Categoria Cura Rosacruz

poradmin

O Poder do Pensamento expresso nas Reuniões de Cura: exercite-o!

O Poder do Pensamento expresso nas Reuniões de Cura: exercite-o!

Um único carvão não produz fogo; mas onde vários carvões estão amontoados, o calor latente em cada um pode ser transformado em chama, emitindo luz e calor. Foi em obediência a essa mesma lei da natureza que nos reunimos aqui, esta noite, porque ao acumular nossas aspirações espirituais para curar e ajudar nossos companheiros sofredores, poderemos realizar nossa modesta parte no sentido de levantar o manto de tristeza que agora paira sobre a vida deles e apressar o dia do Reino vindouro, onde o sofrimento e a tristeza serão abolidos e mesmo a morte deixará de ter domínio sobre os homens.

As Reuniões de Cura são realizadas nas noites em que a Lua esteja em um Signo Cardeal, porque neste momento o máximo de energia cósmica é infundido no trabalho que iniciamos; assim, existem as melhores chances de um problema ser resolvido. Portanto, estamos aproveitando as forças do universo e o pensamento é o veículo que usamos para transmitir esse poder de cura.

No entanto, antes que a energia possa ser transmitida, ela deve ser gerada e, para fazer isso com eficiência, devemos entender com precisão qual é o método. Há um ditado sobre o Cristo que explica completamente o assunto. Ele disse: “Como um homem pensa em seu coração, assim ele é”. Isso vai ao fundo do assunto, pois, embora possamos confessar com a boca acreditar em certas coisas e, logo, enganar os outros ou, sim, até nós mesmos, apenas aquilo em que realmente acreditamos em nosso interior, o que pensamos no fundo do coração, é válido. Se professamos com a boca que cremos em Deus, que vivemos a vida correta, que fazemos aos outros o que é certo, independentemente do que façam conosco, ou que sigamos outros altos padrões de conduta, ainda poderemos viver uma vida ambígua e sermos hipócritas. Contudo, se realmente aceitarmos isso em nosso cerne, não será necessário que façamos declarações. Cada um dos nossos atos proclamará exatamente o que pensamos em nosso íntimo e no que acreditamos. Rapidamente, as pessoas descobrirão justamente que tipo de pessoa somos, observando nossas ações, em vez de ouvir o que dizemos.

Devemos perceber que todo pensamento é uma centelha emitida pelo Ego, que quando nasce, atrai para si um determinado tipo de material apropriado à sua natureza. Esse pensamento-forma pode ser enviado a outras pessoas, visando ao seu bem ou mal; mas haverá uma reação sobre nós mesmos, boa ou má, dependendo do que foi canalizado aos outros. É um fato  e não apenas mero provérbio poético afirmar que “pensamentos, como galinhas, voltam para o poleiro”. Qualquer pessoa que tenha a visão espiritual despertada vê em cada um de nós uma atmosfera áurica sutil, colorida de acordo com nossa particular tendência de pensamento; embora, é claro, a cor básica seja determinada por características raciais e nacionais.

Se depositarmos em nossos corações pensamentos de otimismo, bondade, benevolência, ajuda e serviço, então esses pensamentos gradualmente vão colorir nossa atmosfera de certa maneira que é muito expressiva de todas essas diferentes qualidades ou virtudes desejáveis. E, à medida que nossos corpos são construídos pela mente em uma expressão de nossa atitude mental, isso reage em nosso Corpo Denso, trazendo para nós saúde e bem-estar. Por essa razão, os ensinamentos do Novo Pensamento são verdadeiros, quando afirmam que dessa maneira a saúde e a prosperidade sejam alcançadas; ainda que ninguém com mente espiritual realmente use tais meios para obter riqueza material. Mas essa é apenas outra maneira de provar a verdade das palavras de Cristo: se procurarmos primeiro o Reino de Deus e Sua justiça, todas as outras coisas nos serão acrescentadas.

O profeta de Israel também deu essa garantia, quando afirmou: “Eu fui jovem e agora sou velho; porém nunca vi a semente dos justos implorando por pão”. É uma lei do universo que, se trabalharmos com Deus, Ele certamente cuidará de nós de maneira material. “Dois pardais não são vendidos por pouquíssimo valor? No entanto, nenhum deles cai na terra sem que seu Pai Celestial o saiba; porventura não valem mais do que muitos pardais?” Por toda a palavra de Deus temos a promessa de que, se trabalharmos com fidelidade, honestidade e o melhor da nossa capacidade, lutando pelos interesses do Rei, trabalhando em Sua vinha, Ele cuidará de nós.

