cabeçalho4.fw

Uma Análise da Oração Rosacruz

Uma Análise da Oração Rosacruz

"Não te pedimos mais dons, amado Deus

Senão senso para usar,

Os dons preciosos que já recebemos de Ti"

Esse trecho da Oração Rosacruz, lido durante os Serviços Devocionais do Templo, expressa a essência de tudo que devemos pedir a Deus.

De fato, tudo o que necessitamos para a nossa adequada vivência como seres humanos, no mundo material, e como seres espirituais, nos planos superiores, já foi e está sendo dado e com toda a abundância. O que carecemos, às vezes, é justamente o "senso", a exata avaliação e ainda, a força de vontade, para uma mais ampla utilização, dos muitos recursos fornecidos pelo Pai. Essa carência, como cada aspirante a um ideal superior há de concordar, é uma omissão de nossa parte e não, do Poder Superior, que já nos cobriu de dádivas.

E que dádivas são essas? Somos tentados a indagar, levantando por um minuto a nossa cabeça firmemente ocupada com os nossos problemas imediatos do cotidiano. É só analisar a nossa Oração, porquanto foi elaborada de tal maneira a enumerar e melhor ilustrar essas dádivas, que são, em primeiro lugar, ajudas inestimáveis em nossa escalada rumo ao desabrochar de nossos poderes superiores.

Temos em primeiro lugar a Luz, que não representa, mas é o Pai. "Deus é Luz", diz a Bíblia, e a meditação diária visualizando o nosso ser andando na Luz, como Ele na Luz está, nos dará não só a compreensão, mas o conhecimento do que significa realmente essa tremenda força cósmica, na qual vivemos e temos o nosso ser. A Luz está presente em todo o Universo, em nós, como está em Deus, nas devidas proporções, naturalmente. Algum dia, quando tivermos elevado o fogo espiritual espinhal, nós brilharemos na intensa luminosidade de nossos Corpos-Almas. Está escrito: "A Luz resplandece nas trevas e as trevas não a compreenderam". As trevas ainda não "compreendem" esse fato, porém, nos não somos obrigados a permanecer nas trevas! Está certo, não podemos ainda vislumbrar a Luz de Deus diretamente: ficaríamos cegos por causa de nossas imperfeições. A Luz de Cristo, porém, nos traz o primeiro impulso espiritual DIRETO, que nós, como humanidade em evolução, fomos capazes de suportar. Envolvendo-nos nessa Luz do Cristo, que é TÃO REAL quanto o são os nossos problemas e trabalhando amorosamente na senda do serviço, compreenderemos sempre melhor a grande realidade espiritual, que é Deus, nosso Pai, que se manifesta Luz. Mesmo aqui, no plano material, supondo que já estivéssemos alcançados algum grau de sensibilidade, esse dom da Luz não permitirá apreciar a dinâmica da natureza em todo o seu esplendor, o sorriso no rosto de uma criança, o superior encontro com a arte, nos campos da pintura, escultura e arquitetura, maravilhosas contribuições do ser humano nas belezas físicas da Terra. Sabemos que toda manifestação de beleza tem suas ressonâncias espirituais – não há separações no Universo.

O dom da música, ou o som, vem em segundo lugar de importância, imediatamente após a dádiva da Luz. A música das esferas, a VIBRAÇÃO, eis os fundamentos da Criação. A Palavra, o Fiat Criador, que construiu o nosso sistema solar, é uma contínua, intensa e sempre complexa "composição musical". As harmonias celestes, que já podem ser ouvidas por aqueles que "têm ouvidos" devem ser de uma indescritível beleza. Cada pessoa, coisa, ou criatura, tem a sua nota chave. Os cientistas estão "descobrindo" que mesmo cada tipo de músculo emite certo som e a variação no tipo de som indica o estado de saúde da pessoa. Não poderíamos existir sem Luz e sem Som.

A música é tão essencial na nossa escalada, como o é na marcha da Criação. O seu habitat é o Segundo Céu, o Mundo do Pensamento, a região do som, no momento, este é o verdadeiro lar do Ego. Reagimos à música porque desperta em nós horizontes sempre renovados, ou, se quisermos, memórias sempre mais nítidas do lar do qual fomos temporariamente exilados. Mesmo os seres mais rudes reagem à música. E quando o indivíduo refina os seus sentidos espirituais, a música torna-se uma mensagem direta ao que há de mais superior dentro dele, tratando-se do que chamamos "música clássica". As "presentes melodias" mencionadas na Oração Rosacruz são líricas, celestiais, harmoniosas e grandiosas. Quanto mais adiante trilharmos a senda, desenvolveremos "ouvidos para ouvir", criando a capacidade de identificarmo-nos a essas vibrações gloriosas e tanto mais harmoniosa será a nossa contribuição pessoal na sinfonia cósmica.

