cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

Qual a relação entre Era Aquariana, Época Nova Galileia e a Segunda Vinda do Cristo?

Pergunta: Muitas pessoas acham que estamos entrando ou prestes a entrar em uma nova era. Alguns acreditam ser a Era Aquariana, e sabem, até certo ponto, o que ela representa. Contudo, ainda não tive uma explicação precisa que explicasse quando a nossa Terra ou nosso Sistema Solar entrarão nessa Era, e se a Era Aquariana coincide com a passagem do Sol pela constelação de Aquário ou pela divisão zodiacal que tem esse nome.

Resposta: No parágrafo acima, o nosso correspondente trata de vários pontos e, baseados no princípio de que "os últimos serão os primeiros", consideraremos em primeiro lugar a última parte da pergunta, onde é feita uma distinção entre a constelação de Aquário e a divisão zodiacal do mesmo nome. Isto, em si, representa uma grande dificuldade para muitas pessoas, que não sabem como diferenciar as constelações zodiacais do chamado Zodíaco intelectual. A explicação é a seguinte:

Um determinado grupo de estrelas nos céus é chamado Áries; outro grupo localizado nas proximidades é chamado Touro; um terceiro grupo de estrelas fixas é Chamado Gêmeos; e assim por diante. Essas doze constelações, ou grupos de estrelas, são vistas nos céus sempre na mesma posição relativa, e são, portanto, imutáveis.

Através dos séculos dos quais temos registro, essas estrelas permaneceram sempre no mesmo grupo e quase na mesma posição relativa, uma em relação a outra. O Sol circula, anualmente, por essas constelações com precisão invariável, mas devido ao fato de que o eixo da Terra se inclina em direção ao Sol e que o seu movimento é oscilante, semelhante ao de um pião rodopiante cujo impulso enfraqueceu quase totalmente, o movimento do Sol parece ser desigual. A cada ano ele entra na constelação de Áries cruzando o Equador da Terra um pouco mais cedo que no ano anterior. Ele precede. Desse modo, o ponto em que o Sol cruza o Equador no Equinócio de Março retrocede a cada ano na proporção de um grau a cada setenta e dois anos, uma constelação em dois mil e cem anos, e todos os doze Signos em vinte e cinco mil oitocentos e cinquenta e seis anos. Esse último período é chamado Grande Ano Sideral.

Notou-se que sempre que o Sol cruza o Equador, não importa em que ponto do Zodíaco, produz um certo efeito físico. As flores começam a germinar da terra, os pássaros acasalam-se, e a terra silenciosa desperta para uma nova vida, uma nova esperança e uma nova canção. Observou-se também que os efeitos espirituais que resultam da entrada do Sol no Hemisfério Norte no Equinócio de Março, permanecem imutáveis. Por essa razão, os primeiros trinta graus a partir do ponto em que o Sol cruza o Equador são chamados de Áries, os trinta graus seguintes de Touro, os trinta graus que vêm em terceiro de Gêmeos, e assim por diante para todos os doze Signos.
Essa divisão intelectual do círculo zodiacal coincide com as constelações existentes nos céus apenas uma vez a cada vinte e cinco mil oitocentos e cinquenta e seis anos. Durante todo o resto de tempo, o Zodíaco intelectual tem movimento retrógrado, como já foi explicado, devido a Precessão dos Equinócios. A última vez que o ponto inicial do Zodíaco intelectual coincidiu com a constelação zodiacal, foi aproximadamente há 500 D.C. Um ano após essa coincidência, o Sol cruzou o Equador, aproximadamente, a cinquenta segundos de espaço na constelação de Peixes. No ano seguinte, ele estava um minuto e quarenta segundos em Peixes e, desde então, foi deslocando-se para trás, até que atualmente1 o Sol cruza o Equador a cerca de dez graus da constelação de Peixes. Decorrerão cerca de 700 anos antes que ele cruze realmente o equador celeste na constelação de Aquário.

Pode-se dizer que a Era Aquariana começará no momento em que o Sol entrar, por precessão, no 30° da constelação de Aquário, e durará 2.100 anos enquanto o Sol retrocede através dos trinta graus até chegar ao primeiro grau de Aquário. Não há, contudo, uma interrupção definida e abrupta, tal como ocorre quando dizemos que entramos no ano de 1915, que começa à meia-noite de 31 de dezembro de 1914 e dura até à meia-noite de 31 de dezembro de 1915. Essa é uma divisão matemática do tempo. As várias épocas da existência humana dependem de influências vitais na vida, e são antes condições mentais do que divisões de tempo, embora ambas estejam ligadas.

