cabeçalho4.fw

Paternidade e Maternidade Responsáveis

Paternidade e Maternidade Responsáveis

"Façamos o Homem a nossa Imagem e Semelhança" disse Javé: e o primeiro ser humano foi criado. Mas Deus não quis continuar sozinho a criar outros seres humanos e deu ao próprio ser humano a incumbência de ajudá-lo na propagação da espécie. Assim sendo, os pais são coparticipantes de Deus na obra da criação de seres humanos. E é por isso que, além da alegria que os filhos trazem, há uma responsabilidade enorme dos pais em relação a eles.

Quando da gravidez, a mulher precisa zelar e zelar muito pelo pequenino ser que é seu dependente. O primeiro passo numa paternidade responsável, é que os pais tenham saúde física e mental para transmiti-las aos filhos. Mas se até o momento da concepção os pais agem, daí para frente a maior responsabilidade é da mãe. A necessidade de um acompanhamento médico é imprescindível a fim de prevenir ou sanar problemas. A alimentação sadia, evitando álcool, fumo e tóxico, complementada a orientação médica. Hábitos sadios são necessários para o perfeito desenvolvimento do pequenino ser ainda tão dependente da mãe.

E nesta hora em que a mãe traz em si o fruto do amor, o pai deve redobrar ocarinho e os cuidados para que haja a complementação lógica de tudo que ela deve fazer.

Mas os pais não são responsáveis somente pelo desenvolvimento físico de seu bebê. A par dos cuidados já mencionados, é necessário um ambiente harmonioso, com muita paz e muito amor.

Uma criança amada e desejada dificilmente será uma criança carente e desajustada. Mesmo uma gravidez indesejada não deve gerar pensamentos destrutivos em relação à criança como se ela tivesse vindo sem nenhuma participação dos pais. A célebre frase "sou dona do meu corpo" nada significa quando se tem outro ser dentro de nós, pois nossos direitos vão somente até onde começamos direitos dos demais.

Os filhos são talentos que Deus nos confiou e dos quais nos pedirá contas. É necessário não só guardá-los para que se não percam as qualidades que trouxeram, como também incentivá-los a cultivar essas mesmas qualidades para que se desenvolvam.

Se os pais colaboram com Deus na formação de um novo ser, também devem, como Deus o faz, respeitar a individualidade desse mesmo ser. Devem orientá-los com palavras e exemplos, dar-lhes, na medida do possível, as bases necessárias para que vivam mais plenamente e aproveitem sua estadia nesse mundo para progredirem o mais que possam.

Mas de maneira alguma podem se achar donos de seus filhos. Nunca pensar ou agir como se eles fossem sua propriedade, o "meu" filho e não um indivíduo a quem eles por ajudarem-no a vir ao mundo, se tornou propriedade sua. Deus respeita-nos como indivíduos e não viola nosso livre arbítrio. Quem somos nós para nos julgarmos donos de alguém?

Não podemos ter a pretensão de que nossos filhos são propriedades nossas como o são nossas casas ou carros.

Os pais têm a missão divina de formar os filhos, orientá-los intelectual, moral e materialmente falando, tomando-os aptos a se desenvolverem melhor e, quando partirem desta vida, deixarem melhor o mundo em que viveram.

Devem sempre lhes dar exemplo, apoio e amor, trazendo-os ou pelo menos procurando trazê-los de volta ao bom caminho quando dele se afastarem.

Deus faz conosco tudo que foi acima mencionado e nós devemos fazer isso em relação a nossos filhos: ver neles um ser criado à imagem e semelhança de Deus e que, com a nossa colaboração, deve encontrar seu próprio caminho e cuja realização só dele depende.

(de Maria José A.S. de P. Coimbra, publicado na Revista 'Serviço Rosacruz' – 06/79 – Fraternidade Rosacruz – SP)