cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

Qual era o trabalho executado realmente pelos alquimistas?

Pergunta: Qual era o trabalho executado realmente pelos alquimistas?

Resposta: Sabiam os alquimistas que a natureza física e moral do ser humano haviam embrutecido, por causa das paixões infundidas pelos espíritos lucíferos e que, em consequência, era necessário um processo de purificação, de refinamento, para eliminar tais características elevando-o as sublimes alturas, onde nunca se eclipsa o fulgor do espírito. Consideravam o corpo como um laboratório e falavam do processo espiritual em termos químicos. Eles observavam que esse processo espiritual começa e tem seu peculiar campo de atividade na espinha dorsal, o elo entre dois órgãos criadores: o cérebro, ou campo de operação dos inteligentes mercurianos, e os genitais, onde têm sua mais vantajosa posição os passionais e luxuriosos espíritos de Lúcifer. A energia criadora, empregada por Deus, para a manifestação de um sistema solar e a energia empregada pelas divinas Hierarquias para construir os veículos físicos dos reinos inferiores, que dirigem como Espíritos Grupo, manifestam-se em forma dual de vontade e imaginação. É a mesma força que, agindo no macho e na fêmea os une para gerar um corpo humano.

Em épocas remotas o ser humano era bissexual. Cada indivíduo podia propagar a espécie, sem a cooperação do outro. Porém, a metade da forca criadora do indivíduo bissexual consumiu-se na construção de um cérebro e de uma laringe, para que fosse capaz de criar mentalmente, de formar pensamentos e de enunciar a palavra de poder, que transformará seus pensamentos em realidade material. Nesta operação, tomaram parte três grandes Hierarquias Criadoras: os Anjos Lunares, os Senhores de Mercúrio e os Espíritos Lucíferos de Marte.

Os alquimistas relacionaram os Anjos Lunares, que governam as marés, com o elemento sal; os Lucíferos Espíritos de Marte com o elemento enxofre e os Senhores de Mercúrio com o metal mercúrio.

Valeram-se desta simbólica representação, porque a intolerância religiosa não permitia outros ensinamentos, além dos sancionados pela igreja daquela época e, também, porque a humanidade não estava apta para compreender as verdades contidas na sua filosofia.

A tripartite coluna vertebral era, para os alquimistas, o crisol da consciência. Sabiam que os Anjos Lunares eram especialmente ativos na secção simpática da espinha dorsal, que rege as funções relacionadas com a conservação e bem-estar do corpo. Designavam a dita secção pelo elemento sal.

Viam, claramente, que os Lucíferos Espíritos marcianos governavam a secção relacionada com os nervos motores, que difundem a energia dinâmica, armazenada no corpo pelos alimentos. Simbolizavam esta secção pelo enxofre.

A terceira secção, que assinala e registra as sensações, transmitidas pelos nervos, recebeu o nome de mercúrio. Diziam estar regida pelos seres espirituais de Mercúrio.

Contrariamente ao que afirmam os anatomistas, o canal formado pelas vértebras não contém, além da medula, um líquido, mas um gás, semelhante ao vapor d'agua, que se condensa, quando exposto à ação atmosférica. Pode ser super aquecido pela atividade vibratória do espírito, até se converter no brilhante e luminoso fogo de regeneração.

Os alquimistas falavam, também, de um quarto elemento, Azoth – nome em que entram a primeira e a última letra do alfabeto, como se quisessem significar a mesma ideia que "alfa e ômega", ou seja, o que tudo encerra e inclui. Dito elemento referia-se ao que, agora, conhecemos como o raio espiritual de Netuno, a oitava de Mercúrio, a sublimada essência do poder espiritual. Este é o campo onde atuam as grandes Hierarquias Espirituais de Netuno, e é designado Azoth pelos alquimistas. Este fogo espiritual não é o mesmo, nem brilha igualmente, em todos os seres humanos: sua intensidade depende do grau de evolução espiritual do indivíduo.

(P&R da Revista Serviço Rosacruz fev/76 – Fraternidade Rosacruz SP)