cabeçalho4.fw

Os Céus Proclamam a Glória de Deus: conheça isso e utilize no seu dia a dia

Os Céus Proclamam a Glória de Deus: conheça isso e utilize no seu dia a dia

"Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento mostra a Sua obra. Dia após dia se exterioriza pelas palavras e, noite após noite, revela o Seu conhecimento. Não há discurso nem linguagem onde a Sua voz não seja ouvida. A Sua linha cruza toda a Terra e as Suas palavras vão até aos confins do Mundo. Neles pôs um tabernáculo para o Sol, o qual é como um noivo saindo da sua câmara ou um atleta regozijando-se ante a perspectiva de entrar numa corrida" (Sl 19).

Por toda a parte, à nossa volta, vemos como ao se levantar o Sol se esparge a luz e à vida; logo sobe até ao mais alto do céu para se pôr depois, ao final do dia, no horizonte ocidental, em luminosas labaredas com infinita variação de tons de indescritível beleza, que nenhum pincel é capaz de reproduzir na tela, de modo perfeito.
Então a Lua, luminar da noite, se levanta sobre os cerros do Leste trazendo consigo para o zênite as inumeráveis estrelas e constelações, seguindo o Sol na sua ininterrupta dança circular. A escritura estelar descreve assim no mapa do céu a evolução passada, presente e futura do ser humano dentro do marco das constantes mudanças do mundo concreto, sem descanso, nem tranquilidade, enquanto o mundo existir.

Nesse sempre variável caleidoscópio dos céus há uma estrela, apenas uma, que permanece tão relativamente estacionária que, sob o ponto de vista da nossa vida efêmera de 50, 60 ou 100 anos, é um ponto fixo — a estrela do Norte.

Quando o marinheiro vai no seu navio sobre a imensidade dos mares, está certo de chegar são e salvo ao porto desejado, desde que se oriente pela estrela polar. Nem mesmo quando nuvens escuras escondem esse guia ele se atemoriza, porque tem uma agulha magnetizada por um poder misterioso, que em tempo claro, de chuva ou treva, aponta sempre, invariavelmente, para aquela estrela imóvel, permitindo ao navegante se orientar na solidão do mar com tanta segurança como se visse a própria estrela.

Na verdade, os céus proclamam as maravilhas do Senhor. O que sucede no macrocosmo, o grande mundo fora de nós as repete no pequeno círculo das nossas próprias vidas. Quando nascemos, o sol da vida se levanta e começamos a ascensão para a meninice, juventude até ao zênite da idade madura.

O mundo, na sua constante mudança, forma o ambiente em torno de nós incluindo pais, irmãos e tudo o que nos rodeia. Com amigos, conhecidos e inimigos, temos de fazer frente a batalha da vida e de a sustentar com a força adquirida em vidas passadas pagando, assim, as dívidas contraídas e levando as cargas dessa vida ou talvez aumentando o seu peso, segundo a nossa sabedoria ou ignorância.

Mas no meio de todas as circunstâncias da vida e das vicissitudes da existência há sempre um grande guia que, como a estrela polar, nunca nos falta à vista, tal como a imóvel estrela do Norte, um guia sempre disposto a nos ajudar a dirigir a nave da nossa vida para o porto de salvação: Deus. É significativo ler na Bíblia que os sábios ou Magos, na sua busca do Cristo – nosso grande Instrutor Espiritual — seguiram também uma estrela que os conduziu a essa grande luz.

Que diríamos do capitão de um barco que abandonasse o leme e deixasse o barco ser arrastado pela correnteza, expondo-o assim ao azar dos ventos? Estranharíamos que esse barco se esfacelasse contra as rochas e ele perdesse a sua vida no naufrágio? Certamente que não. O chocante seria que chegasse ao porto, são e salvo.

No céu está inscrita, em caracteres cósmicos, uma maravilhosa alegoria. Igualmente está escrita em nossas vidas e nos induz a renunciar à vida sempre flutuante da matéria, para seguir a vida eterna de Deus. Não nos deixaram sem guia, ainda que o céu da carne, o orgulho da vida e as paixões nos ceguem durante algum tempo. Porque, tal como a agulha magnética do marinheiro aponta para a Estrela Polar, assim o espírito nos impele para a sua origem, com um desejo e um anseio que nunca poderão ser totalmente suprimidos, por muito que tombemos nas profundidades do materialismo.

Muitos estão buscando atualmente um remédio para esse impulso interior, parece que algo os impele, sempre saibam em que consiste; algo que os leva sempre para diante, buscando o espiritual para chegar a maiores alturas: a nosso Pai que está no Céu.

Davi disse (Sl 139:8-10): "Se subir ao céu, Tu lá estás; e se eu fizer no inferno a minha cama, Tu estarás ali também". "Se eu tomar as asas da Alva; se habitar na extremidade do mar, ainda lá me guiará a Tua mão, e me susterá a Tua direita".

E no Salmo 8:4-6: "Quando eu vejo os Teus Céus, obra dos Teus dedos; a Lua, e as estrelas, que Tu estabelecestes: Que é o homem para Tu te lembrares dele? Ou o filho do homem, para Tu o visitares? E que Tu o fizeste pouco menor que os Anjos; que o coroaste de glória e de honra? "

Tudo isto não é novo para os que buscam a Luz e que tem feito o que podem para viver a vida. Mas o perigo está em que mesmo esses podem se tornar indiferentes ou espiritualmente estacionários.

Por esta razão, como o timoneiro está sempre de sobreaviso, observando a bússola que o guia, assim é da maior importância que vigiemos continuamente, porque de outro modo adormeceremos e o navio da nossa vida sairá fora do seu rumo e se perderá.

Olhemos, pois, com firmeza para essa estrela de esperança, essa grande luz Espiritual, e única coisa que merece a pena viver: a VIDA DE DEUS.

(Revista 'Serviço Rosacruz' – 05/79 – Fraternidade Rosacruz – SP)