cabeçalho4.fw

Natal Cósmico diferente do Natal humano

Natal Cósmico diferente do Natal humano

Há um natal humano, esse natalício marcado por nosso aparecimento num Corpo, quando voltamos a este mundo, através do ventre materno, e que consta oficialmente no “registro de nascimento”. Refere-se ao Corpo.

Há outro natal, interno, quando nascemos para nova esfera, espiritual, quando nossa consciência humana recebe o “batismo de fogo”.

O primeiro natal, do Corpo, é o mesmo que do ovo que a galinha bota; depois se vai formando algo novo dentro do ovo e (após 21 dias ou 3 x 7) um dia um pintinho rompe a casca e sai para uma esfera mais ampla de viver: é o segundo nascimento, o novo nascido ou o novo início ou Iniciação: o natal da consciência.

O nascimento do Corpo é a lagarta que se encerra no casulo de uma forma material, na qual luta, aspira e forma algo novo: a borboleta que sai voando para a imensidão do espaço de Deus.

O espírito não tem natal. O espírito é imortal, eterno, sem princípio nem fim. Ele é uma centelha de Deus e tem as mesmas características imortais, tal como a gota do oceano tem as mesmas propriedades do oceano.

Mas há outro natal, grandioso, macrocósmico, que deverá ocorrer para o “ovo” de nossa Terra: o natal cósmico.

Quando o Iniciado investiga na “Memória da Natureza” pode encontrar as encarnações passadas do homem Jesus, nosso Irmão Maior, porque ele pertence à nossa onda evolutiva (humana). O mesmo não sucede com o Cristo. D’Ele só podemos encontrar uma única encarnação.

É Lei cósmica: nenhum ser, por elevado que seja, jamais pode funcionar num certo plano do Universo, se não tem um veículo formado com material ou substância daquele plano. Exemplo: para agirmos neste mundo, devemos nos revestir de um Corpo Denso, formado de sólidos, líquidos e gases (os conhecidos elementos da química). Caso contrário, não poderíamos manipular o material deste mundo e ao mesmo tempo seríamos “fantasmas”, invisíveis aos humanos.

Cristo, como Arcanjo, jamais passou por uma evolução igual à nossa, num Corpo físico. Portanto, não aprendeu a construir veículos desta natureza.

Quando nossa Terra (como os demais Planetas irmãos) foi expulsa do Sol porque já não podíamos resistir à temperatura, lá ficaram os Arcanjos, cujos Corpos mais inferiores são o de Desejos e não sofrem influência da alta temperatura. Ao contrário, distanciados do Sol, nossa Terra se esfriou, nossos Corpos se foram condensando.

Cristo, o mais elevado Iniciado dos Arcanjos, o mais perfeito canal de expressão para os atributos de Amor-Sabedoria, do FILHO, em nosso Sistema Solar, devia vir à Terra para salvá-la da destruição. E os mais elevados seres humanos, Altos Iniciados, que estão em contato com as Hierarquias Divinas, sabiam disso. Eles mesmos não tinham poder para tão gigantesca tarefa.

Então prepararam, durante vidas, a vinda do Cristo à Terra. É por isso que os Iniciados fundadores das grandes religiões apontavam “alguém que devia vir do Sol”. Por isso Isaias profetizou a vinda do Salvador. E, como vaso físico, para manifestação de Cristo na Terra, devia ser preparado um Corpo puro e perfeito. Foi o que realizaram os dois grandes Iniciados conhecidos por José e Maria.

Um Planeta não é um Corpo morto como julgamos. Na verdade, é o Corpo de um grande espírito planetário e possui também Corpos espirituais, Mental, de Desejos, Vital e Denso. Do macrocósmico Corpo da Terra é que retiramos, em quantidade e qualidade requeridas por nosso particular grau de evolução, o material mental, emocional, etérico e químico, para formação de nossos Corpos, em cada renascimento. E, como Corpo vivo que é, a Terra grava, em seus estratos, todos os pensamentos, sentimentos e atos humanos. Ora, desde a queda, a humanidade estava comprometendo seriamente esses “arquivos" da Terra, com transgressões às leis da natureza. Nosso Planeta se estava cristalizando e ameaçava desintegrar-se no Caos, quando as Hierarquias Divinas resolveram interferir para salvá-lo.

