cabeçalho4.fw

A Libertação através do Trabalho em Grupo

 

 

 

A LIBERTAÇÃO ATRAVÉS DO

TRABALHO EM GRUPO

Elvin Joseph Noel

"Devemos aprender a lição do trabalho para um propósito comum, sem lideranças. Cada qual,

igualmente induzido pelo espírito de amor que lhe

vem do íntimo, deve empenhar-se pela elevação física,

moral e espiritual da humanidade à altura de Cristo – o Senhor e a Luz do mundo"

(Max Heindel)

O conhecimento, em todos os seus aspectos, é a base reconhecida do progresso. À medida que novos fatos são descobertos, novas leis são formuladas, a tecnologia vai se aperfeiçoando e as evidências do progresso se manifestam. Desse modo o ser humano vai obtendo tudo o que previamente lhe parecia impossível. Tal acontece porque novos fragmentos de conhecimento em um campo provê a chave do mistério existente em outro campo. Consequentemente, em virtude do inter-relacionamento comum entre todas as fases da vida e do conhecimento, quanto mais o ser humano sabe a respeito de determinado assunto, mais poderá saber a respeito de outros. Assim a luz do conhecimento cresce e torna-se mais brilhante.

Muitos problemas da vida, mercê dessa transferência de capacidade e inter-relacionamento de conhecimento, são resolvidos satisfatoriamente. Mas o progresso aí está, constantemente, desafiando o ser humano com novas e diferentes situações que inevitavelmente suscita. Os novos problemas vão tornando mais amplos, envolvendo mais pessoas, abrangendo maiores horizontes e exigindo soluções mais rápidas. As conquistas da técnica e da ciência, aproximando cada vez mais e identificando os diferentes grupos humanos, fazendo com que cada acontecimento afete a todos. É evidente que a humanidade está sendo submetida a um processo evolutivo acelerante. Os sinais apontados são o início desse processo.

Ninguém sabe tudo - Nenhum ser humano, por mais disciplinado, inteligente e dono de seu tempo que seja, pode hoje aprender tudo o que está à disposição do conhecimento humano. Ser humano algum, por mais poderoso e influente não poderá pensar, planejar e atuar com o acerto e rapidez requeridos pelos problemas sociais. Ora, não é do intento divino seja a humanidade subjugada e vencida pelo desespero ante os penosos e confusos tempos que vamos adentrando. Graças a alguns afortunados cérebros que não se deixam limitar pelo medo, que sobre passaram o egoísmo e pelo amor ao próximo, sincero e desinteressado, lograram alcançar as mais profundas verdades do Cristo, está-se divulgando por todas as partes a necessidade imperiosa de congregar-se as pessoas em grupos. Pela conjugação dos recursos individuais, na busca da solução dos mais altos e legítimos problemas coletivos, vêm-se obtendo meios para enfrentar a evolução da técnica, a fim de utilizá-la convenientemente, sem violência aos sagrados direitos do ser humano. Ainda há muito erro, decorrente, as mais das vezes, da falta do espírito de equipe. Ademais, há pouco é que, praticamente, se evidenciam as vantagens desta técnica há tanto tempo pregada por Cristo. Mas ninguém pode deter o fluxo do propósito evolucionário; verifica-se um rápido aumento do trabalho grupal em todo o mundo.

Necessidades para se trabalhar em grupo - O primeiro passo para o trabalho grupal é o reconhecimento de nossas limitações pessoais. Isso nos leva a participar de esforços cooperativos, cujo brilhante futuro mal podemos prever. À medida que nossos egoísmos e interesses imediatistas forem dando lugar ao altruísmo e bem comum, novas fases irão sendo exploradas no trabalho grupal. De fato, a formação de grupos de trabalho ainda está na infância. As técnicas são relativamente desconhecidas de uma grande maioria de indivíduos e as forças cósmicas que unem os indivíduos esparsos em grupos, estão apenas começando a produzir seus impactos sobre a consciência humana. Tais forças fluem primeiramente do Espírito de Cristo interno e secundariamente da influência de Aquário. Ao se tornarem mais fortes, grupos de pessoas, de uma natureza mais original e espiritual tornar-se-ão comuns. Eles serão os vanguardeiros e a glória da Idade Aquária. É notável verificar-se que Júpiter, o princípio da expansão e da boa vontade, da filantropia e da sociabilidade, voltou recentemente ao signo de Aquário. Pelo discernimento de assuntos públicos, Júpiter revela o que é desejável em matéria de negócios, de religião, de ciência e outros assuntos, suscitando revisão de atividades para novas e construtivas fases grupais. Desse modo, utilizando os valores relativos pessoais, sob o impulso do altruísmo e sem ofender a liberdade individual, Júpiter vai tornando possível grandes melhoramentos. Para as pessoas integradas em movimentos humanísticos e espirituais, esse trânsito enseja grandes oportunidades de progresso.

