cabeçalho4.fw

Ouça mais Música e Viva Melhor

Ouça mais Música e Viva Melhor

Não há um só escrito deixado pelos médicos da Antiguidade que não prescreva um verdadeiro "tratamento musical" para cada uma das mais diversas doenças que então acometiam o ser humano. Cornélio Célio, o mais procurado dos médicos romanos do tempo da Augustos, seguindo os ensinamentos de outros mestres das artes de curar como, por exemplo, Empédocles e Teofrasto, receitava audições musicais como sedativo para os nervos.

Na Grécia, a música era remédio de todos os momentos. Ateneu de Abaléia, também famoso, reunia músicos para curar, com audições de melodias suaves, aos que sofriam de gota e de dores ciáticas. Outro doutor, Célio Aureliano, chegou a ensinar que as próprias feridas fechavam sob os influxos benéficos de certas músicas e de certos instrumentos musicais.

A História e a Mitologia copiaram a Medicina (ou inspiraram a Medicina?). O grande poeta, Homero, no poema imortal Ilíada, conta que os ferimentos provocados por um javali no herói Ulisses foram curados graças aos efeitos balsâmicos de certa música dotada de qualidades mágicas.

Os árabes tiveram grandes médicos, sua civilização distinguiu-se no período áureo pelo número de bons doutores e pelos cuidados que sempre demonstraram pela saúde. Pois eles acreditaram, mais do que qualquer outro povo, na eficácia dos sons sobre as disposições corporais, na prevenção e no combate às doenças. Para eles, o instrumento musical chamado alaúde era um grande meio de cura. Acreditavam que "cada uma das quatro cordas do alaúde tinha correspondência, respectivamente, com os quatro elementos fundamentais – Fogo, Ar, Terra e Água – que, por sua vez, se relacionavam com os quatro temperamentos: fleumático, melancólico, sanguíneo e colérico.

Vibrando as cordas correspondentes, pretendiam obter a cura dos males que afligiam os doentes de cada categoria" – conforme a descrição feita desse método de cura por Mario Newton Filho.

A Música comparece aos atos religiosos desde os primeiros dias do ser humano sobre a Terra. Acreditavam que a doença e morte fossem obra de demônios, os quais poderiam ser mantidos à distância graças a eficiência de alguns sons musicais.

Começou assim o serviço que a Música presta ao ser humano, tornando-se como que um processo para a aproximação dele com o seu criador. Seja entre os índios, as tribos selvagens da África, as populações primitivas das Ilhas Polinésias, ou nas catedrais das maiores cidades, a Música nas suas variadas formas acompanha as cerimônias religiosas.

A Bíblia conta a história da cura milagrosa do Rei Saul pela harpa do pequeno Davi (Sm 15). Diz assim: "Assim, todas as vezes que o maligno espírito, enviado pelo Senhor, se apoderava de Saul, Davi tomava da harpa, e a tocava com a sua mão, e Saul sentia alívio e se achava melhor, porque então se retirava dele o espírito maligno".

Na Arte, a Música está presente. A Música é uma arte. Talvez a mais difícil e pura das artes. Mas todas as outras se ocuparam com ela e ela sempre se ocupou consigo mesma. Quantos quadros, desenhos, quantas estatuetas e monumentos, quantas poesias e quantas páginas em prosa, já se viu e se leu, falando da música e de suas virtudes.

Isso encontra uma explicação parcial no fato de que todo artista, todo elemento criador, do mais humilde ao mais genial, tem afinidades profanas e íntima com a Música. O músico, por exemplo, pode deixar de apreciar a poesia e a escultura; mas o poeta e o escultor encontrarão sempre na música refúgio e apoio para suas angústias criativas.

Houve até mesmo o caso de um pintor holandês, Hugh van der Goss, que não encontrou paz nem quietação em lugar algum, até que desesperado e premido por ideias de suicídio foi ter a um momento: os padres estavam no coro, cantando e tocando música suave, religiosa. O pintor encontrou nesse momento o caminho da serenidade: a Música.

E um cientista Italiano, Giambatista Della Porta, que viveu pelos anos da descoberta do Brasil, anunciou os princípios de uma nova ciência: a musicoterapia. Della Porta afirmava que "a música executada por flautas feitas com madeiras de plantas medicinais produzia os mesmos efeitos terapêuticos das referidas plantas. Assim, as flautas de álamo teriam efeito eficaz contra a dor ciática e as melodias das de heléboro, obteriam êxito no tratamento das enfermidades nervosas, ao passo que a música das flautas –construídas com fibras de rícino provocariam os conhecidos efeitos ...".

Duzentos anos depois de Giambatista, um médico suíço, Simon Tissot, afirmou a existência de dois tipos de música: incitativa e calmante. Desde esse momento foi criada uma escola de médicos que curavam ou pretendiam curar pela música. Um deles, francês, Jean Louis Charles Des Essartz, que viveu entre 1729 e 1812, em vez de mandar seus clientes a farmácia, mandava-os visitar músicos. Tinha fichários de instrumentos e de partitura, conforme a doença, a idade e o sexo dos seus pacientes.

Por esse tempo, os europeus começaram a conquistar as terras do Pacífico Sul. E aconteceu que em quase todas as ilhas encontraram processos de curas por meio de canções e de músicas. Em Madagascar, os curandeiros usavam o canto, a música e também a dança. Obrigavam os doentes a dançar no ritmo furioso ao gosto do país.

Nas ilhas Molucas, havia uma série de canções curativas chamadas Soso.

Com tudo isso, robusteceu-se a tese que a música exerce influência sobre o estado de ânimo de quem a ouve e, portanto, na saúde física das criaturas. Hoje em dia, não mais se admite que audições musicais possam curar (aceitando a palavra curar segundo o seu preciso significado clínico). Mas todos médicos estão de acordo com o fato de que a música pode exaltar ou deprimir o espírito. E com isso podem ajudar ou atrasar a recuperação de qualquer doente, principalmente de moléstias nervosas.

Já se vai tornando comum a presença da música nos locais de trabalho. Há organizações especializadas em ligações técnicas e na seleção das músicas que compõem o ambiente. Ficou provado que se pode obter ambiente de melhor entendimento e índice de produção mais elevado mediante audições de músicas determinadas.

Assim, já se encontram muitas fábricas com alto-falantes transmitindo música nos locais de trabalho, onde ela seria uma estranha, indesejável há não muitos anos. Os ônibus e os trens mais modernos também levam músicas para atenuar o cansaço das longas viagens. E o mais curioso de toda a história da música é a observação positiva de criadores holandeses que obtiveram a prova estatística deste fato notável: as vacas estabuladas produzem mais leite e são mais dóceis ao trato quando confinadas em estábulos onde a audição musical é constante.

Tem, pois, razão, mais uma vez, a sabedoria popular, quando pôs em circulação o provérbio conhecido: "Quem canta, seus males espanta." O ser humano pode melhorar muito o ambiente em que vive e a tensão nervosa que o martirize se souber cercar-se, em tempo certo e lugar certo, da música também certa.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz de jan/1969)