cabeçalho4.fw

O Natal e a Evolução

O Natal e a Evolução

Nessa época do ano, nós, aspirantes aos Mistérios da Sabedoria Ocidental, voltamos nossos pensamentos ao grande Drama Cósmico que se desenrola na Terra, ano após ano.

Aprendemos, pelos iluminadores ensinamentos dos Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz, que o Natal constitui uma das quatro fases anuais na vida do nosso Espírito Planetário Interno (um Raio do Cristo Cósmico), sendo este, análogo ao nosso próprio nascimento físico.

Os místicos nascimentos e mortes do nosso Salvador são contínuas ocorrências cósmicas: um sacrifício contínuo, necessário para nossa evolução física e espiritual durante a presente fase do nosso progresso.

Assim como o lago que desagua no mar enche-se de novo quando a água evaporada retorna em forma de chuva, para fluir incessantemente rumo ao oceano, assim o Espírito do Amor nasce eternamente do Pai.

E o faz dia após dia, hora após hora, fluindo sem cessar em direção ao universo solar, com a finalidade de redimir-nos do mundo de matéria que nos tem enredado em suas garras mortais. Onda após onda, é assim emitida do sol a todos os Astros, ensejando um impulso rítmico às criaturas que neles evoluem (do Livro Coletâneas de um Místico de Max Heindel).

Na santa época do Natal, os fogos espirituais da Terra são mais brilhantes, de tal maneira que é o melhor período para absorvermos os benefícios do nosso crescimento anímico, assim como para investigar e estudar os mistérios da vida.

Portanto, “cabe-nos”, como asseverou Max Heindel, “aproveitarmos a oportunidade, de forma a utilizarmos o tempo presente com a melhor vantagem possível, paciente e persistentemente. Sabemos que essa grande onda de luz espiritual estará conosco durante as épocas vindouras. E, naturalmente se fará mais e mais brilhante, à medida que a Terra e nós mesmos evoluirmos a graus superiores de espiritualidade.”

Possamos, todos e cada um de nós, empenharmo-nos novamente para que nossa luz alumie a grande Árvore Cósmica do Natal, de modo a ser observada pelos seres humanos, atraindo-os às verdades que sabemos de vital importância para o desenvolvimento da humanidade.

 (Publicado na Revista Serviço Rosacruz de dezembro de 1976)