No passado, as transições de progresso que se operavam no mundo eram consequências do trabalho de indivíduos mais ou menos iluminados, cujas personalidades exerciam poderosa ação, atraindo e dominando aqueles que se tornariam seus discípulos. Por intermédio de tais singulares indivíduos o trabalho era feito. Foram grandes seres humanos mulheres a quem devemos não somente as revelações religiosas como o progresso nos vários ramos da arte, da ciência, das leis, da política, da filosofia, etc. Eles, em grande parte, fizeram a História, história de umas poucas pessoas, de cujo esforço e gênio dependeram as grandes realizações, em todos os campos de trabalho.

Atualmente essa condição está mudando. Novos métodos e novos seres humanos estão rapidamente emergindo. Muitos poucos indivíduos excepcionais surgem, mas, em compensação, levanta-se um grande número de seres humanos e mulheres aptos para qualquer atividade. Em vez do antigo mestre que determinava, observamos hoje muita gente com idêntica habilidade, trabalhando em conjunto. Ampliam-se enormemente as atribulações de responsabilidade e expansão da atividade humana. Devemos hoje aprender a trabalhar em conjunto ou nos desatualizaremos. Como predisse Max Heindel, devemos ser iguais, Amigos, compartilhando experiências e ação, acima da preocupação de liderança. A Fraternidade é a nova ordem da Era que se aproxima. Ou nos entendemos ou nos limitaremos cada vez mais.

O desejo de se destacar - A ambição para tornar-se líder leva a mesma razão que torna o indivíduo inadaptado para a mais alta forma de trabalho em grupo, não importando quão altruístas e benevolentes possam ser as motivações. O desejo de destacar-se, de exercer autoridade, encerra um erro de aproximação à moderna atividade grupal, pois ressalta a personalidade, em prejuízo de fatores anímicos de confraternização, de identidade incondicional. Em seus trabalhos com os Irmãos Leigos e Discípulos, os Irmãos Maiores nunca dão ordens, nunca censuram e nunca louvam. O anelo de servir, de viver retamente, deve brotar espontaneamente do interior do indivíduo. Isso o capacitará para integração da equipe. Esse deve ser o espírito de todo trabalho de grupo.

Tempo está chegando em que, na vida de todo e qualquer indivíduo, a única autoridade a ser levada em conta será o Eu Superior, o Foro íntimo. Na medida em que cada um aprenda a amar, a honrar e obedecer a seu Eu Superior, expressará o que é bom, belo e verdadeiro (o que é indispensável na evolução prática dos ideais cristãos). Torna-se compreensivo e harmonioso com todos seus companheiros de atividade, entendendo e seguindo espontaneamente os objetivos do grupo. A intuição, em vez do intelecto, será o fator reinante. Desaparecerão as regras e regulamentos impostos pelos líderes. Nos novos grupos, em vez de um líder, surge um representante, um porta-voz, o qual, pelo menos em teoria, preside aos trabalhos, por escolha de todos. Em virtude de seus méritos pessoais tornou-se ele o SERVO de todos, cujo conceito está muito distante do de líder que, seguindo suas próprias ideias e determinações, modela e executa o sistema de um grupo.

