cabeçalho4.fw

Natal, uma Lição de Amor

NATAL, UMA LIÇÃO DE AMOR

O Natal é a época Santa do ano, ocasião em que o Raio Crístico retorna esplendoroso ao nosso planeta. Sem a aura rejuvenescedora, curativa e fortalecedora do Cristo penetrando anualmente em nosso globo, grande parte da raça humana estaria inexoravelmente perdida. Esse grande presente natalino que a humanidade recebe é a mais profunda manifestação do amor nascido eternamente do Pai.

Max Heindel, o grande místico-ocultista, descreve de forma divinamente inspirada a natureza do Amor Cósmico, com estas palavras: "O amor nasce eternamente do Pai, dia após dia, hora após hora, fluindo ininterruptamente pelo universo solar, para redimir-nos do mundo material que nos atrasa com suas garras mortais". Este tema é, particularmente, oportuno para meditarmos durante esta época.

Por outro lado, causa-nos compaixão a ideia de que a maioria das pessoas faz do Natal, tornando-o um evento mais social do que místico. É verdade que o relacionamento entre os seres humanos torna-se mais ameno, que há uma tendência geral a confraternização.

Falta, porém, uma vivência mais mística: as pessoas acabam por dar maior importância para presentes materiais, ceias e coisas do gênero.

Falta um aprofundamento no significado desta festividade religiosa que foi revestida por nós com um caráter mundano.

Falta, enfim, o verdadeiro espírito do Natal.

Nós, estudantes dos ensinamentos da Sabedoria Ocidental, não podemos transgredir nossos princípios.

Devemos vivenciar os conhecimentos que recebemos. Se as circunstâncias nos obrigam ao cumprimento dos nossos deveres sociais, participando da ceia natalina em companhia dos nossos familiares, façamos dignamente. Abstenhamo-nos de carne, álcool e quaisquer outros excessos. Guardemo-nos contra pusilanimidade de violentar nossos princípios apenas para não desagradar alguém. Sejamos firmes e coerentes em nossas convicções e estaremos contribuindo, com esse exemplo, para o estabelecimento do Reino de Deus aqui na Terra.

Se a tradição nos aconselha a dar presentes materiais, façamo-lo consoante a nossas posses e com dignidade. Nada de presentes luxuosos ou fúteis. Por que não dar algo edificante? Dar presentes úteis e que reconhecidamente podem preencher uma necessidade justa de um amigo ou parente é uma postura sensata.

Porém, o Natal verdadeiro constitui-se de presentes espirituais. São aquelas dádivas que revelam a presença do Cristo em nossas vidas. E a maior dessas dádivas é o amor.

O amor deve fluir espontaneamente do nosso coração ao coração das pessoas. Deus é Amor. Somos parte de Deus e o amor que DELE se irradia em ilimitada medida também existe dentro de nós, aguardando apenas oportunidade de liberar.

Que este Natal nos seja mais intenso em amorosidade.

(Editorial da Revista Rosacruz – nov-dez/88 – Fraternidade Rosacruz - SP)