cabeçalho4.fw

Nosso Serviço para com os Animais

Nosso Serviço para com os Animais

Como sabemos, os animais agem sob a direção de seus Espíritos-Grupo e não estão individualizados no sentido dos seres humanos.

Para muitos de nós é óbvio, contudo, que os animais domésticos parecem ser capazes de “pensamentos" e “atividade inteligente” num grau além do que seu presente estágio evolutivo pareceria indicar.

Esta capacidade de aparente “pensamento” — este passo na direção da individualização dos animais domésticos — é devido ao fato destes animais terem estado em tão íntimo contato com os humanos, tendo, por muitas encarnações, sido treinados e influenciados por humanos na direção de seu presente estágio de desenvolvimento. Estes animais estão à vanguarda da onda de vida animal e serão os escolhidos como ensinantes e guias para os animais menos desenvolvidos durante o próximo Dia de Manifestação, quando terão se tornado realmente individualizados.

É bem sabido pelos Estudantes da Filosofia Rosacruz que, durante o Período de evolução de Júpiter que está se aproximando, a raça humana servirá de ajuda e estará a serviço do reino animal, ajudando-os a tirarem o máximo proveito de suas experiências naquele Período de Manifestação. Nós, então, trabalharemos para os animais bem, do mesmo jeito, como os Anjos estão nos servindo e conosco trabalhando atualmente. Sabemos que, pelo menos em parte, nosso serviço representará reembolso do tremendo débito em que estamos incorrendo como resultado da tortura e matança que neles infligimos agora.

Talvez, todavia, nós não estejamos tão-conscientes, ou alertados, do fato que os que entre nós temos animais domésticos e estamos agora mesmo ajudando-os em sua evolução e, talvez ainda mais importante, em formá-los e influenciá-los a serem futuros guias de sua onda de vida. Pois, é certamente verdadeiro que tais animais como gatos, cachorros e cavalos são os membros mais avançados da sua onda de vida e, como tais, serão os mestres e guias do inteiro reino animal, quando se tornarem individualizados e alcançarem o estágio de evolução “humano”. Dar-nos conta da responsabilidade que sobre nós incumbe como ensinamentos de tais guias futuros é certamente um pensamento maravilhoso, mas ao mesmo tempo profundamente solene.

De fato, quantos de nós já tentamos trabalhar, brincar, treinar, ou simplesmente afagar nosso cachorro ou gato com a clara consciência de seu potencial como possível pioneiro e mestre? O que quer que façamos para nossos bichinhos agora, e como quer que os tratemos, é certo que se insinuará em sua consciência e terá efeito sobre suas futuras personalidades. Treiná-los numa atmosfera de bondade e carinho agora ajudará a encorajar características semelhantes num animal ao chegar um indivíduo de sua maneira. Semelhantemente, um ambiente de aspereza e indiferença teriam seus efeitos negativos.

É verdade, naturalmente, que a consciência, conscientização e personalidade do animal se formarão dentro do contexto de muitas prévias encarnações, e não é provável que qualquer uma encarnação individual como animal seria uma determinante final com relação a suas qualidades futuras em seu próximo passo evolucionário importante. Dado o tremendo poder do amor, bondade e pensamento positivo, contudo, parece evidente que o que quer que possamos fazer para um animal doméstico (ou qualquer animal, por sinal) que esteja baseado nestas forças positivas, ajudará a dar-lhe uma receptividade e correspondência a elas e estimulará sua própria habilidade, quando o tempo chegar, em fazer uso delas em seu trabalho como guia de sua onda de vida.

Tem havido um bocado de especulação entre alguns estudantes ocultistas de que os animais, após a morte, podem e de fato voltam para seus donos em encarnações subsequentes. Os animais mortos, naturalmente, juntam-se a seus Espíritos-Grupo novamente, e seus períodos, entre encarnações físicas, são muito menores que os dos humanos. Muitos donos estão seguros de reconhecer num novo bichinho, o amado gato ou cão perdido algum tempo antes. Embora não tenha sido comprovado (para satisfação da Mente materialista) que os animais voltam assim, é razoável e lógico imaginar que poderiam e o fazem. Certamente parece provável que o Espírito-Grupo, sempre vigilante pelo bem-estar e progresso dos seus, julgue vantajoso devolver um animal ao antigo dono que o amou e estimulou seu desenvolvimento, de forma que possa novamente beneficiar-se de tal trato e tal ambiente benéficos. Pareceria também que a Lei de Associação aqui operaria. Portanto, os entre nós donos de animais, podemos por vezes ter o privilégio — e a responsabilidade — de amar, treinar, e trabalhar com o mesmo animal mais de uma vez.

