de unidade de cada um com todos. Sobre o princípio desse elevado Ideal se apoiam todos os anelos da Fraternidade Rosacruz. Daí a repetição do Hino com sua maravilhosa letra, representativos de um ideal de amor-sabedoria.

A letra desse Hino foi escrita por Max Heindel. Suas palavras encerram um significado de enorme iluminação. Analisemos bem, a seguir, suas estrofes e busquemos penetrar algo do muito que elas contêm.

“Fiel em sua órbita segue o astro”. Cada estrela é corpo de uma poderosa individualidade, tem seu próprio caminho nos céus, completamente independente das outras.

“Elas mostram a sabedoria da eterna lei”. A órbita de cada estrela é determinada por leis cósmicas, fixas e imutáveis.

“E são expressão de Deus”. Cada estrela expressa não apenas um poder particular de Deus pelo qual foi criada, senão também revela que existiu um propósito definido em sua criação.

“Quais ciclos alternantes”. A trajetória de cada astro é invariável. Tampouco muda o poder particular nele incorporado. Fixa e invariavelmente, expressa o poder divino nele subjacente, chegando a alcançar os resultados espirituais para qual foi criado.

“O astro dança em rotação”. Embora aparentemente estacionário, nos seus giros vai descrevendo quase círculos ao redor de um ponto central, que é o centro da consciência divina, o Criador.

“No espaço e tempo em espiral”. O caminho de cada Astro, embora elíptico, também forma espirais, pois ele avança através do espaço, jamais repetindo as mesmas condições, dentro de seu ciclo evolutivo.

“E formam harmonia ao girar”. Sua verdadeira forma é esférica e se movem ao redor de seus eixos. Cada estrela emite um tom harmônico perfeitamente concordante com os tons das demais estrelas.

“Que pelo cosmos vai a ressoar”. A música das esferas não se detém enquanto dura a manifestação e penetra todo o sistema solar. Ainda mais, se essa harmonia se detivesse por uns segundos, o sistema solar inteiro se desintegraria.

“Atualmente o ‘homem’ ignora a Lei”. Achamo-nos longe de conhecer todas as leis regentes do cosmos. Mais que isso, vimos transgredindo quase todas as leis que nos têm sido reveladas. Vejamos, por exemplo, os Dez Mandamentos: “e gerou a dor, a desarmonia e a morte”. A desobediência do ser humano aos Dez Mandamentos tem sido a principal fonte de toda a discórdia e tristeza humanas. Ainda mais, é a causa da morte, tal como a conhecemos hoje.

“Pela dor, buscamos agora reconquistar a perdida paz e harmonia”. A harmonia não poderá prevalecer até que o ser humano incorpore em si mesmo os Dez Mandamentos e espontaneamente os viva. Deve também conhecer a lei de Causa e Efeito, juntamente com a lei de Renascimento.

“A Lei buscamos aprender”. Ao nos dispormos a estudar as leis da natureza com real sinceridade e devoção, para conhecê-las e vivermos como Deus manda, podemos alcançar a completa felicidade, a paz e evolução.

“E a Verdade conhecer”. Conhecendo as causas passadas e deduzindo as estreitas relações com os atos presentes, podemos evitar a inconveniência de sua repetição futura. As imutáveis e sempre operantes leis da Natureza emanam de Deus. Jamais se detêm em seu trabalho para trazer a perfeição a tudo que foi criado em embrionária forma.

“Pela conquista dessa verdade a humanidade se libertará”. Quando tenhamos alcançado a verdadeira compreensão de Deus e de suas leis, o que somos, o por que estamos aqui, o processo da saúde física e mental, o desenvolvimento anímico, a eternidade do espírito e a unidade de toda vida, então e só então, estaremos verdadeiramente qualificados para bem servir à Humanidade e à Evolução. Então poderemos ser mestres completos, aptos para levar a mensagem a todos os que estejam amadurecidos para recebê-la, libertando-os de todos os laços de ilusões e de exterioridades.