Quando alguém cria sobre si mesmo uma atmosfera áurica de utilidade, bondade e serviço real — porque não basta desejarmos prestar o serviço, mas devemos nos esforçar dia após dia para servir ao máximo — deita toda noite cansado, na feliz consciência de ser um verdadeiro servo de Cristo. Contudo, quando tivermos feito isso, encontraremos um mundo mudado. Acharemos em outras pessoas as mesmas qualidades que possuímos, porque essa atmosfera áurica é como um vidro através do qual devemos olhar para todos. O mundo inteiro é colorido por nossa própria aura, como se estivéssemos em uma sala com janelas de vidro vermelho e o mundo lá fora, então, as árvores, casas e tudo o mais, parecesse vermelho.

Para mencionar um fato, vemos o mundo em que vivemos através dessa atmosfera áurica e, se ela for vibrante pela benevolência e bondade, encontraremos sobre nós pessoas que sejam benevolentes e gentis, pois atraímos delas as qualidades que nós mesmos expressamos, seguindo o mesmo princípio científico do diapasão: quando um é tocado, ele desperta as vibrações de outros diapasões de tom idêntico; assim, as pessoas que nos conhecem são sempre atraídas e respondem àquilo que temos em nós mesmos.

Portanto, um ser humano que é benevolente, como dito, sente a benevolência e a bondade de outras pessoas. Um que dispõe de pensamentos mesquinhos e preocupantes, que é pessimista ou habitualmente tem pensamentos de crueldade para com os outros, invocará sobre si próprio os mesmos traços de caráter que envia. Estamos todos vibrando em determinado tom e o Átomo-semente do coração é a base da existência física e das vibrações que saem de nós para o mundo físico.

É de imenso benefício conhecer essa evidência científica, já que podemos controlar nossos pensamentos e, através deles, todas as condições da vida. Cabe a nós, portanto e diariamente, cultivar o otimismo, a utilidade, a benevolência e a bondade para podermos ter maior valor no trabalho do mundo. A menos que tenhamos essas qualidades em algum grau, é impossível realizar a tarefa para a qual viemos aqui, hoje à noite: ou seja, ajudar outras pessoas e curar.

Milhares de Estudantes em todo o mundo concentraram seus pensamentos aqui, durante este dia, como fazem todos os dias, quando há uma reunião de cura na sede. Essa agregação de pensamentos agora flutua sobre a Pro-Ecclesia, uma força poderosa. O emblema Rosacruz na parede oeste é o instrumento ou foco através do qual devemos enviá-la ao mundo. Temos ali a estrela dourada de cinco pontas e a cruz trilobada de quatro pontas. Os números cinco e quatro formam o místico nove, que é o número de Adão, a humanidade. A cruz é branca e pura, símbolo que indica que quem deseja se tornar um Auxiliar Invisível da humanidade deve se purificar de todo o mal e, embora tentando fazer isso caiamos repetidas vezes, lembremos que não exista falha, exceto desistir da missão. As sete rosas que enfeitam este símbolo representam o sangue purificado.

Enquanto a humanidade e os animais que têm sangue quente e vermelho estão cheios de paixão e desejo, a planta não tem paixão. A rosa vermelha, sendo o órgão gerador da planta, permanece como um símbolo da imaculada concepção que ocorre quando o Cristo nasce em nosso interior, purificando-nos dos pecados do passado e santificando-nos para a obra do futuro. Esse é o grande ideal ao qual aspiramos. Concentremos nosso pensamento na rosa branca do centro do emblema, que representa o coração puro do Ajudante Invisível, que é tão desinteressado. Oramos para que nossos pensamentos sejam tão puros quanto aquela rosa, para que possamos gerar conceitos de pureza, força, utilidade e confiança em Deus, apesar de todos os desânimos.