De qualquer maneira, não importa quão frequente — ou infrequentemente estejamos envolvidos com determinado animal, poderemos ter certeza que, de uma maneira ou outra, estamos deixando nossa impressão permanente nele. Seja para bem ou para mal, isto é, inteiramente conosco. Se nos concentrarmos um momento nos magníficos esforços que os Anjos — na verdade, todas as Hierarquias Criadoras — têm feito em nosso benefício, nos parecerá que o menos que podemos fazer, agora que nos tornamos indivíduos de Mente e consciência despertas sobre o significado da evolução e progresso, será contribuir na maneira que for possível para o desenvolvimento de outras ondas de vida avançando por trás de nós. Naturalmente nossos esforços serão amadorísticos se comparados com o que pode ser conseguido por Inteligências Criadoras mais avançadas. Assim mesmo, só o bem pode vir do bem. Se lidarmos com os nossos animais no pleno conhecimento que o que fazemos influirá diretamente sobre sua evolução e sobre a maneira na qual eles, em troca, influenciarão outros membros de sua onda de vida, chegando o tempo, poderemos dar uma marcada e extremamente benéfica contribuição a seu progresso evolucionário.

Poderia não estar fora de lugar considerarmos por instantes as complicações pelas quais nossa própria onda de vida passou pela influência dos Espíritos Lucíferos, iniciada num tempo om que éramos mentalmente mais débeis que agora e provavelmente sem um poder efetivo para dela nos guardarmos, mesmo que já soubéssemos bastante para querer passar por ela. Evidentemente, os animais hoje estão ainda mais desamparados com relação ao mal que o ser humano lhes inflige. Já foi bastante repetido que tremenda dívida estamos contraindo por causa disto, mas bem aparte disto, não é assustador pensar que tanto mal esteja sendo praticado a uma onda de vida inteira apenas para satisfazer nossos próprios desejos? Naturalmente, a maioria dos humanos não vê a coisa assim, ignorando ainda abençoadamente as grandes complicações e ramificações ligadas a nosso tratamento errado dos animais. É, portanto, particularmente incumbente sobre os estudantes dos Ensinamentos da Sabedoria Ocidental o de fazermos tudo que seja possível para amenizar esta situação no ambiente em que nos movermos. Nós, pelo menos, podemos lidar com os bichinhos, os animais em geral cientes do efeito que nosso tratamento terá sobre seu desenvolvimento posterior. Isto é ainda mais importante quando considerado na luz do fato que os animais que estamos agora ajudando a influenciar terão, por sua vez, muito provavelmente como um dever de liderança o de ajudar seus contemporâneos a superar os efeitos dos mesmos males que hoje o ser humano pratica neles.

Uma palavra de cautela se faz, porém, necessária. Bondade amoroso em nosso trato com os animais domésticos não deveria ser confundida com fazer-lhes todas as vontades. O gato que desperdiça seu tempo espreguiçando-se na almofada sempre dentro de casa e o cãozinho do colo que sempre lá está de casa para o carro com “passeios” limitados a andar de coleira pelo quarteirão, não aprenderá as lições de independência, coragem, e iniciativa que outros animais, não importa quanto dura sua sina, estão aprendendo. Semelhantemente, como na criação de crianças, o tipo de “amor” sufocante, superprotetor dado aos animais é apenas uma manifestação de egoísta sentido de posse por parte do dono, e nada de bom faz aos animais tanto quanto diga respeito ao desenvolvimento de seus futuros caracteres. Amemos nossos animais, certamente, mas lembrando que eles têm lições a aprender e consciência para cultivar, e que isto só pode dar-se se forem deixados livres para participarem de atividades nas quais tais coisas podem ser realizadas. Tal não acontecerá se forem forçados a viver na indolência, totalmente sufocados por afeto e personalidade humanos.

(Traduzido de Rays from the Rose Cross – publicado na revista ‘Serviço Rosacruz’ – 05-06/87 – SP)