“Cumpramos todos o dever do nobre e reto proceder, sem ódios nem discriminações nem recompensas, mas simplesmente por amor.” Esse conhecimento não pode ser alcançado sem esforços. Devemos consagrar-nos diligentemente a esse entendimento que, por si só, uma vez alcançado, nos reclama vivê-lo, para que se converta em real valor na disseminação da Luz.

“Sabendo por amor agir e sem cessar o repetir. Chegarmos a finalmente eliminar os medos, tristezas e enfermidades gerados pelo pecado”. É certo que não basta conhecer a Lei. É indispensável PRATICÁ-LA, não apenas quando tenhamos vontade, senão quando convém ao bem dos outros, cada hora, cada dia e todos os anos. Quando tenhamos provado nossa diligência no SERVIÇO DESINTERESSADO, a recompensa será inteiramente nossa e nos tornará VERDADEIRAMENTE LIVRES. Viajaremos com inteira liberdade aonde nos agrada, sem qualquer limitação, deixando em repouso nosso corpo de carne, sobre o leito. Porém, quando chegamos à iniciação não ficamos dispensados de nosso dever sagrado de ajudar, em todos e de todos os planos em que funcionarmos. Ao contrário, impõe-se-nos mais definidamente esse dever e nos tornamos mais capacitados a prestá-lo com mais eficiência.

“Com a tocha da razão por guia buscamos restaurar a harmonia e a felicidade”. Munidos da Luz de um verdadeiro CONHECIMENTO e da RAZÃO (atributo do Poder da Vontade), o Iniciado se guinda a novos poderes para mais eficazmente fomentar a HARMONIA no mundo carente. Transmitindo convictamente esse conhecimento de Deus e de Suas Leis Cósmicas, governantes de nosso e outros sistemas solares, podemos ajudar  cada um a viver em harmonia consigo mesmo e com os demais, criando condições para estabelecimento de uma futura fraternidade, em que se restauram a saúde e a paz.

“Pois a razão, assim usada, dar-nos-á a sabedoria desejada”. O serviço altruísta, amoroso e desinteressado em favor dos demais é o caminho mais curto, o mais seguro e mais agradável que nos conduz a Deus.

“E esforçando-nos para não cair, alcançaremos finalmente o Bem, pela transubstanciação do mal”. Bendita afirmação! Se resistimos, embora fracassemos muitas vezes e nos levantemos sempre, aprenderemos nossas lições. Sem tréguas, sem descanso, mas também sem ansiosa pressa, nossos esforços prevalecerão finalmente. E todo o aparente mal, existente em nós e no mundo, no desvirtuamento das realidades divinas, irão desaparecendo pela gradativa afinação às leis do Criador, mediante a aplicação ordenada desses princípios infalíveis e científicos que encerram amor para tudo vencer e purificar.

Quando analisamos cuidadosamente as palavras desse Hino, chegamos à conclusão de que encerram uma completa fórmula de iniciação.

Nosso HINO ROSACRUZ DE ENCERRAMENTO, também com letra escrita por Max Heindel, é tocado na clave de Ré Bemol Maior, com 5 bemóis, cuja vibração rege a Onda de Vida de Áries, a mais avançada das doze (os Xeofins).

“Deus te guarde até retornar”. Essa tonalidade eleva a audiência ao próprio trono do Pai. É surpreendente que Max Heindel, conhecedor profundo de todas essas coisas, nos exorte a deixar o templo em absoluto silêncio para não alterar as vibrações ali deixadas?

Também os versos do Hino de Encerramento foram escritos por Max Heindel, os quais, profundamente analisados, nos revelam profundas verdades de sublime conteúdo espiritual.

