cabeçalho4.fw

Você sabe quais são os Perigos no seu Caminho?

Você sabe quais são os Perigos no seu Caminho?

"Apenas uma coisa é necessária", disse Cristo a Marta. Nestas palavras encontramos uma das grandes verdades fundamentais da vida, e embora a grande maioria não pense ser necessária apenas uma coisa, muitas pessoas concordam que, mesmo sendo inúmeros os nossos desejos, na realidade as nossas necessidades são poucas.
Não obstante esta grande realidade, a complexidade de nossa vida atual é tal que a maior parte da humanidade se consome para a obtenção do conforto e do luxo que servem apenas para o corpo, enquanto deixa a alma definhar.

Mas esse conforto e esse luxo não são suficientes, não satisfazem depois de possuídos. Os seres humanos que atingiram a riqueza poderão dizer que o gozo da riqueza existia antes da sua obtenção e não depois da sua posse e que o dinheiro é, em verdade uma pílula amarga na boca do seu possuidor. O mesmo acontece com o prestígio social; a mulher que conseguiu sobressair em seu círculo social, verifica, quando chega a tal posição, que aí tudo é banalidade, vazio, não tendo valido o esforço despendido.

Verdade é que sempre há aqueles que clamam por riquezas, por prestígio social, que procuram avidamente essas coisas, apesar do grande preço exigido a sua alma. Procuram-nos como mariposas procurando a luz. Mas embora existam muitos lugares perigosos na vida social para seduzir as mariposas humanas, existem engodos mais fatais no caminho espiritual. A parábola do semeador, como todas as outras parábolas de Cristo, aqui tem sua aplicação.
Alguns grãos caem na estrada, outros sobre rochas, outros entre espinhos, etc., e somente uma pequena parte cai em solo fértil, onde produz abundância de frutos. Hoje em dia os seres humanos, em todo o mundo, correm daqui para ali, guiados por essa necessidade interna, por esse desejo insatisfeito de algo que não sabem o que é. Mas embora procurem, são surdos e cegos, não podem ver a luz interior, não ouvem o silencioso chamado interior; a concupiscência dos olhos e o orgulho da vida no mundo exterior são atrações muito fortes. Como toupeiras escondemo-nos na escuridão de uma existência vazia, longe da luz, longe do Pai de Luz, embora Ele esteja presente em toda a parte. Grande verdade exprimiu Davi poeticamente em seu Salmo 139:7-10: "Para onde me irei do teu Espírito, ou para onde fugirei da tua face? Se subir ao céu, tu aí estás; se fizer no Sol a minha cama, eis que tu ali estás também. Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, até ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá".

Deus é Luz, disse o apóstolo São João em mística vidência, e a luz está em toda a parte; só que não a vemos em nossa cegueira de coração.

Mas por vezes, no decorrer de nossas vidas, a luz latente que existe em nós, desperta. A centelha divina de nosso Pai invisível começa a brilhar e aos poucos despertamos à realidade de que somos filhos da luz.

Esta é uma grande crise pela qual passamos. É o ponto de retorno na peregrinação do filho pródigo, quando ele verifica sua condição, quando vê claramente que a riqueza mundana, todo prestígio social, a força de sua posição, são unicamente "vaidade", e que apenas uma coisa é necessária, apenas uma coisa vale a pena, e essa coisa é: VOLTAR AO SEIO DO PAI.

No momento da conversão o Espírito manifesta o intenso desejo que existe em todas as fibras do seu ser com este grito que lhe queima a alma: "levantar-me-ei e irei para meu Pai".Esta é a senha para entrar no "Caminho". No outro extremo eleva-se a Cruz onde o espera a libertação. E o espírito santificado penetra nas esferas mais sutis com o grito de triunfo: "Consummatum est!". Está terminado! Estou livre dos grilhões da carne, sou Espírito livre, uno com meu Pai. Mas ninguém pense que está a salvo depois de ter passado os portais da aspiração. Muitos fogos-fátuos lampejam pelo caminho, procurando distrair a atenção dos que buscam a verdadeira luz e nenhuma armadilha é mais perigosa nesse momento do que aquela que é lançada sobre o desejo ardente da alma pela perfeição. A seu respeito São Paulo nos previne em sua II Carta aos Coríntios 5: 1-9: "Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus.

E por isso também gememos, desejando ser revestido da nossa habitação, que é do céu; se,todavia, formos achado vestidos e não nus. Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor. Desejamos, antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor. Por isso trabalhamos, para que, presente ou ausente, possamos ser aceitos por Ele".

Notemos particularmente que São Paulo reconhece o perigo de ser encontrado nu e por isso ele insiste que não queria ser despido, mas revestido e que para isso ele trabalhava.

