cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

Podemos Cancelar Certas Circunstâncias que temos como Compromisso com o Nosso Destino?

Pergunta: Na primeira lição enviada pelo sr. Heindel ele diz algo a respeito de podermos cancelar em determinadas circunstâncias, os compromissos que temos com nosso destino. Gostaria de saber o seguinte: Quais são essas determinadas circunstâncias? Suponho que posso, atualmente, construir para o futuro, e que posso controlar as coisas que tem lugar em minha consciência de acordo com a quantidade de vontade que eu tenha em fazer o que é correto, e o desejo que empregue em apoio dessa vontade. Mas, que dizer das más influências? Que dizer de alguém que leva a vida de uma pessoa comum e se extravia nos maus caminhos? Não estará ela se enredando em algo de onde não poderá escapar? Ou poderá, por meio de um esforço para superar sua natureza inferior construindo um caráter melhor, livrar-se das consequências de suas más ações? Esta é uma questão sobre a qual tenho discutido muito com uma amiga minha. Ela sustenta a ideia de que se nós sabemos que nos está destinado um acidente ou um contratempo de qualquer espécie, nós podemos evita-los simplesmente nos afastando dos locais onde poderiam ocorrer, mas eu não creio que assim possamos evitar o passado. Se pudéssemos não construiríamos nosso caráter fugindo de todas as coisas. É verdade ser este um ponto de vista mais ou menos fatalista do assunto, mas eu creio que devo receber minha purgação como um ser humano. Tenho lutado em vão contra isso, e sinto-me às vezes desgostoso por ser tão fraco.

Resposta: Há um ponto importantíssimo a respeito do assunto e que parece não ter sido levado em conta na pergunta acima, embora tenha sido clara e enfaticamente explicado em nossa literatura. "Todas as leis da natureza, incluindo a lei da consequência em suas aplicações na vida humana, estão sob a administração de Seres excelsos, de sublime espiritualidade e superlativa sabedoria". Essa lei não age cegamente seguindo o princípio de “olho por olho e dente por dente”. Esses grandes Seres e seus agentes administram todas as coisas com uma sabedoria que foge da compreensão de nossas Mentes limitadas. Verificou-se, contudo, que, sempre que há um desejo, uma tendência ou uma possibilidade de evitar uma colheita de amargura decorrente de certo destino maduro*, tais planos são sempre limitados por uma mudança correspondente feita pelos administradores invisíveis da lei.

O consulente encontrará no Conceito Rosacruz do Cosmos o exemplo de um conferencista que foi avisado pelo Sr. Heindel de que sofreria um acidente ferindo-se em certas partes do corpo, caso saísse de casa em determinado dia, e de como ele se esqueceu; pensou que o dia 28 fosse 29, viajou a outra cidade para pronunciar uma conferência e feriu-se num acidente ferroviário, tal como fora predito. Esse homem havia sido prevenido, acreditou no aviso e pretendia evitar o acidente, mas indubitavelmente o sofrimento decorrente daquele acidente lhe era necessário como uma expiação de certas más ações. Por isso os agentes da lei de causas e efeitos fizeram com que ele se esquecesse do dia do mês.

Este princípio também opera de outro modo. O consulente parece pensar que não há meios de evitar a colheita do passado, mas há. Já frisamos repetidas vezes o fato de que Deus, a natureza ou os agentes dessa grande lei, não desejam “massacrar-nos". Estamos aqui, nesta grande escola da vida, salvaguardados por essas leis da natureza. Elas são feitas para nosso benefício e não para nosso prejuízo, embora de certo modo elas nos limitem, como limitamos as liberdades de nossos filhos com o fito de resguardá-los dos perigos da indiscrição. Quando, por nossas ações passadas, acumulamos certa quota que deve ser saldada em algum tempo futuro, e então percebemos nosso erro, viramos uma nova página e passamos a viver em harmonia com a lei anteriormente violada, e com esse ato limpamos a lousa dos nossos pecadilhos passados. Os agentes da grande lei, ao verem que cessamos de proceder mal neste caso particular não nos infligiriam sadicamente o sofrimento. Devemos ter sempre em mente o seguinte: todas as leis da natureza estão sob uma administração semelhante, divina e inteligente, pois neste ponto é que reside a diferença entre os pontos de vista fatalista e espiritual. A mão de Deus, através de Seus agentes, está em toda parte, desde as maiores coisas, como o percurso de um planeta em sua órbita, até aos pormenores mais triviais como a queda de um pardal. É um fato real que em Deus vivemos, nos movemos e temos o nosso ser. Estamos, em tudo, sob sua proteção amorosa e, portanto nada nos pode acontecer que não esteja em harmonia com Seu grande plano divino. E esse plano, certamente, não pode ser fatalista!

(P&R da Revista Serviço Rosacruz ago/66 – Fraternidade Rosacruz SP)

____

*Nota da Fraternidade Rosacruz de Campinas: Destino maduro refere-se a consequência que necessariamente deverão ser vivenciadas pela pessoa. No entanto, a Filosofia Rosacruz, uma Escola de Mistérios Ocidentais, ensina-nos que sempre há certa margem para a pessoa colocar coisas novas em movimento. Em outras palavras, é possível modular a intensidade de um destino maduro, desde que a lição que se deve aprender tenha sido aprendida e o reequilíbrio com as forças da natureza, tenha sido reestruturado.