cabeçalho4.fw

A Lei e a Graça - Qual a Relação entre elas e como utilizá-las no dia a dia

A LEI E A GRAÇA - Qual a relação entre elas e como utilizá-las no dia a dia?

 

Quando nós, como Espíritos Virginais, entramos no Período Terrestre, o quarto período do nosso esquema evolutivo, começou o trabalho de união entre o Ego e o Tríplice Corpo. O objetivo desse trabalho era modificar os Corpos para serem interpenetrados pela Mente, o veículo mais novo que hoje possuímos.


No Corpo Denso começamos a construir a fronte, para abrigar o cérebro, e dividir o Sistema Nervoso em Voluntário e Involuntário. Perceba que só com um Sistema Nervoso Voluntário é que adquirimos meios de estimular nosso Corpo Denso a realizar movimentos orientados por nós e não somente por impulsos externos.


No Corpo Vital, as modificações foram feitas para que esse continuasse com a forma do Corpo Denso, criando, assim, cérebro vital e Sistema Nervoso Voluntário e Involuntário vital ( ou seja, idênticos aos do Corpo Físico, mas com material etérico). Também, o ponto da raiz do nariz da parte etérica e da parte física foram colocados na mesma posição relativa.


No Corpo de Desejos efetuou-se uma divisão em duas partes: uma Superior e outra Inferior.


Com isso, as Hierarquias Criadoras, as que auxiliavam-nos nas modificações e aquisições de novas ferramentas para utilização nesse Mundo Físico, puderam nos dar as seguintes orientações:

·      Os Senhores da Mente (Sagitário) cuidaram da parte superior do Corpo de Desejos, estimulando-nos a gerar desejos e emoções altruístas, superiores;

·      Os Senhores da Mente (Sagitário), também, nos deram o germe da Mente;

·      Os Arcanjos foram ativos na parte inferior do Corpo de Desejos, dando-nos possibilidade de termos desejos e emoções inferiores;

·      Foi feita a divisão dos sexos. Metade da força sexual criadora foi utilizada para construirmos o cérebro e a laringe, órgãos indispensáveis para criar e expressar-se no Mundo Físico.


Estava criada a base para a expressão individual. E com as modificações atmosféricas da Época Atlante, o ser humano pode ver os objetos da Região Química do Mundo Físico com claridade e nitidez. Como diz a Bíblia: “Eles olharam-se, seus olhos foram abertos e viram que estavam nus”. (Livro do Gênesis: 3:7)


Foi daí por diante que o ser humano pode guiar a si mesmo, aprendendo a ser independente, assumindo responsabilidade por seus próprios atos.


Foi então que, exercitando todas essas faculdades recentes, o ser humano aprendeu: o egoísmo, a ambição, a astúcia, a vingança.


Isso se tornou mais forte devido a união que ocorreu entre a parte inferior do Corpo de Desejos e a Mente. Fato ocorrido por causa do fraco domínio nosso, o Ego, sobre os corpos recém-adquiridos. Assim, o Intelecto passou a ser dominado pelo Desejo. Assim, a tendência do nosso raciocínio passou a responder aos desejos inferiores, de egoísmo, de vingança, de ambição, de astúcia.


Então, estávamos aptos a conquistar o Mundo Físico: tínhamos corpos que nos ajudavam a funcionar aqui e tínhamos a consciência incipiente para agir aqui. Agora precisávamos de métodos para discernir o bem do mal, para sobrepormos a tendência destrutiva que seria agir somente pelos desejos inferiores, para sentir desejos superiores conscientes no Mundo Físico.


Foi então que apareceu Jeová, o Legislador, o que fornece leis apropriadas para um povo que recentemente recebeu novos corpos, preparando-o para um novo período de desenvolvimento.


Uma parte desse trabalho foi o de emancipar o intelecto do desejo. Para isso, Jeová criou as Leis e transmitiu-as a . Além delas, foram instituídas as Religiões de Raça, a Religião de Jeová. Para facilitar a assimilação e a orientação, Jeová dividiu a humanidade em raças e nações.


Esta é a Religião da Lei, prescrevendo penalidades por transgressões e antepondo o temor da lei aos desejos da carne. 


Essa fase do trabalho de Jeová é feita partindo de fora, como dador de leis, e a lei, quando aplicada de fora, é como o feitor que nos obriga a fazer isto ou aquilo ou nos proíbe de fazer outras coisas.


Entretanto, o ser humano sempre rebelou-se contra ela, sendo necessário infligir-lhe castigos severos para mantê-lo dentro da conduta moral desejada. As guerras entre nações e as pestes eram comum, onde essas se puniam mutuamente por suas transgressões. Recorria-se às guerras para garantir a obediência, e o Antigo Testamento conclui prometendo às nações batidas que sangravam: “Nascerá o Sol da justiça e estará a salvação sob as suas asas (Malaquias 4:2)”.


