cabeçalho4.fw

Poderes Mentais

PODERES MENTAIS

 O mundo encontra-se, atualmente, inundado de livros e revistas sobre o poder mental. Nunca registrou-se tamanha ânsia de desvendar os segredos da mente como agora. Se alguém ainda duvida disso, basta dar uma olhada nas livrarias.

É surpreendente e, ao mesmo tempo admirável. Seria, por demais, injusto pretender-se negar legitimidade a essa busca. Queremos crer que seja o primeiro passo para a aquisição de um conhecimento de natureza mais espiritualizada.

Mas, ao mesmo tempo, é importante afirmar-se que nem todas as obras abordando o assunto são meios capazes de promover a colimação de um objetivo mais elevado. Não se pode, pura e simplesmente, estimular o desenvolvimento de poderes mentais, dissociando-os das responsabilidades morais que encerram.

É uma questão muito séria, e por isso mesmo preocupante, dado que pessoas sem o necessário amadurecimento estão utilizando indiscriminadamente esses poderes. Algumas, diabolicamente, sabem o que estão fazendo. Outras, inconscientemente, às vezes até movidas por boa fé, não se dão conta do mal que podem fazer aos outros e a si próprias, caso utilizem tais conhecimentos sem respaldá-los em princípios éticos.

A televisão e outros meios de comunicação estão sendo utilizados a serviço de uma sociedade hedonista e competitiva, onde o ser humano vale mais pelos bens de que é possuidor, pela sua conta bancária ou pelo prestígio social, do que pela sua formação moral. A tentação é muito grande, não sendo difícil a maioria deixar-se seduzir por apelos publicitários. Abre-se, assim, a feérica, mas falsa, via da ilusão, com os seres humanos atirando-se ávida e desesperadamente à busca de riquezas e posições. Não raro, valem-se de meios torpes para atingir seus propósitos.

Aí reside o perigo da utilização ignorante ou egoísta dos poderes mentais. Se todos fossem capazes de imaginar quão doloroso é o destino gerado pelo emprego interesseiro de seus divinos dons, nem de leve pensariam em cometer tamanho destino.

Há, contudo, considerável número de indivíduos bem intencionados estudando e procurando desenvolver os poderes mentais. No entanto, as tentativas feitas pelas pessoas de boa índole no sentido de endireitar o mundo através do uso desses poderes, não vêm obtendo êxito.

Por quê? Afinal, não é um esforço correto? É lógico que sim! Porém falta alguma coisa, essencial, diga-se de passagem. Essa boa intenção deve harmonizar-se com a Vontade Divina. Todos os propósitos devem submeter-se ao crivo do “tribunal interno da verdade", como tão sabiamente Max Heindel recomendou. Esse tribunal é uma expressão do Deus Interno, e suas decisões, somente suas decisões devem orientar o emprego de nossas faculdades. Ele esclarece se o "bem" que desejamos fazer representa um "bem real" ou um pretenso benefício.

“Buscai, primeiramente, o Reino de Deus e Sua Justiça e tudo o mais vos será dado por acréscimo”, afirmou o Cristo. Aplique-se esse ensinamento ao tema aqui abordado e o resultado será altamente positivo. Vivendo em harmonia com as Leis Cósmicas, irradiando paz e amor ao nosso redor, servindo ao próximo, nossos veículos se sensibilizarão. Tornar-se-ão canais por onde fluirão dons divinos, aumentando nossa sintonia com o INFINITO. Nossos poderes, portanto, manifestar-se-ão naturalmente.

Compreendamos esta verdade: uma “limpeza” e iluminação interior devem anteceder o florescimento de qualquer poder. Se tal não acontecer, ele correrá, inevitavelmente, o risco de ser conspurcado.

Os estudantes rosacruzes sabem que os pensamentos são coisas. Que o seu alcance é muito mais amplo e profundo do que se pode imaginar. Portanto, todo cuidado é pouco.

O pensamento compreende duas escadas: uma, elevando-se da terra aos céus; outra, da terra aos Infernos. Cabe-nos a escolha: galgar uma ou descer pela outra. Tudo depende de nossa formação espiritual.

(Gilberto A V Silos – Editorial da Revista Serviço Rosacruz de 9/78)