cabeçalho4.fw

A tentação e a sua importância no discernimento do bem e do mal

A tentação e a sua importância no discernimento do bem e do mal

Elman Bacher em seus estudos de Astrologia escreveu: "o artista no homem durante as épocas passadas tratou de interpretar em versos, canções e quadros, seu conceito de vida como uma grande luta. Toda escritura narra a história, em símbolos e alegorias, dos ataques furiosos das forças das trevas contra a fortaleza da luz, a contenda do diabo contra Deus pela alma do homem, a fricção incessante entre o mal e o bem, o tentador que procura, eternamente, acabar com aquilo que é aspiração no coração humano".
Isso faz parte da nossa evolução e saber como funciona nos fortalece para extrair melhor o ensinamento que nos é oferecido. Vejamos então, de onde vem tudo isso.

Todos nós descendemos de uma raça chamada semitas originais. Nós, como Semitas, fomos a primeira raça a ganhar o livre arbítrio e a faculdade de poder escolher o que fazer.

Essas duas condições – caminhar por conta própria e decidir o que fazer – eram necessárias, como ainda o são, para desenvolver a faculdade da razão a nossa Mente, a fim de aprendermos a pensar estando na consciência de vigília nessa Região Química do Mundo Físico.

Em qualquer escola que cursamos, seja no primeiro grau, segundo na faculdade, de tempos em tempos são dados testes ou provas a fim de nos examinar e descobrir se aprendemos as lições dadas.

Do mesmo modo, na escola da vida, os sublimes mestres que nos orientam na nossa evolução, de tempos em tempos, nos dão provas que realcem ou destaquem os nossos pontos débeis.

Essa é a maneira mais eficaz de corrigir as nossas deficiências e fortalecer o nosso caráter. Esse é o momento onde o mestre se converte em tentador, ou em outras palavras: se converte num adversário ou inimigo (Satã ou Satanás em hebreu).

Temos vários casos na Bíblia: por exemplo, no capítulo 24 do Segundo Livro de Samuel de 1 a 15: "Tornou-se de novo a acender o furor do Senhor contra Israel e excitou o Senhor contra eles a Davi, permitindo que dissesse: vai e numera a Israel e Judá. Disse, pois, Davi a Joab, General do seu exército: corre todas as tribos de Israel desde Dan até Betsabée, e fazei a resenha do povo, para eu saber o seu número (...) e tendo percorrido toda a terra, voltaram para Jerusalém depois de nove meses e vinte dias (...) acharam-se em Israel 860 mil homens robustos (...) mas, depois que foi contado o povo, sentiu Davi ao Senhor: eu cometi, nessa ação, um grande pecado: mas rogo-te, ó Senhor que perdoe a iniquidade de teu servo, porque obrei muito nesciamente (...) mandou, pois, o Senhor, a peste a Israel (...) e morreram do povo desde Dan até Betsabée 70 mil homens".

Na passagem: "excitou o Senhor" vemos que o Senhor permitiu que Davi caísse na tentação de vã glória e ambição ordenando o recenseamento. Isso é evidenciado se notamos que em primeiro Paralipômenos Capítulo 21, versículos de 1 a 13 temos a mesma passagem só que relatada da seguinte forma: "Levantou-se, pois Satanás contra Israel e incitou a Davi a fazer resenha de Israel e disse Davi à Joab, e aos principais do seu povo: Ide e fazei a conta a Israel desde Betsabée até Dan e trazei-me o número para eu saber".

Davi deveria ter confiança em Deus e atribuído a ele toda força e poder que possuía e não a quantidade de soldados que existiam.

Ora Davi era semita e Jeová era o Deus de Raça responsável por toda a evolução naquela época. Os semitas eram teimosos e gostavam de fazer tudo por si só. Aí a represália em forma de peste de modo a deixar bem claro que a quantidade de homens era insignificante se comparado ao poder de Jeová.
Note, então, que Satanás apareceu com o significado de adversário, de tentador, a fim de provar ao próprio Davi até onde ia a sua fé.

Perceba que o próprio Davi tão logo viu a estupidez que fez caiu em remorso no seu coração. Só que naquela época não havia o perdão dos pecados e estavam sob a lei e devia-se aprender pela dor – ai a peste e todo o sofrimento. Entretanto, da mesma forma que hoje, uma vez aprendida a lição, o ensino foi suspenso!

Temos um segundo exemplo no livro de Jó (1:6-22 e 2:1-10): "Um dia em que os filhos de Deus se apresentaram diante do Senhor, veio também Satanás entre eles (...). E o Senhor disse-lhe: 'Notaste o meu servo Jó? Não há ninguém igual a ele na terra: íntegro, reto, temente a Deus, afastado do mal'. Mas Satanás respondeu ao Senhor: 'e a troco de nada que só teme a Deus? Não cercaste como de uma muralha a sua pessoa, a sua casa e todos os seus bens? (...) Mas estende a tua mão e toca em tudo o que ele possui: juro-te que te amaldiçoará na tua face'. 'Pois bem', respondeu o Senhor. 'Tudo o que ele tem está em teu poder; mas não estendas a tua mão contra a sua pessoa'".

