cabeçalho4.fw

Autodomínio só alcançado pelo conhecer a si mesmo e que é tão doloroso

Autodomínio só alcançado pelo conhecer a si mesmo e que é tão doloroso

O domínio de nós mesmos muitas vezes fracassa, porque desconhecemos nossas falhas. O que não conhecemos, não podemos dominar. Sentimo-nos virtuosos, cheios de razão simplesmente por não poder enxergar o outro lado da medalha. A retrospecção tem o papel de despertar a consciência de nossa verdadeira personalidade, descobrindo as sombras. Se pudéssemos ver a nós mesmos como os outros nos veem, e pudermos acrescentar com lucidez percebendo as falhas profundamente encerradas no nosso ser, seria mais fácil o trabalho, um trabalho honesto e digno de extirpar o joio do nosso trigal.

A chispa divina, a "água viva" está aprisionada fundo no nosso íntimo, não podendo jorrar livremente, purificando os canais que servem para receber mais luz, mais capacidade de elevação, agindo acertadamente. Quantas vezes queremos ajudar, amparar os outros e não achamos meios, nem palavras de fazê-lo. Andamos desorientados, separados da nossa fonte, da nossa intuição, que poderia tão bem nos guiar. Falta o elo com o nosso Eu Superior. A alma chora e a personalidade não percebe. O seu julgamento é superficial, é indulgente, marcando passos, passos vagarosos que não elevam, suas asas são frágeis.

“Conheça a ti mesmo”, talvez por este conhecer ser tão doloroso, os olhos se fecham. Estamos sozinhos nas tempestades, abalados, sofridos, mas estes sofrimentos, saibamos ou não, serão a nossa libertação e talvez um dia recobramos a visão para ver o nosso interior, recobremos a capacidade de ouvir aquilo que nosso Espírito fala, podendo começar a verdadeira caminhada para a luz, para o conhecimento próprio, alcançando o autodomínio.

(Publicado na revista ‘Serviço Rosacruz” – 01/86 – SP)