cabeçalho4.fw

Os Efeitos do Suicídio

Os Efeitos do Suicídio

 

O suicida, que tenta deixar a vida, somente descobre que está tão vivo, como sempre, e no mais terrível apuro. E o pior de tudo: ele tem um inexprimível sentimento que é o início do sofrimento. A razão disto segue abaixo.

Quando o Ego está descendo para renascer, é ajudado pelas Hierarquias Criadoras no sentido de construir o arquétipo do seu Corpo, imprimindo nesse arquétipo, o número de anos que a pessoa deve viver. Este arquétipo tem um só movimento vibratório que grava na matéria do Mundo Físico, e determina a vibração de todos os átomos do corpo, em harmonia com o átomo sensível do coração chamado Átomo-semente que, como "diapasão", dá o impulso harmônico para todo o organismo. Quando o tempo máximo da vida na Terra foi atingido, as vibrações cessam no arquétipo. O Átomo-semente é afastado; o Corpo Denso desintegra-se; e o Corpo de Desejos, onde o Ego atua no Purgatório e no Primeiro Céu, responsabiliza-se pelos fantasmas do Corpo Físico. Então o ser humano inicia o trabalho de resgate de seus erros, transferindo-se para o Purgatório e assimilando as coisas boas da sua vida no Primeiro Céu.

Na condição acima descrita, onde a situação é natural, o processo é tranquilo. Mas no caso do suicida é diferente.

Ele tem preso o átomo-semente, mas o arquétipo ainda mantém-se vibrando. Portanto, ele se sente como se estivesse desmontado e passa por um sentimento de tortura horrível, que pode ser melhor comparado como a aflição de uma intensa fome ou uma terrível dor no corpo. Toda matéria para a formação do Corpo Denso está à sua volta, mas é-lhe impossível assimilá-la e construí-lo. Este horrível sentimento de depressão permanece até o término real da sua vida.

Por conseguinte, o princípio das causas e efeitos ensina-lhe que é errado brincar na Escola da Vida e que os erros não ficam impunes. Assim, na próxima existência, quando as dificuldades surgirem, ele se lembrará dos sofrimentos do passado que o levaram ao suicídio, aproveitando as experiências da vida, o que contribuirá para o seu crescimento espiritual.

(Publicado na Revista 'Serviço Rosacruz' – 09/75 – Fraternidade Rosacruz)