A especialização em um determinado ramo de atividade - No sentido de ampliar mais as possibilidades do conhecimento, atualmente há uma tendência bastante generalizada: especializar um determinado ramo de atividade depois de ter sido adquirido o conhecimento geral da profissão escolhida. Reúnem-se, então, os especialistas de diversos ramos para que todos e cada um contribuam com seus talentos num objetivo e benefício comum. Essa conjugação de técnicos desempenhou importante papel no esforço da última guerra mundial. Igualmente, a interdependência de técnicos foi que produziu o tremendo avanço da medicina, da ciência em geral, da técnica dos negócios. É a prova de que, fundindo e focalizando o conhecimento e poder cerebral de muitos, resolvem-se os mais complexos problemas do mundo. De igual modo, se fundirmos e focalizarmos os atributos do coração, o conhecimento e as energias espirituais de muitos indivíduos devidamente preparados, pode-se com toda a certeza exercer um poder espiritual quase ilimitado na tarefa de libertação do mundo. Esse é um palpitante, profundo e maravilhoso tema, para o qual chamamos a atenção especial de todo aspirante sincero.

O trabalho em grupo - Existem utilíssimos conhecimentos em relação ao trabalho de grupo. Contudo, permitimo-nos tecer considerações acerca de fatores diretamente relacionados com atividades espirituais, que é o nosso caso. Temos amplas razões para admitir que, por meio da Fraternidade Rosacruz conseguiremos promover uma expressiva fase de libertação da humanidade. E para compreendermos como atingir essa realização de efetiva ajuda ao Cristo, estudemos as cinco leis ou princípios básicos de nosso esforço grupal.

O primeiro é o SACRIFÍCIO, pois, sugere o impulso amoroso de dar, com renúncia de si mesmo, sem egoísmo. Sem o sacrifício o trabalho de grupo é praticamente impossível. Tudo o que não beneficie o conjunto e suas finalidades e que possa constituir obstáculo para Deus e para o ser humano, deve ser posto de lado. Sacrifício é fazer apenas o que é bom e implica renúncia aos reclamos da personalidade. É interessante observar, de passagem, que embora exista um grande número de pessoas altruístas, em todos os lugares, atualmente, poucas são as que agem acima de sua personalidade com o único propósito de servir e elevar os semelhantes. Aqueles que se reúnem para congregar forças a fim de obter mudanças políticas, para fundar uma instituição filantrópica, quase sempre cobram o preço do prestígio e do proveito pessoal. Raro é o que nada reclama para si, cuja presença e ação, eficientes e silenciosas, constituem o alicerce espiritual do movimento. O fundamento e causa de todo poder espiritual residem, em parte, no sacrifício. O egoísta transfere para um plano secundário o interesse impessoal da humanidade, sobrepondo-lhe a glória, a fama e poder maternal dos membros do grupo. Sacrifício é ABC do viver espiritual, é esquecimento próprio, é afastar tudo o que de alguma forma possa enfraquecer ou dividir os membros do grupo ou interferir no desenvolvimento de seus propósitos comuns. Não nos referimos somente ao que é errado, mas também ao não essencial, ao que não seja diretamente objetivado pelo Movimento, embora interesse de modo especial a um ou a vários membros do grupo. Cada membro deve ter boa vontade em relação ao Grupo, deixando de lado sua vontade pessoal, seus esquemas favoritos e toda forma de ambição pessoal. O que prevalece é a vontade da maioria. Lembremos que, por força da presente condição humana, todos vemos "como que através de vidro enfumaçado", isto é, com nossas limitações não percebemos claramente a vontade de Deus e seus Agentes, os Irmãos Maiores. Seus propósitos de elevação e libertação humana respeitam em primeiro lugar a liberdade individual e a valorização e poder de uma FRATERNIDADE, conciliam os aspectos individuais mais legítimos com os propósitos de Deus. Mas, devido às limitações, apenas uma parte do trabalho pode, por ora, ser realizado, porque não enxergamos com clareza os detalhes do Divino Plano Redentor. Todavia, não nos desalentemos por isso. Através do esforço sincero, o aspirante rosacruz está conquistando, mais depressa, sua libertação e elevação, capacitando-se para um trabalho mais alto. São poucos os que conseguem. Por enquanto, esforcemo-nos, sem nos aborrecermos por presenciar, amiúde, membros que não trabalham com idênticas compreensão e unidade de propósito. A perfeição do trabalho grupal é coisa do futuro.