Acima de tudo, depois que fizermos nossa parte, confiemos os resultados a Deus, eliminando nossa própria personalidade. Somos fracos demais para lutar contra forças cósmicas; entretanto, Deus é onipotente. Não tentaríamos atravessar o oceano em um barco a remo que, muito provavelmente, afundasse; no entanto, se formos de avião, grande e bem construído, as chances serão muito favoráveis à sobrevivência contra qualquer vento forte que nos possa assolar. Essa metáfora também pode ser aplicada à viagem em direção ao nosso objetivo espiritual. Se nos esforçarmos para manter as próprias forças, estaremos muito aptos a cair; porém, se nos comprometermos com Deus e orarmos a Ele por orientação, descobriremos que as chances de sucesso aumentam bastante. E por oração não se entende apenas a dos lábios, mas a do coração.

Como Emerson ensina:

Embora seus joelhos nunca estejam dobrados,

Para o céu, de hora em hora, seus pedidos são enviados;

E sejam, para o bem ou para o mal, formados,

Ainda são respondidos e registrados.

 

(De Max Heindel, publicado na Revista “Rays from the Rose Cross”, de maio/1915 e traduzido pela Fraternidade Rosacruz de Campinas – SP – Brasil)

poradmin

O corpo de pecado do homem e um exemplo de ações destrutivas

O corpo de pecado do homem e um exemplo de ações destrutivas

Aqui está outra história que me foi transmitida. Alguns Auxiliares Invisíveis foram enviados a um local nas montanhas da parte sul dos Estados Unidos, a uma casa. Eles foram instruídos a ir e impedir que um homem espancasse sua família. Foi dito a um dos Auxiliares Invisíveis que fosse muito cuidadoso e ficasse bastante próximo à sua parceira para que ela não se assustasse o suficiente para voltar para casa e entrar em seu corpo tão repentinamente ao ponto de sofrer um choque.

Quando os Auxiliares Invisíveis chegaram ao lugar, encontraram um homem batendo na esposa. Ele já havia espancado a filha até que ficasse negra, azul e inconsciente. Quando o homem viu o Auxiliar Invisível na sala, parecia que estivesse louco. Os Auxiliares Invisíveis olharam para trás e viram o corpo do pecado mais macabro e horrível que se possa imaginar.

O corpo de pecado rosnou para os Auxiliares Invisíveis.

“Vamos embora”, disse a Auxiliar Invisível. “Eu não quero ver corpo de pecado algum”.

“Não podemos sair agora, não até livrarmos este homem do seu corpo de pecado”, disse o outro Auxiliar Invisível.

O corpo de pecado tinha uma cabeça do tamanho de um barril de cerveja, seus quadris e estômago pareciam um barril enorme e os dentes eram como as presas de um javali. Suas mãos possuíam aproximadamente setenta centímetros de diâmetro e pendiam até o chão. Seus pés pareciam grandes remos.

O corpo de pecado tinha uma lança afiada com a qual cutucava o homem na nuca, fazendo-o continuar seus atos. O homem estava bêbado, mas parecia ter sido bonito antes de começar a beber uísque.

O Auxiliar Invisível ordenou que o elemental parasse e ele parou. Então ele o fez ficar em um canto da sala. Depois, o Auxiliar Invisível fez o homem parar de bater na esposa, que estava quase inconsciente. O Auxiliar Invisível perguntou ao homem por que ele estava espancando a esposa.

“Eu não sei”, ele disse e limpou a testa como se estivesse limpando a Mente. “Eu não sei por que fiz isso. Algo me levou a fazer”. O homem olhou surpreso para os Auxiliares Invisíveis, que estavam materializados e brilhando intensamente.

Os Auxiliares Invisíveis voltaram sua atenção para a esposa e pediram que ela se levantasse. Ela estava em um estado lamentável, muito machucada, e suas roupas, em pedaços, pois o homem as tinha rasgado e deixado a filha inconsciente, sob a influência do corpo de pecado.

“Anjos, deixem-me morrer”, disse a esposa. “Já sofri o suficiente e não quero viver. A morte será bem-vinda para mim. Deixem-me morrer”.

Enquanto os Auxiliares Invisíveis conversavam com a mulher, que estava no chão, o corpo de pecado avançou contra o homem e o tornou a manipulá-lo. O homem então pulou na esposa, que perdeu a consciência e tornou-se rígida. Logo, estava ao lado do próprio corpo.

“O que aconteceu?”, ela perguntou.

A Auxiliar Invisível se virou para o parceiro e disse: “Ela está morta?”.

“Ela está desmaiada”, respondeu ele.