Mas as Leis de Jeová nos instigava a sermos conquistadores, a praticar o “olho por olho, dente por dente”. A querermos ter tudo o que pudéssemos nesse Mundo Físico. Aí está a chave: o Mundo Físico. Afinal, o objetivo era a conquista do Mundo Físico.


Para isso, tivemos que mergulhar no Mundo Físico. Esquecer nossa origem divina. Fomos estimulados a adquirir bens. Quanto mais adquiríamos bens: terras, filhos, casas, dinheiro, mais tínhamos recompensas por termos sido obedientes às ordens dos Espíritos de Raça. Por outro lado, se transgredíamos e desobedecíamos aos mandamentos de Jeová, mais passávamos fome, ou éramos acometidos por pestes ou por outras calamidades de ordem material.


Não havia, sob o regime de Jeová, nenhuma promessa de paraíso, pois foi dito que “mesmo os céus pertencem ao Senhor, mas a terra Ele a deu aos filhos dos homens”.


Com o objetivo de focarmos a consciência e o propósito da vida, conforme a necessidade da época mais aqui no Mundo Físico foi nos dado alimentação especial: carne e bebidas alcoólicas. Com isso, nosso Corpo Físico foi se tornando mais rígido, mais cristalizado e a nossa atenção foi se voltando totalmente para o Mundo Físico.


Chegamos ao ponto de pensarmos que não existe outro mundo senão somente esse aqui. Que não existe outro corpo senão somente esse aqui.


Entretanto, conquistamos o Mundo Físico. Fizemos desse mundo um paraíso. Exploramos todas as suas partes. Transformamo-lo num lugar agradável de se viver, com comodidades e luxos. Criamos e trabalhamos com os elementos do Mundo Físico, transformando-os para o nosso melhor viver.


Por outro lado, como consequência da desobediência a essas Leis, originou-se o pecado. Como descrito em Romanos 7,7:8: “A lei é pecado? Longe disso. Mas eu não conheci o pecado, senão pela lei, porque não conheceria o desejo de coisas materiais se a lei não dissesse: não cobiçaras.” “sem a lei, o pecado estava morto”.  Mas como a proibição excita o desejo, o pecado encontrou nas proibições da lei um bom aliado.


Aos poucos fomos entendendo que as Religiões de Raça, a uma das quais estávamos apegados, eram religiões do medo e da obediência. Se transgredíssemos a lei, cometíamos pecado, que deveria ser expiado através de sacrifícios ou de sofrimento, de dor, de tristeza, da morte.


Assim, por meio do medo íamos subjugando o nosso Corpo de Desejos. Aos poucos, íamos entendendo que, uma vez compreendido que éramos um “eu individual”, separado dos outros irmãos e que deveríamos buscar a evolução de maneira sozinha, deveríamos, também, respeitar os outros irmãos, deixando de sermos egoístas, ambiciosos, vingativos.


Aos poucos, também, fomos conquistando esse Mundo Físico, a ponto de atingir o nadir da materialidade, onde pudemos utilizar tudo que esse Mundo Físico proporciona. Atingimos um desenvolvimento quase perfeito do nosso Corpo Denso!


Na parte espiritual, aprendemos a adorar a Deus por meio do medo. Começamos a pressentir a presença de Deus através dos poderes da Natureza. Para agradá-lo, fazíamos sacrifícios externos e sangrentos.


Depois, começamos a considerar Deus como dador de todas as coisas, quem nos recompensaria aqui e agora se obedecêssemos a Sua Lei e, nos castigaríamos instantaneamente se a desobedecesse. Sabíamos que Ele era um poderoso aliado contra nossos inimigos, mas podia ser também um inimigo poderoso e, por conseguinte, também O temíamos. Os sacrifícios eram externos e sangrentos e os fazíamos por medo!


Por esse tempo, nós tínhamos acumulado uma quantidade enorme de pecado, como consequência da desobediência às Leis de Jeová. Nosso Corpo de Desejos estava quase que todo cristalizado. Estávamos quase todo tempo expiando nossos pecados por meio do sofrimento, da dor e da morte.  Ao mesmo tempo, havia uma quantidade considerável de pessoas que extraíram todos os ensinamentos condizentes com aquela época e, vivendo uma vida voltada para Deus, ansiavam por maiores ensinamentos espirituais. No caminho da evolução, foi chegada a hora de começarmos retornar a Casa do Pai, agora cheio de experiências. Tal qual a Parábola do Filho Pródigo.


Essa foi uma das razões que tornou necessária a intervenção do Cristo.


Afinal, as Religiões de Raça são somente passos intermediários a fim de preparar-nos para a vinda Unificadora do Cristo, a Religião do Cristo, base da Fraternidade Universal.


O feitor torna-se o consolador.