Contudo, um contato íntimo, fundado no amor e numa profunda realização de unidade em Cristo, é possível atualmente, com indivíduos incomuns, que saibam sobrepor-se às diferenças de opinião, que lutam contra as desuniões, porque estas resultam sempre das forças inferiores.

É da maior importância, num trabalho de grupo, que todos aprendam a amarem-se uns aos outros, com o Amor de Cristo, de alma para alma, um amor nunca influenciado por fatores pessoais. O amor é o que ilumina e valoriza o sacrifício. O serviço em favor da humanidade se realizará satisfatoriamente apenas quando se fundar num profundo e permanente amor, livre de crítica (em geral oriundas de frustrações) e orientado pelo firme propósito de não transigir com o erro, com o supérfluo, e, sobretudo, com as brechas que entre seus membros produzam desuniões e enfraquecimentos. O sacrifício de fatores negativos pessoais, para perfeita integração e ajuda na Fraternidade, em prol da humanidade, é, ao mesmo tempo, uma contribuição preciosa para si mesmo, um exemplo e cooperação à Fraternidade e uma ajuda à humanidade, porque todos os nossos pensamentos, emoções e atos refletem-se em todos os planos da Natureza. Pela contribuição perfeita ao Grupo o indivíduo realiza a superação automática de si mesmo. Pelo esforço de integração, pacificação e eliminação de divergências, cada um harmoniza-se, ao mesmo tempo, a si mesmo.

O sacrifício sábio traz, portanto, à atividade, o segundo princípio ou lei do trabalho de equipe: A IDENTIFICAÇÃO AMOROSA COM OS COMPANHEIROS DE LABOR. Ao sobrepor-se à personalidade, cada membro, pela dedicação ao serviço, cresce em consciência quanto aos propósitos comuns. À medida que cresce, indiferente ao personalismo e egoísmos de toda ordem, identifica-se mais com seu verdadeiro EU e adquire uma atitude de alegria de confiança própria e de profundo amor ao próximo. Atinge, então, a vivência da "realização da unidade fundamental de si com os demais em identidade espiritual". Começa a manifestar sua Deidade interna, que permite a superação espontânea de suas solicitações egoísticas e, ao mesmo tempo, fá-lo olhar seus semelhantes, não pelos aspectos externos, não por seus defeitos, senão pela "divina essência oculta em cada um", o IRMÃO. Só então atinge a consciência e vive a consciência real de EQUIPE.

Muitos de nós, nos instantes de meditação e prece em grupo (quando se processa uma perfeita fusão entre todos), tivemos oportunidade de sentir uma grande vibração. Isto é possível, devido ao princípio de fusão de semelhantes, que é muito mais forte do que uma unidade. Um grupo harmonioso é mais do que um simples ajuntamento de pessoas. São carvões que provocam um FOGO, que, e em conjunto, focalizados e vibrando num ideal comum, formam um instrumento de Cristo. Por isso foi dito que onde dois ou mais se reunirem EM MEU NOME ali Ele estaria. A fusão de almas é o mais poderoso instrumento de corporificação de Cristo, para um trabalho superior, porque produz um volume tão grande de vibração espiritual que pode canalizar, do Mundo do Espírito de Vida, um caudal de energia incalculável.

Todos conhecemos essa lei: chama-se LEI DE ATRAÇÃO. Ela determina a atração de pessoas de vibração idênticas, levando-as a diariamente se reunir para um propósito comum. Eis o sentido de cada Núcleo Rosacruz no mundo.

O semelhante atrai o semelhante. A mais alta expressão dessa Lei é a fusão de indivíduos preparados para um ideal superior, com plena consciência das leis que regem o trabalho de equipe, isto é, com renúncia de si mesmos e dedicação amorosa ao próximo.

Eis como se realiza o trabalho de cura da Fraternidade Rosacruz. A fusão consciente e ardorosa de tais indivíduos forma um canal de natureza tão sublime que atrai um fluxo magnético poderoso do plano Crístico, beneficiando enfermos de todo gênero e enchendo a Terra de uma força equilibradora. Através do silencioso poder de tais grupos, os Seres Superiores podem fazer fluir o poder curativo, a força, a sabedoria e amor, para este mundo carente.