O Auxiliar Invisível fez o corpo de pecado deixar o homem e, assim, a criatura correu para atingi-lo, mas ele a atravessou e ordenou que se fosse. Uma chama azul acendeu onde ela estava; os Auxiliares Invisíveis não a viram mais. Foi o Éter da terra que os Auxiliares Invisíveis viram queimar. O corpo de pecado havia reunido o suficiente desse Éter em seu Corpo Vital para mantê-lo unido ao de desejos, enquanto ele o usasse. O Corpo de Desejos voltou ao Mundo do Desejo para se desintegrar.

O homem gritou e caiu desmaiado; três pequenos elementais saíram dele e o Auxiliar Invisível os destruiu em um só golpe. O homem gemeu e se retorceu em muitas formas diferentes, depois se tornou rígido e reto.

“Oh, ele está morto!”, afirmou a Auxiliar Invisível.

“Espere”, disse o seu parceiro, “e você verá se está morto ou não”.

O Auxiliar Invisível atravessou o homem novamente, um elemental de tamanho grande saiu dele e correu para um cachorro que estava agachado embaixo da mesa. O cachorro pulou pela janela e correu na direção de um penhasco íngreme; os Auxiliares Invisíveis sabiam que ele pularia e seria morto; assim, o elemental seria forçado a ir para o Purgatório e ser punido por suas más ações.

Os Auxiliares Invisíveis colocaram a menina e a mãe na cama esfarrapada e fizeram o que puderam para restaurar suas forças e aliviar as dores. Eles se aproximaram do homem, depois disso, trouxeram-no de volta à consciência e mostraram o que havia feito contra a própria família. Ele olhou surpreso para sua esposa e filha. “Quem fez isso?”, perguntou. Depois abraçou as duas e beijou. Era um homem diferente agora, pois tinha sido atormentado por anos, impulsionado por seu corpo de pecado. Ele não sabia qualquer coisa do que havia feito e disse que seria melhor se afastar daquele lugar o mais rápido que pudessem.

Um Auxiliar Invisível perguntou ao outro o que havia causado todo o problema. Eles se aproximaram da mulher, da filha e seguraram suas mãos. O homem estava do outro lado da esposa, segurando a mão dela. Os Auxiliares Invisíveis pediram para ver a vida dessas pessoas e o que as colocou nessa condição.

O panorama de suas vidas remontava a três existências, quando a esposa começou a praticar bruxaria com a filha, que na época era outra mulher e não era parente dela. O marido era um sujeito que procurava pessoas ricas para empregá-lo. Essas pessoas, porém, tornaram-se muito malvadas e praticavam atos muito baixos.

Elas destruíram muitas casas e aniquilaram muitas vidas. Finalmente, morreram em condição lamentável. O homem se tornou o pior, depois que começou. Foi então que construiu o terrível corpo de pecado, por meio de pensamentos perversos e más ações.

Na vida seguinte, tiveram uma encarnação marcada pela doença e pobreza; a mãe e a atual filha, embora milhares de quilômetros uma da outra, começaram a expiar suas ações malvadas do passado fazendo o que podiam para aconselhar as pessoas a cuidar de sua saúde e não levar vidas imprudentes. Não sabiam, contudo, por que razão estavam tão ansiosas para ajudar os outros.

Eram homens, mas não podiam trabalhar por causa de sua saúde precária. Ambos sofreram muito com a pobreza. O homem era, nessa vida, mulher. E foi de uma coisa para outra, afundando cada vez mais, até que a doença a venceu e ela morreu sem se arrepender. O destino os uniu como marido, mulher e filha para pagarem tal dívida.

Dezesseis anos antes dessa época, o homem e a mulher se conheceram e casaram; mais tarde, a menina nasceu. Logo depois tornou-se vítima de obsessão e tratou muito mal sua família, desde então.

A mulher disse que não podia abandonar o marido, porque já o amara e viveram felizes até ele começar a beber. O homem ficou obcecado por doze anos e gradualmente pior, até a vida se tornar um inferno para eles.

As três pessoas viram suas vidas passadas à medida que o panorama se desenrolava e prometeram viver uma existência melhor, deixando as montanhas. O homem se assustou e queria saber se aquilo aconteceria novamente.

“Não, você ficará bem; a menos que comece a beber de novo”, afirmou o Auxiliar Invisível.

