cabeçalho4.fw

Fogos de São João

Fogos de São João

Pensando sobre os FOGOS DE SÃO JOÃO, apresentam-se vários aspectos sobre o tema, como de símbolos, de uma história verídica e também mística, em que a pessoa que chamamos JOÃO, o BATISTA, está envolvida. A humanidade está intimamente ligada a essa pessoa, eminentemente desenvolvida, através dos milênios do passado.

Pela história bíblica sabemos que João, o Batizador, era o último dos Profetas em Israel, filho do sumo sacerdote Zacarias e de sua esposa Isabel. Isso consta nos Evangelhos. Max Heindel conhece em seus estudos, como Elias, Profeta que existiu 700 anos antes da era Cristã. Elias, João Batista, era capacitado de dotes espirituais poderosos em vidas anteriores, por haver formado em si o VERBO DIVINO, a VIDA DIVINA NO HOMEM.

Podemos ver essa afirmativa no segundo Capítulo, versículo 5, do segundo livro dos Reis, que diz o seguinte: "Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: sabes que o Senhor Deus hoje tomará o teu Senhor (Elias) por cima de tua cabeça?" E ele disse: "Também eu o bem sei; Calai-vos".
Por essa conversa íntima entre os filhos dos Profetas (veja todo o segundo capítulo) a respeito de Elias (João Batista) com o Profeta Eliseu, podemos avaliar a sua educação espiritual. Eliseu, como discípulo de Elias, tinha conhecimentos sobre o afastamento de Elias da Terra num turbilhão de Fogo (CARRO E CAVALOS EM FOGO, versículo 10) que separará o Mestre de seu discípulo. Elias afasta-se em um redemoinho de fogo da Terra.

Os fatos acima tiveram relação fundamental na Anunciação do nascimento, vida e morte de João Batista. A Anunciação da Concepção com Isabel foi feita em circunstâncias de 'Fogos espirituais', pois o Anunciador, o ANJO GABRIEL, do plano do ESPÍRITO SANTO, foi escolhido para essa sublime missão; foi o mesmo, que mais tarde, meses após, anunciaria a MARIA a Concepção de seu filho Jesus. Zacarias e Isabel como também José e Maria, em relação à Anunciação, ensinam que as personagens tinham Iniciações dos planos do Espírito de Vida, pois se aproximava a eles o "ANJO GABRIEL". Os corpos físicos e espirituais deles mesmos tinham alcançado qualidades, onde a esfera Angelical os tangia.

O que nos importa nesses acontecimentos, puramente esotéricos, é sabermos a respeito de Elias em sua "ascensão fogosa" 700 anos A.C. e se manifestando mais tarde, no tempo de Cristo, como de anunciador Dele num fulgor de Verbo espiritual, anunciando a vinda "Daquele que havia de vir", a quem prepararia o caminho, pregando as sábias palavras do ARREPENDIMENTO. Pois, clamava, sem o arrependimento não haveria acesso do Salvador para suas almas. Disse que não haveria mais perdão por meio dos sacrifícios dos animais.

Sabemos perfeitamente, como estudantes do ocultismo, que o arrependimento resulta em nossos corpos emocionais, onde reside o fogo inferior dos desejos e do nosso intelecto inferior, o limite para a ascensão aos planos de Deus. Os fogos inferiores dos corpos emocionais, com o meio do arrependimento, devem-se dar a purificação, resultando a ascensão para os "FOGOS ESPIRITUAIS DO ESPÍRITO DE VIDA DE CRISTO, E DE SEU PAI".

Pensando sobre símbolos, mesmo tratando-se de datas, que se apresentam ao Estudante, no fato de Isabel concebendo o espírito de Elias, seis meses antes de Maria conceber a do Jesus, espírito que guiava o Rei Salomão, e antes de 3000 anos da era Cristã, o guia espiritual da antiga Índia denominado Krishina, mostra por meio destes acontecimentos históricos - religiosos - espirituais, o valor que representam na evolução humana.

Colocando as datas calendários a nossa frente, dia 21 de junho para o nascimento de João Batista, e Jesus no dia 24 de dezembro, verificamos em linha reta a oposição dos Signos Zodiacais com os seus devidos Regentes.

Encontramos o Signo de Câncer com o seu Regente, a "Lua", para João Batista-Elias, e o Signo de Capricórnio, Regente de Saturno, para Jesus. Essa linha aparentemente oposta trata do equilíbrio dentro do sistema Solar. Não é uma oposição cósmica, pelo contrário, uma harmonia perfeita, AGUA-TERRA; sabemos que o Sol deriva do Período Saturno do Pai, e entra em seu avanço evolutivo ao Período Lunar. Mostra-se a Trindadetrindade. Havemos o perfeito equilíbrio, Sol em Câncer, e em Capricórnio. Saturno-Sol-Lua. No plano Solar entra em função os Solstícios nas datas acima. As forças solares interligam-se às condições gerais da Terra.

Procurando a ligação entre os eminentes personagens em foco, Jesus-João Batista, verificamos que eles foram, pela Hierarquia, escolhidos para serem utilizados como conciliadores entre os seres humanos da Terra e os demais exaltados elementos celestiais.

Podemos também pensar, com base nos estudos, que eles não tinham mais necessidade de renascer por causa de sua Ressurreição em tempos passados, como dito, em um redemoinho de fogo. Para Jesus-Salomão-Krishina seria o mesmo sentido de aplicar. Os solstícios coincidem com seus renascimentos constantes em planos de revoluções solares, os quais incitam os tempos propícios para as Iniciações dos seres humanos da Terra.

Voltando para explicar a nossa preocupação a respeito da salvação da humanidade, verificamos ainda, fora das palavras do arrependimento, as sábias palavras de João Batista, que dizem, "ESTAR UM ENTRE NÓS, A QUEM ELE NÃO É DIGNO DE DESATAR AS CORREIAS DE SUAS SANDÁLIAS, PORQUE ESTE BATIZA COM FOGO E ESPÍRITO, e ele (João) somente com água".

Percebemos, nisso, que a divisa seria o Batismo do FOGO E DO ESPÍRITO resultante do ARREPENDIMENTO. Mais logo haveria o batismo da ÁGUA E DO FOGO, DA ÁGUA DA VIDA-DO CORPO DE CRISTO ligado ao ESPÍRITO SANTO. Cristo bem disse à Samaritana na fonte quando solicitava água, que, se Ele ofereceria água, nunca mais sentiria sede, e haveria alcançado a VIDA ETERNA (a longa vida dos alquímicos, a Pedra Filosofal, que é o CRISTO). Por meio do Arrependimento assegura-se a mutação, a transfiguração do ser humano, a sua INCORRUPTIBILIDADE no corpo de CRISTO.

(Revista 'Serviço Rosacruz' – 09/84 – Fraternidade Rosacruz – SP- texto de F. PH.Preuss)