Atualmente o Mundo do Desejo se acha tão conturbado que seus reflexos na humanidade são os que observamos por aí. O contato de Egos, uns com os outros, em propósitos construtivos, é o meio mais eficiente, mais seguro, mais rápido, de libertação individual. O relacionamento de alma, pela auto-renúncia, leva-nos a um conhecimento superior e à unidade com o Cristo Cósmico, pelo despertar de nosso Cristo Interior. As aspirações devocionais e consagradoras para com o serviço, elevam os membros da Fraternidade a planos e condições que, sozinhos, abandonados a seus próprios recursos e às influências que vigoram desde a última conflagração mundial, não poderiam atingir.

A terceira lei ou princípio do trabalho de equipe é o SERVIÇO (tônica da Fraternidade Rosacruz). Dele ninguém pode evadir-se. Do mais elevado ao mais inferior dos seres, o serviço é o preço a pagar, não somente para o progresso de todos, como também por mera imposição do direito de existir. Uma evasão deliberada, egoísta, do privilégio de SERVIR, origina severas penalidades das leis equilibradoras do Universo. É o que sucede a muitos Egos que atualmente, em alguns países, são obrigados, à FORÇA, a conformar-se e servir com boa ou má vontade para atender às necessidades do grupo a que pertencem.

SERVIÇO é a capacidade de identificação do indivíduo com os interesses comuns. Pressupõe, como dissemos, a superação dos interesses pessoais, voluntária e gostosamente. Quem é feliz servindo, torna-se simpático na vida íntima do Grupo. É a técnica que liberta o indivíduo dos laços do eu inferior e o capacita a integrar a família de Cristo. O verdadeiro serviço não é fácil. Sua legítima expressão pressupõe muita renúncia, persistência e fé: "Poderosamente devem mourejar os que servem os deuses eternos". Servir significa sacrifício de tempo, de interesses pessoais, de idéias favoritas. Exige prudência, sabedoria, habilidade de trato, domínio das emoções. Observe-se quão pouco estão preparados para trabalhar impessoalmente. Não se trata de mero negócio, nem de interferências ou de esforços fanáticos. O verdadeiro serviço nasce da combinação das faculdades mentais com as do coração. Não é motivado por estados emotivos, por sentimentalismos, por arroubos acidentes de entusiasmos e tampouco do desejo de progresso espiritual da parte do servidor.

O verdadeiro serviço salienta o Grupo em vez de o indivíduo. Através do verdadeiro trabalho de equipe nos tornamos mais úteis do que isoladamente poderíamos ser e mais nos aproximamos de nossa FONTE e ORIGEM.

Através do serviço verdadeiro expressamos com mais facilidade os atributos de nosso Eu Superior, o Ego, cuja natureza é naturalmente boa e nobre, amorosa e fraternal, porque "feita à imagem e semelhança do Pai". O verdadeiro serviço não é solicitado nem planejado como um fim em si mesmo: surge espontaneamente na medida em que crescemos por dentro e nosso Cristo DESEJA expandir seus poderes anímicos. Gradualmente, à medida que vamos crescendo por dentro, irradiamos o amor e outras energias espirituais, nunca para nosso próprio engrandecimento, senão para elevação e libertação daqueles que de nós se aproximam. O verdadeiro servidor tira as vistas de si mesmo e de suas realizações, dando atenção integral para as necessidades de seus semelhantes, a começar por seu lar, sem deixar-se prender pelas insidiosas cadeias do interesse puramente familiar. Conduz-se equilibradamente em meio a todas as necessidades, seguindo os impulsos de seu Cristo Interior. A completa submissão à lei do serviço leva-o gradualmente ao íntimo do coração do Grupo e a conhecer, para além de todas as dúvidas, que é UNO com as almas IRMÃS. À medida que os membros se elevam assim, o Grupo vai atingindo a capacidade de serviço total, o poder e a oportunidade de executar as obras mais inimagináveis.