O homem revelou que não era ele mesmo havia doze anos, porém sabia que não tinha acesso ao próprio corpo, porque ficava fora dele a maior parte do tempo; também disse que muitas vezes desejava ser melhor, no entanto, algo sempre o levava a fazer o que tinha feito. O pobre homem falou que quando estava fora do seu corpo, todo tipo de coisa o atormentava. Essas coisas eram os elementais, que variavam, nesse caso, de quinze centímetros de altura a quase três metros ou mais e sua aparência era horrível.

Esses elementais o sufocavam e, quando recuperava o corpo, tinha medo de que algo o estivesse observando. Ele nunca viu, mas isso o levou à bebedeira; assim, costumava ver-se de pé, ao lado do próprio corpo, enquanto alguém estava dentro dele, batendo na sua esposa ou na filha. Quando recuperava o corpo, não sabia nada disso e se perguntava o que havia acontecido. Também falou que os estrangeiros deixaram tudo claro e que, por intermédio de orações e serviço à humanidade, esperava expiar seus pecados do passado.

Esta é uma história triste; no entanto, isso acontece em todas as partes do mundo e é nosso dever tentar entender os motivos pelos quais ocorrem, buscando fazer o que pudermos para contar aos outros, a fim de que a humanidade possa conhecer a verdade. Portanto, quando conhecemos os perigos da bebida forte ou outros males, estamos menos sujeitos à obsessão, essa condição terrível.

IH

poradmin

A origem das suas doenças está em sua Mente com as emoções e os desejos que você justifica por meio ela

A origem das suas doenças está em sua Mente com as emoções e os desejos que você justifica por meio ela

 

Dois advogados, associados na prática forense, tiveram uma séria divergência. Como resultado, dissolveram a sociedade. Depois de pouco tempo, um deles foi hospitalizado em virtude da pressão sanguínea elevada. À medida que a animosidade entre os sócios foi acentuada, a pressão do sangue aumentou.

O médico encarregado do caso tentou inutilmente aplicar todos os seus métodos de socorro. Sabendo algo a respeito da altercação entre os dois sócios, sugeriu finalmente que o único remédio eficaz para o seu paciente fosse ele reconciliar todas as discordâncias com o seu antigo sócio e esquecer tudo. Providenciou um encontro entre os dois, no qual dissecaram a coisa toda. Finalmente, concordaram em restabelecer a sociedade e esquecer as divergências do passado. Dentro de uma semana a pressão sanguínea do paciente retornou ao normal.

O ódio ou uma hostilidade arraigada constitui o uso mais ineficaz que uma pessoa possa fazer de sua Mente. Isso poderá causar muitos distúrbios, até mesmo nos olhos. Trata-se de uma das principais causas do glaucoma, uma doença dos olhos que cega totalmente a 20.000 pessoas por ano e faz com que um grande número de pessoas, que varia de cinco a dez vezes essa quantidade, venha a perder a visão de um olho.

Os especialistas descobriram que a pressão ocular aumenta sempre que uma pessoa começa a sofrer pela ação de outra. No Instituto de Psicanálise de Chicago, 2/3 dos casos de glaucoma foram tidos como bastante relacionados com algum evento emocional, tal como um conflito interno e crônico.

Os estudos feitos no Hospital de Nova Iorque e no Colégio Médico de Cornell, pelos Drs. Stewart Wolf e Harold G. Wolf, mostram que a raiva reprimida ou o ressentimento acarretam não apenas indisposições tais como uma pressão alta da corrente sanguínea, mas também indigestões e outras dores. O Dr. N. C. Oilbert, da Northwestern University, diz que a mesma emoção causa frequentemente ataques de angina pectoris (dor no peito) e que “provoca mais aflições e ataques do que qualquer outro distúrbio emocional”.

A cura mais rápida dos males causados pela cólera ou hostilidade represadas é o esquecimento. Quando esquecemos uma divergência, a coisa se desfaz, a causa desaparece. Não se tem de aturar mais o desgaste e a ruptura da Mente.

Outra emoção desagradável que provoca dificuldades sem fim é o aborrecimento, juntamente ao medo. Os males mais frequentes, resultado do aborrecimento, são as úlceras estomacais. Muitas vezes o aborrecimento causa sintomas de úlceras sem a ocorrência do fato físico. Na Clínica Mayo, um estudo do estômago feito com 15.000 pacientes mostrou que apenas 20% tivessem uma base física, concreta para as suas queixas.

