cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

Poderia dar-nos seu ponto de vista sobre a causa e a cura dos resfriados?

Pergunta: Poderia dar-nos seu ponto de vista sobre a causa e a cura dos resfriados?

Resposta: Nós vivemos numa época de germes e soros. Supõe-se que cada doença tem seus micro-organismos, toma-se então um antídoto para prevenir ou para curar. Pode-se mesmo ser inoculado contra os resfriados, e se a operação for bem sucedida, estaremos imunes daqui por diante. Talvez, algum dia, todos os diferentes antídotos possam ser reunidos em um único “elixir vitae” que nos torne imunes à horda inteira dos temíveis germes! Realmente, que anômala é nossa condição. O ser humano conquistou o mundo inteiro e incutiu o terror nos corações de todas as criaturas que pôde alcançar por meio dos vários artifícios que inventou para sua destruição. Até mesmo grandes criaturas fogem diante dele com temor, mas ele próprio teme criaturas tão diminutas que só podem ser vistas com o auxílio de potentes microscópios. Esses pequenos micróbios são tão temíveis que alguns dos homens mais capazes dedicam a sua vida inteira no esforço de restringir suas devastações.

É verdade que os micro-organismos existem, e é também verdade que eles não conseguem estabelecer-se no organismo de quem esteja em estado normal de saúde. É somente quando, devido a outras causas, nossos corpos estão debilitados, que os germes da doença são capazes de instalar-se e iniciar seus processos destrutivos. As pessoas que estão radiantes de saúde, e empregamos esta frase em seu sentido literal, poderiam entrar sem o menor temor num isolamento para doenças infecciosas, mesmo que houvesse mais germes numa polegada quadrada do corpo dos pacientes do que habitantes na Terra. Enquanto essa pessoa conservasse sua saúde radiante, não seria infectada.

Para tornar mais claro o que queremos dizer com saúde radiante, devemos reiterar um fato que a ciência está começando a descobrir, isto é, que nossos corpos são interpenetrados pelo Éter em tal volume que em algumas circunstâncias ele se irradia do corpo. Qualquer pessoa que seja favorecida com uma visão espiritual vê, dentro do corpo físico denso, um outro veículo inteiramente semelhante, órgão por órgão, e formado de Éter. Vê também que, através do baço, entra um fluxo contínuo de força etérica vital que sofre uma mudança química no plexo solar, espelhando-se depois por todo o corpo como um fluido cor-de-rosa pálido com um leve matiz púrpura. Esse fluido etérico irradia-se de toda a periferia do corpo através de cada poro da pele, transportando consigo uma grande quantidade de gases venenosos gerados pela alimentação que tomamos, alimentação essa escolhida mais para agradar aos olhos ou ao paladar que pelo valor nutritivo que possa ter.

Essa radiação vital da força vital etérica é tão forte que não somente retira os venenos do corpo, mas impede também a entrada de organismos deletérios, seguindo o mesmo princípio que torna impossível a entrada de moscas e outros insetos num prédio através de uma abertura onde tenha sido instalado um exaustor de ar que envie a corrente aérea para o exterior. Tão logo pare o exaustor, o caminho está aberto às várias classes de insetos que infestam nossos edifícios. De modo semelhante, se por qualquer razão o organismo humano torna-se incapaz de assimilar uma quantidade suficiente de força vital, a fim de conservar sua emanação radiante, é também possível aos temíveis micro-organismos entrar e estabelecerem-se no corpo, onde começam suas devastações com posterior detrimento para a saúde. Em vista desses fatos, a prevenção das doenças resume-se em conservar o sistema desimpedido, de modo a permitir que a força vital radiante possa fluir sem obstáculos. Quando se instalam condições doentias, o processo curador deve ter o efeito de abrir os canais obstruídos para um melhor sucesso.

O Dr. Harvey W. Wiley, antigo diretor do Departamento de Química em Washington, disse, certa vez, que o melhor meio de curar um resfriado é apanhar um vidro de xarope contra a tosse, colocá-lo sobre a mesa do quarto do doente, abrir todas as janelas e atirar o vidro através de uma delas.

Em outras palavras, em lugar de xaropes e outros remédios para resfriados, devemos consumir ar fresco e puro em abundância. Sem dúvida alguma, há muita sabedoria nessa recomendação, mas não é inteiramente suficiente. Se ele tivesse dito: “Tragam também para o doente um bom desjejum, almoço e jantar e joguem tudo isso no mesmo lugar do vidro de remédio”, ele ter-se-ia aproximado mais do meio de curar uma gripe. Pode-se dizer, sem receio de contradição, que o maior número de doenças, que dizem ser herdadas pela carne, provém do excesso de comida, alimentação não adequada e mastigação insuficiente. Essa última talvez seja a maior de nossas faltas.

O Barão de Munchausen, o célebre campeão das mentiras, relata que quando visitou a Lua observou que seus habitantes cozinhavam os alimentos do mesmo modo que nós aqui na Terra, mas, em lugar de sentar-se a uma mesa e comê-los aos poucos, eles simplesmente abriam uma portinhola no lado esquerdo do corpo e colocavam por ali a comida no estômago. Ainda não chegamos a esse ponto, mas estamos muito próximos. O modo pelo qual o americano médio engole sua comida é simplesmente deplorável, para não dizer outras coisas. As casas de refeições rápidas, com seus assentos incômodos onde é impossível descansar e relaxar o corpo enquanto se tomam aquelas pseudorrefeições, são uma ameaça nacional. Todos os que se sentam nesses lugares parecem estar dispostos a bater um recorde de deglutição da maior quantidade de alimentos no espaço de tempo mais curto possível. Os métodos abomináveis de preservar tudo em gelo durante meses a fim de que certos intermediários e atacadistas possam fazer os preços subir, só aumentam os perigos da má saúde, que ameaçam toda a comunidade num mundo chamado civilizado, onde esses discutíveis métodos modernos estão em voga. Com esses alimentos “puros” sobrecarregados de venenos, nós nos esforçamos em construir nossos corpos e isso, como é bem sabido, é feito pela transformação desse alimento em sangue, sendo o resto eliminado como excreções.