Daí por diante tudo o que Jó possuía foi sendo destruído por inimigos ou por fogo ou por furacão. Jó perdeu tudo.

Então, Jó se levantou, rasgou o manto e raspou a cabeça. Depois caído, prosternado por terra, disse: "Nu saí do ventre de minha mãe, nu voltarei. O Senhor deu; o Senhor tirou. Bendito seja o nome do Senhor".

Em tudo isso Jó não cometeu nenhum pecado, nem proferiu contra Deus nenhuma blasfêmia. "Ora um dia em que os filhos de Deus se apresentaram diante do Senhor, Satanás apareceu também no meio deles (...) o Senhor disse-lhe: Notaste o meu servo Jó? (...) Foi em vão que me incitasse a perdê-lo".

"Pele por pele!" – respondeu Satanás. "O homem dá tudo que tem para salvar a própria vida. Mas estende a sua mão, toca-lhe nos ossos, na carne; juro que te renegará na tua face".

O Senhor disse a Satanás: "Pois bem, ele está em teu poder, poupa-lhe apenas a vida! (...) Satanás feriu Jó com uma lepra maligna, desde a planta dos pés até o alto da cabeça. (...) Sua mulher disse-lhe: Persiste ainda em tua integridade? Amaldiçoa a Deus; e morre! Falas, respondeu-lhe ele, como uma insensata. Aceitamos a felicidade da mão de Deus; não devemos também aceitar a infelicidade?".

Em tudo isso Jó não pecou por palavras. Essas provações só mostram quão firmes devemos ser. Tudo Deus nos deu. Tudo só Ele pode nos tirar. Tudo que possuímos são bens que temos o privilégio de administrar. Se administrarmos bem, mais possuímos. Se administrarmos mal, até o que temos nos será tirado.

Esses são os talentos que Cristo nos fala, em São Mateus 25; 14-30.

Satanás, aqui, é senão o adversário se empenhando para provar a Jó. Entretanto, perceba que ele nada faz sem a permissão de Deus que, por outro lado, não permite que Satanás nos tente acima de nossas forças!

Além disso, Deus nos ajuda com a sua graça de tal forma que tudo o que o adversário ou o inimigo nos faça redunde em nosso bem, mostrando-nos e reforçando em nós as virtudes e o merecimento.

Lembrarmo-nos disso nos ajudará, e muito, a nos mantermos firmes em meio às adversidades.

Qualquer pessoa, qualquer circunstância ou qualquer ser pode se tornar um Satanás, um adversário, um inimigo para nós num momento em que dele precisamos.

E o que é Satanás para nós, pode não ser, e muitas vezes não é para os outros. O importante e ter em mente que quando qualquer pessoa ou qualquer sugestão de qualquer pessoa – seja ela a pessoa que mais amamos ou que mais respeitamos ou, ainda, a que mais nos espelhamos – vier nos pedir ou sugerir que façamos algo que, pela lógica, pela razão e pelo nosso coração é errado devemos dizer como Cristo disse a São Pedro em São Mateus (16; 23): "Afasta-te Satanás; tu és para mim um escândalo; teus pensamentos não são de Deus, mas dos homens!".

Não devemos também amaldiçoar o tentador, o nosso adversário, só porque ele se apresentou como tal para nós.

De repente essa apresentação se deu só uma vez e não se dará mais. De repente ele nem se sentiu adversário nosso. Também não adianta tentar ensiná-lo que está errado ao pedir ou sugerir "algo errado".

Nesse momento, nós é que estamos sendo tentados; a lição é para provar-nos, não a ele. Ele é apenas o instrumento; devemos sim repreendê-lo como Cristo o fez, mostrando nossa consciência no bem. Outras vezes nós nos tornamos o adversário de nós mesmos. Quando não temos vontade e inteligência de agir corretamente.

Na Bíblia, Saturno é Satanás, Satã, o adversário, o inimigo, o opositor, o que luta contra, o contrário. Aquele que limita; que obstrui; que cristaliza; que nos incomoda. Aquele que nos deixará passar para um nível mais elevado se provarmos ter o merecimento necessário. Aquele que nos incita a nada fazer; a fraquejar; a xingar; blasfema; a cristalizar; a perder tempo. Enquanto ficamos nisso, nada conseguiremos e só retrocedemos. Aprendamos com as nossas fraquezas e elas nos elevarão. É nosso dever prosseguir, agir, desafiar novos opositores, abrir novos horizontes. Lembremos que: "a messe é grande e os operários são poucos".

Daqui concluímos que Saturno é o tentador que nos incita a não agir; a blasfemar; a opor-se.

