cabeçalho4.fw

O Casamento do Cordeiro

O Casamento do Cordeiro

Abramos o Novo Testamento e leiamos, no Apocalipse, capitulo 19, versículos 6 a 10, o seguinte: "E eu ouvi como que a voz de uma grande multidão e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! Pois já o Senhor Deus Todo-poderoso reina. Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-Lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a Sua esposa se aprontou. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; por, que o linho fino são as justiças dos santos. E disse-me: 'escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro'. E disse-me: 'Estas são as verdadeiras palavras de Deus'. E eu lancei-me a Seus pés para o adorar: porém Ele disse-me: 'Olha não faças tal: sou teu servo e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus: adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito da profecia'".

Esta passagem se refere ao casamento místico do Ser superior com o inferior dentro do indivíduo – o perfeito equilíbrio dos polos positivo e negativo do Espírito.

Os ensinamentos da Sabedoria Ocidental velam que o "Espírito não é nem homem nem mulher, mas que durante o presente estado de manifestação se torna necessário dedicar uma metade da força criadora para o desenvolvimento do cérebro e da laringe, por meio dos quais podemos criar pela palavra e produzir imagens mentais que serão reproduzidas em matéria concreta do Mundo Físico. Dessa forma tornou-se necessário desenvolver um organismo físico com dois sexos – um expressando a qualidade espiritual da Vontade (masculina) e outro a da Imaginação (feminina).

Como cada espírito nasce alternadamente em corpos masculinos e femininos, assim também expressa, alternadamente, suas faculdades gêmeas de Vontade e Imaginação. Cada uma delas predomina em cada vida, enquanto a outra permanece latente, determinando, assim, os sexos masculino ou feminino. Porém, como o espírito renasce dia após dia, vida após vida, na Grande Escola vai se tornando, com o aprendizado, mais capacitado a compreender e dirigir o mecanismo dos sexos até que lhe vai sendo possível expressar simultaneamente e em certa medida essas duas qualidades. Mas esse trabalho vai sendo efetuado por graus, até que o homem se encontre realmente nas mais sutis qualidades femininas e a mulher dentro de si se identifique com os mais nobres traços masculinos. Quando tal ocorre, produz-se o equilíbrio e tem lugar o casamento místico. Em tal condição, o ser humano estará funcionando com os seus dois hemisférios cerebrais. É dito que no céu não há casamento nem se dar em casamento, porque o Espírito lá está livre das limitações e imposições da carne. Lá não há problema sexual nem está o espírito sujeito à expressão unilateral de um de seus polos. A qualidade dual da alma é então utilizável e, consequentemente, o casamento é desnecessário. Cada um cria o arquétipo de seu futuro corpo, com apenas a assistência das Hierarquias Divinas, para sua próxima incorporação. Só quando se deixa o reino da alma penetrando-se no do sexo é que se torna necessária a cooperação de pessoas para a formação de corpo concreto ou veículo físico, que se adapte ao arquétipo construído no Segundo Céu. Este conhecimento de nossa constituição permite ao estudante ocultista entender hoje a necessidade de encarar-se como realmente é uma unidade criadora integral. Desse modo, vai ele preservando racional e conscientemente sua força criadora a fim de usá-la como energia em fins espirituais. E assim, naturalmente, ela provoca a ascensão do fogo espinhal para que, ao devido tempo, se defrontem dentro de nós o homem e a mulher. Tal fato foi muitas vezes exposto de modo falso por certas escolas espiritualistas na teoria das Almas Gêmeas, prestando-se a grosseiras concepções, uniões sexuais ilícitas etc.

Realmente é do modo descrito que se realiza dentro de nós o Casamento Místico, com a ligação desses dois polos e o despertar de uma consciência criadora em todos os reinos da Natureza.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz – 4/72 – Fraternidade Rosacruz – SP)