“Vivamos cada dia no amor de Deus”. Quando se executa em Fá Maior, com um bemol na clave, emitimos a nota-chave de Sagitário, os Senhores da Mente , que irradiaram de si mesmos o gérmen mental para a humanidade. Qualquer música tocada em Fá Maior ajuda a desenvolver a Mente  humana.

Quando esse canto é executado na tonalidade de Sol Maior, com um sustenido na clave, suscitamos a influência de Capricórnio, a Onda de Vida Arcangélica, da qual o Cristo é o maior Iniciado. A vibração posta em ação tem efeito direto sobre o mais remoto desenvolvimento do Corpo de Desejos, do qual os Arcanjos são construtores especialistas. Dos planos dos Desejos, os Arcanjos laboram, influenciando-nos para que refinemos nossos corpos emocionais e os empreguemos da melhor maneira.

Os que residem em Mount Ecclesia, na Sede Mundial, desfrutam a oportunidade de se reunir, pelo menos duas vezes por dia, no esforço conjunto para gerar a FORÇA CURATIVA, para com ela socorrer os enfermos, partilhando da grande vantagem de, por esse meio, desenvolver também a Mente , ao cantar o HINO ROSACRUZ DE ENCERRAMENTO, nas despedidas, na tonalidade de Fá Maior.

Esse Hino doxológico é tocado e cantado na CAPELA e no TEMPLO ao final dos serviços devocionais, na clave de Sol Maior, cuja clave leva um sustenido. É a clave de Capricórnio, que representa os Arcanjos.

Esse Hino termina, pois, com sentidas palavras de louvor a Deus ao Criador de nosso Sistema Solar, de todas as criaturas aqui em evolução e de todas as hostes de seres de outros planos de vida, sem olvidar o Pai, o mais elevado Iniciado Iniciado de Sagitário, Hierarquia dos Senhores da Mente; o Filho, Cristo, o mais elevado Iniciado da Onda de Vida de Capricórnio, os Arcanjos; e o Espírito Santo, Jeová, o mais elevado Iniciado da Onda de Vida Angélica, todos trabalhando fervorosamente para ajudar a humanidade e os demais Reinos de vida, na penosa tarefa de seu desenvolvimento evolucionário.

((Traduzido do folheto da The Rosicrucian Fellowship e  Publicado na Revista Serviço Rosacruz de outubro/1968)

poradmin

Livreto: Ritual do Templo, de Cura e Hinos

Livreto: Ritual do Templo, de Cura e Hinos

Abaixo, em forma de livreto, você encontrará:

  1. A Oração do Senhor – O Pai Nosso
  2. O texto para oficiar o Serviço Devocional do Templo – todos os dias, exceto nos “dias de Cura”
  3. O texto para oficiar o Serviço Devocional de Cura – todos os “dias de Cura”, que você encontra clicando aqui
  4. O texto do Hino Rosacruz de Abertura – o Hino cantado e tocado, você encontra clicando aqui
  5. O texto do Hino Rosacruz de Encerramento – o Hino cantado e tocado, você encontra clicando aqui
  6. O texto dos Hinos Astrológicos dos Signos para Meses Solares – os Hinos cantados e tocados, você encontra clicando aqui

(*) Lembre sempre de preparar o ambiente com uma música apropriada. A melhor é o Adágio Molto e Cantabile – da Sinfonia nº 9 em Ré Menor de L. V. Beethoven, que você encontra clicando aqui.

O objetivo do Livreto é você poder imprimir como um livreto.

Assim, imprima frente e verso em “virar na borda horizontal” em impressoras que imprimem frente e verso.

Ou, caso sua impressora não imprima frente e verso, então imprima primeiro as folhas ímpares e depois no verso as folhas pares.

O tamanho também você pode escolher: cada 2 páginas em uma folha A4 ou cada 4 páginas em uma folha A4.

Tenha acesso ao Livreto clicando aqui.