Mais um presente pelo qual devemos, certamente, ficar agradecidos é o dom do poder espiritual, que constitui nossa real força como filhos de Deus. O poder espiritual deriva da nossa divindade latente. As obras feitas por Cristo-Jesus, nós faremos também. E algum dia, mesmo as coisas que Deus faz, nós faremos. Somos UMA PARTE de Deus e temos, latentes dentro de nós, todos os Seus atributos. O poder de manifestar esses atributos também está latente, sendo o seu desenvolvimento a nossa tarefa. O nosso poder espiritual incipiente manifesta-se de muitas maneiras: em nossas tentativas de maior criatividade, no trabalho daqueles que se disciplinaram bastante em vidas passadas para merecer o nome de gênios. Vemos esse poder nos exemplos daqueles seres que, apesar de deficiências físicas ou dificuldades emocionais, vencem as mesmas para dar a sua contribuição a elevação da raça humana. Vemos esse poder naqueles que realizam os aparentes "milagres", como trabalhadores na reintegração da criança excepcional na sociedade, ou guiando alcoolistas ou dependentes químicos, de sua degradação para canais de atividade mais produtiva. Vemos esse poder em inúmeras ocasiões entre os nossos semelhantes que recuperam outros seres humanos, livrando-os de uma situação, mental ou materialmente difícil. E mais do que tudo: percebemos esse poder espiritual em nossas vidas, quando nossas orações intensas em favor daqueles que nos rodeiam dão resultado.

É claro, tudo isso é infinitesimal quando pensamos o que a onda de vida humana alcançará em termos de poder espiritual. Quando os nossos veículos ficarem mais puros e refinados e a nossa percepção espiritual mais elevada poderemos trabalhar mais perto das Forças da Natureza e executar tarefas que estão agora completamente além da nossa compreensão.

O elemento coragem é instrumental no nosso uso do poder espiritual: a coragem moral que nos faz permanecer firmes na defesa de nossas convicções, e carregar pacientemente a carga do ridículo, dos lembretes e do abuso que possa ser atirada sobre nós por aqueles que não creem no nosso esforço para o bem comum. A coragem moral baseia-se na compreensão das verdades espirituais e a nossa percepção sempre mais acurada do bem e do mal. Conforme crescemos em sabedoria, crescemos em coragem moral, e, com o tempo, chega a ser um atributo não fortemente arraigado dentro de nós, que uma prova de coragem antes requerendo um enorme dispêndio de força de vontade, passará a ser, na próxima vida, uma expressão espontânea, arrostada sem maiores esforços.

O uso correto do poder espiritual passa a ser uma das nossas maiores responsabilidades, quando escalamos degraus mais elevados em nossa evolução. Devemos cultivar a força de caráter, o bom-senso e discernimento para a obtenção de um saldo positivo dessa responsabilidade. E por isso mesmo pedimos: “como usar o poder que já possuímos".

Existe também, o dom do amor, tão sublimamente exemplificado pelo Cristo em seu sacrifício anual. O universo é mantido por esse amor impessoal que tudo abrange. É essa a motivação das Hierarquias Criadoras que estão amparando amorosamente a evolução da onda de vida humana durante os milhares de eons de nosso Dia de Manifestação. E é esse princípio do Amor que origina o serviço amoroso prestado pelos Arcanjos, Anjos e nossos Irmãos Maiores, guiando-nos através dos problemas do nosso exagerado envolvimento com o Mundo Físico, problemas que devem parecer-lhes, certamente pouco atraentes ou, às vezes, repugnantes!

Podemos dar e receber esse presente do amor. Sabemos que "Deus é Amor" e como chegaremos, um dia a ser, como Ele, e, ainda mais, temos latentes dentro de nós as potencialidades para tão excelso estado. Apesar de não podermos ainda expressar amor divino, a raça humana encontra-se preparada hoje para demonstrar muito mais amor do que tem mostrado em tempos passados. Sabemos que essa situação será corrigida conforme a proximidade da Era de Aquária, e estamos percebendo certos casos isolados manifestando a Fraternidade Universal. Ao avançar esta tendência, manifestaremos sempre mais ativamente esse dom maravilhoso, em vez de sermos como até agora, recebedores passivos.

Agora que passamos à necessidade da dominação Jeovista, pela lei e pelo medo, estamos prontos para progredir pela religião do amor, ensejada pelo Cristo e esperar a dádiva da graça. Se realmente nos arrependemos de nossas transgressões, fazendo as devidas reparações aos prejudicados, quando possível, o amor divino age de tal forma que os nossos pecados são perdoados. É esse o presente que fará a evolução do aspirante notadamente mais rápida. E por esse motivo devemos sentir imensa gratidão em recebê-lo, devendo cultivar ainda o bom-senso de usar essa dádiva ao máximo.