Quando Jesus nasceu, os Iniciados Maiores sabiam que ele seria o vaso do Cristo. Jesus mesmo tinha plena consciência disso. Pessoalmente trabalhou sobre seus Corpos para dotá-los de elevada vibração. No Egito recebeu a contribuição do Templo Essênio de Heliópolis. Dali foi para Nazaré onde maravilha os doutores do Templo com sua sabedoria. Dos 12 aos 30 anos (período omitido pelos evangelhos) ele esteve num mosteiro essênio da Pérsia no qual havia a mais completa biblioteca de rolos secretos, onde gravou em seu novo cérebro, as conquistas Iniciáticas de vidas anteriores.

Assim, plenamente preparado, vem Jesus, adulto, de novo para o Jordão, onde o grande Iniciado João Batista, seu primo (relutante, em face de sua alta evolução) consentiu por fim em batizá-lo.

Nesse momento, na forma de pomba, desceu o Espírito de Cristo aos veículos físicos de Jesus. Este se retirou do Corpo, conscientemente e o entregou a

Cristo, acompanhando de fora o Seu ministério de 3 anos. Daí por diante não é mais Jesus, senão: Jesus-Cristo.

Se perguntamos a um sacerdote se Jesus e Cristo eram uma só pessoa, ele responderá: “Não; Jesus é a parte humana; Cristo é a parte divina”. Mas não irá além disso: é mistério. Aí está a encarnação de Cristo, que usou seus próprios veículos mental e emocional, mas teve que tomar emprestados os Corpos Denso e Vital de Jesus, para aparecer “COMO UM HOMEM ENTRE OS HOMENS”.

Notamos, pelos Evangelhos, que o Cristo muitas vezes se afastava do povo e se isolava. Assim fazia para entregar os veículos físicos de Jesus aos Iniciados essênios, a fim de que eles recompusessem seu tônus vibratório celular, porque a elevada vibração dos veículos Crísticos ameaçava desintegrar o Corpo de Jesus (apesar de ser o mais puro e refinado Corpo humano jamais concebido). Por essa razão é que, após a crucifixão, sem essa providência dos Iniciados essênios, o Corpo físico de Jesus se desintegrou no túmulo.

Logicamente, pela clarividência, os Iniciados essênios sabiam da Presença de Cristo nos veículos físicos de Jesus. Nas Bodas de Caná, Maria não estranha a resposta de Cristo: “mulher, que tenho eu contigo?”. Era o Cristo dirigindo-se a uma Iniciada humana (embora ocupando os veículos que ela gerou). As 3 tentações pelas quais passou, no Corpo de Jesus, tinham por finalidade fazê-lo conhecer a natureza humana.

Com o derramamento do sangue de Jesus, no Gólgota, Cristo penetrou no Globo Terráqueo (através do sangue, elemento misterioso em que se firma o espírito) e do centro de nosso Planeta expandiu toda a Sua imensa força espiritual, lavando a Terra de todas as transgressões passadas. Daí a citação do João Batista, usada na páscoa: “Eis o cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo” (não dos homens). Cristo permaneceu 3 dias no centro da Terra.

Depois da destruição do Corpo Denso de Jesus, Cristo apareceu entre os Discípulos em Corpo Vital, no qual funcionou durante algum tempo. Depois subiu ao Seu mundo, de onde, anualmente, desce, pelo Natal, para dar mais um impulso espiritual ao nosso Globo (que continua sendo comprometido com nossas transgressões) e à humanidade, até que um número suficiente de seres humanos elevados possa manter o Planeta na própria levitação e o Cristo seja libertado da cruz da Terra (pois Ele disse: estarei convosco até a consumação dos séculos).

Os Rosacrucianos têm uma comemoração especial no Natal. Desde a entrada da primavera vão se preparando para a vinda do Cristo e, da entrada do Sol em Capricórnio, mais 3 dias, permanecem em oração, meditação etc., a fim de estarem em sintonia vibratória para receberem a ajuda espiritual do Cristo.

Infelizmente o cristianismo popular perdeu de vista essas verdades esotéricas, agora reservadas “aos de casa”. Só na Idade Aquária a humanidade estará em condições de receber amplamente essas verdades que temos o privilégio de conhecer. Oxalá possamos vivenciá-las e aproveitá-las devidamente, valorizando a rara oportunidade que nos oferecem.

Assim como nascemos humanamente, assim como despertamos a consciência para um “novo nascimento”, assim nossa Terra nasceu materialmente quando se separou da matriz solar. Mas terá que nascer de novo, pela perfeita sintonia Vibratória ao Centro Espiritual do Sistema Solar. Eis o NATAL CÓSMICO.

 (Publicado na revista ‘Serviço Rosacruz’ – 12/74)