 

poradmin

Hino Rosacruz de Abertura

HINO ROSACRUZ DE ABERTURA

Letra: Max Heindel

Música: “Sweet Hour of Prayer”

 

Seguindo a órbita a girar
lei firme, o astro vem mostrar;
do eterno Deus ele é expressão
quais ciclos de alternação.

O astro dança em linha oval;
no espaço e tempo em espiral,
e as harmonias ao girar
de esferas vão ressoar.

Por não saber a lei geramos dor,
a morte e desarmonia;
sofrendo, agora, procuramos
ter, de novo, paz e harmonia.

A lei buscamos aprender
e a verdade conhecer,
e o que encontrarmos da verdade
dar ao bem da humanidade.

Cumpramos todos o dever
do nobre e reto proceder;
sem ódio por amor agir
e nunca ao nosso dever fugir.

Sabendo por amor obrar
e o repetindo sem cessar,
o medo e o pecado, assim,
iremos dominar enfim.

Co’a tocha da razão por guia
nós buscamos restaurar
a juventude e harmonia
que só a verdade pode dar.

Falhando, embora, vamos ver
a persistência há de vencer,
e num crescendo gradual
o bem sublimará o mal.

poradmin

Hino Rosacruz de Encerramento

HINO ROSACRUZ DE ENCERRAMENTO

Letra: Max Heindel

Música: “God Be With You Till We Meet Again”

 

Deus te guarde até outra vez,
sempre em seu amor vivendo,
sua luz te esclarecendo,
Deus te guarde até outra vez.

 

(Estribilho)

Até outro dia, até outro dia,
para a cruz de rosas saudar;
Até outro dia, até outro dia
Deus te guarde até retornar.

Deus te guarde em teu feliz porvir,
com mil dons de sua parte,
sem tristeza a perturbar-te,
e melhor assim a Deus servir.

(Estribilho)

Deus te guarde em horas de pesar,
se caíres pelas provas,
dar-te-emos forças novas,
para a luz em ti se restaurar.

(Estribilho)

Deus de guardes até retornar,
faze a vida virtuosa,
no ideal da cruz de rosas,
até quando a voltes a saudar.

(Estribilho)

poradmin

Ritual do Serviço Devocional – O SERVIÇO DO TEMPLO – diariamente

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço Devocional

  1. Um membro, de preferência de sexo oposto ao do orador, convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Abertura e, após, o Hino Astrológico do mês.
  2. O Leitor ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina e auxilia na leitura.
  3. Em seguida lê em voz alta e suave

 

O SERVIÇO DO TEMPLO

 

Queridos irmãos e irmãs:

Mais uma vez nos retiramos do mundo material para entrar no Templo Vivo de nossa natureza interna, em união espiritual. Como símbolo desta retirada do mundo visível, escurecemos o nosso local de reunião.

Estamos procurando a Luz Espiritual por meio dos Ensinamentos Rosacruzes; portanto, fixemos reverentemente o Símbolo da Cruz e das Rosas, enquanto ouvimos a saudação Rosacruz:

Queridos irmãos e irmãs:

(Fixe o olhar no Símbolo)

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

(Todos respondem: E na vossa também)

(Todos sentam, menos o oficiante)

Um só carvão não produz fogo, mas quando se juntam vários carvões, o calor latente em cada um deles pode converter-se em chama, irradiando luz e calor. De acordo com esta mesma Lei da Natureza, aqui estamos reunidos, irmanados pelas nossas aspirações espirituais para podermos acender e manter viva a chama da verdadeira Comunhão Espiritual, que é o bálsamo de Gileade, a única panaceia para os males do mundo.

A Bíblia foi dada ao Mundo Ocidental pelos Anjos do Destino que, estando acima de todos os erros, dão a cada um e a todos exatamente o que necessitam para o seu desenvolvimento. Por conseguinte, se procurarmos a Luz, encontrá-la-emos na Bíblia.

Leiamos alguns parágrafos da primeira Epístola de João e também das Cartas de Paulo aos Coríntios e Filipenses, cujo tema é a fraternidade.

