cabeçalho4.fw

Perguntas e Respostas

É possível reproduzir os vários estados místicos por meio de drogas?

Pergunta: De acordo com o que li, é possível reproduzir os vários estados místicos, por meio de drogas; como pode o aspirante separar o verdadeiro do falso? Como distinguir entre iluminação espiritual e intoxicação psíquica?

Resposta: Muitos pesquisadores científicos empenhados em pesquisas psíquicas tiveram seu objetivo frustrado devido a uma dose excessiva de ceticismo, chegando seu absurdo a tal extremo que um deles nos disse não acreditar em fantasmas, mesmo que os visse, pois ele sabe que não existem fantasmas, não passando de uma alucinação o que, por acaso, visse nesse sentido. Eles são semelhantes ao Celta formidável que declarava ter uma mente aberta e desejava ser convencido, e logo em seguida acrescentou com toda a intensidade que poderia por numa frase: "Mas mostrem-me o ser humano que pode fazê-lo". Contudo o Movimento de Pesquisa Psíquica fez algo de bom: reuniu uma imensa quantidade de fatos que são altamente valiosos para o estudo das fases ocultas da vida, quando examinados separadamente do aspecto que os investigadores científicos lhes deram.

Entre outras coisas, foram notados certos casos em que médiuns com toda a aparência de serem inteiramente ignorantes e incultos, quando em estado de transe agiam de maneira a deixar os presentes atônitos. Há um caso registrado de uma pessoa que no estado normal era extremamente estúpida e ignorante, mas quando no estado de transe pronunciou um discurso de natureza muito erudita em Hebreu; surge, portanto uma pergunta, como acontecem essas coisas? Há somente uma explicação adequada cobrindo todos os fatos em todos os casos, isto é, nós todos chegamos ao nosso estado atual na escala da evolução através de muitos dias na escola da vida; em cada vida aprendemos algumas lições, e continuamos aprendendo mais. Desse modo, no decorrer do tempo nós adquirimos uma vasta quantidade de conhecimento que aumenta a cada dia e a cada vida que passam. Por outro lado tornamo-nos melhores, mais sensíveis e refinados, mas não há corpo na terra capaz de expressar o que sabe o Espírito que nele habita. Nem é intenção das divinas Hierarquias que guiam nossa evolução, que isso aconteça, pois essa versatilidade poderia impedir-nos de concentrarmos nossos esforços sobre as lições particulares que devemos aprender aqui num determinado meio-ambiente. Tomemos, por exemplo, o caso da pessoa inculta que, em estado de transe, mostrou ser erudita. A julgar pelos fatos, em nossa opinião, ela possuiu uma mente brilhante numa existência anterior, mas talvez fosse orgulhosa, arrogante e dominante. Tornou-se então necessário dar-lhe uma lição de humildade, ela nasceu então num meio humilde onde não pudesse ter meios de educação. Seu cérebro tornou-se, pois, obtuso e ela mergulhou numa condição servil pouco diferente da escravidão (tão comum na Europa Central, a fim de que ela pudesse aprender uma lição muito necessária de humildade.

Casos como estes revelam que existe uma quantidade maior de conhecimento e experiência que jazem latentes e ocultos em cada indivíduo e que é acessível quando o ritmo normal de vida corporal é retido durante algum tempo.

Podemos também notar que este fenômeno difere rigorosa e radicalmente das atividades psíquicas observáveis sob o controle do Espírito. De acordo com nossa observação em centenas de casos, quando um médium é controlado pelo Espírito, o Ego do médium, revestido de seus veículos mais sutis sai do corpo, e o Espírito controlador então, permanece atrás da vítima manipulando sua língua e seus membros por meio da medula oblongata, forçando-o a mover-se e a falar como for necessário. Vê-se, então, a "luz da vida" com o aspecto de uma tocha ardente, alçando-se do canal espinal e da medula, onde se ouve um som semelhante ao zumbido de um arco voltaico de corrente alternada. Outra luz sonora, projetada pelo Espírito que controla o médium, obscurece e encobre a primeira luz, conservando assim o corpo físico inconsciente. É realmente penoso ouvir o zumbido frenético da luz da vida da vítima, a lutar contra o agressor. Este fenômeno não se apresenta quando o transe é produzido por sugestão ou auto-sugestão. Aqui o Ego também é retirado do Corpo Denso, e pode ser visto ao lado dele manipulando seus membros e órgãos da fala e usando o corpo físico de acordo com seu desejo, tanto quanto o permite sua posição externa. Mas nestes casos a luz da vida entoa sua canção de modo sereno e contente; não há sinais perceptíveis de influência antagônica como acontece quando há um Espírito assediando e controlando o Corpo. Uma pessoa que possua visão espiritual diferenciará entre este caso e o anterior. O estado de transe também não difere do último caso quando é produzido por drogas, pelas observações nos casos que tivemos a oportunidade de observar, e excetuando-se, evidentemente, o fato de que o Espírito só pode retornar ao veículo depois que passa a ação da droga.

"Mas como pode o aspirante separar o verdadeiro do falso? Como distinguir uma verdadeira iluminação espiritual de uma intoxicação psíquica?" pergunta nosso consulente. O estado de transe nunca é um sinal de iluminação espiritual, não importa como tenha sido causado. É um estado mórbido e anormal que não deve ser incentivado por quem esteja realmente buscando iluminação espiritual. "Há somente uma trilha verdadeira para o conhecimento direto, e somente um caminho reto para a iluminação espiritual, e é pelo cultivo de teus próprios poderes espirituais. Constrói teu Corpo Alma pela paciência persistente nas boas ações, ilumina os outros que sabem menos que tu utilizando o pouco que agora sabes, busca as oportunidades de servir aos outros tanto nas coisas pequenas e corriqueiras quanto nas grandes, de acordo com tuas habilidades e oportunidades. Então, algum dia, cessarás de ver através de uma vidraça escura e conhecerás tudo por ti mesmo sem dependeres dos outros”.(P&R da Revista Serviço Rosacruz ago/80 – Fraternidade Rosacruz SP)