É hábito da profissão médica zelar para que a eliminação dos resíduos se faça corretamente, não importa qual seja a doença. Qualquer pessoa que queira cortar um resfriado deve necessariamente imitar esse método sábio e providenciar para que a função excretória se efetue corretamente e seja estimulada ao mais alto grau possível, pois essa é uma medida importante de livrar o sistema e torná-lo capaz de deixar o fluxo de força vital escoar-se através dele novamente. A outra porção de alimento que se transforma em sangue não permanece no estado fluídico, mas evapora-se, ou melhor, eteriza-se de acordo com o desenvolvimento do Ego em cujo corpo ele flui. Ele se escoa através de todo o corpo, como o vapor através de uma caldeira, e quando entra em contato com o ar frio através dos poros obstruídos por uma quantidade supérflua de veneno alimentar e parcialmente anestesiados a ponto de não responderem aos impulsos nervosos que tendem a fechá-los parcialmente contra o frio, o sangue liquefaz-se total ou parcialmente, e torna-se um obstáculo e um empecilho àquela outra parte da corrente sanguínea que não está afetada. Como resultado, são gerados micro-organismos que formam a indisposição que sentimos como um resfriado.

Uma pessoa ferida que perde uma certa quantidade de sangue sente-se fraca. Isso também acontece com as pessoas cujo sangue enregelou-se, e aquele que tem um resfriado deve despender maior esforço a fim de expelir os resíduos nocivos antes que possa curar-se. A glutonaria, a má alimentação e a mastigação defeituosa não são as únicas causas dos resfriados. É um fato bem conhecido por todos os ocultistas, que tudo o que há no mundo visível é a manifestação de algo que pré-existia nos reinos invisíveis da natureza, e o resfriado não é uma exceção à regra. Quando sabemos que há uma imutável Lei de Causa e Efeito, e que não pode haver efeito sem uma causa adequada e subjacente, poderemos verificar facilmente a verdade dessa asserção. É também certo que nada nos ocorre sem que o tenhamos merecido, portanto, se procurarmos as causas no reino invisível, verificamos que elas têm, naturalmente, algo a ver conosco.

O resfriado que sentimos aqui e que nos é tão desagradável, é um resultado de algo que existia dentro de nós previamente, mas o quê? A essa pergunta podemos responder confiantes que nossa própria atitude mental é um fator de suma importância no estado de nossa saúde. Esse fato é bem conhecido por toda a ciência médica e por todos os observadores. Verificaremos que uma pessoa que é sempre otimista, que está sempre alegre, pronta a expandir-se num largo sorriso, será particularmente imune a resfriados ou a outras doenças. Pelo contrário, uma pessoa que tem a boca caída e o rosto fechado, que está sempre se aborrecendo com coisas que nunca se realizam e persistentemente toma uma atitude de raiva e malignidade contra seus inimigos imaginários ou reais, com essa atitude mental encolhe-se numa casca e impede a assimilação das forças etéricas vitais radiantes. Ela é, portanto, uma presa fácil das doenças que acometem a carne. Não poderá ser curada nem por toda a medicina antes que abandone seu modo negro de encarar a vida.

Os dois casos citados são naturalmente extremos, há todas as gradações, bem como misturas das duas naturezas. É fácil verificar, contudo, que a saúde de uma pessoa varia quase na mesma razão com que varia seu modo de enfrentar a vida.

Das notas precedentes podemos deduzir o seguinte: a melhor proteção da saúde é uma atitude otimista do espírito, que deve encarar a vida sem temor e ver em cada pessoa um amigo.

Deve haver também discriminação e circunspecção na escolha dos alimentos. Devemos evitar os excessos. É melhor comer pouco do que muito, e devemos exigir um assento confortável onde possamos relaxar o corpo enquanto mastigamos lentamente nossas refeições.

Devemos também dar bastante atenção ao assunto da eliminação, e quando ela não estiver normal, certos alimentos ricos em celulose poderão reconduzi-la a uma ação perfeita.

Resumindo: devemos cultivar a alegria e ser moderados na alimentação. A jovialidade, a temperança ao comer e a eliminação correta, formam uma composição que curaria todas as doenças que afligem a carne.

A ciência está aprendendo, gradualmente, as verdades anteriormente ensinadas pela ciência oculta, e sua atenção está sendo voltada para as glândulas endócrinas, que lhes darão a solução de muitos mistérios. Contudo, não parecem estar inteirados ainda de que há uma ligação física entre o corpo pituitário, o principal órgão de assimilação e, portanto, do crescimento, e as glândulas suprarrenais, que eliminam os resíduos e assimilam as proteínas. Elas também estão ligadas fisicamente com o baço, o timo e as glândulas tireoides. Nessa ligação, é significativo, do ponto de vista astrológico, que o corpo pituitário é regido por Urano, que é a oitava superior de Vênus, o regulador do plexo solar, onde está localizado o Átomo-semente do Corpo Vital. Desse modo, Vênus guarda a entrada do fluido vital que nos vem diretamente do Sol através do baço, e Urano é o guardião da porta de entrada do alimento físico. É a função dessas duas correntes que produz o poder latente armazenado em nosso Corpo Vital, até que seja convertido em energia dinâmica pela natureza marcial do desejo.

(Pergunta 51 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas Vol. II, de Max Heindel)