“Deus é Luz. Se andamos na luz, como Ele na luz está, seremos fraternais uns com os outros. Aquele que ama a seu Irmão está na luz, mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas e não sabe por onde caminha, porque as trevas lhe cegaram os olhos.

Não amemos de PALAVRA, nem de LÍNGUA, mas por OBRAS e em VERDADE, pois, ainda que eu fale as línguas dos homens e dos Anjos, se não tiver AMOR, serei como o metal que soa, ou como o sino que tine. Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de remover montanhas, se não tiver AMOR nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres, e ainda que entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver AMOR nada disso me aproveitará. O amor é paciente, é benigno; o amor não é invejoso, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não busca os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a Verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor nunca falha, mas se houver profecias, falharão; se houver ciência, desaparecerá; porque em parte conhecemos e em parte profetizamos. Quando, porém, vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.

Porque agora vemos como por espelho, obscuramente, então veremos face a face. Agora conhecemos em parte, então conheceremos como também somos conhecidos. Agora pois, permanecem a Fé, a Esperança e o Amor, porém, a maior destas virtudes é o Amor.

Se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós e em nós é perfeito o seu Amor. Deus é Amor; e quem vive em Amor está em Deus e Deus nele; mas se alguém diz: ‘Eu Amo a Deus’, e odeia a seu irmão é mentiroso, pois quem não ama a seu irmão a quem vê como pode amar a Deus, a quem não vê? Nós temos d’Ele este mandamento: quem ama a Deus, ame, também, a seu irmão.

Portanto, se há alguma consolação em Cristo, se algum conforto no amor, se alguma Comunhão Espiritual não atente cada um para o que é propriamente seu, mas também para o que é dos outros. Haja, pois, em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo-Jesus, O qual, tendo a natureza de Deus, não julgou que fosse uma usurpação ser igual a Deus; no entanto aniquilou-se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante ao homem.

E achando-se na condição de homem, humilhou-se a Si mesmo, tornando-se obediente até à morte, e morte na Cruz. Pelo que também, Deus O exaltou soberanamente e Lhe deu um nome que está acima de todo o nome, para que ao nome de Cristo-Jesus se dobre todo o joelho, e toda a língua confesse que Cristo-Jesus é o Senhor para a glória de Deus Pai”.

 

Queridos irmãos e irmãs:

Esforcemo-nos por seguir o exemplo de Cristo e viver a definição que Ele deu de GRANDEZA, isto é: “Aquele que quiser ser o maior entre vós, seja o SERVO de todos”.

O SERVIÇO amoroso e desinteressado para com os outros é o caminho mais curto, mais seguro e o mais agradável que nos conduz a Deus. O reconhecimento da unidade fundamental de cada um de nós com todos, a Comunhão Espiritual, é a realização de Deus. Para atingirmos essa realização esforcemo-nos por esquecer, diariamente, os defeitos dos nossos irmãos e procuremos servir a divina essência neles oculta, o que constitui a base da Fraternidade.

Entremos, agora, em silêncio e, por alguns instantes, concentremo-nos sobre o SERVIÇO.

(em torno de 5 minutos)

4. Depois da concentração, ler a Oração Rosacruz:

 

ORAÇÃO ROSACRUZ

Não Te pedimos mais luz, ó Deus, senão olhos para ver a luz que já existe;

não Te pedimos canções mais doces, senão ouvidos para ouvir as presentes melodias;

não Te pedimos mais força, senão o modo de usar o poder que já possuímos;

não mais Amor, senão habilidade  para transformar a cólera em ternura;

não mais alegria, senão como sentir mais próxima essa inefável presença, para dar aos outros tudo o que já temos de entusiasmo e de coragem;

não Te pedimos mais dons, amado Deus, mas apenas senso para perceber e melhor usar os dons preciosos que já recebemos de Ti.

