cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

Como educar crianças "difíceis"?

O seguinte comentário, sobre um problema de educação infantil, é uma ótima ilustração do valor do exemplo na orientação dos filhos. Conforme nos ensinam os "Princípios Rosacrucianos na Educação da Criança". Foi ele publicado em "Rays from the Rose Cross", revista oficial de nossa Sede Mundial.

 

Pergunta: Finalmente, este mês, vimos o horóscopo de nossa filha Marjorie, comentado na revista. Estivemos esperando por ele e estamos mais gratos do que possam imaginar. Como sabe, a criança está com três anos e meio de idade. Ela já evidencia uma grande energia a cada explosão temperamental (Sol em Conjunção com Marte e em Quadratura com Urano) a cada tentativa de restrição a sua liberdade. Reage com uma teimosa resistência, tanto mental como física. Como transmutar e canalizar essa energia é nosso problema. Para citar o horóscopo: "Os pais devem começar imediatamente o trabalho de exemplo". Temos estudado o caso da Marjorie e procurado obter resultados. Ela não corresponde aos nossos carinhos.

Um pouco antes de recebermos o horóscopo comentado pela revista já havíamos decidido que o único recurso seria o castigo corporal. Sei muito bem que a educação pode ser obtida por outros meios. Porém, muitas coisas, que são possíveis na Escola, não são praticáveis no lar. Além disso, nunca tivemos orientação dos métodos educacionais para crianças da idade de Marjorie. Minha esposa tem lido muito a respeito do treinamento infantil, leituras estas que reprovam castigos corporais, mas falham porque não dizem qual o método que poderia substituir esse rigor. Como poderemos conseguir a obediência dela, sem que tenhamos de recorrer à punição física? Nós somos fieis no que lhe dizemos, até nos menores detalhes e ela não esquece, mas nos corresponde com egoísmo. Gostaríamos que o Sr. nos desse um exemplo concreto, uma sugestão a respeito do método a adotar, alguma ideia de como devemos proceder. Muito lhe agradeceríamos, pois queremos, acima de qualquer coisa neste mundo, operar na Marjorie o milagre da transmutação. Embora isto nos entristeça, devemos admitir que a criança é mesmo ingrata e não nos devemos queixar por isso. Mas, honestamente como operar esse milagre, Sr. Heindel?

 

Resposta: Algumas crianças são mais difíceis para se lidar do que outras. Na verdade até nós devemos alegrar com uma criança como a Marjorie. A razão é simples: ela tem espírito e individualidade. A chamada "boa criança", que é um modelo de comportamento e de obediência, às mais das vezes é motivo de mais preocupação, pois, sua natureza carece de iniciativa. As crianças difíceis estão sempre destinadas a abrir caminho no mundo e adquirir muitas experiências, tanto por meio de uma vida virtuosa e de glorioso serviço como também pelos revezes de uma vida de mau procedimento, que se transmutará no Purgatório em aumento de consciência. Já com a "boa criança" isto não se dá, embora cresça e viva uma existência inteira sem haver feito mal e nem bem aos outros causticantes. Todo aquele que trilha os caminhos do vício com passo firme, pisará também firmemente o caminho da virtude, quando seus pês se voltem para a direção oposta. Porém as pessoas mornas, que não são nem quentes nem frias, essas realmente são as que causam preocupações. Portanto, o Sr. não deve temer por Marjorie. Afinal, ela está em ótimas condições. Somente uma alma forte possui tais configurações estelares, com essas características tão marcantes.

Com referência ao método de correção e ajuda para que ela mude sua rebeldia, sugerimos que o mais certo é o Sr. não andar tomando nota das pequenas negligências, aquelas ofensazinhas que ela faz. Quando muito, poderia o Sr. dizer a pequena: "eu não faria isto ou aquilo"; ou então, como um conselho indireto: "não deixe que os outros vejam isto que você fez, pois podem pensar que você não é uma menina educada". É preciso que o Sr. compreenda que à medida que ela vai formando novos hábitos, irá rompendo com os mais antigos. Levando isto em conta, você desistirá das repetidas correções à pequena, que poderiam vir a embrutecê-la. Muitas oportunidades surgirão para que o Sr. adote uma linha melhor de conduta. Em tais ocasiões, o Sr. conhecendo as preferências e gostos da menina em matéria de alimentação, divertimentos, vestuário ou passeios, poderá apertar o parafuso no momento certo. No início fá-lo-á delicadamente. Aos poucos fará mais pressão, até que a objetivo seja atingido. Uma criança nunca deverá ser privada da alimentação, mas, com a nutrição indispensável para a manutenção de seu bem-estar poderá ficar privada dos manjares que ela aprecia. Em casos como este de que estamos tratando, é perfeitamente legítima a aplicação do "Suplicio de Tântalo". Tendo ela feito uma grande reinação ou cometido desrespeito, o Sr. coloca na mesa os manjares preferidos da pequena, dizendo que ela não poderá comê-los por haver feito aquilo. Ela então verá o papai e a mamãe comerem com satisfação aquilo que lhe é negado por recalcitração. Assim deverá ser feito até que ela concorde em fazer o que deve ser feito. É o método que nos parece mais seguro para conquistar a obediência. De certa forma, a mesma coisa se aplica com referência a outros gostos. Em relação ao vestuário, fá-la vestir a roupa de que ela não gosta (a qual, muitas vezes, é a que serve de chacota por parte dos companheiros de brinquedo). Assim a criança tudo fará para que os companheiros não a vejam. Sacrifica, assim, a contragosto, o que gostaria de estar fazendo: brincar. Deste modo, apertando cada vez mais o torniquete, a obediência será obtida. E ela dirá: "deixa-me usar o outro vestido que eu não farei mais aquilo".

Há outros métodos do mesmo gênero. Entretanto, tais corretivos devem ser usados apenas como último recurso e nunca frequentemente, para que a criança não se torne indiferente a eles. Em geral, o apelo ao amor que deve ter para com os pais, as boas lembranças que deverão existir e que a pequena goste de relembrar, os "porquês" decorrentes etc., estes sim, deverão ser os únicos meios, que reputamos os mais eficazes, para mudar uma criança.

(Revista: Serviço Rosacruz – 04/65 – Fraternidade Rosacruz –SP)