Uma das principais causas da alta pressão do sangue é o aborrecimento reprimido ou o ressentimento que se receia admitir. Talvez você abrigue uma aversão intensa à sua mulher, seu irmão ou irmã; porém você, por dever, reprime este sentimento, procurando manter as aparências de uma relação familiar amistosa. Você gostaria de chorar no ombro de alguém, mas receia fazer com que ele penetre em seu íntimo.

Seria difícil comentar todos os males que possam resultar do aborrecimento ou do medo, mas devemos dizer que até o câncer faça parte deles. O Dr. Lawrence Le Shan, do Union, do Theological Seminary de Nova Iorque, diz que as histórias de ocorrência do câncer em pacientes por ele estudados revelam costumeiramente um modelo característico. Como exemplo, uma pessoa que contrai o câncer em idade avançada poderá ter sofrido um trauma psíquico ou um choque emocional durante a infância. Ele reporta, a partir desses estudos, que as relações emocionais trazem dores e desânimos; por exemplo, atribuindo um evento a uma falta que tenha praticado, a vítima responde com sentimento de culpa e autocondenação, sendo que o aborrecimento cria o desespero.

Diz ele que as viúvas e as mulheres divorciadas ou separadas são mais suscetíveis ao câncer do que as mulheres casadas que nunca conheceram o divórcio ou a separação.

O Dr. Schindler, outra autoridade no assunto, comenta que 1/3 de todas as doenças de pele tratadas por dermatologistas é produzido pela reação dos vasos sanguíneos à ansiedade, ao aborrecimento, ao desgosto etc. Muitos outros males podem ocorrer devido às tensões emocionais, inclusive a úlcera péptica, a bronquite asmática, a enxaqueca, a colite ulcerativa, a artrite reumatoide, a hipertensão e o hipertireoidismo.

Um estudo realizado com 1.660 residentes, na cidade de Nova Iorque, revelou que mais de 80% apresentavam sintomas de distúrbios emocionais, variando de brandos a acentuados. Assim, apenas uma pessoa entre cinco foi julgada suficientemente livre de problemas emocionais para ser considerada em bom estado.

“A maior parte de nossas emoções mais desagradáveis produz tensão muscular”, diz o Dr. Schindler. “Um dos primeiros lugares a apresentar tensão é o grupo de músculos da parte posterior do pescoço. Caso os músculos do esôfago inferior se contraiam, a coisa será séria”.

Uma vez que as tensões emocionais tenham participação tão importante nas dores físicas, as autoridades médicas são favoráveis a que os médicos recebam aulas de diagnóstico psiquiátrico no decorrer de seus cursos regulares de formação médica. O Dr. G. G. Robinson, do Hospital Johns Hopkins, acentuou esta necessidade já faz vinte anos.

Realmente, o médico da família costuma estar em uma posição mais favorável para diagnosticar os distúrbios emocionais do que o especialista, mormente em comunidades muito agrupadas, onde está familiarizado com todos os membros da família. Ele conhece os seus problemas financeiros e sociais, suas esperanças, ambições, frustrações e a maior parte das influências que modelam o comportamento perante a vida.

Diferentemente do desdobramento dos males orgânicos, um fato encorajador em matéria de males psicossomáticos é que nós, e apenas nós, possamos fazer o máximo em relação a eles. Um psiquiatra poderá unicamente nos ajudar a analisar os fatos.

Contudo, nenhum psiquiatra pode fazer com que nós paremos de odiar, de nos aborrecer, de nos atemorizar ou invejar. Ele nos poderá ajudar a localizar o mal, dizendo qual é sua causa, advertindo-nos de suas consequências e dando a coragem para que possamos superar o estado mental que o agrava; no entanto, o fator mais importante da cura somos nós mesmos.

Para vencer o efeito destruidor das emoções, os médicos recomendam que o paciente assuma uma derivação criadora (um desvio positivo do ambiente interno ao externo) que faça com que sua Mente pense em algo fora de si próprio: substituir as fricções mentais por atividades físicas auxilia o reajustamento.

Os médicos sugerem que se aprenda a gostar de pessoas, cultivar amizades e criar uma disposição alegre. Cultivar o interesse por fazer coisas em benefício de outros, dizem, e dessa forma projetar nossa Mente para além de si mesma e de seus sentimentos discordantes.

Quando nós começamos a ter interesse genuíno em outras pessoas, esquecemos os próprios aborrecimentos íntimos e percebemos que não sejam, afinal, o pesadelo que imaginamos.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz de 03/1970)