Faze que dominemos todos os temores;

que conheçamos todas as santas alegrias;

para que sejamos os Amigos que desejamos ser;

para transmitir a Verdade que conhecemos;

para que amemos a pureza;

para que busquemos o Bem.

E, com todo o nosso poder, possamos elevar todas as Almas, a fim de que vivam em harmonia e na luz de uma perfeita Liberdade.

5. Fechar a cortina do Símbolo; acender as luzes e convidar os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Encerramento.

6. Em seguida, proferir a admoestação:

E agora, queridos irmãos e irmãs, que vamos partir de volta ao mundo material levemos a firme resolução de expressar, em nossas vidas diárias, os elevados ideais de espiritualidade que aqui recebemos, para que, dia a dia, nos tornemos melhores homens e mulheres e mais dignos de sermos utilizados como colaboradores conscientes na obra benfeitora dos Irmãos Maiores, a serviço da humanidade.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

7. Apagar a luz do Templo.

(todos devem se retirar do Templo em silêncio).

poradmin

Ritual do Serviço Devocional – O SERVIÇO DE CURA – semanal no dia de cura

NOTA: Semanalmente, quando a Lua estiver em Signo Cardeal: Áries, Câncer, Libra ou Capricórnio, ao invés do Serviço do Templo, devemos fazer esse aqui abaixo: o Ritual do Serviço Devocional – “O Serviço de Cura”.

Para verificar quais são esses dias, clique aqui: Datas para realizar o Serviço de Cura.

 

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço Devocional

  1. Um membro, de preferência de sexo oposto ao do orador, convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Abertura e, após, o Hino Astrológico do mês.
  2. O Leitor ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina e auxilia na leitura.
  3. Em seguida lê em voz alta e suave

 

O SERVIÇO DE CURA

Queridos irmãos e irmãs:

(Fixe o olhar no Símbolo)

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

(Todos respondem: E na vossa também)

(Todos sentam, menos o oficiante)

Aqui nos reunimos, semanalmente, com o propósito de dar cumprimento ao segundo mandamento de Cristo: curar os enfermos. Um só carvão não produz fogo, mas, quando se juntam vários carvões, o calor latente em cada um deles pode converter-se em chama, irradiando luz e calor. De acordo com esta mesma Lei da Natureza, neste momento, unimos nossas aspirações espirituais, esforçando-nos por gerar pensamentos de auxílio e de cura e concentrá-los em uma única direção: os Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz, para que os utilizem no seu benéfico Serviço em prol da humanidade.

Se desejamos ser verdadeiros auxiliares no trabalho iniciado pelos Irmãos Maiores devemos converter nossos Corpos em instrumentos adequados e purificá-los por meio de uma vida pura, pois num vaso sujo não pode haver água pura e saudável, nem pode uma lente manchada dar uma imagem nítida. Também, não é possível irradiarmos uma força curadora pura e forte, se não mantivermos limpos e puros os nossos Corpos e as nossas Mentes.

É um privilégio estarmos aqui no meio de todos estes pensamentos de amor e de prece, e oferecermo-nos como canais, para receber e libertar a força curadora que provém diretamente do Pai. Mas antes que essa força possa ser transmitida deverá ser gerada; e para fazê-lo devemos conhecer o método mais adequado. Não é suficiente sabermos de modo vago que existem no mundo a doença e o sofrimento, nem que façamos uma ideia, também vaga, de auxílio para aliviar esse sofrimento, seja ele físico ou mental. Devemos fazer algo definido para atingir nosso objetivo. A enfermidade, bem o sabemos, é realmente um fogo, o invisível fogo que é o Pai tentando dissolver as cristalizações que acumulamos em nossos corpos.

Reconhecemos a febre como sendo um fogo, mas os tumores, como o câncer e outras doenças, são, também em realidade, o efeito desse fogo invisível, que tenta purificar o organismo e libertá-lo das condições que criamos ao transgredir as Leis da Natureza.

