cabeçalho4.fw

O Senso de Valor: não avaliemos as coisas segundo suas aparências, mas como avaliar os valores internos, como Deus nos solicita?

O Senso de Valor: não avaliemos as coisas segundo suas aparências, mas como avaliar os valores internos, como Deus nos solicita?

 

"O Senhor, contudo, disse a Samuel: "Não considere sua aparência nem sua altura, pois eu o rejeitei. O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração" (I Samuel, 16:7).

A passagem citada, do Velho Testamento, foi extraída do trecho em que Jeová manda Samuel escolher seu sucessor entre os 7 filhos de Jessé. Samuel julgava que o eleito seria dos mais fortes e de mais belo parecer. No entanto, foi escolhido David, rapazito ainda, que logo depois prostrou o gigante Golias com uma pedra atirada por uma funda.

Eis um belo tema de meditação. Influenciados, a todo passo, pelas opiniões da sociedade materialista em que vivemos, somos levados a avaliar as coisas segundo suas aparências, quando Deus nos solicita buscar os valores internos.

Na antiga Grécia o conceito de elite era mais correto. Os realmente mais sábios e virtuosos pontilhavam na vida política, científica, artística e social. Sabemos que Xantipa, esposa de Sócrates, tinha violentas discussões com o sábio, porque ele trazia fama e não dinheiro para casa. Ainda hoje existem pessoas de grande valor, em todos os campos, que mal ganham para suas necessidades. Poucos são os que se guindam na opinião pública, como Einstein e Schweitzer (Albert Schweitzer foi um teólogo, músico, filósofo e médico alemão; foi laureado em 1952 com o Prêmio Nobel da Paz, como humilde homenagem a um "grande homem"). Heróis anônimos, aos milhares, estão por aí, na classe média, participando da elite de Deus, mas, não da dos seres humanos.

É muito comum ouvirmos falar: "minha filha casou muito bem; seu marido é diretor de tal firma e ganha muito bem"; casou com o conforto, com o dinheiro, que torna lindo o noivo. Todos os dias vemos falsos destaques serem agraciados por falsas honrarias. E, como dizem os Evangelhos: "quem já recebeu seu galardão dos seres humanos, nada tem a receber de Deus" (Mt 6; 2).

Não podemos negar que o simples fato de um indivíduo se diplomar médico, engenheiro, etc., pressupõe esforço e mérito individual; que para chegar a determinado posto deve ter provado o desenvolvimento de qualidades incomuns, a menos que se haja guindado por apadrinhamento.
Mas não basta isso. A conquista de maiores faculdades ou bens, sejam quais forem suas naturezas, se de um lado acarreta mérito individual, de outro lado atrai maiores responsabilidades, porque "a quem muito foi dado, muito lhe será exigido" (Lc 12; 48). O uso que fará então, das faculdades ou bens que conquistou é que provará seu verdadeiro valor perante Deus. "De que vale ganhar o mundo e perder sua alma? " (Mc 8; 36).

O abuso de autoridade, faculdades e propriedade tem trazido muito sofrimento à humanidade. Somos apenas despenseiros dos bens que o Senhor põe a nossa disposição. Veja-se na parábola dos Talentos (Mt 25; 20-25) em que o Senhor "deu mais ao que multiplicou seus talentos e tirou o único que tinha dado ao que, por medo de perdê-lo, o havia enterrado".
A Fama, o Poder, o Dinheiro e o Amor são os meios mais usados atualmente pelos Senhores do Destino para adiantar a evolução humana. Por um deles somos capazes dos maiores sacrifícios, vidas inteiras. Mas quem é capaz de renunciar a si mesmo e servir os demais com o mesmo entusiasmo?

Sem exigir tanto, quantas pessoas se dedicam diariamente à prática de virtudes cristãs, pelo menos duas horas? Ou quem ora sinceramente meia hora por dia?

- Não tenho tempo! – é o que ouvimos constantemente. E lembramo-nos daquela passagem: "onde está o teu tesouro, ali está o teu coração" (Mt 6; 21).

Sabendo isso e não exigindo mais do que podem dar os seres humanos, os Senhores do Destino lhes apresentam os incentivos: da Fama, do Poder, do Dinheiro e do Amor. Em sua conquista tudo fazem e nesse esforço, sem o saberem, vão desenvolvendo qualidades de confiança própria, de persistência, de luta, que mais tarde serão aproveitadas num sentido superior. Quanto ao mau uso que agora fazem disso tudo, sofrerão inevitavelmente as consequências, e seus efeitos saturninos far-lhes-á crescer a alma, pela dor.

Muito mais, contudo, fará o que com o mesmo empenho constrói o mundo para servir seus semelhantes dos mais variados modos, administrando os bens e faculdades com perfeita renúncia de si mesmos. Estes crescerão muito e depressa, recebendo, com toda certeza, progressivamente mais, para verter no mundo, os recursos de Deus, pela evolução de Seus filhos menores.

Cuidemos, pois, de avaliar devidamente as coisas e as pessoas. Muitas vezes o vidro brilha mais do que um diamante bruto. Melhor é não nos iludirmos com as aparências e buscarmos em todos "a divina essência que existe em cada um, pois, isto constitui a verdadeira fraternidade". Melhor dizendo, encaremos cada semelhante como irmão espiritual, com suas virtudes e defeitos. Não sejamos servis com os poderosos e superiores nem déspotas e infraternais com os inferiores na escala social. Tratemos a todos com a mesma franqueza, sinceridade, amor e prudência, cuidando de merecer, por nossa conduta equânime e coerente, a graça de nos tornarmos dignos de sermos "fiéis administradores dos bens do Senhor".

(Revista Serviço Rosacruz – 05/66 – Fraternidade Rosacruz – SP)