cabeçalho4.fw

A Criatura e a Vida: Há uma intenção oculta em todas as coisas - descubramos qual é

A Criatura e a Vida: Há uma intenção oculta em todas as coisas - descubramos qual é

Toda a manifestação leva em si essa realidade. Tudo o que é feito ou produzido pela criatura humana também leva, no seu íntimo, uma intenção a respeito da qual podemos dizer que é a alma da causa. Essa alma tem uma intenção inata, porque é produto de uma Fonte que sempre, permanentemente, procura a sua própria expressão. Essa Fonte é o Espírito, a Luz que se encontra no íntimo de toda a criatura.

A ação, a atividade do ser humano, geralmente frustra a intenção, a atividade anímica dessa Fonte, porque ele é livre de fazer o que bem entende. Essa liberdade lhe vem por força de sua Origem – é um Filho de Deus, temporariamente esquecido da sua Filiação.

Por causa dessa Filiação, o ser humano é o Eterno Criador tal como seu Pai. Possui essa prerrogativa; é a sua herança que o faz um criador inato. Passa a sua vida criando permanentemente coisas boas ou más; consequentes ou inconsequentes; trágicas ou cômicas, ao sabor das circunstâncias, ou melhor, sob a influência dos Ciclos Alternantes – a nota chave do Plano Físico, no qual, temporariamente, vive. Por isso o fruto de sua atividade (as suas criações) é relativo, perecível, divisível, penetrável e corruptível. Assim a intenção, que está no âmago das coisas criadas e que deveriam ter o cunho da perenidade, da eternidade, porque provém daquela Fonte – do Espírito – é frustrada.

Essa intenção, esse desígnio se manifesta mesmo naquilo que independe da vontade do ser humano, isto é, nos processos físicos, químicos e fisiológicos; no comportamento da fauna e da flora, dos animais e da humanidade; nos agregados moleculares e atômicos e na aparente inércia da pedra. Tem valor universal. Atrás de toda aparência e de todos os fenômenos, essa intenção exerce a sua ação. É a alma das coisas, é a razão da existência daquelas aparências e daqueles fenômenos e, por isso, sua ação não pode ser frustrada.

A criatura geralmente frustra essa intenção natural, universal, porque se situa no campo da relatividade.

Porém, o destino da criatura é o de se expandir cada vez mais e, nisso, é idêntico ao da Vida. A vida leva-a a um permanente alargamento de consciência através de uma "longuíssima via não reta, mas serpenteante". É um caminho que deverá conduzi-la a "união dos opostos".
Evitar a frustração do Desígnio, da Intenção Espiritual é o trabalho do Aspirante.

Não é um trabalho fácil, pois é idêntico ao trabalho do nosso Salvador. É requerida a coragem da renúncia, do esquecimento da personalidade para que todas aquelas fases da Vida do Nosso Grande Amigo, o Cristo, aconteçam também na vida do Aspirante. Haverá para o aspirante um Batismo, uma Tentação, uma Transfiguração, uma Última Ceia e um Lavapés; haverá também um Getsêmani, haverá Estigmas e a Crucificação. Mas o Aspirante sabe que não há alternativa. Conhece qual a intenção que anima a Vida, o viver. Sabe que Vida é Atividade cooperadora e que essa Atividade tem um desígnio, uma intenção que tem por alvo a integração da criatura em Deus. É um destino que todas as criaturas partilham em comum e que todos devem aprender.

 

Há regras para isso, às quais o Aspirante se submete gostosamente. Essas regras aceitas pelo Aspirante tem a finalidade de ordenar a sua Vida, o que quer dizer a sua Atividade em uma forma contínua, mesmo no sono. Isso é a prática da Ciência ou Doutrina Secreta, cuja regra fundamental é expressa pelos Irmãos da Rosacruz nos seguintes termos: "Em seus fundamentos a Doutrina Secreta, fonte dos mais profundos mistérios do Universo, é tão simples que pode ser compreendida por um menino. Por ter essa simplicidade, dela desdenham os que suspiram pela complexidade e pelas ilusões". "Ama a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo", eis a verdade.

Com esse fundamento e nele apoiado praticando-o vai o Aspirante vivendo a Vida; dando a sua Vida para que também a seu próximo possa vivê-la, conscientemente, no seu desígnio e na sua intenção.

(Publicado na Revista Serviço Rosacruz – 09/61 – Fraternidade Rosacruz – SP)