Categoria Auxiliares Invisíveis

poradmin

A importância das Atividades nos Planos Internos durante as Crises Mundiais

A importância das Atividades nos Planos Internos durante as Crises Mundiais

As atividades nos planos internos são tremendamente reforçadas em tempos de crise. Aqueles que estão no Mundo Físico, sendo treinados como Auxiliares Invisíveis conscientes, são geralmente submetidos a uma rotina bastante regular durante suas horas de sono. Noites dedicadas à instrução e estudo se alternam com as noites que trabalham na prestação de serviço. Isto é, eles respondem aos pedidos de ajuda que se originam nos planos interno e externo da vida. No entanto, em períodos de estresse extremo, menos tempo é dado à instrução para o atendimento das demandas prementes de assistência de todos os lados.

Nós nos referimos, frequentemente, em nossos escritos à Luz Branca Divina que está sempre disponível para cura espiritual e proteção. Vamos citar alguns exemplos de sua aplicação prática.

Na atual crise internacional, os Auxiliares Invisíveis estão sendo treinados para cercar as áreas mais afetadas com uma aura de Luz Branca. As três cidades a saber, imediatamente envolvidas, Moscou, Washington D.C. e Havana, estão sendo tratadas. Moscou é cercada por uma aura de luz da qual uma linha de brilho semelhante se estende a Washington, que também é circundada pela Luz Branca, e essa linha de luz é estendida ainda mais a Havana, que também está envolvida nesta luz áurica. Esse trabalho é feito para aumentar as forças de boa vontade, união e compreensão e para diminuir correspondentemente as forças de hostilidade, ódio e desentendimento, através das quais é gerada as forças destrutivas da guerra.

Num domingo de manhã, em 23 de outubro, pouco depois do senhor Khrushchov[1] anunciar que removeria as bases de mísseis de Cuba, os jornalistas informaram que uma congregação que lotou 21 igrejas em Key West, na Flórida, saíra em conjunto e se ajoelharam no chão, de frente para Havana, para tocar em próprios corações em ação de graças. As energias curativas e harmonizantes geradas por tais orações em grupo são muito maiores do que geralmente se acredita. As Forças da Luz estão sempre irradiando seus poderes construtivos, como também, infelizmente, os poderes das Trevas. Se as pessoas, de modo geral, estivessem mais conscientes da eficácia ilimitada da oração e meditação, todos os grupos que mentalizam a espiritualidade, grandes e pequenos, dedicariam mais tempo a esse exercício. Períodos regulares seriam reservados para a prestação do serviço mundial dessa maneira. Almas despertas nos planos interno e externo poderiam se unir-se em tal atividade, trazendo um tremendo alívio a todas as áreas sob estresse e tensão, sofrimento e desastre, em todo o mundo. O amor e a luz gerados ininterruptamente, dia após dia e hora após hora, poderiam se tornar ao longo do tempo tão resistentes que realmente levaria “a paz na terra e boa vontade entre os homens”. Seria mais potente para a paz do que agitar bandeiras, gritar slogans e participar de passeatas; esse é o poder milagroso da meditação e oração.

No verão de 1939 tivemos uma experiência memorável quando nos foi permitido observar um ser elevado posicionando auras protetoras de Luz ao redor de várias igrejas, catedrais, santuários sagrados e outros locais realmente importantes por toda a Europa. Isso foi pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. No meio do bombardeio que se seguiu, depois do que algumas cidades ficaram quase que só escombros, relatos de tal destruição observados por repetidas vezes, em que certas estruturas sagradas e históricas foram poupadas, como por milagre, da ruína.

Outra vez que precisou do trabalho intensivo por parte dos trabalhadores dos planos internos, ocorreu quando da decisão de Mussolini de se juntar à Alemanha de Hitler, o que se tornou em um equilíbrio instável. Dia após dia e noite após noite, a atividade continuou nos reinos interiores, mas as forças das trevas prevaleceram. A tristeza, o sofrimento e a destruição que isso trouxe à Itália, e o terrível fim desumano que resultou à própria vida de Mussolini, foram as trágicas consequências da aliança maligna.

Um evento importante em conexão com as atividades dos planos internos ocorreu quando o Congresso Norte Americano estava debatendo se os Estados Unidos deveriam ou não entrar para a Liga das Nações. Naquela época, centenas de Auxiliares Invisíveis de todas as partes do mundo se reuniram em torno do Capitólio em Washington D.C. Na noite anterior ao debate em que a questão seria decidida, essa hoste de Auxiliares Invisíveis se concentrou, criando uma atmosfera favorável ao claro pensamento positivo e ao julgamento correto. As próprias secretárias dos legisladores ficaram plenas de um magnetismo que visava acelerar o espírito do legislador ocupante. É assim que os mensageiros das Forças Brancas trabalham. Criam condições favoráveis à ação correta e construtiva. Nunca, nunca interferem com o livre arbítrio do indivíduo. Isso é absolutamente sagrado.

Contudo, o trabalho intensivo feito pelos Auxiliares Invisíveis para criar uma luz interior na qual a maior ação possível poderia ser feita, não se mostraram suficiente para superar as forças opostas. Falhou. Os Estados Unidos não se tornaram membro da Liga das Nações, com consequências terríveis. Ao falar dessa derrota, Woodrow Wilson[2] declarou, com uma antevisão rara, que foi ali que as bases foram estabelecidas para que mais tarde culminasse naquela terrível tragédia que hoje conhecemos como a Segunda Guerra Mundial.

Todos os que estão se preparando para o trabalho nos planos internos farão bem em meditar com frequência e profundidade no Salmo 91, “O Salmo de Proteção”. Essa é uma declaração de uma alma iluminada que experimentou a verdade e o poder de suas afirmações. Não somente pela fé, mas com pleno conhecimento escreveu: “Mil cairão ao teu lado e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti”.

Outro exemplo em que o ministério dos planos internos desempenhou um papel importante foi uma noite em 1958, quando Khrushchov estava sendo recebido pelo presidente Eisenhower[3] em seu refúgio rural perto de Washington.