Guiadas pelo desejo insensato de rápido desenvolvimento, as almas estão sendo constantemente seduzidas por pessoas inescrupulosas que se intitulam "Mestres" e que prometem resultados rápidos desde que seja paga a taxa de Iniciação. Muitos loucos correm para esses pseudo-mestres como mariposas para a Luz.

É verdade que, as vezes, obtêm resultados, sendo jogados nos Mundos invisíveis. Mas tendo descuidando o "trabalho" na vinha, como São Paulo advertiu, não conseguiram obter o "traje de bodas" ou a "casa nos céus".

Faltam-lhes o veículo vital de consciência, necessário para se poder agir inteligentemente nas esferas superiores e dessa forma são incapazes de achar o caminho de volta ao Corpo Denso que abandonaram e sua morte, e, em geral, atribuída a "colapso cardíaco". Tais estão, na verdade, "nus" e são condenados a sofrer até que tenha se escoado o tempo que deveriam viver, porque, de fato cometeram suicídio e os arquétipos de seus Corpos Densos continuam intactos, vibrando, tentando atrair a si substância física. Mas como o cordão prateado partiu-se, nenhum corpo pode ser constituído e eles experimentam um sofrimento que os suicidas descrevem como semelhante à tortura da fome ou como uma dor de dentes sentida em todo o corpo. "Aquele que não entra pela porta é ladrão e salteador". Numa casa terrestre, é possível roubar e escapar, mas quem procura enganar a Deus verifica que o caminho do transgressor é duro, quando queimar suas asas na chama.

Não é estranho que seres humanos que compreendem a necessidade de se gastar anos para se aprender determinada ciência, arte ou profissão, que trabalham pacientemente dia a dia, ano após ano com assiduidade e aplicação a fim de obter o conhecimento de qualquer ciência material possam ser tão infantis ao ponto de pensarem que em pouco tempo poucos dias, semanas, ou meses no máximo um ano ou dois, possam dominar a ciência da alma dedicando-lhe, apenas dez minutos ou menos por dia? Eles ririam de alguém se oferecesse para iniciá-los nos mistérios da cirurgia em poucos meses, mas quando se trata da ciência da alma eles perdem todo o senso comum. Seu desejo de obter poderes ocultos é tão forte que obscurece a razão e como as mariposas voam para a luz, assim eles voarão para o "mestre" que prometeu fenômenos em curto prazo.

E, quando alguém se tenha queimado, os outros tomam cuidado? Infelizmente, não! Para cada mariposa que cai, uma outra ou dez mais estão prontas para tomar o seu lugar. Os espelhos mágicos e as bolas de cristal encontram mercado fácil, ao passo que a verdade continua mendigando. É maior do que se julga, o número de pessoas enganadas por aqueles "mestres" inescrupulosos.

Na maioria dos casos os iludidos ficam com o prejuízo financeiro, mas às vezes, processos na justiça mostram que pessoas que se consideram inteligentes abrem mão de vultuosas somas a pedido desses pseudo-mestres e pseudo-espiritualistas. E também, por vezes o túmulo se fecha sobre um desses pesquisadores ou um hospício os segrega da sociedade.

Mas se a mariposa humana raciocinasse, e ouvisse a advertência e perguntasse: "Como posso distinguir a luz verdadeira da falsa?", poderia confiantemente procurar a resposta nas Sagradas Escrituras. Não há nenhuma dúvida a respeito. Cristo deu aos Seus discípulos os poderes necessários para ajudarem a humanidade e preveniu-os para darem de graça o que de graça receberam. São Pedro, quando instado por Simão, o Mago, para que lhe vendesse seus poderes espirituais, amaldiçoou-o. Tudo o que davam, era sem retribuição, não tinha preço. Da mesma forma o verdadeiro instrutor não estabelece preço para seus ensinos, mas vive como viveram os apóstolos, de contribuições voluntárias daqueles a quem ajudavam.

Nem é necessário para quem não busca o ouro do mundo, enganar outros com promessas de fenômenos ou poderes a curto prazo. E fácil construir uma casa do tipo desejado se possuirmos o material. Podemos aumentá-la, acrescentando-lhe mais tijolos. Mas nem o vegetal, nem o animal, nem o ser humano, crescem dessa maneira. Seu crescimento vem de "dentro", e cada um deve fazer seu próprio trabalho para isso. Não podemos comer o alimento de outro e dar a esse outro a força que retiramos do alimento comido.

Do mesmo modo não podemos assimilar as experiências de outro e dar-lhe o crescimento anímico resultante dessas experiências.

Portanto, fujam dos falsos mestres, adquiram seus poderes individualmente, pacientemente. Trabalhem, orem e esperem. No devido tempo a Luz do Cristo brilhará dentro de cada alma; nunca será necessário procurar por ela em outro lugar.

(Traduzido de "Rays from the Rose Cross" de junho de 1935 e publicado na Revista 'Serviço Rosacruz' – 10/79 – Fraternidade Rosacruz – SP)