cabeçalho4.fw

Pintor das Folhas

Pintor das Folhas

Jeferson esfregou os olhos e olhou de novo. Havia alguém sentado no galho mais baixo da árvore pintando uma folha. Ele a estava pintando cuidadosamente de vermelho vivo, e não estava derramando nem um pouco de tinta. (Certamente fazia melhor do que Jeferson podia fazê-lo. Quando ele pintava na escola, o chão ficava sempre imundo e a professora não ficava muito feliz).

— Oi, disse Jeferson. Por que você está fazendo isto?

A pessoa que estava na árvore olhou para baixo e deu um sorriso tão grande que suas bochechas muito rosadas se estufaram, parecendo duas maçãs vermelhas. Ele enxugou o seu pincel, colocou-o sobre o balde de tinta que estava cuidadosamente pendurado no galho e pulou.

— Olá, Jeferson, disse ele. Eu estava querendo saber quando você viria me visitar.

— Como você sabe meu nome?, perguntou Jeferson. E quem é você?

— Meu nome é Bimbo e nós conhecemos todas as crianças da vila.

— Oh! exclamou Jeferson surpreso. Tão surpreso que esqueceu as boas maneiras e encarou fixamente Bimbo, mas este não parecia estar se importando com isto.

Bimbo era pouco maior que Jeferson. Ele vestia macacão marrom, sapatos vermelhos com bicos virados para cima, e um longo chapéu verde com um sininho na ponta.

— Onde você mora?, perguntou Jeferson repentinamente. E como você conhece todas as crianças? E quem é “nós”? 

— Ha, ha, riu Bimbo. Uma pergunta de cada vez, por favor. Nós somos: eu, meus irmãos, irmãs, tios, tias, primos e primas. Moramos aqui na floresta e conhecemos todas às crianças porque observamos vocês todos crescendo, desde que nasceram.

— Oh, exclamou Jeferson de novo, ainda encarando Bimbo. Mas por que você está pintando a folha?

Bimbo sorriu, sentou-se numa grande tora marrom e disse:

— Em que época do ano estamos, Jeferson?

— Bem, disse Jeferson pensativo e sentou-se também. É a época em que as maçãs ficam maduras, as nozes caem, fazemos máscaras com abóboras e — e — é outono. É isso!

— Certo, concordou Bimbo. E o que mais acontece no outono?

— Nós temos que ir para a escola, disse Jeferson de cara feia.

— E isso é muito bom, disse Bimbo. Mas você não consegue se lembrar de outra coisa que acontece no outono?

— Bem, disse Jeferson, puxando a orelha direita.

De repente, seus olhos ficaram grandes e redondos como um pires e ele olhou ainda mais fixamente para Bimbo.

— Oh, ele disse e oh, de novo. As folhas mudam de cor!

— “Ub-huh,” murmurou Bimbo, pegando um galhinho e desenhando no chão com ele.

— Você quer dizer — você quer dizer que você as pinta? perguntou Jeferson que estava agora mais surpreso do que antes.

— Certamente, disse Bimbo, continuando seu desenho. Sou eu, meus irmãos, irmãs, tios, tias, primos e primas.

— Mas eu pensei que elas tivessem mudado de cor sozinhas, disse Jeferson. Não sabia que alguém as pintava.

— Hum, bufou Bimbo, parando de desenhar. Seu rosto normalmente alegre, parecia um pouco aborrecido. Coisas como esta não acontecem sozinhas. Alguém tem que as fazer acontecer.

— Oh! Disse Jeferson pela quinta vez e sentou-se imóvel, olhando para a floresta.

Ele percebeu que as folhas de muitas árvores tinham mudado de cor e que realmente ali tinham muitas, muitas árvores.

— Você tem muitos irmãos, tios, tias, primos e primas? perguntou depois de algum tempo.

— Oh, sim disse Bimbo, que havia recomeçado seu desenho. Muitos e muitos e muitos deles. Em qualquer lugar onde houver um jardim, mesmo com uma árvore apenas, um de nós tem que estar lá para cuidar dele.

Bimbo fez algumas linhas a mais no seu desenho, jogou de lado o galhinho e levantou-se, dizendo:

— Agora você vai ter que me dar licença, Jeferson, tenho muita coisa para fazer e se nós não cumprirmos o horário, as folhas estarão ainda verdes quando a neve começar a cair e aí vai dar confusão.

— Eu posso ver você trabalhar? perguntou Jeferson.

— Claro, respondeu Bimbo sorrindo. E também converse comigo. Gosto de companhia quando estou pintando.

Então, Bimbo levantou os braços e, com um pulo extraordinário, agarrou o galho mais baixo da árvore, alçou-se e sentou no galho. Mergulhou seu pincel na tinta e começou a trabalhar.

— Muito bom, disse Jeferson, que também era um saltador exímio. Levantou os braços, dobrou os joelhos e saltou o mais alto que pôde. Mas não foi o suficiente. Jeferson tentou de novo, várias vezes, mas não conseguiu alcançar o galho.

Ele olhou desapontado para Bimbo que sorriu e disse:

— Treine, Jeferson, treine. Tudo requer prática.

— Até pintar sem espirrar tinta? perguntou Jeferson.

— Lógico, até pintar sem espirrar tinta! Respondeu Bimbo, que tinha começado a trabalhar na folha seguinte. Você gosta de pintar, não é, Jeferson?, perguntou.

— Oh, sim, gosto. Mas a professora não quer que eu pinte porque faço muita sujeira, respondeu Jeferson.

Sentou-se de novo na tora e ficou pensando por algum tempo. Subitamente, teve uma ideia e exclamou:

— Já sei o que vou fazer. Vou fingir que sou Bimbo pintando as folhas, vou pintar com bastante cuidado e assim, talvez, eu não suje nada.

— Boa ideia, Jeferson, disse Bimbo. Acho que se você tentar vai conseguir.

Por algum tempo, Jeferson ficou sentado na tora e contou a Bimbo sobre a escola, sobre sua irmãzinha e sobre seu cachorro Mike. Bimbo não falou quase nada porque estava muito ocupado, mas Jeferson sabia que ele estava ouvindo.

De repente, o sino da vila tocou seis vezes.

— Oh, oh, disse Jeferson, levantando-se rapidamente. Eu não posso me atrasar para o jantar. Foi um prazer conhecê-lo, Bimbo, disse educadamente. E eu não esquecerei como as folhas mudam de cor!

— Olhe, Jeferson, pegue isto.

Bimbo arrancou a folha vermelha que ele havia acabado de pintar e deixou-a cair flutuando até Jeferson.

— Obrigado, Bimbo, disse Jeferson, apanhando a folha. Vou guardá-la dentro de meu livro novo e talvez a mostre para a professora amanhã. É realmente bonita.

Jeferson olhou para à folha por um minuto, depois acenou para Bimbo.

— Tchau, ele gritou e correu para a vila.

Bimbo sorriu.

— Adeus, Jeferson, disse. Depois levantou-se e cuidadosamente pendurou sua lata de tinta no galho mais próximo, alçou-se e começou de novo a trabalhar arduamente.

(Do Livro Histórias da Era Aquariana para Crianças – Vol. IV - Compiladas por um Estudante – Fraternidade Rosacruz)