O quarto princípio consiste em RECUSAR tudo o que seja danoso aos interesses do GRUPO. Isto exige sinceridade, lealdade, coerência. Há muita gente de boa índole que falha neste princípio, por medo de ferir os companheiros. Mas a recusa não é desamorosa. Ao contrário: é firme, porém, amorosa, inteligente, esclarecida. Relaciona-se, como veem, com a lei de Repulsão, uma vez que, tudo o que não seja da mesma vibração do Grupo tende a ser afastado. Pela manifestação deste princípio, todos os grupos tendem a repelir o que lhe seja estranho ao modo de ser e necessidades, envolvendo pessoas, coisas e condições. Não se trata propriamente de conservação. A evolução do Grupo se processa naturalmente, à medida que seus membros evoluem e refletem amorosamente novas necessidades coletivas. Porém, o princípio que estamos considerando preserva o interesse de todos, elevando para Deus as pessoas e coisas identificadas, entre si, como conjunto. Simbolicamente falando, a totalidade dos membros dedicados de um Grupo "reúne seus carvões", abanando-os pelo serviço amoroso, a fim de que flameje a chama do fogo espiritual, que é um poderoso dissipador das trevas da ignorância e do frio egoísmo que existe no mundo. Por meio de sua própria existência irradiará de tal grupo luz e calor que dissiparão as forças mentais negativas e as correntes miasmáticas do Mundo do Desejo, que escravizam a humanidade.

Atuando sobre cada membro ou unidade do Grupo, este quarto princípio imprime em suas consciências uma profunda determinação de evitar e repelir em sua maneira particular de vida, tudo o que possa obstar ou interferir desfavoravelmente nas atividades e interesses comuns. Disso decorre a necessidade de vigilância constante, de si mesmo e não propriamente quanto aos demais. Deve cada um vigiar todas as atividades físicas, emocionais e mentais, a fim de que não chegue a exprimir ação inconveniente. Compreendendo que sua própria consciência é parte integrante do Todo, a qual, de algum modo misterioso, ele ajuda a sustentar, o membro dedicado e sincero pratica o discernimento e amiúde pergunta a si mesmo: "O que estou pensando, sentindo ou fazendo influencia favoravelmente o Grupo? Aumentará ou diminuirá Sua Luz Espiritual?”.

Então procura, sincero como é para si mesmo, atuar harmoniosamente, recusando tudo o que seja imoral, rancoroso, malicioso, interesseiro, crítica destrutiva etc. e cultivando apenas, deliberadamente, as vibrações auxiliadoras da sã alegria, da simpatia e do altruísmo.

Para o bem do grupo e não por motivos pessoais, trabalha para a pureza, para a estabilidade emocional e pelo controle do pensamento. Respeita e obedece aos propósitos do Grupo e recusa todas as faltas que, dentro de si, procurem prejudicar seu trabalho na equipe. Aprende que não é lutando que vence o egoísmo, senão pelo esquecimento de si mesmo, dedicação aos demais e prazerosa obediência à Luz Interna, conforme aquela frase de Cristo: "Aquele que perde sua vida por Minha causa, encontrá-la-á".

Quando cada membro tenha aprendido a trabalhar em íntima cooperação mental e espiritual com seus companheiros; quando o desejo de crescimento pessoal e espiritual tenha sido transcendido e cada um tenha dado tudo o que pode ao Grupo então o quinto princípio começará a atuar.

Este princípio que brota de unidade de cada um com todos, originará uma automática distribuição das conquistas do Grupo, de forma que, qualquer unidade ou membro começará a sentir e expressar tudo o que o Grupo tenha conquistado, embora individualmente não o tenha pretendido.

Uma completa realização, por parte de um membro do poder do amor, por exemplo, eventualmente se tornará uma realização consciente de todo o grupo e assim em relação a tudo em evolução. É a lei que Cristo enunciou quando disse "Se eu ascender levarei comigo todos os seres humanos".

Indubitavelmente existem outras leis e princípios que operam nos Grupos, a respeito das quais, atualmente, pouca noção temos. Contudo, a boa vontade de nossa parte, em adaptar nossa vida aos princípios aqui enunciados, possibilitar-nos-á percorrer mais rápida e proveitosamente o longo caminho que nos conduz às novas e luminosas condições da Idade Aquária.

                                                                              ¶¶¶¶¶¶¶