cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

Um idiota ou um insano ganhará alguma experiência compensadora no decorrer de sua vida?

Pergunta: É justificável a atitude dos médicos que permitem que uma criança fadada à idiotia e à deficiência física morra quando uma operação lhe permitiria viver? Um idiota ou um insano ganhará alguma experiência compensadora no decorrer de sua vida? O Ego estará consciente da deficiência da Mente e do Corpo durante tal vida? Em tais condições consegue aprender alguma coisa? Podemos classificar a insanidade como doença hereditária?

Resposta: Suponhamos que uma criança sofra um acidente enquanto criança, um golpe na cabeça e, em consequência, tornou-se deficiente ou ficou até em estado de coma. Ninguém hesitaria um só momento em tentar a operação de trepanação para que, ao se aliviar a pressão exercida no crânio, a criança pudesse ser trazida ao seu estado normal de consciência. Portanto, por que uma criança retardada não deveria receber os mesmos cuidados, e tudo que estiver ao alcance dos médicos para ajudá-la? Seria considerado um ato criminoso permitir que uma criança normal morra por falta de cuidados. Igualmente imperdoável essa omissão no caso de uma criança que nasceu destinada a ser idiota, pois quando o Ego alcança o útero a fim de adquirir as experiências desta vida física, é nosso dever apoiar os seus esforços de todas as maneiras possíveis.

O Ego adquire experiência por meio de uma vida insana, mas o Ego em si mesmo nunca é insano. O que produz a insanidade é uma ligação falha entre os seus vários veículos, isto é, entre a Mente e o Corpo de Desejos, o Corpo Vital e o Corpo Denso. Quando a conexão entre os centros cerebrais e o Corpo Vital é imperfeita, temos o idiota, frequentemente um melancólico, mas inofensivo.

Quando a conexão deficiente se dá entre o Corpo Vital e o Corpo de Desejos, as condições são um tanto parecidas, mas incluem a classe de seres cujo controle muscular é deficiente, como na epilepsia, na dança de São Vito, etc.

Quando a conexão entre o Corpo de Desejos e a Mente é rompida ou falha, temos o maníaco furioso que é violento e perigoso. E quando a conexão está falha entre o Ego e a Mente, temos o que podemos chamar de ser humano sem alma, o mais perigoso de todos, dotado de uma astúcia que é usada geralmente, em algum momento inesperado, da forma mais diabólica.

Se considerarmos o Corpo ou os diferentes Corpos como instrumentos musicais sobre os quais o Ego se expressa, então, quando todas as conexões são perfeitas, o Ego pode produzir uma sinfonia de vida mais ou menos bela, de acordo com o seu estágio evolutivo. Mas quando as ligações se apresentam deficientes ou rompidas, o Ego é como um músico forçado a exercer o seu talento com um instrumento onde faltam várias cordas e, em consequência, ele só emite sons dissonantes. Para o músico, seria torturante ter de tocar num instrumento tão defeituoso. O mesmo ocorre com o Ego aprisionado num Corpo cujo controle normal lhe foi tirado. Por razões a serem procuradas em vidas passadas, ele é forçado a permanecer dentro de um Corpo que não pode controlar, e sofrerá mais ou menos intensamente de acordo com o seu estágio de evolução. Entretanto, está aprendendo uma determinada lição na escola da vida, que é necessária para torná-lo perfeito. E uma situação triste, mas embora o tempo de vida pareça ser muito longo, é apenas um momento fugaz dentro da vida infinita do Espírito.

Podemos consolar-nos ao saber que tal Ego, ao retornar à Terra, terá um Corpo normal desde que a lição tenha sido aprendida.

Em relação à última parte da pergunta, se a insanidade pode ou não ser hereditária, podemos responder afirmativa ou negativamente conforme o aspecto do problema a ser considerado. Do ponto de vista espiritual, não é hereditária, pois, como já foi dito, a insanidade não é um defeito do Ego. Devido a um desvio de seu caráter, não pôde construir um Corpo normal, assim, por associação, será atraído para uma família similarmente afligida.

Isto sustenta-se no mesmo princípio que pessoas com carácter parecido sempre procuram a companhia de outras semelhantes. Como diz o velho ditado: "cada qual com o seu igual". Os músicos reúnem-se nos salões de música, nos concertos, e outros lugares afins. Procuram nascer em famílias de músicos onde encontrarão os instrumentos que necessitam, como dedos longos e esguios, e um ouvido com canais semicirculares dispostos de forma adequada, o que lhes conferirá condições para expressar-se através da música. Os esportistas e os jogadores convivem nas pistas de corridas e nas casas de jogo. Os ladrões têm seus refúgios, e assim por diante.

Similarmente, os que são atingidos por uma certa deficiência em sua personalidade são atraídos por famílias que apresentam a mesma deficiência. Por essa razão, se examinarmos o problema da insanidade sob o aspecto da forma, poder-se-á dizer que é hereditária.

Os cientistas, que só consideram o assunto do ponto de vista da forma, são de opinião que ao limitar a reprodução dos deficientes, poderão erradicar a enfermidade.

Mas, da mesma forma que as secreções do Corpo da lesma são expelidas gradualmente para que se cristalizem formando a concha dura e pedregosa que ela carrega nas costas, assim também os atos do Ego se cristalizam gradualmente num Corpo dentro do qual o Espírito deve residir até que surtam o efeito desejado. O alívio nunca será conseguido se o trabalho for realizado somente com ou sobre o Corpo físico, da mesma forma que uma lesma doente nunca será curada se tratarmos apenas a concha.

Emerson disse verdadeiramente que: "um ser humano doente é um delinquente preso em flagrante infringindo as leis da natureza". Os insanos estão nesta categoria, e se desejarmos curá-los, temos de usar os meios espirituais de educação. Todos os outros métodos são apenas paliativos: não alcançam a fonte da doença.

(Perg. 40 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas – Vol. II – Max Heindel – Fraternidade Rosacruz SP)