Em consequência disso, os astrólogos reconhecem o que é chamado de "órbita de influência". Para entender melhor, devemos conscientizar-nos que todo ser humano representa algo mais do que aquilo que vemos; ele tem uma aura que o rodeia, uma atmosfera invisível, algo que irradia de si e que faz parte de sua natureza distinta e pessoal. Frequentemente sentimos o efeito dessa aura, embora não entendamos o porquê disso. Suponhamos que alguém esteja profundamente concentrado em seu trabalho de forma a não ouvir nem perceber o que está acontecendo ao seu redor. Gradativamente, ele se torna ciente de que alguém entrou na sala — que está, de fato, em pé atrás dele — ele se volta e depara com um amigo.

Ele não ouviu o amigo entrar devido a sua concentração no trabalho, mas o sentiu, porque a aura do amigo misturou-se com a própria atmosfera áurica dele, embora não tenha havido nenhum contato físico, ele soube que havia alguém próximo.

As constelações são grupos de grandes Espíritos que se prenderam a esses corpos cintilantes, para que inteligências menos evoluídas possam adquirir as experiências que as façam progredir. Cada uma das estrelas fixas de uma constelação possui também seus corpos invisíveis, que se estendem de uma constelação a outra, misturam-se e sobrepõem-se. Portanto, quando o Sol atingiu o décimo grau de Peixes, ele chegou à orla de influência exercida pela constelação de Aquário, embora estejamos ainda na Era Pisciana.

Uma observação retrospectiva mostrará que esta influência já se faz sentir. Reconhecemos imediatamente a influência Pisciana exercida durante os últimos dois mil anos. A Idade Média, a superstição e a dependência intelectual, então prevalecentes, não foram inteiramente eliminadas, mas desde os meados do século passado, quando a influência Aquariana começou a se fazer sentir, um impulso intelectual irresistível foi instilado em nossa vida diária. A ciência fez progressos notáveis. A invenção trouxe a eletricidade ao mundo e está agora conquistando o espaço etc. Essa influência intelectual cientifica tornar-se-á cada vez mais acentuada nos séculos vindouros, até que entremos definitivamente na constelação de Aquário por Precessão dos Equinócios. À medida que a influência limitada e conservadora de Peixes esteja diminuindo, aumenta a influência ampla e pesquisadora de Aquário.

Quanto o que representa espiritualmente a Era Aquariana, verificamos que Aquário é a única figura do Zodíaco que retrata a estatura completa de um homem.

Todos os personagens principais do Antigo Testamento foram pastores, uma alusão a "Áries", o carneiro ou cordeiro; no Novo Testamento encontramos os pescadores, referindo-se a Peixes, o Signo dos peixes, mas o Filho do Homem é o objeto da profecia: algo que ainda virá.

Ele anunciou uma era gloriosa, portanto, podemos esperar que ocorram desenvolvimentos de natureza surpreendente nos próximos séculos.

Além do mais, cada uma das eras anteriores teve seus mestres. Osíris e Mitras foram adorados no Egito e na Pérsia enquanto o Sol passava por Touro, o Signo do touro. Com a criação do mundo cristão, o Cordeiro foi sacrificado por Moisés enquanto o Sol passava pelo Signo de Áries. Realmente, houve uma grande controvérsia a respeito do símbolo de Cristo e, devido a isso, a mitra do Bispo conserva ainda a forma de um peixe para simbolizar o fato de que a Religião Cristã, então inaugurada, devia dominar durante a Era Pisciana ou de Peixes, na qual estamos agora. Mais tarde, o ideal do Filho do Homem, ou Super-Homem, inspirará a Era Aquariana que já se anuncia.

Não devemos confundir a Era Aquariana com o Reino de Cristo o qual deverá voltar. Tampouco devemos confundir a Era Aquariana com a Sexta Época (Galileia), pois, para citar as palavras de Cristo: "aquele dia e àquela hora, porém (quando Ele vier) ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai" (Mt 24:36).

Predizer que a vinda de Cristo ocorrerá numa data determinada será absurdo e um sinal de ignorância. Pode até ser presunçoso conjecturar a época aproximada em que ocorrerá o Segundo Advento, mas, segundo o autor, já que os ciclos precessionais, na medida em que estão ligados à evolução do ser humano, parecem começar com a entrada do Sol em Capricórnio, poderá haver uma manifestação nessa época. Se isso for correto, o Advento só poderá ocorrer daqui a três mil anos, pelo menos.

_______

[1] N.T.: em torno de 1910

(Perg. 110 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas – Vol. II – Max Heindel – Fraternidade Rosacruz SP)