Como corolário do amor, temos o dom de júbilo, da alegria. De toda a criação emana um júbilo contínuo e é somente aqui, neste nosso mundo material, com os seres humanos ainda mergulhados na ilusão da matéria, que ainda há lugar para o desespero, a tristeza e o desalento. Os versos de Schiller decantando a alegria, ou a música exultante de Beethoven em sua Nona Sinfonia, representam, provavelmente, o máximo em termos de compreensão humana da alegria. Qualquer um de nos, previsto com um grão de sensibilidade, ao entrar em contato com tais obras, não deixará de sentir um crescimento na sua capacidade de se ligar aos planos superiores, cuja afinidade com tal tipo de sentimento, nos ajudará a deixar para trás as pesadas cadeias que ainda nos ligam ao Mundo Físico.

A alegria é também outro de nossos atributos latentes, mais um dom maravilhoso que recebemos do Pai, estando a critério do aspirante desenvolvê-lo, ou não. Nossa atitude para com a alegria determinará o colorido de nossas vidas. Todos nos conhecemos pessoas cujas vidas são marcadas por grandes sofrimentos físicos e morais, beirando, às vezes a desastre, porém ainda se mostram gratas por pequenos atos de amizade, por uma palavrinha amável, encontrando sempre algo simpático para dizer, o que não acontece, às vezes com pessoas carregando cruzes mais leves. Há pessoas que parecem dotadas dessa alegria desde as suas infâncias, enquanto que há tanto crianças como adultos portadores de semblantes sombrios. A Filosofia Rosacruz nos ensina que todos esses atributos, mesmos o de dar e receber alegria, são resultados de nossas vidas passadas. Mais um esforço deve ser feito nessa direção, lembrando que o júbilo não é gerado por motivos materiais, e sim espirituais. O estudante sabe que mesmo se a nossa existência física se passa sob condições às vezes insuportáveis, não será mais do que um degrau no nosso aprimoramento para uma meta gloriosa.

Diz Oração Rosacruz: "Faze que dominemos todos os temores". Olhando superficialmente, diremos que o fato de sermos acossados por temores, mesmo com o intuito de que os dominemos, não nos parece ser uma dádiva sobre a qual devemos nos alegrar. Porém, devemos considerar quão livres e independentes seremos uma vez que tenhamos aprendido a dominar qualquer medo e, então, apreciaremos o valor dessa prova. Como aspirantes rosacruzes, já afastamos um bom número de temores que ainda continuam a escravizar nossos irmãos. O primeiro destes é, provavelmente, o medo da morte – para nós simplesmente o nascimento num plano superior. Porém, muitos de nós ainda temos um ou outro tipo de temor que tentamos superar, mais que reaparece apesar dos nossos esforços em bani-lo de nossa consciência. Pode ser o temor de falar em público, ou algumas das "fobias" tão caras aos corações dos psiquiatras, como a claustrofobia e outras.

Nesse contexto, poderíamos até refletir sobre qual seria a nossa reação em face de um perigo físico iminente ou, quando encontraremos pela primeira vez, de maneira consciente, o nosso Guardião do Umbral, ou outro fenômeno desagradável no Mundo do Desejo. Com todo o nosso conhecimento da Filosofia Rosacruz e com todo o pensamento alentador próprio daqueles que servem a Deus, com os melhores de seus recursos, podemos dizer honestamente que cada um de nós não tem medo de NADA? Se for o caso, saberemos que conseguimos "dominar todos os temores", e então não alimentaremos dívidas a respeito do valor dessa dádiva, e o auxílio que recebemos para chegar a esse ponto. Se esse não for o nosso caso, poderemos, então, sentir gratidão para com mais essa ajuda.

A Oração Rosacruz também fala da nossa aspiração em ser "os amigos que desejamos ser". Todos concordam que a amizade é uma das maiores bênçãos, porquanto o ser humano mais pobre e rico, quando há companhia de seus amigos, e o rico solitário no meio de seus esplendores é o mais miserável dos seres humanos.

Queremos ter amigos, queremos sua participação nas nossas vitórias e derrotas e queremos que eles estejam ao nosso inteiro dispor, tanto em termos de serviço, como em termos de lazer. Queremos os amigos, em outras palavras, pelo que nos possam oferecer. Estamos, porém tão preparados a ser um amigo? Estamos prontos a corresponder, apesar de sofrer incômodos com os nossos planos pessoais? Escutamos pacientemente seus problemas oferecendo uma palavra construtiva e encorajadora, ou tratamos de evitá-los enquanto tem os problemas? Teoricamente, parece que cada ser humano admira aqueles que conseguem ser amigo na verdadeira acepção da palavra. Muitos dentre nós, depois de mais sensíveis e refinados, gostaríamos de ser verdadeiros amigos, porém, os antigos hábitos de egoísmo são difíceis de vencer! Certamente, um coração cheio de amor dificilmente encontrará obstáculos nesse sentido. Quando conseguirmos ser "amigos de todos" sem considerar as suas reações para conosco, mostraremos, afinal, em todo seu esplendor o atributo da amizade, continuamente inspirado pelas Forças Superiores.

