cabeçalho4.fw

Reforma de Caráter: o Conhecimento tem que nos tornar religiosos, senão de nada vale

Reforma de Caráter: o Conhecimento tem que nos tornar religiosos, senão de nada vale

O estudo da Filosofia Rosacruz, além de facultar a aquisição de um conhecimento profundo e lógico sobre a origem, estado presente e futuro desenvolvimento da humanidade e do Universo, pressupõe também algo que consideremos de suma importância: uma reforma de caráter. Se o conhecimento não nos torna religiosos, naquela acepção ampla de religar-nos à nossa essência espiritual, não está atingindo o seu objetivo. Não consideramos o conhecimento como um fim em si mesmo, mas, como uma fonte que nos proporciona meios valiosos de crescimento anímico.

Nossos atos provam o que realmente somos. Podemos nos tornar gradativamente um imenso repositório de ensinamentos rosacruzes, e podemos até expô-los publicamente de uma maneira brilhante, porém, se não procurarmos vivê-los em essência, sentindo as verdades que encerram, seremos quanto muito, intelectuais. O empenho sincero no sentido de uma transformação interna determina a utilização que fazemos dos ensinamentos espirituais. Estes, só tem valor quando serve ao aperfeiçoamento do caráter, despertando sentimentos de amor, altruísmo, compreensão, sacrifício, disciplina, dever, etc.

Em via de regra, os seres humanos deixam o plano terreno quase com o mesmo caráter com que a ele adentraram. Ligeiras transformações se observam, porquanto a Lei de Consequência, através do látego da dor, demonstra cabalmente que o salário do pecado é a morte. Infelizmente, as experiências dolorosas constituem o meio padrão de aperfeiçoamento moral da quase totalidade do gênero humano. Este processo regenerativo é lento, pois, não decorre de uma vontade própria, consciente de renovação interna. Poucos são aqueles que reconhecendo os próprios erros e defeitos, dispõem-se corajosamente a transmutá-los em virtude. Estes poucos, sempre se constituíram nos vanguardeiros da raça humana. Nunca é demais repetir que a evolução é o resultado de um esforço persistente. Tal esforço dever ser consciente e incomensurável, pois a mais renhida batalha que podemos travar é contra nossa própria natureza inferior. São Paulo, o apóstolo, reconhecia perfeitamente a natureza dessa luta contra nossos inimigos internos ao afirmar: "Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo"- (Romanos – cap. 7-19). Transformação interna demanda boa vontade e aplicação de conhecimento. Max Heindel sempre insistia em que a única salvação é o conhecimento aplicado. Reforma de caráter é conhecimento aplicado. Convém lembrar que caráter é destino.

Podemos e devemos modificar o nosso caráter, aprimorando-o. Lograremos êxito em tal mister, se inteligente e diligentemente procurarmos descobrir onde residem nossas falhas e como poderemos, paulatinamente, saná-las. Procuremos aquilatar a extensão dos nossos defeitos para encontrarmos os meios de cultivar as virtudes diametralmente opostas.

Podemos engendrar um destino melhor, se nos propusermos a modificar nosso caráter. Os meios estão ao nosso alcance, e se não o utilizarmos é porque somos vencidos pela inércia e pelo comodismo. Renovemo-nos, "tornando-nos dia a dia melhores homens e mulheres, a fim de sermos utilizados como colaboradores conscientes na obra benfeitora dos Irmãos Maiores, a serviço da humanidade".

Não resta a menor dúvida que reforma de caráter exige um esforço racional!

(Revista Serviço Rosacruz – 05/68 – Fraternidade Rosacruz – SP)