Este mesmo poder que está procurando, lentamente, purificar o Corpo pode ser aumentado, em alto grau, pela concentração adequada, o que é realmente uma prece, desde que tenhamos as condições apropriadas.

Para ilustrar essas condições tomaremos como exemplo a tromba marinha. Talvez nenhum de nós tenha presenciado este fenômeno da natureza, que, embora maravilhoso, inspira pavor. Em geral, quando ele ocorre o céu parece aproximar-se da água; há no ar um tenso estado de concentração. Gradualmente, um ponto do céu desce até à superfície das águas e as ondas, em certa extensão, parecem saltar para cima, até que ambos, céu e mar, unem-se formando um redemoinho de voragem vertiginosa.

Algo semelhante ocorre quando uma pessoa, ou um grupo de pessoas, está em prece fervorosa. Se alguém se absorve numa intensa súplica a um poder superior, sua aura parece afunilar-se em forma muito semelhante à parte inferior da tromba marinha. Essa forma eleva-se no espaço a grande distância, e sintonizando-se com as vibrações do Cristo, do Mundo Interplanetário do Espírito de de Vida, atrai para si uma Força Divina que penetra na pessoa ou no grupo de pessoas, e vivifica o pensamento-forma que elas criaram. Desse modo, o fim pelo qual se reuniram será atingido.

Mas gravemos bem em nossas Mentes que esse processo de orar ou de concentrar não é um frio processo intelectual. É PRECISO HAVER UM GRAU ADEQUADO DE SENTIMENTO PARA ATINGIR O FIM DESEJADO, POIS, SE NÃO ESTIVER PRESENTE ESTA INTENSIDADE DE SENTIMENTO, O OBJETIVO NÃO SERÁ ALCANÇADO. Este é o segredo de todas as preces milagrosas que a história registra: a pessoa que orava, fazia-o sempre com INTENSO FERVOR; todo o seu ser se submergia no desejo de obter aquilo por que orava e, dessa forma, elevava-se aos reinos divinos, trazendo de volta a resposta do Pai.

Concentremo-nos, agora, sobre o Símbolo Rosacruz que temos em frente: a rosa branca e pura é o símbolo do coração do Auxiliar Invisível; as rosas vermelhas representam seu purificado sangue; a cruz branca lembra-nos seu Corpo; e a estrela dourada simboliza o Dourado Manto Nupcial, tecido através de uma vida pura.

Libertemos a Força Curadora por nossas preces ao Pai, o Grande Médico, a fim de socorrer a todos aqueles que nos solicitaram ajuda e também aos outros que não puderam fazê-lo. Ponhamos toda a intensidade possível de sentimento nesta prece, para que possamos, realmente, formar um canal que trará até nós a Divina Força do Pai. Todavia, há um grande perigo se fizermos mau uso desse maravilhoso poder; portanto, façamos sempre nossas súplicas em favor dos outros acrescentando estas palavras de Cristo: “Pai, faça-se a Tua Vontade e não a minha”.

Concentremo-nos, agora, por alguns minutos, sobre a Cura.

(em torno de 5 minutos)

  1. Fechar a cortina do Símbolo; acender as luzes e convidar os presentes a cantarem, de pé, a última estrofe e o refrão do Hino Rosacruz de Encerramento:

Deus te guarde até retornar;

faze a vida virtuosa;

no ideal da Cruz de Rosas,

até quando a voltes a saudar.

Até outro dia, até outro dia;

para a Cruz de Rosas saudar.

Até outro dia, até outro dia

Deus te guarde até retornar.

  1. Em seguida, proferir a admoestação:

Agora deixemos a força curadora libertada, com Cristo, os Irmãos Maiores e os Auxiliares Invisíveis, para que a utilizem onde mais se fizer necessária.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

      6. Apagar a luz do Templo.

(todos devem se retirar do Templo em silêncio).