cabeçalho4.fw

Cartas de Max Heindel: Maçonaria, Co-Maçonaria e Catolicismo

Maçonaria, Co-Maçonaria e Catolicismo

No final da lição do mês passado, nos referimos a algumas pessoas que são praticantes da Maçonaria Mística, e isso poderá parecer que fazemos parte de uma Co-Maçonaria. Devemos dizer, enfaticamente, que não é essa a realidade, embora, por princípio ético, nunca tenhamos falado depreciativamente de qualquer movimento legítimo. Em particular, temos advertido constantemente os nossos estudantes contra a religião oriental, porque é perigosa para o mundo ocidental, ainda que perfeitamente adaptada para ao Oriente. A Co-Maçonaria é o resultado do crescimento de uma sociedade promulgadora do Hinduísmo. No inverno de 1899 a 1900, a presidente daquela sociedade esteve em Roma e uma das suas auxiliares encontrou, acidentalmente, os ritos maçônicos na biblioteca do Vaticano. Ela copiou-os sem autorização e deu-os à sua superiora que, por sua vez, acrescentou neles um grau extra. Esses são, agora, os ritos da Co-Maçonaria.

As afirmações anteriores são fatos que podemos provar; mas deixamos os nossos estudantes em liberdade para que tirem as suas próprias conclusões sobre a eficiência ética e os poderes de desenvolvimento anímico que pode possuir um movimento baseado em ritos obtidos desse modo. Além disso, ainda que nós saibamos positivamente que os ritos vieram de Roma, duvidamos que uma pessoa pudesse iludir a vigilância que há naquela biblioteca. Acreditamos que ela tenha agido, inconscientemente, pelas mãos do Vaticano. Assim, a Co-Maçonaria é tanto indiana como católica em sua origem. Não é reconhecida pelas corporações Maçônicas regulares, apesar de que possam alegar os seus fundadores.

No final da lição sobre Maçonaria e Catolicismo, resumimos os pontos correspondentes às suas relações cósmicas com o objetivo de extrair a essência do ensinamento. Agora, a última palavra – a quinta essência do nosso argumento:

A palavra franco-Maçom deriva do vocábulo egípcio phree messen, "Filhos da Luz". Essas palavras foram originalmente empregadas para designar os construtores do Templo de Deus – a alma humana.

A palavra Católica significa "universal", e originalmente foi empregada para diferenciar a abrangente Religião Mundial – o Cristianismo – das Religiões de Raça, como o Hinduísmo.

O sangue é o veículo do Espírito e, sob o regime de Jeová e dos Espíritos de Lúcifer, se contaminou com o egoísmo. Tanto a Maçonaria como o Catolicismo anseiam purificar o sangue e estimular o altruísmo.

A Maçonaria ensina o candidato a conquistar a sua própria salvação; o Catolicismo deixa o candidato dependente do sangue de Jesus. Aqueles que usam o método positivo se tornam, naturalmente, almas mais fortes; dessa forma, a Maçonaria deveria ser fomentada mais propriamente do que o Catolicismo.

(Por Max Heindel – livro: Cartas aos Estudantes – nr. 29)