Durante toda aquela noite, os Auxiliares Invisíveis estavam intensamente ativos. Entre eles estavam alguns dos fundadores dos Estados Unidos e numerosos outros indivíduos que tinham desempenhado um papel importante em várias crises desse país. O brilho em torno do local da reunião, naquela ocasião memorável, era tão poderoso que irradiava longe. Sem dúvida, isso deixará sua marca no local por muito tempo. Com a chegada do amanhecer, aqueles dentre os Auxiliares Invisíveis que estavam em encarnação física, retornaram a seus Corpos para retomar seus deveres habituais. Antes de deixar o local, eles haviam abençoado e receberam, por sua vez, uma bênção do alto; uma voz ressonante foi ouvida entoando: “A obra desta noite trará ricos frutos nos anos vindouros”.

Bem, de fato, pode ser que a volta favorável aos eventos ameaçadores dos últimos dias de outubro de 1962, estejam procedendo mais intimamente relacionados às atividades dos planos internos do que este mundo sonha.

                               (Revista ‘New Age Interpreter’ – Corinne Heline – 1962 – Vol. XXIII – quarto trimestre)

[1] N.T.: Nikita Serguêievitch Khrushchov foi secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética entre 1953 e 1964 e líder político do mundo comunista até ser afastado do poder por sua perspectiva reformista e substituído na direção da URSS pelo político Leonid Brejnev.

[2] N.T.: Thomas Woodrow Wilson (1856-1924) foi um político e acadêmico americano que serviu como o 28º Presidente dos Estados Unidos de 1913 a 1921.

[3] N.T.: Dwight David “Ike” Eisenhower (1890-1969) foi o 34º Presidente dos Estados Unidos de 1953 até 1961.

poradmin

As duas primeiras encarnações humanas de um gorila que chegou ao estágio de ser humano

As duas primeiras encarnações humanas de um gorila que chegou ao estágio de ser humano

Relatarei mais uma história do trabalho dos Auxiliares Invisíveis que ilustra bem a ajuda que é dada aos seres atrasados para que eles possam obter o progresso mais rápido em sua evolução. Alguns Auxiliares Invisíveis estavam na parte oeste da América do Norte e se encontraram com um menino negro que se parecia muito com um gorila[1]. Eles conversaram com o menino e descobriram que ele estava muito disposto a aprender. Ele era um bom e forte nadador. Ele tinha salvado muitas pessoas numa recente inundação. Os Auxiliares Invisíveis descobriram que ele estava, agora, no seu segundo corpo humano e que ele tinha reencarnado duas vezes nos últimos quinhentos anos.

O menino seguiu uma das Auxiliares Invisíveis por todo os lugares, e disse que gostava dela. Quando ela disse que estava indo embora, o menino disse que gostaria de convidá-la para visitá-lo, mas que sua casa havia sido destruída pela inundação e não sabia onde estavam seus pais. A Auxiliar Invisível o beijou, ele a abraçou e disse: “Eu sei que vocês dois não são como eu. Não tenho certeza, mas vocês parecem pessoas que voam pelos ares. Eu já vi vários deles e eles conversaram comigo quando estava dormindo”.

Os Auxiliares Invisíveis contaram para ele que eles viajam pelo ar.

“Então vocês são Anjos”, disse o menino. “Meus pais me contaram sobre os Anjos”.

A Auxiliar Invisível lhe disse que em breve o veria novamente e falou sobre seu trabalho.

“Certifique-se e me encontre, porque eu não sei onde estarei”, o menino respondeu.

“Tudo bem”, disse a Auxiliar Invisível. “Agora, seja um bom menino e ajude em tudo o que você puder”.

Ele disse que faria, e os Auxiliares Invisíveis desapareceram.

Mais tarde, os Auxiliares Invisíveis encontraram o menino, porém, ele não havia ainda encontrado seus pais. Os Auxiliares Invisíveis os procuraram e os encontraram no país do outro lado da terra inundada. Eles retornaram até ao menino e disseram-lhe que iriam levá-lo para casa de seus pais.

“Meus pais são bons para mim, mas eu prefiro ir com vocês”, ele disse.

Os Auxiliares Invisíveis disseram-lhe que se deitasse e obedecesse. Os Auxiliares Invisíveis então o pegaram, carregaram pela água até o lar temporário de seus pais, o colocaram no chão e o acordaram. Ele estava atordoado, mas feliz. Os Auxiliares Invisíveis entraram com ele na casa; sua mãe correu até ele e o beijou e o seu pai o abraçou.

Os Auxiliares Invisíveis descobriram que os pais eram pessoas boas e inteligentes e que eram muito gentis com o menino. Os Auxiliares Invisíveis conversaram com os pais, enquanto o menino estava comendo. “Vocês podem me dizer por que nós temos uma criança assim?”, a mãe perguntou. “Deus me tratou injustamente? Não sou tão velha e não prejudiquei ninguém”.

Uma das Auxiliares Invisíveis solicitou que fossem mostradas as vidas passadas do menino para que ela pudesse contar à mãe ou deixar que os pais vissem também. Aqui está a história que foi revelada:

Dois mil anos atrás quando os pais eram marido e mulher como agora, eles estavam na selva com o caçador profissional. O menino, que então era um gorila, os salvou da morte, mas se feriu gravemente. Eles carregaram o gorila para fora da selva e cuidaram dele, tornando-se amigo dos dois. Quando morreu renasceu como um gorila. Conheceu amigos que fizeram dele um animal de estimação e quando ele morreu sua vida em corpo de gorila havia terminado.

Quinhentos anos atrás, esse Ego encarnou em um corpo humano pela primeira vez e viveu até aos oitenta anos de idade. Então ele morreu e mais tarde renasceu para esses mesmos pais doze anos atrás, e eles o amaram, estimaram e tiveram um interesse especial em ensiná-lo, pois sabiam que ele deveria ter conhecimento para ganhar a vida nesse mundo. O menino estava na 8ª série da escola.

