cabeçalho4.fw

As Duas Faces do Conhecimento

As Duas Faces do Conhecimento

O conhecimento pode ser uma faca de dois gumes. Imprescindível ao nosso avanço em qualquer campo de atividade, se, todavia, for mal empregado atravancará nosso desenvolvimento. Pouco ou superficial, mesmo quando aplicado com a melhor das intenções, torna-se perigoso. Muito conhecimento, por outro lado, é conveniente apenas àqueles espíritos preparados para recebê-lo, caso contrário, dará à pessoa uma noção exagerada de sua importância e capacidade de influenciar os acontecimentos. Em si mesmo, não é bom nem mau.

O conhecimento é acessível a todos aqueles que, sinceramente, se devotam a sua busca. Em toda Natureza nota-se uma realização lenta e persistente precedendo o desenvolvimento superior. Isto se aplica ao conhecimento estritamente físico como ao dos mundos superiores. A pessoa que admite sua ignorância já deu o primeiro passo no caminho do conhecimento. Só podemos conhecer o superior quando compreendermos o inferior.

"Homem, conhece-te a ti mesmo". Estas palavras estavam gravadas no frontispício do templo de Delfos na Grécia antiga, como uma lição e advertência. Para compreender o mundo que nos cerca temos de fazê-lo, primeiramente, com nós mesmos. Em assim agindo, conscientizar-nos-emos da verdade prática subjacente na chamada "regra de Ouro": "Não fazer a outrem o que não desejamos que nos façam".

O conhecimento total de qualquer assunto requer um estudo intensivo. Renascemos inúmeras vezes no Mundo Físico, entretanto, quem o conhece em toda a sua complexidade? Que dizer, então, dos mundos suprafísicos?
Obter conhecimento direto dos mundos superiores é particularmente difícil para a humanidade atual. É necessário querê-lo tão ardorosamente como uma pessoa que se afoga deseja respirar. Mas, não basta apenas querê-lo. Há outros requisitos necessários a sua obtenção.

O primeiro passo no caminho do conhecimento direto é a purificação dos veículos do espírito, tornando-os cada vez mais sensíveis. Os exercícios de Retrospecção e Concentração ministrados pela Fraternidade Rosacruz são importantes nesse processo, por abrirem vias de aperfeiçoamento de caráter e sensibilização.

O desenvolvimento do sexto sentido ou clarividência coloca-nos no umbral do conhecimento direto. São as primícias do trabalho realizado pelo Aspirante, ao longo de muitos anos ou, quiçá, de muitas vidas.

A aquisição do conhecimento encontra-se estreitamente relacionada com o Corpo Vital e tem, necessariamente, que se alimentar da vida fundamentalmente derivada de produtos do veículo etérico, ou seja, a força criadora e o sangue. Por esta razão, os ensinamentos rosacruzes sempre reiteram que todo desenvolvimento oculto principia pelo Corpo Vital.

Há muito que dizer a respeito do conhecimento. Mas, se queremos evidenciar uma lição moral a respeito do mesmo, podemos fazê-lo nestes termos: o conhecimento implica em grande responsabilidade, e a quem muito é dado, muito será exigido.

(Revista 'Serviço Rosacruz' – 02/82 – fraternidade Rosacruz – SP)