A orientação à humanidade é alterada para: “Paz na Terra e boa vontade entre os homens” ao invés de: “Nascerá o Sol da justiça e estará a salvação sob as suas asas (Malaquias 4:2)”, como recompensa às guerras e lutas entre as nações. E, ao invés de: “Olho por olho, dente por dente”, deveríamos praticar: “Amai os vossos inimigos”.


Cristo trouxe a possibilidade de qualquer um, desde que queira, ter acesso aos ensinamentos espirituais que explica todos os mistérios ocultos da natureza.

Ele trouxe a possibilidade de entender a importância da união de todos os seres humanos numa única fraternidade.


Ele limpou o Corpo de Desejos do planeta Terra – que é no nosso Mundo do Desejo, dando-nos, com isso, material para que pudéssemos ter desejos superiores, espirituais, amorosos.

Ele trouxe a possibilidade de adorar a um Deus de Amor e a sacrificar-nos por nós mesmos diariamente, toda a sua vida.


E ainda, a possibilidade de reconhecermos nossa própria divindade, fazendo o bem pelo simples prazer de fazer, sem esperar recompensas nem castigo!


Esse é o tempo em que recebemos a lei dentro de nós e que não mais impelidos por meios externos. Como lemos em Romanos 7,21-23: ”Eu encontro, pois esta lei em mim: quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim, porque me deleito na Lei de Deus, segundo o homem interior, mas vejo nos meus membros, outra lei que se opõe à Lei do Meu Espírito e, que me faz escravo da Lei do Pecado que está nos meus membros”. 
Romanos 7,24: “Quem me livrará desse corpo de morte? A Graça de Deus por Jesus Cristo Nosso Senhor”.


Sim, Cristo deu-nos a Graça e o Perdão dos Pecados. Como lemos em João (1,17): “Porque a Lei foi dada através de Moisés, a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo”.


Mas, o que é a Graça?


A Graça é a presença de Deus em nós para nos tornar mais perfeitos e se manifesta em forma de amor paterno e de amizade.


É a Graça que nos motiva a lutar contra a nossa natureza inferior, a equilibrar nossas emoções. É a consolação que nos torna mais humildes, corajosos e nos ajuda a renunciar a nós mesmos.


A Graça é:

·      Gratuita, porque sem mérito nenhum da nossa parte;

·      Fruto do amor que Deus tem por suas criaturas;

·      Prova de nossa liberdade de opção pelo bem ou contra o bem;

·      O grande mistério de amor que eleva a criatura imperfeita a uma comunhão com o criador perfeitíssimo.


Através da Graça encontramos forças e razão para nos contrapor:

·      aos revezes da vida;

·      à tendência em fazermos o mal;

·      ao desânimo e falta de esperança;

·      às circunstâncias externas que nos empurram a fazer o que não queremos.


É através da Graça que encontramos entusiasmo para seguir sempre para cima e à frente. É ela que nos anima a persistir, afinal, como diz Max Heindel: “o único fracasso é deixar de lutar”.


Assim: “todo aquele que, com o coração singelo dirige a sua intenção a Deus e se desprende de todo amor ou aversão desordenada a qualquer coisa criada, está bem disposto para receber a graça e digno de alcançar a devoção”.
“E quanto mais perfeitamente alguém renuncia às coisas exteriores e morre a si mesmo, tanto mais depressa lhe advém a graça, mais copiosamente se lhe infunde e mais alto lhe ergue o coração livre”.


Como lemos em Isaías (60,5): “Então verá, terá alegria abundante e estará maravilhoso; o coração se dilatará, porque a mão do Senhor está com ele”.


Junto à Graça, Cristo trouxe a doutrina do Perdão dos Pecados. Através disso é que temos força necessária para lutar, apesar dos repetidos fracassos para conseguir a subjugação da natureza inferior. A obtenção do Perdão dos nossos Pecados é feita através do arrependimento e da reforma íntima. Quando compreendemos o erro de certos hábitos e nos determinamos a eliminá-los ou a desfazer o mal feito, geramos aspirações para o bem que, em seu devido tempo, se traduzirão em retidão. O exercício de Retrospecção é o melhor meio de praticar essa doutrina (Veja mais detalhes na Conferencia XI do Livro Cristianismo Rosacruz – Max Heindel).


Graça e Perdão dos Pecados nos ajudam nesse retorno à casa do Pai. Através deles, podemos errar, corrigir e tentar novamente fazer o bem pelo simples fato de fazê-lo. Aos poucos, criamos o hábito de fazer o bem, e não mais faremos o mal, simplesmente porque não queremos, não sentimos vontade.


Pratiquemos o Perdão dos Pecados e estejamos dispostos a ter a Graça de Deus. Com isso fica muito mais fácil seguir o caminho para cima e para frente, unidos por Cristo, em direção a Deus.

                                                                                 
                                                                                   QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