O Auxiliar Invisível disse à mãe que ela e o pai estavam pagando uma dívida com o menino. “Que dívida?”, perguntou a mãe. Então ela mesma se ouviu a dizer: “Se ele fosse uma criança, eu certamente o ensinaria a ser um homem muito inteligente, pois o amo pela bondade dele em salvar a minha vida”. Então um homem idoso apareceu e perguntou se ela lhe daria um corpo humano se ela tivesse a oportunidade, e ela colocou os braços ao redor do gorila e respondeu: “Sim”. O velho se afastou dizendo: “Talvez você vá fazer isso algum dia, quem sabe.”.

Aqui, novamente, vemos o que a Bíblia quer dizer quando afirma que devemos dar conta de toda palavra e pensamento ocioso e vão. Essa mulher não tinha ideia de que isso se tornaria realidade. A mãe disse que viu tudo como o Auxiliar Invisível falou e que acreditava em tudo. “Desde que eu sei tudo isso, eu farei o meu melhor para fazer um bom homem do meu menino”, disse ela. “Também vi tudo isso e farei minha parte”, disse o pai.

“Você é um Anjo?”, perguntou a mãe, e o Auxiliar Invisível disse-lhe que não e explicou o trabalho deles como Auxiliares Invisíveis. “Que lindo deve ser sair à noite ajudando as pessoas! Eu também gostaria de fazer isso”, disse o outro.

A Auxiliar Invisível prometeu que voltaria algum dia e lhe diria como poderia fazer isso. Auxiliar Invisível deu a ela o endereço de um lugar para onde ela poderia escrever e ter alguma literatura sobre o assunto.

[1] N.T.: “Os monos (primatas antropoides, sem cauda e de braços longos, como chimpanzé, orangotango, gorila e bonobo) não são os progenitores das espécies superiores, são atrasados que ocupam os exemplares mais degenerados daquilo que foi antes forma humana. Não foi o ser humano que ascendeu dos antropoides; aconteceu o contrário: os antropoides são uma degeneração do ser humano”. “Os antropoides podem alcançar-nos e converterem-se em seres humanos”. (do Livro Conceito Rosacruz do Cosmos – Involução, Evolução e Epigênese)

I.H.

poradmin

Como Curam os Auxiliares Invisíveis

Como Curam[1] os Auxiliares Invisíveis

Segundo as Santas Escrituras, o ser humano foi criado no Jardim do Éden, no sexto dia da criação. No princípio do sétimo dia, época na qual estamos vivendo, Deus descansou de sua obra.

O ser humano foi criado espírito, e os espíritos recém-criados são chamados “Espíritos Virginais”. Eles, isto é, toda a humanidade, incluindo nós, desde então vimos por séculos e séculos, como crianças, desenvolvendo-nos física e mentalmente, até nos encontrarmos agora dotados de um corpo maravilhoso, com uma Mente admirável e alma sensível. Vivemos e morremos muitas vezes. Como a noite sucede ao dia, assim tem sucedido nascimento e morte.

Em cada morte o espírito volta ao lar celestial para descansar e renovar-se, e regressa, em cada nascimento, à “Escola da Vida”. Em cada vida o espírito se veste de nova personalidade; raras vezes se recorda da vida anterior.

Como sucede em toda escola, há estudantes que aproveitam mais que outros. Alguns conseguem desenvolvimento tal que não necessitam voltar à escola; estão prontos para seguir seu curso em esferas celestiais. Entre eles alguns preferem deter seu curso para ajudar a humanidade menos avançada.

Doze desses chamamos de “Irmãos Maiores”. Um deles exerce especial influência nos serviços de cura no Templo de Fraternidade Rosacruz.

Os Auxiliares Invisíveis são Probacionistas da Fraternidade Rosacruz. Cada noite, enquanto seus corpos descansam durante o sono, eles servem curando os enfermos, sob a orientação e direção dos Irmãos Maiores, isto é, fazem-no se merecem esse privilégio.

Pede-se ao paciente que assine a “Carta Semanal” com tinta, porque assim o eflúvio de seu Corpo Vital se impregna no papel através do líquido e proporciona aos Auxiliares Invisíveis indicação de seu estado de saúde. Isto deve ser feito semanalmente nas datas indicadas no cartão que enviamos. Somente com essa chave os Auxiliares Invisíveis podem penetrar no Corpo do paciente. Por conseguinte, o ato de assinar é um pedido de ajuda dirigida aos Auxiliares Invisíveis. Se o paciente compreender isso, nunca o fará mecanicamente nem dissimulará as datas.

Deve ser um ato sincero, simples, de fé e agradecimento.

Não adoramos nem invocamos em preces os Irmãos Maiores e Auxiliares Invisíveis; eles são homens e mulheres humanos, e somente a Deus adoramos e elevamos nossas orações, em nome de Cristo Jesus.

(Publicado na revista ‘Serviço Rosacruz’ – 08/1971)

[1] N.T.: “healing”, em inglês, que é diferente de “curing”. O problema é que em português traduzimos ambas as palavras por “curar”. Entretanto, o conceito delas é bem diferente. “Curing” significa “eliminar todas as evidências da doença”, “eliminar todos os sintomas” – está mais para remediar; enquanto que “healing” significa curar totalmente: o Espírito, a Alma – aqui restaurar, eliminar a causa suprafísica, pois o Espírito e a Alma nunca ficam doentes (!) – e o Corpo – aqui sim: restabelecer o funcionamento normal da parte afetada, pois essa parte está doente. Quando falamos do Método de Cura da Fraternidade Rosacruz, estamos falando de “healing” (veja aqui: https://goo.gl/t5p7p4, em português e aqui: https://goo.gl/L7WgMf, em inglês). Assim, nesse texto todas as vezes que se lê “cura”, entenda “healing”

poradmin

A última encarnação de um ser humano como gorila: o papel de uma mulher

A última encarnação de um ser humano como gorila: o papel de uma mulher

Na noite seguinte os Auxiliares Invisíveis foram até a mulher e contaram sobre seu amigo. Eles encontraram o navio e a acordaram; ela segurou no braço da Auxiliar Invisível e lhe disse: “Querida Anjo, muitas coisas estranhas me aconteceram. Eu me deitei essa tarde e me vi fora do corpo. Voei através da parede e por cima da água e me vi perto do corpo morto do meu amigo. Estava quase todo comido. Eu tentei enterrá-lo, mas não consegui segurar e nem levantar nada. O que há de errado comigo?”.

