cabeçalho4.fw

Cristo: Sua trajetória e missão para nos salvar

Cristo: Sua trajetória e Missão para nos salvar

 

Há milhões de anos atrás, um grandioso Ser do Sol que havia cumprido as Leis da sua esfera de ação com a máxima perfeição, tornou-se o Iniciado mais elevado da onda de vida Arcangélica. Este Ser, chamado o Cristo Cósmico, funciona, normalmente, num veículo feito de substância do Mundo do Espírito de Vida, Mundo este onde cessa toda a separatividade. Seu trabalho também se harmoniza e se relaciona com outros dois Grandes Altos Iniciados de outras ondas de vida que também colabora na evolução criadora do Sistema Solar no Mundo de Deus.

 

No início da nossa jornada no Período de Saturno (o Primeiro Período de um total de sete, que compõe o Esquema da Evolução) foi fornecido o átomo-semente do Corpo Denso, a nós, os Espíritos Virginais da onda de vida humana. Nesta jornada ou esquema de evolução, depois desse Período, passamos pelos Períodos Solar e Lunar e chegando ao início do Período Terrestre (o quarto Período). Lembramos, aqui, que cada Período é composto de 7 Globos e de 7 Revoluções em torno desses Globos de densidades diferentes. Nesse momento, nosso campo de evolução ainda estava no Sol. Com o tempo, verificou-se que o desenvolvimento desses milhões de Espíritos Virginais da onda de vida humana não acompanhava, com a mesma rapidez, os demais, atrasando a evolução do conjunto todo. Assim, os Planetas: Urano, Saturno, Júpiter, Terra, Marte, Vênus e Mercúrio foram se separados do Sol, um a um de forma a servirem de campo de atividades e evolução dos Espíritos Virginais em seus diferentes estados de desenvolvimento; cada um a distância exata necessária para ser o melhor campo de evolução para cada grupo de Espíritos Virginais da onda de vida humana. Assim é que se formou o nosso Planeta, a Terra, separada do Sol, campo de evolução da nossa onda de vida humana.

 

A um certo tempo de evolução, já aqui no Planeta Terra, passamos a ser guiados e orientados pela terceira manifestação da Divindade – o Espírito Santo, Jeová, o Iniciado mais avançado da onda de vida Angélica. É dele a autoria de todas as Religiões de Raça que serviu (e ainda serve, em algumas circunstâncias específicas) para nos conduzir: a humanidade do Período Terrestre. Este auxílio, prestado a toda humanidade nesta fase de desenvolvimento, teve a participação ativa de hostes de Arcanjos (como Espíritos de Raça) e Anjos (como Mensageiros e Anjos da Guarda) e foi prestado a partir de fora da Terra. Ou seja, foi necessário que as orientações para as nossas atividades na Região Química do Mundo Físico nesta época fossem dirigidas através de fontes exteriores.

 

Quando chegamos à metade quarta Revolução desse Período Terrestre, houve a necessidade de haver mais segmentações no nosso campo de evolução, a fim de facilitar a aprendizagem das lições que estavam reservadas para nós. Essas segmentações são chamadas de Épocas. Durante a Época Lemúrica e Atlante (a terceira e quarta das 7 Épocas, respectivamente) foi acrescentado um novo veículo em nossa evolução: a Mente. Também, foi na Época Atlante que surgiram, para nós, os seres atrasados da onda de vida Angélica, chamados Espíritos Lucíferos. Eram atrasados porque não conseguiam evoluir no esquema de evolução dos Anjos sem a necessidade de um cérebro – tal como os Anjos – mas também não conseguiam construir um, já que, originalmente, os Anjos não necessitam. Naquela época a nossa consciência ainda estava ligada aos planos superiores (ou seja: não estamos com a nossa consciência de vigília, focada na Região Química do Mundo Físico). Os Espíritos Lucíferos sugeriram para nós que o cérebro era uma estrutura física, capaz de auxiliar-nos a entender como criar outros corpos físicos, aqui nesse Mundo Físico, sem se sujeitar a direção de Jeová e dos Anjos (que era como era feito até então) e, assim, seríamos dono de nós mesmos e conheceríamos o bem e o mal.

 

Consequentemente, a grande maioria de nós aceitou a sugestão e passou a viver dessa maneira: usando e abusando da força sexual criadora. Logo derivando para ambições egoístas, aprendendo a mentir, a desenvolver a vontade do eu inferior, a se revoltar contra os preceitos de Jeová. Sob a Lei de Consequência (Causa e Efeito) tivemos castigos severos por desobediência a essa Lei. Fomos divididos em raças e nações. A fim de entender que o caminho do transgressor é sofrido e nos dar a oportunidade da escolha, sempre que preciso, uma raça ou nação era utilizada para guerrear contra outra: uma que obedecia os preceitos do seu Senhor (Jeová) contra outra que insistia em não obedecer.

