A inauguração do boletim periódico “Echoes” e o motivo desse nome

poradmin

A inauguração do boletim periódico “Echoes” e o motivo desse nome

A inauguração do boletim periódico “Echoes” e o motivo desse nome

Embora o corpo estudantil da Fraternidade Rosacruz esteja espalhado pelo mundo, livre de juramentos ou promessas no que diz respeito à sua conexão com a Fraternidade Rosacruz, o poder titânico da ardente aspiração une tudo em um propósito comum: construir, “sem o som de martelo”, o templo da alma que é a verdadeira Ecclesia. Portanto, eles olham para o Mount Ecclesia como o foco físico das forças que visam levar todos à estatura de Cristo, o “Amigo do Homem”, e todos estão ansiosos por notícias das atividades na Sede, particularmente no que diz respeito à Escola de Filosofia e Cura que, agora, estão prestes a abrir. Há pouco espaço nas cartas e lições para conter os ensinamentos; portanto, essa pequena folha será dedicada a “novidades”. Mantenhamo-la! Anos mais tarde, quando teremos grandes jornais e revistas, terá valor como uma lembrança dos “primeiros dias”.

Muitos pensam que todos os que se envolvem em atividades espirituais são parasitas que não fazem nada, além de flutuar na terra nebulosa e meditar. Se essas pessoas pudessem ouvir a fumaça do nosso motor, o ranger das prensas, o clique das máquinas de escrever, com o som acrescentado do martelo de carpinteiro, elas logo constatariam a veracidade da frase conhecida: o edifício do templo é incompatível com ambos, a preguiça e o silêncio. Monte Ecclesia é o último lugar no mundo para um sonhador preguiçoso.

Todos, de Max Heindel até a última pessoa que aqui chegou, trabalham duro de sol a sol. Trabalhamos tanto fisicamente como mentalmente, e não há como fugir do “barulho”; esse é o motivo de nomearmos nossa pequena folha de notícias com o nome de “Echo”. Um dia pode se tornar um fator importante na elevação do mundo, pois Max Heindel pretende publicar um artigo que dê as notícias do mundo, boas e más, com a lição moral contida em cada item, mas sem parecer pregar e sem o rótulo de “religião”, tão desagradável para a maioria das pessoas. Acredita-se que ao revestir o ponto de vista espiritual com uma vestimenta de “senso comum”, podemos despertar o “eco da aceitação” em milhares de corações. Esse plano, é claro, requer pessoas, dinheiro e tempo para amadurecer, mas será realizado.

(Traduzido pelos irmãos e irmãs da Fraternidade Rosacruz de Campinas – SP – Brasil do Echoes From Mt. Ecclesia – nº 1 – de junho de 1913)

Sobre o Autor

admin administrator

Deixe uma resposta