A Auxiliar Invisível sentou na cama dela e explicou tudo a ela; ela chorou de alegria e falou: “Agora eu posso ajudar os nativos e os gorilas. Eu não me importo com as pessoas da minha classe.”

Os Auxiliares Invisíveis viram a vida anterior dessa mulher quando ela era um homem. Ele foi um estudante avançado da Filosofia Hindu e estava quase pronto para a Iniciação. Ele acabou perdendo algumas pessoas na selva por ciúmes, porque ele queria tirar o homem do caminho que estava entre ela e a mulher que ele amava. Após duas semanas ele foi caçar e os tirou de lá, mas logo eles morreram de febre da selva.

A mulher falou que ela não gostava da comida do navio, então ela comia apenas frutas, pão e manteiga e leite ou vegetais crus. “Todos que eu encontro são muito amigáveis”, ela falou, “mas eu quero estar sozinha com meus pensamentos. O capitão é bondoso comigo e me conta várias histórias interessantes que eu gosto”.

A mulher falou que ela viu os Auxiliares Invisíveis uma vez antes na selva. Foi na vez em que eles salvaram a família de gorilas das duas cobras. Ela contou que ficou feliz que eles lidaram com as duas cobras, porque ela e seu gorila protetor estavam com muito medo de se mexerem. Eles estavam a apenas cem passos de distância e viram tudo o que aconteceu com a família de gorilas. Ela contou da vila dos gorilas e disse que haviam uns cinquenta gorilas lá.

Essa mulher pediu aos Auxiliares Invisíveis para levarem uma mensagem para seus pais e dizer à mãe dela que ela ainda tinha seus dedinhos dos pés bonitos. Então ela mostrou aos Auxiliares Invisíveis seus dois dedinhos extras nos pés e onde tinha os removido. Os Auxiliares Invisíveis logo partiram e foram ver a mãe dela.

Quando a mãe ouviu sobre os dedinhos ela ficou muito feliz e disse: “Ela é a minha filha, pois eu sempre admirei seus dedinhos extras.”

Mais tarde a mulher chegou na sua casa a salvo e foi recebida por seus pais com muita alegria. Essa história também conta como funciona a lei do destino maduro. Todos nós somos afetados por ela, mas poucos de nós tem coisas tão marcantes para resgatar.

(IH – de Amber M. Tuttle)

 

poradmin

A última encarnação de um ser humano como gorila

A última encarnação de um ser humano como gorila

Aqui está uma das mais marcantes histórias que eu já ouvi: um gorila irá renascer como humano em sua próxima encarnação.

Uma vez, dois Auxiliares Invisíveis estavam indo para uma clareira numa parte densa da selva na África quando a Auxiliar Invisível olhou para baixo e viu uma cativa nos braços de um gorila que estava dormindo. “Olhe! Há uma mulher branca”, ela falou para seu companheiro. “Vamos lá salvá-la.”

Eles desceram e perguntaram para a mulher se ela queria ajuda para sair daquela situação.

“Sim, por favor” me tire daqui”, ela falou.

Ela estava deitada nos braços do gorila, e se ela se movesse ele iria acordar. Quando ela se levantou, ele acordou e também se levantou. Os Auxiliares Invisíveis estavam se perguntando como conseguiriam tirá-la de lá. Todas as vezes que eles tentavam tirá-la do gorila, esse se levantava e grunhia para eles. Eles estavam com medo que se eles tentassem pegá-la à força, ele a faria em pedaços.

Ela precisava de roupas e contou a eles como o gorila tirou suas roupas, e que cada vez que ela fazia novas roupas de casca ou grama, ele as tirava novamente. Ele não a machucou, mas a protegeu dos outros gorilas, das cobras e dos animais selvagens da selva. Ele providenciou comida para ela e sempre se manteve próximo a ela e distante dos outros para que nada pudesse machucá-la.

Com o passar do tempo ela ficou com a pele totalmente bronzeada e a pele dos seus pés se tornou tão dura que ela conseguia andar sem machucá-los. Ela aprendeu que para viver dependia de seu gorila protetor, e começou a ensiná-lo tudo que podia. Ela disse que em um certo momento ele se tornou inquieto e desconfortável e ela ficou com medo que a deixasse, então durante a noite ela se amarrava a ele com seus longos cabelos. Ele aprendeu a amá-la de seu modo peculiar e ela sabia que estaria viva, enquanto ele cuidasse dela. Quando perguntaram como ela foi parar naquele lugar, ela contou que acompanhava alguns viajantes que estavam caçando na selva. Eles foram atacados pelo bando de gorilas e ela viu os gorilas matarem a todos.

Os Auxiliares Invisíveis solicitaram permissão para levar essa mulher e eles disseram que poderiam levá-la. Um dos Auxiliares Invisíveis disse a ela para mandar o gorila buscar alguma comida. Ela o fez, e então os Auxiliares Invisíveis disseram para que ela se deitasse. Então, os dois Auxiliares Invisíveis a ergueram e a carregaram até uma vila pequena, onde encontraram algumas pessoas que deram roupas para ela se vestir. Os Auxiliares Invisíveis falaram para ela procurar o Cônsul e conseguir um passaporte para voltar para casa.

Algumas noites depois um altíssimo Irmão Leigo foi até àqueles mesmos Auxiliares Invisíveis e disse para eles irem aquela vila onde levaram aquela mulher e compelir o Cônsul a dar a ela o passaporte e o dinheiro para as despesas para ela poder voltar para casa. Ele deu a Auxiliar Invisível o poder para fazer esse trabalho e disse para que ela fosse mais firme para resolver esse caso.

Quando os Auxiliares Invisíveis chegaram à vila, encontraram a pobre mulher em uma casa velha com algumas pessoas pobres. Ela vestia algumas roupas rasgadas. Quando ela viu os Auxiliares Invisíveis, implorou para que a levassem de volta à selva para seu amigo gorila e a deixasse morrer com ele, porque ele era bom para ela, mesmo de sua maneira, e a amava. Os Auxiliares Invisíveis contaram a ela que vieram para levá-la de volta para sua casa.
“Vocês não podem fazer nada por mim, já que ninguém acredita na minha história”, ela lhes disse.
Os Auxiliares Invisíveis pediram que ela os levassem ao escritório do Cônsul.

