cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

Qual a relação entre a Força Criadora e o Envelhecimento?

Pergunta: Qual a relação entre a Força Criadora e o Envelhecimento?

Resposta: (A seguinte é uma entrevista ao rádio com uma Probacionista idosa, 97 anos e meio, em Michigan. A data da gravação foi 9 de setembro de 87 e foi ao ar em 13 do mesmo mês. A entrevista foi com a própria filha).

Bette (nome da filha entrevistadora): Estou orgulhosa e feliz em apresentar nossa convidada especial, escritora, poeta, e vovó que pratica jardinagem e toca piano, diariamente. Ainda cozinha pratos deliciosos. Ela, Marika Kusserelis, gostaria de compartilhar um pouco de sua sabedoria dirigida a uma vida criativa e ativa após os noventa. Ela nos contará sobre a força criadora e o envelhecimento baseado no conhecimento por ela adquirido durante anos de estudo, observações, e experiência por uma longa vida. Mãe, diga-nos onde encontra tanta energia e inspiração?

Marika: Por falar em força criadora, gostaria de recitar a primeira parte de uma de minhas orações favoritas: "Não te pedimos mais luz, Senhor, mas olhos para ver a luz que já existe; não canções mais doces, senão ouvidos para ouvir as presentes melodias; não mais força, senão o modo de usar o poder que já possuímos; não mais amor, senão habilidade para transformar a cólera em ternura; não mais alegria, senão como sentir mais próxima essa inefável presença para dar, aos outros, tudo o que já temos de entusiasmo e coragem. Não te pedimos mais dons, amado Deus, mas apenas senso para perceber e melhor utilizar os dons preciosos que recebemos de Ti. Faze que dominemos todos os temores; que conheçamos todas as santas alegrias. Para que sejamos os Amigos que desejamos ser; para transmitir a verdade que conhecemos; para que amemos a pureza; para que busquemos o bem. E, com todo o nosso poder, possamos elevar todas as Almas, a fim de que vivam em Harmonia e na Luz de uma Perfeita Liberdade! Nesta oração entendemos que estamos todos dotados de vontade divina em canais criativos e positivos, de conformidade com nossos talentos interiores. Deus deu-nos uma Mente na qual pode refletir sua Mente Divina e dirigir-nos para a Dele. É uma questão de auto entendimento. Um dos mais famosos antigos filósofos gregos, Sócrates, costumava ensinar repetindo: "Homem, conheças a Ti Mesmo." É entendido que através do conhecimento próprio, a verdadeira natureza de nosso ser, alcançamos a chave que leva à força que existe em nós.

Estudando-nos, observando nosso pensar, nossas tendências emocionais, espirituais e físicas, e tentando melhorá-las, gradativamente obtemos conhecimento próprio, a "verdadeira natureza" de nosso ser. Isto confere razão a nossa fé, a chave que leva a força existente, aquela força criadora interna.

Bette: Diga-nos sobre a força criadora conforme a experimentou.

Marika: Tenho aprendido que toda natureza está pulsando na força criadora de Deus. O ser humano com todo seu provado intelecto pode ajudar-se a si mesmo e a dirigir energias para canais criativos positivos. Isto é muito importante para todos nós – descobrir o gene divino em nós e cooperar com as leis perfeitas de Deus. Eu pessoalmente amo a natureza: vejo natureza na vontade de Deus. A natureza é só criadora e sua criatividade é verdadeiramente científica, artística e bela. Tomemos como exemplo uma humilde flor silvestre – uma margarida do campo. Veremos como ela é feita com perfeição dentro de sua espécie. A ciência material não pode reproduzir sua vida, sua perfeição. A tecnologia ocupa seu lugar e desenvolveu-se muito para o nosso conforto e prazer, mas a vida é a verdadeira fonte da ciência: nossos cientistas devem ficar espiritualizados para descobrirem que eles próprios podem tornar-se criadores de vida como alguns mencionados na Bíblia. Mas hoje os cientistas não podem produzir vida como faz a natureza.

Bette: O gene da natureza é verdadeiramente inspirador já que mencionou isto. Assim sendo, quanto mais tornamo-nos espiritualizados tanto mais poderemos tornar-nos criativos?

Marika: Sim.

Bette: O que dizer sobre o envelhecer e a criatividade? Envelhecendo podemos nos tornar mais criativos?

Marika: O que observei experimentando o envelhecimento, tem sido um período valioso de criatividade, uma chance de empregar o conhecimento colhido da experiência de vida, oferecendo voluntariamente ajuda ao próximo. Tais ações ajudaram-me a conseguir mais e mais conhecimento sobre as lições da vida – o significado de amor e fraternidade. Anos atrás, quando voluntária numa escola, fui solicitada a escrever sobre minhas ideias relativas a aposentadoria. Escrevi um curto ensaio que tenho aqui. Foi publicado num jornal escolar; poderia lê-lo para mim, Bette?

Bette: "Gerontologia", por Marika K. 77. Aposentadoria é um período de maturidade quando nos livra de deveres impelentes. É um período de criatividade de acordo com nosso nível mental e experiências adquiridas. Nesta fase de repouso podemos, se o quisermos, redescobrir nossos talentos que poderiam ter ficado sepultados pela vida toda ativa de deveres.

O aposentar-se, creio, pode ser um muito saudável período sem drogas nem estimulantes se aplicarmos força de vontade sobre nossa floresta de hábitos físicos e mentais. Pelo pensamento positivo, concentração e meditação sobre qualquer assunto viável, podemos adquirir inspiração dirigida através de vontade forte inteligente. Podemos manter-nos a nós e nossas casas em ordem, criando uma atmosfera de carinho.

Creio na ideia segundo a qual o ser humano seja parte de Deus, um criador de per si. O ser humano tem poderes divinos potenciais internos latentes, dentro de si para serem desenvolvidos, talentos para serem despertados. Preservando nossas energias e as dirigindo para o alto em direção a sua meta divina, o ser humano pode criar uma vida extremamente útil em sua velhice. O tempo da aposentadoria é um tempo de oportunidades para uma vida útil de serviço voluntário para o bem comum. E como Max Heindel, um vidente e autor de livros sobre filosofia e cura, disse: "Serviço amoroso e desinteressado ao próximo é o caminho para Deus mais curto, mais seguro e mais alegre".

Marika: As ideias expressas em meu artigo que escrevi em 77 com 81 anos são as mesmas de hoje com 91. Há tanto a se dizer sobre envelhecer e nosso bem estar. Entre outras coisas, a ciência da nutrição é, creio um fator vital para todos nós de idade, bem como para qualquer idade. Conhecimento do significado da boa nutrição deveria ser um assunto obrigatório em nossas escolas tanto quanto o são leitura, escrita e fazer contas. Há tantos fatos necessários e práticos para a boa saúde individual – principalmente em dependência de sábia nutrição não tenho tempo para entrar em pormenores, mas noutra ocasião terei prazer em falar-lhe da ciência da boa nutrição. Posso compartilhar a experiência pessoal de mais de 91 anos com resultados bons e óbvios. Agradeço pelo convite a este programa.

Bette: Nós agradecemos, mãe, em compartilhar sua sabedoria conosco. Possa você e toda nossa audiência ter uma longa e saudável vida criativa.

(P&R da Revista Serviço Rosacruz nov_dez/88 – Fraternidade Rosacruz SP)