cabeçalho4.fw

Exercícios para Adquirir o Conhecimento Direto - Discernimento

Exercícios para Adquirir Conhecimento Direto - Discernimento

O que é o Discernimento?

  • É a faculdade que nos permite distinguir aquilo que é essencial daquilo que não tem importância.
  • É aquilo que nos ajuda a separar a realidade da ilusão.
  • É aquilo que nos ajuda a separar o que é duradouro do que é eterno.

Influenciados pelas opiniões da sociedade materialista em que vivemos, somos levados a avaliar as coisas segundo suas aparências.

O discernimento nos ajuda a entender que as formas são pensamentos cristalizados, que esse Mundo Físico é o mundo dos efeitos e que a causa de tudo está nos mundos espirituais, de onde provem todo o conhecimento.

Por exemplo: muito do nosso sofrimento cotidiano advém de pensarmos que somos somente corpos. O discernimento ensina-nos que somos espíritos e que nossos corpos não são nada mais do que moradas provisórias, instrumentos do nosso uso veículos que utilizamos para nos expressar nos mundos e, mais ainda: ensina-nos que é através do nosso trabalho sobre esses nossos corpos é que construímos a nossa tríplice alma.

Através do discernimento geramos a Alma Intelectual que nada mais é que a quinta essência do nosso Corpo Vital.

Tal prática nos ajuda a descobrir que somos capazes de fazer com facilidade muitas coisas que até então julgávamos impossível realizar.

Sem dúvida, o discernimento nos imprime o primeiro impulso em direção à vida superior!

A prática do importante exercício do discernimento advém de construirmos hábitos (através da repetição consciente e buscando melhorar continuamente nesse quesito) baseados nas seguintes atividades:

  1. Cultivar o raciocínio lógico (a lógica é o melhor instrutor no Mundo Físico e o guia seguríssimo em qualquer mundo) – assim, todo raciocínio que não tenha uma base lógica deve ser evitado pelo Aspirante à vida Superior e jamais servir de argumento, tanto para se convencer, como para convencer aos outros. Nesse contexto, o Aspirante deve evitar participar de qualquer tipo de conversas, debates e colocações onde o raciocínio lógico não tenha seu assento garantido.
  2. Exercitar a crítica construtiva (assinala os defeitos e o modo de remediá-los) – assim, ao criticar uma determinada posição, ação, atividade ou ponto de vista, deve sempre ser seguido pelo modo de remediar a situação, fornecendo sugestões totalmente isentas de paixões, interesse próprio, condições que colocarão o próximo em situação difícil, etc. Jamais deve ser proferida pelo Aspirante algo que tenha como único objetivo a destruição vandálica, ou mesmo a participação em conversas maldosas, fofocas, blasfêmias, mexericos e “jogar conversa fora”. Como parâmetro relembre a Parábola, na Bíblia, do argueiro e da trave.
  3. Procurar o bem em tudo que está oculto – quanto poder tem esse princípio para reprimir o mal! Reforçar o bem aonde encontrarmos mal é a chave para respeitar o livre arbítrio de qualquer um e um instrumento dos mais importantes na execução do exercício de discernimento. Afinal, o “mal não passa do bem em gestação”. Assim, se procurarmos o bem no mal, com o tempo, o mal se transformará em bem! Em outras palavras: não se alcança o sucesso lutando contra o mal, nem o negando ou mentindo, mas sim procurando o bem.

                                                                             Que as Rosas Floresçam em vossa cruz