“Ele não irá recebê-los”, ela falou.

Eles foram e solicitaram ao guarda, que estava na porta de entrada, que queriam ver o Cônsul.

“Ele não está acordado’, disse o homem.

“Vá acordá-lo e diga que queremos falar com ele sobre um assunto importante, e não fique aí me olhando”, disse o Auxiliar Invisível.

O homem foi e depois de um tempo o Cônsul voltou com o homem e convidou os três estrangeiros a entrar. O Cônsul estava bravo e queria saber o que queriam com ele.

“Eu quero um passaporte e dinheiro para essa mulher poder voltar para sua casa na Europa”, disse um dos Auxiliares Invisíveis.

“Eu não a conheço e não tenho nenhum registro sobre ela”, ele disse. “A mulher que ela diz ser se perdeu há cinco anos, e nenhum dos integrantes do grupo foi encontrado”. Ele pegou seu livro de registros e perguntou à mulher para dizer o nome dos outros integrantes do grupo, onde viviam e a idade deles.

Ela fez isto e ele ficou atônito. “Eu preciso saber na cidade dela se os pais dela ainda vivem ou não”, disse ele.
“Ambos estão vivos”, disse o Auxiliar Invisível. “Escreva aos pais dela e peça a eles que escrevam uma carta, e que o Prefeito da cidade coloque um selo nela”.

O Cônsul escreveu uma carta e colocou um selo nela. Um Auxiliar Invisível contou que o outro iria entregar a carta, enquanto ele fazia o passaporte. O Auxiliar Invisível foi até a cidade onde a mulher vivia, encontrou seus pais e entregou a carta a eles.

A mãe gritou de alegria, se sentou e imediatamente começou a responder a carta. Ela contou ao estranho onde o Prefeito morava e ele foi lá para que ele carimbasse a carta. O Auxiliar Invisível gastou uns vinte minutos e quando ele voltou com a resposta, o Cônsul olhou para ela e quase desmaiou porque viu um carimbo familiar datado e carimbado no papel.

“Você é casado?”, a Auxiliar Invisível perguntou.

“Sim, eu tenho esposa”, ele respondeu.

“Chame sua esposa aqui para ajudar a essa mulher?”, disse a Auxiliar Invisível.

“Eu tenho empregados para esse tipo de serviço”, disse o homem.

“Faça como eu disse”, a Auxiliar Invisível falou com uma voz firme.

“Sim, Vossa Alteza”, o Cônsul respondeu e foi buscar sua esposa.

Ela veio correndo, mas quando a Auxiliar Invisível olhou para ela, ela parou abruptamente. “O que você quer que eu faça?”, ela perguntou.

“Limpe essa mulher e lhe dê algumas roupas para viajar”, a Auxiliar Invisível respondeu.

“Sim, Vossa Alteza”, a mulher do Cônsul falou, e levou a mulher para um outro cômodo.

Elas retornaram em meia hora e os Auxiliares Invisíveis quase não reconheceram a mulher. Seu cabelo estava penteado e ela estava muito bem vestida. Até suas unhas tinham sido feitas. Todas viram que ela estava muito linda.

O Cônsul lhe deu o passaporte e quinhentos dólares. “Temos pouco tempo para tomar o barco”, ele falou. Então, ele pediu aos Auxiliares Invisíveis para retornarem depois que a mulher tivesse partido.

Os Auxiliares Invisíveis se despediram da mulher no barco. Ela chorou e disse que não queria ir para casa, mas queria voltar para seu amigo na selva. Ela pediu aos Auxiliares Invisíveis para cuidar dele e eles disseram que fariam isto.

Os Auxiliares Invisíveis voltaram para a casa do Cônsul. Ele e sua esposa estavam no escritório e eles se ajoelharam aos pés da Auxiliar Invisível. “Senhora Anjo, eu suplico por perdão”, o Cônsul falou: “Eu não sabia quem era essa mulher, quando ela veio aqui na primeira vez.”

“Levante-se”, ela falou. “Não sou um Anjo. Sou apenas uma Auxiliar Invisível da humanidade”.

“Rogo que me diga como posso fazer o que você faz e ser um Auxiliar Invisível”, ele falou. Sua esposa falou que ela também gostaria de saber e a Auxiliar Invisível contou a eles e mostrou todos os ensinamentos e o que eles deveriam fazer. Ela contou a eles que teriam oportunidades em sua posição de fazer maiores trabalhos.

“Nós faremos isto”, o Cônsul prometeu. “Se você conseguir trazer o gorila que é amigo dessa senhora, eu cuidarei dele e o domesticarei”.

A Auxiliar Invisível disse a essas duas pessoas para irem para a cama e se deitarem juntos, e que ela os levaria ao gorila. O homem e sua esposa fizeram isso, e depois que a Auxiliar Invisível os colocou para dormir os quatro foram encontrar com o gorila na selva.

Eles o encontraram morto. Ele havia retornado com frutas para a mulher, e quando descobriu que ela havia sumido seu coração se partiu. Os Auxiliares Invisíveis chamaram o Espírito-Grupo, e ele os contou o que havia acontecido.

Ele falou que esse gorila iria renascer como um menino e no futuro sua amiga iria ter a chance de ensinar a ele, porque ela seria uma verdadeira missionária para os seres humanos atrasados de todas as raças.

O Cônsul e sua esposa, em seus Corpos de Desejo, puderam ver e ouvir o Espírito-Grupo e estavam surpresos. “Com certeza eles devem ser Anjos ou Deuses, pois nenhum ser humano consegue fazer o que eles fizeram”, o Cônsul falou.

O Espírito Grupo falou que a mulher trouxe o gorila ao estágio humano com sua bondade, e ele contou sobre o destino maduro que causou seu problema. Uma vez ela havia largado umas pessoas na selva e nessa vida ela devia pagar aquela dívida, e fez isto muito bem.

