Perguntas e Respostas

O que acontece quando morremos repentinamente?

Resultado de uma morte repentina

Pergunta: Na edição de novembro de 1917, da Revista "Rays From the Rose Cross" havia uma história intitulada: "Enfrentando o Pelotão de Fuzilamento", narrando como um espião foi encostado a uma parede e fuzilado. Logo depois, ele, completamente consciente, conversa com um Rosacruz, e em sua companhia viaja milhares de quilômetros a fim de visitar sua irmã. Não éisso contrário ao que é ensinado pela Filosofia Rosacruz? Ela ensina que depois de o Átomo-semente ter sido removido do coração e oCordão Prateado rompido, vem um período de inconsciência que dura cerca de três dias e meio, e durante esse período o Espírito repassa o panorama de sua vida findada.

 Resposta: Sim, isso éensinado no Livro “Conceito Rosacruz do Cosmos", e continua a ser verdadeiro em todas as circunstâncias ordinárias. Contudo, quando se fala da lei da mortalidade infantil, explica-se que quando uma pessoa passa ao outro mundo em virtude de circunstâncias fatídicas, tais como incêndio ou desastre, ou subitamente pela queda de um edifício ou de uma montanha, ou numa batalha, ou quando as lamentações dos parentes ao redor de um morto recente tornam-se impossível concentrar-se no panorama da vida, então sua fixação nos dois Éteres Superiores, o Luminoso e o Refletor, e sua amálgama com o Corpo de Desejos não se efetua.Nesses casos o ser humano não perde a consciência. E desde que não há fixação nos veículos mais sutis como acontece normalmente, ele não passa pelo Purgatório; isto é, não colhe o que semeou, não há sofrimento em consequência de seus erros, e não há sentimentos de alegria e amor em vista do bem que praticou, no Primeiro Céu. A colheita da vida perdeu-se.

Para contrabalançar este grande desastre, oEspírito, ao entrar em sua próxima vida terrena, é forçado a morrer na infância, noque se refere ao Corpo Físico (o Corpo Denso). Porém, o Corpo Vital, o Corpo de Desejos e a Mente (que ordinariamente não nascem senão quando o Corpo Denso tem sete, quatorze e vinte e um anos, respectivamente) permanecem com oEspírito em transição, pois, o que não foi vivificado não pode morrer; o Espírito permanece então no Primeiro Segundo Céu de um a vinte anos, recebendo instruções e lições objetivas tais como lhes seriam ensinadas pelo panorama de sua vida passada, se não tivesse sido interrompido pelo acidente. Desse modo renasce pronto a tomar seu lugar correto na senda da evolução.

Há nessas considerações grandes soma de alimento espiritual. A grande percentagem de mortalidade infantil de nossos dias tem suas raízes nas guerras de épocas anteriores. As perdas de vida foram relativamente pequenas, embora as mortes decorrentes de guerras patrióticas tivessem seu número bastante aumentado por duelos, rixas e querelas comuns, onde armas mortais foramusadas naqueles tempos. Não obstante a soma total dessas ocorrências parece insignificante quando comparada à espantosa carnificina de nossos dias. E se isso tiver de ser corrigido da mesma maneira, as futuras gerações terão uma colheita de lágrimas. Mas, como já deixamos bem claro em outras ocasiões, cada lágrima derramada por alguém a quem amamos, está dissolvendo a crosta que recobre nossos olhos, até odia em que possamos ver com bastante clareza a fim de penetrar o véu que agora nos separa daqueles a quem chamamos erradamente de mortos. Virá então a vitória sobre a morte, e estaremos aptos a exclamar: "Ó, Morte, onde está teu aguilhão? Ó Túmulo, onde está tua vitória?”.

 

(Revista Serviço Rosacruz – 05/74 – traduzido da Revista “Rays from the Rose Cross”)