cabeçalho4.fw

Oração Rosacruz

Publicada em folheto em 1909 e incluída no livro The Rosicrucian Christianity Lectures, editado se à eficácia da verdadeira oração nos contra as orações de carácter egoísta, palavrosas e sem um verdadeiro amor pelo nosso próximo, que frustram a finalidade que uma oração deve servir.

A oração genuinamente eficaz, pelo contrário, deve estar em perfeita harmonia com a Natureza de Deus, que é Amor.

Em seguida conta como encontrara uma oração em forma de poema na revista London Light alguns anos antes, e intitulou-a: AN IDEAL PRAYER (Uma Prece Ideal) e a conservado, desde então, como um tesouro inestimável.

E, no texto dessa conferência, Max Heindel acrescenta:

"Este é o tipo de oração que eleva e enobrece, e quanto mais se cultivarem e mantiverem estas sublimes aspirações tanto mais se elevam os dois Éteres Superiores do Corpo Vital. Por isso as Igrejas dizem 'orai sem cessar', e nisso estão de acorco com os ensinamentos ocultos, pois dessa maneira atua-se sobre o Corpo Vital pela repetição constante de aspirações elevadas. Antes de podermos serguir a Senda Oculta é absolutamente necessário que se afrouxem os laços que prendem os dois Éteres Superiores aos dois Éteres Inferiores, pois a condição para podermos funcionar, sem perigo, fora do Corpo Denso é que saiamos envolvidos naqueles, deixando o Corpo Denso ao cuidado destes".

 

Esta oração foi adotada por The Rosicrucian Fellowship para ser lida entre a conferência e o Hino de Encerramento, no Serviço do Templo. O original inglês consta de seis quadras, em versos rimados, o que perfaz um total de 24 versos.
Sabemos que 24 é um número cheio de significado, e a musicalidade da poesia pode acordar ressonâncias especiais nas subtis regiões do 2.º e 3.º Céus. Como as traduções portuguesas que se conhecem são em prosa, fica prejudicado um componente importante, melódico e espiritual, ainda que os conceitos do conteúdo estejam correctamente traduzidos.

O texto original é da professora, poetisa e pacifista americana Florence May Holbrook (1860-1932). - por Antonio de Macedo

Original em inglês:

A Prayer
Not more of Light I ask, O God,
But eyes to see what is;
Not sweeter songs, but ears to hear
The present melodies.
 
Not more of strength, but how to use
The power that I possess;
Not more of love, but skill to turn
A frown to a caress.
 
Not more of joy, but how to feel
Its kindling presence near,

To give to others all I have
Of courage and of cheer.
 
No other gifts, dear God, I ask,
But only sense to see
How best those precious gifts to use
Thou hast bestowed on me.
 
Give me all fears to dominate,
All holy joys to know;
To be the friend I wish to be,
To speak the truth I know.
 
To love the pure, to seek the good,
To lift with all my might
All souls to dwell in harmony,
In freedom's perfect light.

 

Em português, clique aqui