Uma cobra imensa apareceu e a Auxiliar Invisível a chamou e ela se aproximou, mas o Cônsul e sua esposa se afastaram. Então os Auxiliares Invisíveis levaram o homem e sua esposa para casa.

(IH – de Amber M. Tuttle)

poradmin

Salvando um homem e a serpente que o homem queria matar

Salvando um homem e a serpente que o homem queria matar

Aqui está outra história que conta como um fazendeiro assustado foi ajudado numa noite.

Alguns Auxiliares Invisíveis foram enviados até um homem que vivia em uma fazenda. Este homem disse-lhes que uma grande serpente estava em seu celeiro e que ele estava com medo de que mordesse e matasse suas vacas leiteiras e seus cavalos.

O Auxiliar Invisível perguntou, por meio do pensamento, se poderia tirá-la de lá. Alguém disse: “Sim, mas vai lhe dar trabalho”.

A serpente tinha cerca de 20 centímetros de diâmetro e cerca de cinquenta metros de comprimento. Esse Auxiliar Invisível perguntou a sua parceira se gostaria de acompanhá-lo e ela respondeu imediatamente: “Sim”. O agricultor, conhecendo o lugar, tentou deter a Auxiliar Invisível, pois achava que o companheiro dela era seu ajudante.

Os Auxiliares Invisíveis entraram no celeiro e a Auxiliar Invisível viu a serpente em um canto toda enrolada, e ela a mostrou para ele. A princípio, seu companheiro achou que era uma pilha de corda, como costumava ter nos navios a vapor. Ele chegou perto da serpente e ela começou a emitir um silvo e a colocar a língua, como que com raiva. O Auxiliar Invisível falou com a serpente: “meu caro, você não tem nenhum negócio aqui, assustando e ameaçando com a morte a todos. Vá embora. Eu não quero nenhum problema com você. Seja uma boa serpente, e vá para o seu ambiente natural”.

A serpente deu um bote em direção ao Auxiliar Invisível com a boca aberta, mas não o alcançou, e tentou novamente atacá-lo. O Auxiliar Invisível deu um passo para o lado e a segurou pelo pescoço; a força da sua pressão a fez cair no chão. O Auxiliar Invisível apertou-a ainda mais até que ela se enrolou próximo dele. A Auxiliar Invisível bateu em sua cabeça e ela acabou perdendo a consciência. Depois disso, os Auxiliares Invisíveis arrastaram a grande serpente para fora do celeiro. Quando o fazendeiro deparou com a serpente, achou que havia matado os Auxiliares Invisíveis, e então, atirou com a espingarda. Ele não a matou, mas machucou muito a sua pele; foi, então que os dois Auxiliares Invisíveis saíram do celeiro

“Se você se comportar, vou recuperar você, mas deverá ser tão boa quanto uma nova serpente”, disse o Auxiliar Invisível à serpente.

Depois disso, a serpente se se esticou no chão, e o Auxiliar Invisível lavou seus ferimentos, retirou várias balas da espingarda, colocou ataduras nas costas e a mandou embora. O fazendeiro estava tão surpreso que ficou paralisado olhando para os Auxiliares Invisíveis.

“Por que ajudar uma serpente quando ela matará outra pessoa?”, disse finalmente.

“Não, ela não incomodará mais ninguém antes de chegar à selva”, respondeu o Auxiliar Invisível. Então, os Auxiliares Invisíveis se afastaram e continuaram com suas atividades

(IH – de Amber M. Tuttle)

poradmin

Auxiliares Invisíveis utilizando a supressão da Lei da Gravidade para salvar pessoas de um naufrágio

Auxiliares Invisíveis utilizando a supressão da Lei da Gravidade para salvar pessoas de um naufrágio

Talvez você pense que a história a seguir soa como um conto de fadas, mas realmente aconteceu. Os Auxiliares Invisíveis quando voltaram para seus corpos na manhã seguinte, conseguiram lembrar com muita clareza do ocorrido e se levantaram para que pudessem se preparar para o trabalho do dia.

Quando os Auxiliares Invisíveis saíram, foram enviados para salvar algumas pessoas que estavam em um navio a vapor que havia sido atingido por uma rocha ou algo que tinha feito um grande buraco na parte lateral. O navio estava afundando rapidamente nas águas agitadas do oceano Atlântico. As pessoas a bordo estavam a, aproximadamente, cento e sessenta quilômetros da costa. Os passageiros estavam terrivelmente assustados e não queriam entrar nos botes salva-vidas sem comida.

Um dos Auxiliares Invisíveis ficou com medo e voltou para sua casa, pois esqueceu que os Auxiliares Invisíveis não podem ser feridos quando saem de seus corpos à noite para ajudar aos outros. Os demais Auxiliares Invisíveis se materializaram e desceram até o barco. “Todo mundo fique calmo, que todos serão salvos”, disse um dos Auxiliares Invisíveis aos tripulantes.

Os Auxiliares Invisíveis colocaram, rapidamente, todas as pessoas nos botes salva-vidas, e pediram para remarem em direção a costa. Logo em seguida o navio tombou para o lado. Houve uma explosão estrondosa, e o navio foi afundando até desaparecer nas águas.

Haviam dez barcos a remos e mais dois barcos cheios de passageiros e membros da tripulação para serem levados para acosta. Os Auxiliares Invisíveis amarraram todos os barcos juntos e levemente os suspenderam em gravidade e partiram para a costa. E logo que avistaram a costa os Auxiliares Invisíveis os deixaram para percorrerem o resto do caminho sozinhos. Ninguém ficou para trás. A Auxiliar Invisível pegou o livro de registro do navio e o entregou ao capitão. Se os Auxiliares Invisíveis não tivessem sido enviados com o poder de salvar essas pessoas, todas teriam se perdido no mar.

(IH – de Amber M. Tuttle)

poradmin

Curando um homem de um tipo de cifose

Curando um homem de um tipo de cifose

Mais tarde, esses mesmos Auxiliares Invisíveis encontraram um homem na Europa que estava descendo uma rua.

Eles viram que esse homem tinha um problema nas costas que o fazia se inclinar para a frente. Os Auxiliares Invisíveis pararam na esquina e esperaram até que ele chegasse.