Outra dádiva, mais evidente ao aspirante após ter progredido em sua Senda, é o privilégio de rasgar a ilusão sobre o mundo material, trocando-a pela vivência das verdades superiores. Nossa habilidade em transmitir "a Verdade que conhecemos" aos nossos irmãos, ajudará, e muito, na sua mais rápida evolução. Nosso conhecimento da Filosofia ensejou-nos vidas completamente reestruturadas para o bem, e isso nos dá ânimo para prosseguir. O autor, residente em Mt. Ecclesia, não pode deixar de sentir o maior júbilo pelo recebimento de cartas manifestando gratidão pela solução de problemas através da Filosofia. Porém, aumentamos o efeito do "transmitir a verdade que conhecemos", quando VIVEMOS a verdade que conhecemos. As verdades espirituais são mais demonstráveis pelo exemplo do que pela palavra. Tanto devemos transmitir a Filosofia em palavras, como pelo nosso exemplo vivente. Sem dúvida, esse é um grande privilégio e um grande dom.

O "senso de perceber" como melhor utilizar os dons de Deus no serviço para com os outros e na nossa própria vivência será notavelmente fortalecido, na proporção em que cultivemos a pureza e o altruísmo. Podemos e devemos pedir ajuda para que esse "senso" cresça, pois aumentará nossa eficiência na seara do Senhor. Sabemos, porém, que não é suficiente o mero formular do pedido. Devemos nos mostrar predispostos a aprender, crescer, a progredir e, em primeiro lugar estar prontos a aceitar as experiências proporcionadas pelas nossas vidas, quaisquer que sejam elas, tentando sempre suportá-las na maneira que corresponder ao reto agir.

A consciência e a intuição são os dois veículos através do qual esse senso de percepção" desenvolve-se. A consciência é a soma das lições assimiladas nos estados purgatoriais segundo as nossas vidas passadas. A intuição é uma faculdade do Espírito de Vida. No Mundo do Espirito de Vida, aonde se encontra a verdadeira Memória da Natureza, o espírito pode compreender as situações mais claramente do que o pode fazer nos planos de maior densidade. Lá ele entra em contato com a Sabedoria Cósmica e sabe como é mais correto agir em dada situação. O Espírito de Vida manda a sua mensagem para o coração, que a envia, por sua vez, ao cérebro, através do nervo pneumogástrico. A intuição capta as "primeiras impressões", e como foram obtidas diretamente da fonte da sabedoria e amor cósmicos são sempre corretas. Como tudo seria mais fácil se seguíssemos sempre as primeiras impressões de nosso coração, expressas em forma de intuição, e temperadas com as orientações, às vezes imperativas, de nossas consciências! Então, o reto agir não requereria, talvez, tanto esforço assim.

"Não Te pedimos mais dons, amado Deus", dizemos e mui apropriadamente dizemos assim, pois Ele nos preparou TODOS OS TESOUROS DO SISTEMA SOLAR, manifestando tudo a nossa compreensão, mesmo aqui, nesse plano tão restritivo! Quando abrirmos os nossos olhos, não deixando de abrir em primeiro lugar os nossos corações, teremos melhor percepção da ordem, harmonia e grandeza que caracterizam o nosso ambiente de evolução e seremos capazes de reverenciar o imenso Amor que o criou.

O que o aspirante Rosacruz deve fazer agora não é pedir. É dar! Milhões de pessoas, em nosso planeta, desconhecem completamente o fato de que suas vidas seguem destinos traçados por elas mesmas através a Lei de Causa e Efeito, ignorando o poder e a realidade da oração, são seres acossados pelas lições da vida, que evidentemente tem de aprender, sem possibilidade de remoção dos grilhões que os dominam. Vegetam passivamente. Não vivem. Cabisbaixos, oprimidos pela lama do chão, não sabem que podem achar no firmamento o alívio de que necessitam. Se o caro leitor é do tipo que mantém profunda compaixão para com as suas próprias penas, pode estabelecer a comparação entre seu destino de ser consciente e a vida perturbada de seus irmãos ainda escravos do materialismo e se considerar imensamente privilegiado.

(Dagmar Frahme na Revista Serviço Rosacruz - fev/85 – Fraternidade Rosacruz SP)