 

Como quando o átomo-semente da Mente foi dado a nós, estávamos acostumados a caminhar somente pelo desejo, e, naquele tempo, desejos inferiores, então associamos a ela um instrumento da natureza de desejos. Conclusão: facilmente tornou-se um meio de justificar e arquitetar pensamentos que evidenciasse o nosso Eu inferior (a personalidade) e deixou de servir o Eu Superior (a individualidade). Reencarnações e reencarnações de abuso da força sexual criadora, por meio de ondas de paixões, desejos inferiores, sensualidades e mentira nos assolou e criamos dívidas e mais dívidas de destino maduro (aquele que só há uma maneira de pagar: expiando). Até que a cristalização do nosso corpo físico tornou-se de tal grau que quase não era possível evoluir nele; assim como a própria Terra – o nosso campo de evolução - foi-se cristalizando em grande intensidade até que surgiu o perigo de que toda a nossa evolução humana poderia chegar a um grau tão alto de cristalização que poderia surgir à segunda Lua da Terra!

 

Para evitar esta calamidade foi necessário um novo nível de ajuda espiritual que viesse até nós. Cristo, o Espírito do Sol, era o único que poderia nos ajudar. E isso foi feito por meio de um grande sacrifício cósmico. Ele, como Arcanjo, só conseguia construir, como veículo mais inferior, o Corpo de Desejos. Mas Ele precisava estar entre nós, para sentir a dificuldade que estávamos sentindo e, assim, nos prescrever exatamente o que devíamos fazer para sair desse estágio perigoso. Assim, precisava adaptar à existência material. Para isto teve que recorrer aos Corpos Vital e Denso de um ser humano. O mais indicado, pelo seu grau de evolução, foi o ser humano de Jesus. Ele cedeu os seus Corpos: Físico e Vital à Cristo.

 

Os Corpos Físico e Vital de Jesus foram aperfeiçoados e sutilizados em sua juventude e até aos 30 anos de idade pelos Essênios, de forma a sintonizarem-se com as vibrações elevadas para que mais tarde estes veículos pudessem ser cedidos por Jesus, no Batismo, a Cristo. Esse foi o Seu primeiro passo do sacrifício cósmico: entrar nestes veículos (Vital e Denso). A dualidade deste maravilhoso “Ser” conhecido por Cristo-Jesus tornou-se única entre todos os Seres dos sete Mundos Espirituais. Só Ele possui os doze veículos que unem diretamente o ser humano no corpo físico a Deus (ver diagrama 14 do livro: Conceito Rosacruz do Cosmos). Ninguém melhor do que Ele podia compreender, com maior compaixão, a nossa posição e as nossas necessidades e nos trazer alívio total.

 

Nos três anos de seu ministério, Cristo-Jesus ensinou a verdadeira Religião do Cristianismo Esotérico: a unificação futura de todos nós. O amor impessoal e a Fraternidade Universal são os dois grandes mandamentos de Amor que constituem o alicerce imediatamente necessário a nossa evolução espiritual.

 

A Crucificação ocorreu no momento em que Cristo-Jesus deu o passo final e se tornou o Espírito Planetário da Terra. O sangue que jorrou da coroa de espinhos e dos cincos ferimentos do seu corpo penetrou no planeta Terra libertando Cristo dos veículos de Jesus e tornando-O Espírito Interno da Terra. Neste instante a Terra foi permeada com o Seu veículo de desejos que lavou os pecados do mundo, não do indivíduo. Assim, purificou o Corpo de Desejos que estava contaminado da Terra, libertando-a de influências negativas que se haviam acumulado e sendo tão nefastas para a humanidade. A partir deste momento, todos nós, com vontade e esforço, temos condições de purificar os nossos veículos e acelerar o nosso desenvolvimento espiritual, pois foi possível o acesso a esta substância espiritual pura.

 

Devido a este extraordinário sacrifício, Cristo agora vive parte do ano limitado e oprimido na nossa Terra, aguardando o Dia de Sua Libertação. Este tempo é marcado pelo Equinócio de Setembro quando Cristo toca a atmosfera da Terra e termina no Equinócio de Março, que marca o fim do trabalho na Terra voltando ao seio do Pai, para preparar o seu retorno no próximo ano.

 

Cristo sente todo ódio e discórdia que nós geramos todos os dias. Mas, Ele recebe também uma extraordinária ajuda dos Irmãos Maiores que trabalha, diariamente, para transmutar todo o mal em forma de pensamentos, sentimentos, palavras e ações em fatores positivos através de Sua força de vida. Mesmo sabendo que a maioria de nós não está ciente deste trabalho, nós como estudante da Filosofia Rosacruz devemos procurar não expressar estes sentimentos e pensamentos negativos. Se não o fizermos estaremos aliviando a coroa de espinhos em Sua cabeça.

 

A nossa dívida com o Cristo é imensa, e se quisermos começar a saldá-la, mesmo que muito modestamente, comecemos a praticar na vida o serviço e a pureza. Assim estaremos tecendo o Corpo Alma e acelerando a Sua libertação deste cárcere físico.

 

“Que as rosas floresçam em vossa cruz”