“Meu amigo”, disse o Auxiliar Invisível, “parece que você está mal. Você não consegue ajuda nesse imenso país?”

“Eu ainda não consegui. Eu gastei milhares de dólares, mas minhas costas só parecem piorar, então, acho que é a vontade de Deus”, disse o deficiente.

“Não, meu amigo”, respondeu o Auxiliar Invisível, “não é a vontade de Deus”.

Seu problema é devido ao que você fez na vida passada; é que você, com muita maldade, amarrou um homem, e o manteve amarrado até que suas costas se tornassem rígidas. Você deu ordens para que ele não fosse libertado até que você autorizasse. Porém, você foi embora e ele permaneceu assim por dez anos.

Quando você retornou, sua filhinha entrou no subsolo e o viu. Sua vítima parecia um homem velho devido a sua tortura. Quando ela lhe falou sobre ele, você foi vê-lo, se arrependeu e o libertou, mas o mal já havia sido realizado.

Você tentou fazer algo por ele, mas não foi o suficiente para aliviá-lo. Você está nesta condição devido ao que causou àquele homem.

O Auxiliar Invisível esfregou as costas do homem e disse-lhe para endireitar-se lentamente, e ele o fez. Ele ficou tão ereto quanto os Auxiliares Invisíveis, e ele estava cheio de alegria ao falar, e as lágrimas corriam pelo seu rosto. O Auxiliar Invisível disse a ele para ser bom a todos e respeitar as crenças religiosas, pois todas elas conduzem a Deus.

Esse homem era católico, e o Auxiliar Invisível lhe disse que os protestantes são tão bons quanto ele e que não deveria haver desavenças entre eles, mesmo que alguém dissesse o contrário. O homem prometeu que seria gentil com todos e agradeceu aos estranhos pela ajuda recebida.

O homem que estava incapacitado foi curado por meio da força de cura espiritual que vem de Deus. Os Auxiliares Invisíveis são meros servos de Deus que haviam sido enviados a ele por um Irmão Leigo ou uma Irmã Leiga.

(IH – de Amber M. Tuttle)

poradmin

Salvando um idoso de morrer queimado

Salvando um idoso de morrer queimado

Certa noite, alguns Auxiliares Invisíveis foram orientados a ajudar um idoso que corria o risco de morrer queimado. Esse homem era dono de uma fazenda a poucos quilômetros da cidade. Ele sofria de reumatismo e estava muito apreensivo, porque o homem que vivia na fazenda vizinha desejava comprá-la. Este vizinho, porém, havia feito uma oferta para comprá-la por um valor bem abaixo do real valor. O fazendeiro idoso se recusou a vender sua fazenda. E o fazendeiro vizinho pretendia queimá-la, pois sabia que o fazendeiro idoso não teria condições de reconstruir e, assim, conseguiria comprar suas terras por um preço menor.

Os Auxiliares Invisíveis foram até a fazenda e encontraram o fazendeiro idoso assustado, dizendo-lhes que havia sido ameaçado por alguém que lhe dissera que queimaria sua fazenda. O velho fazendeiro não conseguia se locomover e não sabia o que fazer. O Auxiliar Invisível disse a esse homem que não precisaria se preocupar com o fogo.

Ninguém poderia incendiar sua casa além de si mesmo.

“Como você pode impedi-los de fazer isso?”, o fazendeiro perguntou

“Levante-se e coloque algumas roupas”, ordenou o Auxiliar Invisível.

O fazendeiro idoso sorriu e balançou a cabeça negativamente. “Eu não ando há seis meses”, disse ele.
“Isso é porque você não tentou”, o Auxiliar Invisível respondeu.

O fazendeiro se virou e seus olhos se arregalaram quando viu que conseguiu se levantar da cama, aí ele se vestiu e pegou o rifle.

“Aquele que vive pela espada morre com isso”, observou o Auxiliar Invisível.

“Você não vai precisar disso”.

Neste momento ouviram uma voz vindo de fora. “Eles vão incendiar minha casa”, disse o homem.
“Deixe-os tentar fazê-lo, porque não vão queimar”, disse o Auxiliar Invisível.

O homem e os Auxiliares Invisíveis olharam pela janela e viram uma luz. Então, o Auxiliar Invisível pediu que os homens não se movessem, e os Auxiliares Invisíveis e o fazendeiro saíram e identificaram quem eram as pessoas. Era o mesmo homem que morava na fazenda vizinha e alguns de seus amigos. As pessoas também observaram que os vizinhos deixaram um carro esperando na estrada.

O Auxiliar Invisível disse a esses homens que, se não assinassem a confissão contando o que tentaram fazer, eles permaneceriam onde estavam para que todos pudessem vê-los.

O homem escreveu sua confissão, e todos os demais assinaram, incluindo o menino que estava no carro. A marca do carro, a placa e número de licença também foram anotados. O Auxiliar Invisível pegou o papel e disse ao fazendeiro que ele guardaria, pois tinha receio que alguém pudesse roubá-lo. Depois ele disse “Bom dia” e, os Auxiliares Invisíveis desapareceram da visão de todos, mas eles não foram embora.

Assim que os homens deixaram o local, os Auxiliares Invisíveis entregaram ao velho fazendeiro o papel da confissão e pediram que mostrasse a alguém ou mesmo que informasse a alguém que estava de posse do documento, pois do contrário, alguém poderia matá-lo para conseguir o papel da confissão.

Em seguida, os Auxiliares Invisíveis deixaram o velho fazendeiro e alcançaram os homens que haviam tentado incendiar a casa. Como eles não estavam materializados, os homens não puderam vê-los, quando conversavam entre eles dentro do carro. O homem que tinha planejado queimar a casa do velho fazendeiro disse: “Eles não eram humanos, e o velho homem tinha Deus ou o diabo com ele, e eu que vou vender as terras antes que alguém veja essa confissão”.

O Auxiliar Invisível havia dito às Salamandras que ficassem quietas, e foi por isso que o vizinho não podia acender o fogo. As Salamandras são Espíritos da Natureza que causam todos os tipos de incêndios.

