cabeçalho4.fw

Vigiar e Orar: você pratica no seu dia a dia?

Vigiar e Orar: você pratica no seu dia a dia?

Vamos refletir sobre o poder de Vigiar e Orar e para que isso se aplica no nosso desenvolvimento espiritual.

A Bíblia é, ao mesmo tempo, um livro aberto e fechado, isto é, guarda em cada citação, no mínimo sete gradações de verdade igualmente válidas, segundo o nível de consciência da pessoa que a estuda. Conduz, por assim dizer, o estudante, de porta em porta, à compreensão cada vez mais profunda do trecho em exame. E esse despertar nos vem de diversos modos, ora como um lampejo iluminador, ora numa percepção de outro ângulo por algo que lemos ou ouvimos. De toda a maneira é sempre um despertar interno, um abrir de consciência que nos leva, dali adiante, a perceber todas as outras coisas um pouco mais profundamente. Mas esse despertar não nos vem da mente, senão DO PENSADOR: a mente é um veículo do Espírito que através dela reflete suas conclusões.

Quanto mais nos abrimos ao Espírito, mais fielmente o escutamos. Quanto mais abrimos mão de “nossas ideias, de nossos pontos de vista”, tanto mais ouvimos a novidade do Espírito que nos renova a percepção e nos liberta do círculo vicioso dos conceitos pessoais.

Meditemos, por exemplo, sobre a exortação “ORAI E VIGIAI”. O alcance da compreensão de cada Aspirante está limitado pelo que ele entende por orar e por vigiar. Uns acham que orar é recitar fórmulas pré-estabelecidas e que tais palavras têm um poder mágico, independente da CONSCIÊNCIA de quem as pronuncia. Outros usam afirmações e negações de verdades fixadas por outrem ou redigidas mentalmente por eles. Outros, ainda, “conversam” honesta e sentidamente com Deus.  E ainda outros nada pensam, nada dizem; simplesmente buscam DEUS em seu íntimo, na convicção de que isso basta para preencher o verdadeiro sentido de oração.

São degraus, todos eles respeitáveis. Uns mais eficientes que outros. No entanto, muitos pedem e não recebem, porque não sabem pedir. Não é que Deus faça distinções e exija normas. É que o ser humano NÃO SE ENDEREÇA A DEUS, não sai de si mesmo ao encontro de Deus. Não é que o ser humano deva vencer a relutância de Deus. A verdade é que o ser humano deve VENCER A PRÓPRIA RELUTÂNCIA. Ele reluta e não sai de si mesmo: quando ora para ser visto pelos outros como um devoto; quando fala muito e bonito, para satisfazer a própria vaidade intelectual. Mas Deus não vê a embalagem, senão o conteúdo... a intenção.

A nosso ver, a mais alta forma de oração é o contacto com o Cristo interno. E até que o consigamos, é a busca, em nosso íntimo, de nossa Centelha: fechamos “nosso aposento” e o buscamos, dizendo simplesmente: “Senhor, aqui está o teu servo (a natureza humana); fala que eu escuto; enche meu vaso”.

Isto pode ser feito em qualquer lugar. Quando temos de esperar alguma coisa, aproveitemos um minuto e façamo-lo. Porém, na tranquilidade e com tempo é melhor. Então podemos relaxar-nos, meditar sobre algo elevado, edificante, e depois, naquela atitude de escuta, de calma expectativa, com a mente e as emoções esvaziadas, esperamos que Deus Se nos comunique.

Quem já recebeu uma centelha que seja dessa mensagem divina, pode comprovar que a verdadeira direção humana vem de sua Fonte divina. E passa a buscá-la em todas as oportunidades e circunstâncias, quer como um namorado saudoso que não vê a hora de reencontrar a amada, quer como um esposo preocupado que se vai desabafar e aconselhar com a esposa ou um amigo prudente.

Vigiar é manter-se num estado de consciência em que seja possível ser dirigido por Deus. É uma questão de sintonia, como uma “chave de onda” de rádio, que nos liga com a faixa de onda correspondente. É claro, pois, que, para Deus conversar conosco, devemos ter equilíbrio emocional, emoções e pensamentos construtivos. As águas revoltas, como que despedaçam a imagem do céu; só no espelho tranquilo de um lago podemos ver refletidas as estrelas do firmamento. Assim também Deus se mira e fala em nós. A falta de controle emocional, os pensamentos negativos, as piadas maliciosas e mentiras com as quais condescendemos, no que chamamos “interesses e imposições comerciais”, debilitam e acabam por destruir o que de bom temos em nós.

Vigiar e orar é isto. Não se pense, que pelo simples fato de se ingressar numa Escola, por honesta e eficiente que seja, em ouvindo-lhe as palestras, respondendo-lhe às lições, conseguimos grande avanço. Por esse engano é que muitos velhos estudantes chegam a desanimar. O estímulo e orientação vêm de fora, POR AMOR de quem nos deseja elevar. Mas o proveito vem de dentro, de nossa assimilação e prática da verdade. Não é a verdade objetiva que nos liberta, mas a COMPREENSÃO, A VIVÊNCIA da verdade, A APROPRIAÇÃO da verdade e SUA EXPRESSÃO PRÁTICA na vida cotidiana.

Podem objetar que isto seja impossível. Não é fácil realmente, mas é possível. Disse o Cristo aos apóstolos, que os lançaria ao encontro dos homens comuns, como ao encontro de lobos e, por isso, que “fossem mansos como as pombas, porém prudentes como as serpentes”.

O valor e o progresso nos advêm desses pequenos méritos diários. Herói não é o que realiza num gesto denodado um ato grandioso; é o que vence as pequenas provas de todos os dias e persiste no bem, até chegar, degrau e degrau, àquele objetivo de todo aspirante a espiritualidade: o encontro consigo mesmo, a entrega de sua vida ao “eu verdadeiro e superior”, a cujos pés deporemos os despojos de nossas batalhas, como o fez Abrahão e Melquisedeque, porque então, o Cristo interior será nosso “Rei e Sumo Sacerdote”.

(Publicado na revista ‘Serviço Rosacruz’ – 09/71)