cabeçalho4.fw

Universo Estelar e a relação com a Astrologia

Universo Estelar e a relação com a Astrologia

De início, devemos lembrar que habitamos um Planeta, o qual, por sinal, é um dos menores de nosso Sistema Solar. No dizer dos geógrafos, o Planeta Terra é umas vezes menor do que o Sol. Este, por sua vez, é uma estrela de quinta grandeza. Como estrela, sabemos, tem luz própria, diferindo, portanto, do Astro que reflete a luz recebida. Dizíamos que o Sol é estrela de quinta grandeza, mas existem estrelas de quarta, de terceira de segunda e de primeira grandeza. De primeira grandeza temos, por exemplo, a estrela Magalhães no Cruzeiro do Sul, sobre o território brasileiro. Ela é cinco mil e oitocentas vezes maior do que o Sol. Forma, sem dúvida, outro Sistema planetário, a grande distância do nosso. Assim, a quantidade incalculável de sois existentes no Universo constituem, seguramente, Sistemas Solares. Mas, lembremos também que Universo é sinônimo de Macrocosmo, do qual se constitui o ser humano, sinônimo de Microcosmo ou pequeno mundo.

Verifica-se, então, a estelaridade também do ser humano. Todos os elementos para a sua constituição saíram do Universo, que é o próprio Deus em manifestação. Essa, a razão pela qual dizemos, com base em fatos, que o ser humano foi feito a imagem e semelhança de Deus. Quando o Ego se encontra no Terceiro Céu fazendo os últimos preparativos para o próximo renascimento, sabe perfeitamente, que o mesmo se dará debaixo das influências astrológicas que ganhara anteriormente. E, de fato isto ocorre. No instante em que a criança dá o primeiro grito ou vagido, os Astros e os Signos, cujas influências são peculiares ao momento, gravam-se no Átomo-semente da mesma, através do ar que inspira pela primeira vez, influenciando durante a vida toda. Sabemos, ainda, que levamos conosco, em nossa atmosfera áurica, desde o nascimento até a morte, as chamadas doze Casas, que representam os Ângulos nos quais projetam os raios astrais. Sentimos, em tudo, a presença viva dos Astros. Se deixarmos um Planeta, teremos, forçosamente, de habitarmos outro. O mesmo terá de se dar, quando abandonarmos um Sistema Solar. No grande Cosmo não há, sob hipótese alguma, espaço vazio. "Na casa de meu Pai há muitas moradas", disse Cristo. Ele queria dizer que a espaço é todo estelar. Por isso mesmo, é que Max Heindel, nos aconselha com ênfase, o estudo da Astrologia. Para que o trabalho de cura possa ser eficiente, os Probacionistas são agrupados segundo os princípios dessa Ciência Divina.

Nos ensinamentos Rosacruzes fomos alertados de que, entre dois Probacionistas, aquele que conhecer Astrologia desfruta de melhor chance. Estudemos, pois, incansavelmente, esta maravilhosa Ciência. Assim, nos capacitaremos para realizar mais e melhor, em favor da humanidade. Tem crescido, constantemente, o número de interessados pelo estudo da Astrologia. Estudá-la e aplicá-la é a grande arte. Por falta de melhor entendimento da Astrologia, há quem lhe atribua importância secundária. Entretanto, dia virá que será bem entendida, passando, então, a ter outro conceito a respeito dela e de seus efeitos sobre cada um de nós, na vida dos casais, das famílias, na sucessão dos governos, etc., etc.

A Fraternidade Rosacruz mantém a estudo sistemático da Astrologia, em três cursos: Elementar, Superior e Superior Suplementar.

Aliás, através do sangue de Jesus, o Espírito Solar de Cristo, na tragédia do Gólgota, apossou-se do planeta Terra, sendo deste o Regente. Convém lembrarmos, finalmente, que para o estudante da Filosofia Rosacruz realizar as nove Iniciações Menores terá de transpor, com segurança, o mesmo número de camadas do Planeta que estamos habitando. Da mesma maneira, para realizar a primeira das quatro grandes Iniciações. Como o candidato faria tudo isso, se não conhecesse o Planeta Terra, ou melhor, dizendo os Astros e estrelas? Caminhemos, amigos, sem desfalecimentos, mas amorosamente, pelo Universo Estelar!

(Revista Serviço Rosacruz – 07/64 – Fraternidade Rosacruz – SP)