(IH – de Amber M. Tuttle)

poradmin

Salvando da morte dois missionários de uma tribo árabe

Salvando da morte dois missionários de uma tribo árabe

Esta história conta como alguns missionários foram salvos da morte na Arábia.

Aconteceu numa sexta-feira à noite, quando alguns Auxiliares Invisíveis se dirigiram a uma aldeia árabe, num lugar onde haviam dois missionários brancos amarrados a uma parede. Eles pretendiam matar o homem e sua esposa, porque ousaram ir à sua aldeia falando a respeito de sua própria religião, e assim, desestabilizando a religião muçulmana e Alá.

O Auxiliar Invisível perguntou a sua companheira se ela poderia cuidar deles.

“Eu não sei”, respondeu ela.

“Siga-me e não fuja “, disse o Auxiliar Invisível.

Tinha uns cinco ou seis homens, com as mãos cheias de punhais, prontos para atirar no homem e na mulher para matá-los. O primeiro árabe já estava pronto para atirar a sua faca. E assim que apareceu, o Auxiliar Invisível disse: “Pare”.

O homem soltou um grito, e o demais homens rodearam os Auxiliares Invisíveis como um enxame de abelhas.

“Por que matá-los?”, perguntou o Auxiliar Invisível. “Eles não prejudicaram nem feriram ninguém”.

“Alá não quer estrangeiros aqui, e todos os que vierem devem morrer, e você também”, declarou o chefe do grupo, enquanto acenava com a mão. “Mate a todos e me traga os seus anéis”, ele ordenou, mas ninguém se mexeu.

Ele ordenou novamente, mas ninguém se mexeu. O chefe se voltou e chamou o profeta, que prontamente veio com todos os seus trabalhos de mágicas para servi-lo, se dirigiu aos Auxiliares Invisíveis e iniciou seu trabalho.
“Faça essas coisas desaparecerem”, disse o Auxiliar Invisível, e elas desapareceram. O então chamado profeta ficou parado com grande surpresa e desgostoso devido a esse acontecimento incomum.

“Eu não vim ferir ou prejudicar você ou o seu Alá, mas você não fará mal aos filhos de Deus”, disse o Auxiliar Invisível ao povo.

Ele chamou os missionários e disse: “Venha adiante, meus amigos”, e eles foram até os Auxiliares Invisíveis. Então os Auxiliares Invisíveis disseram ao chefe: “Alimente-os, dê-lhes um lugar para descansar e deixe-os continuar seu caminho, caso você não deseje ouvir o que eles têm a dizer”.

“Onde está nosso Alá?”, o chefe perguntou ao profeta.

“Ele não nos deixou antes!”

“Talvez ele tenha expulsado Alá”, disse o profeta. “Ninguém pode se mover. Ele fez os objetos desaparecerem. Eu não faço nada. Agora, Alá não é mais bom. Seu Deus é o melhor. Adote esse Deus. Ele faz grandes coisas”.

“Seu Alá está aqui, mas ele não quer que você mate pessoas” disse o Auxiliar Invisível. “Ele nunca vai deixa-lo”.

“Outros cães vieram aqui e todos morrem; Alá seja louvado”, disse o chefe intrigado.

“Todos os verdadeiros Cristãos são protegidos pelo seu Deus, e os falsos morrem”, disse o Auxiliar Invisível.
“Sim, eles morrem e você morrerá”, declarou o chefe. Mais uma vez ele ordenou que seus seguidores matassem os estranhos, mas ninguém se mexeu.

“Sr. Chefe, você precisa de uma boa lição e eu vou lhe ensinar uma que você e os demais nunca esquecerão”, disse o Auxiliar Invisível.

Ele se aproximou do chefe, pegou sua faca e a quebrou.

Depois pegou sua túnica, retirou sua coroa, a colocou sobre os joelhos e a entortou com suas mãos. “Rasteje até aprender a poupar vidas humanas”, disse ele.

Depois disso, o Auxiliar Invisível olhou para a multidão e encontrou uma garota com um belo Corpo-Alma, e a chamou. “Senhorita, farei de você rainha, e você deve governar justa e gentilmente, e ninguém ou qualquer coisa poderá prejudicá-la”, disse ele. “Você vai fazer isso?”

“Sim, eu vou”, disse a moça.

O Auxiliar Invisível colocou a túnica sobre ela, depois colocou a coroa e disse ao povo: “Salve a rainha”.

Todas as pessoas caíram de joelhos e se deitaram de bruços. A moça caminhou sobre eles, como o ex-chefe fazia.

Esse era o sinal de submissão e obediência daquele povo. Os homens baixaram suas cabeças em direção as suas barbas e as mulheres esconderam seus olhos.

O Auxiliar Invisível disse à rainha para cuidar do homem e da mulher e mandá-los de volta, e ela disse que faria isso. O Auxiliar Invisível perguntou onde estavam seus pais e ela disse: “Alá os levou”, o que significa que eles estavam mortos.

“O ex-chefe não será morto pelas cobras e pelos animais selvagens?”, a Auxiliar Invisível perguntou.

“Nada vai prejudicá-lo, e quando ele decidir parar de matar, ele vai andar novamente”, disse a sua companheira.

Ele se virou e falou com os missionários. “De onde vocês vieram?”, ele perguntou.

“Dos Estados Unidos”, disse um deles.

Ambos os missionários tinham belos Corpos-Alma, mas não tinham visão espiritual. Nem a nova rainha, mas ela estará protegida. Essa tribo de árabes vivi longe no deserto e era feroz e guerreira, mas os Auxiliares Invisíveis acreditavam que a moça iria subjugá-los.

“Vocês são Anjos?”, um dos missionários perguntou aos Auxiliares Invisíveis.

“Não”, ela disse, “somos pessoas dos Estados Unidos e ajudamos a todos aqueles que precisam”.

Enquanto isso acontecia, o ex-chefe estava rastejando, mas ninguém prestou atenção nele. Os Auxiliares Invisíveis se despediram do povo, liberaram suas auras, desaparecendo fisicamente e seguiram seu caminho.

(IH – de Amber M. Tuttle)