Outro tentador há que nos incita a agir, mas agir para o mal; a manter uma compreensão errada pela Mente; a viver na ignorância. Nesse sentido Cristo-Jesus foi tentado três vezes pelo demônio no deserto. As tentações visavam tocar no ponto mais fraco, com isso o tentador poderia justificar a sua queda alegando que: ou se fazia assim ou morreria.

Entretanto, é preferível morrer a trabalhar para o mal! Após Cristo-Jesus ter jejuado 40 dias e 40 noites "o tentador aproximou dele e lhe disse: 'se és Filho de Deus, ordena que estas pedras se tornem pão'. Cristo-Jesus respondeu: 'Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus'"(Mt 4:1-14).

Através do seu poder espiritual, Cristo-Jesus poderia matar sua fome, mas é uma lei cósmica que não se pode usar o próprio poder para tirar algum proveito material para si mesmo. Se o fizesse estaria praticando magia negra! E o demônio sabia disso.

Na segunda tentação, "o demônio transportou-o à cidade santa, colocou-a no ponto mais alto do templo e disse-lhe: 'se és Filho de Deus, lança-te abaixo, pois está escrito: ele deu a seus Anjos ordens a teu respeito; proteger-te-ão com as mãos, com cuidado, para não machucares o teu pé em alguma pedra'.

 

Disse-lhe Cristo-Jesus: 'Também está escrito: 'não tentarás o Senhor teu Deus'".

Note que o demônio percebeu que Cristo se apoiava nas Sagradas Escrituras, e também só apoiou nela para fundamentar a sua sugestão!

Na terceira e última tentação "o demônio transportou Cristo-Jesus, uma vez mais, para um monte muito alto, e lhe mostrou todos os reinos do mundo e a sua glória, e disse-lhe: 'dar-te-ei tudo isto se, prostrando-o diante de mim, me adorares'. Respondeu-lhe Cristo-Jesus: 'Para trás, pois está escrito: 'Adorarás o Senhor teu Deus e só a ele servirás'". Com a ajuda do demônio, que possuía o controle sobre a terra, naquele tempo, seria fácil se tornar um herói maravilhoso no conceito das pessoas sem ter os transtornos e as dificuldades que viriam.

Entretanto logo descobria que "teria ganhado o mundo inteiro, mas perdido não só a sua própria alma, mas a alma do mundo inteiro, que tinha esperança de salvar"! Além do que a Reino de Deus não é deste mundo; não é o Reino dos homens; o Reino de Deus é celeste.

Após essa última tentação "o demônio o deixou-o por um certo tempo".

Repare na última frase: "por um certo tempo", pois a prova não foi feita de uma vez, mas de tempos em tempos. Durante a Sua vida terrestre, encontramos a Cristo refutando as mesmas provas.

Esses três tipos de provas, de tentações são as três mais difíceis que estamos, constantemente, passando: interesse pessoal, poder pessoal e fama pessoal. No início do nosso caminho Espiritual essas provas nos apresentam como simples e clara de serem refutadas, mas conforme progredimos, torna-se menos óbvio e mais sutil. E como diz Tomás de Kempis, em Imitação de Cristo: "por isso lemos no livro de Jó (7:1): 'É um combate a vida do homem sobre a terra'. Cada qual deve estar acautelado contra as tentações mediante a vigilância e a oração, para não dar azo as ilusões do demônio, que nunca dorme, mas anda por toda parte em busca de quem possa devorar (IPd 5:8)".

O demônio ou o diabo é o nome comum dado a Lúcifer ou Espíritos Lucíferos, cujo planeta residente é Marte. Como diz em Fausto, quando pergunta quem é Lúcifer: "o Espírito da negação; o poder que trabalha para o bem, embora planejando o mal".

O trabalho de Lúcifer foi, e ainda é, mostrarmos que existem o bem e o mal. Com isso ele trouxe-nos a dor, a tristeza e a morte, roubando-nos a inocência e a paz. Pois como éramos ingênuos e ignorantes abusamos da força criadora sexual, tornamos conscientes do nosso corpo físico – nosso Corpo Denso – esquecemos os mundos espirituais e mergulhamos no pecado, mas obtivemos a possibilidade de escolher entre fazer o bem ou cair na tentação fazendo o mal.

A tentação tornou-se parte fundamental da nossa vida. É ela que nos traz a paciência, quando tentamos e não conseguimos fazer o certo; a humildade, quando erramos e nos humilhamos; a esperança, quando, após muito sofrimento estamos prestes a desistir; a fé, quando se sentindo perdido apoiamos na graça e na consolação divina; ânimo, quando nos sentimos fortalecidos ante uma tentação sobre passada e; principalmente, a consciência que, através da sua voz e quando aconteçam circunstâncias onde antigas tentações nos apresentam, ela nos orienta como agir não nos deixando cair nelas.

QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ.